Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

A Saúde: conceito vulgar e questão filosófica

No description
by

João Marcos Q

on 15 December 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of A Saúde: conceito vulgar e questão filosófica

A Saúde: conceito vulgar e questão filosófica
Image by goodtextures: http://fav.me/d2he3r8
A ilusão de ótica de linhas paralelas, feitas para parecerem tortas, pode enganar nossos sentidos. Descartes julga que não devemos aceitar nada como verdadeiro ou dado mas, em vez disso, devemos nos depojar das ideias preconcebidas a fim de poder chegar a uma posição de conhecimento.
René Descartes
(1596-1650)

“Assim, por não concebermos que o corpo pense de alguma forma, temos razão de crer que toda espécie de pensamento em nós existente pertence à alma.”


O problema : mente-corpo, o dualismo de substâncias. Onde a mente é tida como algo não-físico e, conseqüentemente, como completamente distinta e independente de qualquer coisa física à qual ela possa estar “conectada” – sendo essa possível conexão geralmente vista como algo de caráter temporário.
Maurice Merleau-Ponty
(1908-1961)

- Merleau-Ponty
"O homem está no mundo, e é no mundo que ele se conhece."

"Tenho consciência do mundo por meio do meu corpo."
A ressonância magnética rastreia o cérebro e traz informações que salvam vidas. Mas, para Merleau-Ponty, nenhuma informação física pode nos dar uma descrição completa da experiência.
Georges Canguilhem
(1904-1995)

Michel Henry
(1922-2002)

Naturismo
O Naturismo dos “tempos modernos” pregava que a nudez ao ar livre com alimentação natural (sem produto animal, drogas, cigarros e bebidas) e contato com outras pessoas e com a natureza ajudava na cura de todos os males físicos.

Essa filosofia, nos dias de hoje, prega um relacionamento saudável no ecossistema a que pertencemos; defendem os processos naturais sempre que for possível substituir aos industriais.
Corpo X Alma:
o corpo dividido
A alma é distinta do corpo
Corpo: extensão, forma e movimento
Alma: pensamento, percepções e vontade

- Canguilhem
“Mas o que nos ensina a conceber a união da alma com o corpo é o curso ordinário da vida e da conversa, e não meditar ou estudar coisas que exercitam a imaginação.”
Princípio Naturista:
“...um modo de vida em harmonia com a natureza, caracterizado pela prática do nudismo em grupo, que tem por intenção favorecer o auto-respeito, o respeito pelo outro e o cuidado com o ambiente.”
- Ivan Illich
“Quando os cuidados médicos e a cura tornam-se monopólios de organizações ou de máquinas, a terapêutica transforma-se inevitavelmente em ritual macabro.”
- Canguilhem
“Essa defesa e ilustração da saúde selvagem privada, por desconsideração da saude cientificamente condicionada, tomou todas as formas possíveis, inclusive as mais ridículas.”
- Canguilhem
“Nossa tentativa de elucidação de um conceito não correria o risco de ser considerada uma elucubração?”
- Canguilhem
“Não é necessariamente para conhecer melhor as doenças mentais que um professor de filosofia pode se interessar pela medicina.Não é, também, necessariamente para praticar uma disciplina científica.Esperávamos da medicina justamente uma introdução a problemas humanos concretos.”
- Merleau-Ponty
“A filosofia é o conjunto de questões no qual aquele que questiona é, ele próprio, posto em causa pela questão.”
- Merleau-Ponty
“Reconhecemos no corpo uma unidade distinta daquela do objeto científico. ... Procurando descrever o fenômeno da fala e o ato expresso de significação, poderemos ultrapassar definitivamente a dicotomia clássica entre o sujeito e o objeto.”
-Merleau-Ponty
“Assim como está necessariamente "aqui", o corpo existe necessariamente "agora"; ele nunca pode tornar-se "passado", e se no estado de saúde não podemos conservar a recordação viva da doença, ou na idade adulta a recordação de nosso corpo quando éramos crianças, essas "lacunas da memória" apenas exprimem a estrutura temporal de nosso corpo.”
-Mantovani
“A negação da generalidade abstrata do conceito significa conceder e reconhecer o valor da experiência própria de cada um e privilegiar uma singularidade subjetiva. Na medida em que o conceito padroniza, ele desconsidera e perde a história pessoal e adquirida própria de cada singularidade…”
Michel Henry
Fenomenologia da vida
Manifestação de fenômeno: interioridade e exteriodade
Philosophie et phénoménologie du corps (1965)
Maine de Biran
- Descartes
“Já que, de um lado, tenho uma idéia clara e distinta de mim mesmo, na medida em que sou apenas uma coisa pensante e inextensa, e que, de outro, tenho uma idéia distinta do corpo, na medida em que é apenas uma coisa extensa (res extensa) e que não pensa, é certo que este eu, isto é, minha alma, pela qual eu sou o que sou, é inteira e verdadeiramente distinta de meu corpo e que ela pode ser e existir sem ele.”
Descartes e a filosofia do dualismo
Descartes afirma, como evidenciado na separação radical entre res cogitans e res extensa nas três primeiras meditações, que nós consistimos em uma “mente” ou “alma” incorpórea que se encontra de alguma forma unida com um corpo que faz parte do mundo físico – o “eu”, a porção não-física desse conjunto.

Descartes utiliza os termos “mente” ou “ alma” para referir-se ao eu pensante ou consciente, afirmando na Segunda Meditação: “Nada sou, pois, falando precisamente, senão uma coisa que pensa (res cogitans), isto é, um espírito, um entendimento ou uma razão.”
Res Cogitans e Res Extensa
Canguilhem e Merleau-Ponty
1942 (1938)
1943
Full transcript