Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Trabalho no Brasil Colônia: Escravização Africana

Discussão sobre as formas de trabalho presentes no território brasileiro, partindo da relação entre trabalho escravo no Brasil Colônia e na Antiguidade Ocidental e as implicações do sistema escravista nas formas de trabalho atuais.
by

Profa Beatriz História

on 17 April 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Trabalho no Brasil Colônia: Escravização Africana

“Palmatória”
“Castigo Corporal”
“Escravo punido”
Museu Afro-Brasil (SP)
http://mais.uol.com.br/view/kk7n9pe7hi37/museu-afro-brasil-0402993866C8C96326?types=A
Trabalho Escravo no Brasil Atual?
Trabalho escravo no Brasil Colonial
Caçadores de bugres retornando com escravos presos nas matas de Curitiba.
Escravos do campo
Escravos na moenda de açúcar. Gravura de Jean Baptiste Debret, 1835.
“Os escravos são as mãos e os pés do senhor de engenho, porque sem eles no Brasil não é possível fazer, conservar e aumentar fazenda.” (Do jesuíta italiano André João Antonil, Cultura e opulência do Brasil, 1711.)
Castigos corporais
Execução da Pena do Fugitivo e Escravos ao Tronco: Debret
Trabalho no Brasil Colônia:
Escravização Africana O que é trabalho escravo?
Trabalho escravo na Antiguidade
Trabalho escravo no Brasil Colonial
Trabalho “escravo” no Brasil Atual


Trabalho escravo
“Apesar de toda a dificuldade em definir escravidão, sabemos que ela é uma relação de trabalho baseada em poderes desiguais: enquanto o patrão (ou senhor) detém o poder pleno, o escravo não tem nenhum poder de escolha sobre sua própria vida nem sobre o próprio corpo. Nesse sentido, ele deve obediência, podendo ser submetido, inclusive a castigos físicos quando o seu senhor não se sente satisfeito.” (Coleção Viver, Aprender - por uma vida melhor. São Paulo: Editora Global: Ação Educativa, 2009. Volume 6)
Trabalho escravo na Antiguidade
Mercado de Escravos
Mercado de escravos. Rua do Valongo, Rio de Janeiro. J.B. Debret
O escravo doméstico
O escravo e os seus senhores – Jean Baptiste Debret
Sobre os castigos corporais
“É lamentável, em todo caso, a sorte desses negros. Eles sabem que são espoliados e isso deve tornar-lhes ainda mais amargos os espancamentos e outros maus tratos que sofrem. Também é preciso ter em mente que muitos negros deixam de trabalhar bem se não foram convenientemente espancados. E se desprezássemos a primeira iniqüidade a que os sujeitam, isto é, sua introdução e submissão forçada, teríamos de considerar em grande parte merecidos os castigos que lhes impõem os seus senhores.”
(Do colono suíço Thomas Davatz, sobre o castigo sofrido pelos escravos no século XIX. DAVATZ, Thomas. Memórias de um Colono no Brasil. 2ª Ed. São Paulo: Livraria Martins Ed., 1951. pp. 62-63)
Diversidade étnica
Resistência negra
“Insubmissão às regras do trabalho nas roças ou plantações onde trabalhavam – revoltas, fugas, abandono das fazendas pelos escravos, assassinatos de senhores e de suas famílias, abortos, quilombos, organizações religiosas, entre outras foram algumas estratégias utilizadas pelos negros na sua luta contra a escravidão.”
Castigos Corporais
"Antigamente, os escravos tinham um senhor, os de hoje trocam de dono e nunca sabem o que esperar do dia seguinte." Fernando Henrique Cardoso
Trabalho Livre no Brasil Atual Trabalho Livre (MUNANGA, Kabenguele; GOMES, Nilma Lino. Para entender o negro no Brasil de hoje: história, realidades, problemas e caminhos. São Paulo: Global / Ação Educativa, 2006. p.59-60)
Por volta de 5 milhões de pessoas! NÚMERO DE ESCRAVOS NO BRASIL
ESTADOS QUE MAIS RECEBERAM
ESCRAVOS NO BRASIL
Full transcript