Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Materialismo Dialético

No description
by

Marcus Vinicius

on 5 September 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Materialismo Dialético

Materialismo Dialético
Determinismo e Libertarismo
Materialismo
Criticavam ainda a unilateralidade da concepção hegeliana do trabalho, pois Hegel dava importância em demasia ao trabalho intelectual e não considerava a significação do trabalho físico, material. Marx e Engels atribuíram à dialética proposta por Hegel uma interpretação materialista, invertendo sua análise de caráter idealista. Não seria mais o “Espírito Absoluto” a idéia que determinaria a realidade, mas a realidade é que determinaria nossas ideias e concepções; a consciência seria determinada pela forma como o nosso ser exprime a sua vida produtiva, naquilo que ele produz e como produz. Sendo assim, o trabalho e a práxis teriam um papel fundamental na formação da consciência social.

Foi com Karl Marx e Friederich Engels que a concepção dialética pôde superar a abordagem idealista do início do século XIX. Marx e Engels concordavam com a observação de Hegel de que o trabalho era a mola que impulsionava o desenvolvimento e de que o pensamento e o universo estão em perpétua mudança, mas discordavam de que as mudanças no campo das idéias seriam determinantes para a definição da realidade. Ao contrário, para eles, são as mudanças ocorridas no nível da realidade material que determinam as mudanças em nossas ideias.

Nos últimos anos de vida de Marx, enquanto ele se esforçava para tentar acabar de escrever O Capital, Engels redigiu diversas anotações sobre questões relativas à dialética materialista ou ao materialismo dialético. A grande preocupação de Engels era defender o caráter materialista da dialética e, em seus estudos, ele chegou à conclusão de que as leis gerais da dialética (comuns tanto à história humana como à natureza) podiam ser reduzidas, no essencial, a três bases:

A primeira lei da dialética começa por constatar que “nada fica onde está, nada permanece o que é”. Quem diz dialética diz movimento, mudança. Por conseguinte, colocar-se do ponto de vista da dialética significa colocar-se no ponto de vista do movimento, da mudança. Quando quisermos estudar as coisas segundo a dialética, iremos estudá-las nos seus movimentos, na sua mudança
Karl Marx
Karl Marx foi um filósofo, cientista, político, e socialista revolucionário muito influente em sua época, até os dias atuais. É muito conhecido por seus estudos sobre as causas sociais. Teve enorme importância para a política européia, ao escrever o Manifesto Comunista, juntamente com Friedrich Engels, que deu origem ao “Marxismo”.


Influência
A influência de suas idéias atingiram todo o mundo, como na vitória dos Bolcheviques na Rússia. Enquanto suas teorias começaram a declinar quanto à popularidade, especialmente após o colapso do regime Soviético, elas continuam sendo muito utilizadas hoje, em movimentos trabalhistas, práticas políticas e movimentos políticos.

O materialismo é a concepção filosófica que trata o ser, a realidade material, como o elemento que determina o nosso pensamento, as nossas ideias e a nossa vida. Para o materialista, as respostas para os fenômenos físicos e sociais estão contidas nesses mesmos fenômenos. As ideias e concepções que a nossa mente projeta sobre o mundo estão determinadas pela existência não do pensamento, mas pela existência material dos objetos à nossa volta, e estes incidem sobre nós quando nos relacionamos com eles.
Materialismo
Exemplo
Por exemplo, para um idealista, a origem do homem está contida na ideia da criação divina; já para um materialista está contida na teoria do evolucionismo de Charles Darwin, ou seja, da evolução das espécies vivas que se deu ao longo de séculos de coexistência entre estes seres vivos e o meio em que viveram.

Materialismo Dialético
1ª Lei - A Mudança Dialética
Dialético
Para situar bem esta maneira de ver as coisas, vamos tomar dois exemplos: a terra e a sociedade. Colocando-nos do ponto de vista metafísico, descreveremos a forma da terra em todos os seus detalhes. Constataremos que, na sua superfície, há mares, terras, montanhas. Estudaremos a natureza do solo. Depois poderemos comparar a terra aos outros planetas e à lua e concluiremos, enfim: a terra é a terra. Mas, ao estudarmos a terra do ponto de vista dialético, veremos que ela não foi sempre o que é, sofreu transformações e sofrerá no futuro outras mais. Devemos considerar que o estado atual da terra é uma transição entre as mudanças passadas e as futuras.
Exemplo
Quanto ao exemplo da sociedade, do ponto de vista metafísico, dir-se-á que sempre houve ricos e pobres e será feita uma descrição detalhada da sociedade capitalista, comparando-a com as sociedades feudal e escravista, buscando ver as semelhanças e as diferenças. A conclusão será: a sociedade capitalista é o que é. Do ponto de vista dialético, aprenderemos que a sociedade capitalista não foi sempre o que é. Se constatarmos que, no passado, outras sociedades existiram durante um certo tempo, será para deduzir que a capitalista, como todas as outras, não é definitiva, não tem base intangível, mas, pelo contrário, é para nós uma realidade sempre provisória, uma transição entre o passado e o futuro. Portanto, colocar-se do ponto de vista dialético é considerar que nada é eterno, salvo a mudança.
Exemplo social
2ª Lei - Ação Recíproca
Ao contrário da metafísica, a dialética não considera as coisas na qualidade de objetos fixos, acabados, mas enquanto movimentos. Para ela, tudo está em condições de se transformar, de se desenvolver. Nestas transformações, o papel dos homens é o de acelerar as transformações, dar a elas um sentido, uma direção.

Elas têm um começo, uma maturidade, uma velhice e terminam em um fim, que, por sua vez, gerará um novo começo. Por exemplo, observando as células do corpo humano, veremos que estas se renovam continuamente, desaparecendo e reaparecendo no corpo. Vivem e morrem continuamente no ser vivo, onde existe, portanto, vida e morte. Assim, as coisas não só se transformam umas nas outras, mas, ainda, uma coisa não é somente ela própria, mas outra que é sua contrária. Toda coisa é ao mesmo tempo ela própria e seu contrário. Em todas as coisas lutam duas forças contrárias, forças internas que movem-se, ora no sentido da afirmação, ora no sentido da negação. Esse movimento gera contradições e destas contradições advêm as mudanças.
3ª Lei - Contradição
OBS: A dialética ensina que todas as coisas não são eternas.

A dialética entre liberdade e determinismo
O homem é determinado e livre ao mesmo tempo. Determinismo e liberdade não se excluem, mas se completam . Nessa perspectiva não faz sentido pensar em uma liberdade absoluta nem em uma negação absoluta da liberdade. A liberdade é sempre uma liberdade concreta, situada no interior de um conjunto de condições objetivas de vida. Embora a nossa liberdade seja restringida por fatores objetivos que cercam a nossa existência concreta, podemos sempre atuar no sentido de alargar as possibilidades dessa liberdade, e isso será tanto mais eficiente quanto maior for a nossa consciência a respeito desses fatores. Essa concepção é encontrada nos pensamento de Espinosa, Hegel e Marx. Embora haja muitas diferenças entre eles, o ponto em comum é a ideia eu a liberdade é a compreensão da necessidade.

Conclusão
Portanto, o Materialismo Dialético parte da concepção materialista da realidade, para, através do método de análise da dialética, abordar de maneira mais correta e abrangente os mais variados fenômenos e ainda descobrir as leis objetivas mais gerais que regem a sua evolução. Para os comunistas, o materialismo dialético é a base filosófica de análise e compreensão do mundo e da realidade à nossa volta.
Muito obrigado ! :D
Full transcript