Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

ECONOMIA

ECONOMIA
by

BIA TUCCI

on 14 May 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of ECONOMIA

CURSO DE ECONOMIA
Fábio Nusdeo CAPÍTULO 7: As Falhas do Mercado 7.1 Considerações introdutórias a) O que é uma falha de mercado?

b) Por que estudar as falhas de mercado?

c) As falhas ficaram explicitas com os empasses relacionados à tentativa de reger o mercado por meio da estrutura institucional baseada no tripé: Constituição, Códigos de Direito Privado e Poder de Polícia.

d) O tripé antes citado é incapaz de lidar com a vida econômica real devido a sua complexidade.
e) Para Weber, a lei era formalista, não interessava a ela os contextos sociais ou a afetividade de seus resultados sob sua vigência.


f) Como resultado da tentativa de aplicação de um figurino liberalista no período de 150 anos (desde o início mais primordial da revolução francesa, em 1779, até a famosa crise de 1929) temos um quadro político e social conturbado.


g) Contudo o liberalismo trouxe notáveis avanços científicos e tecnológicos.


h) As cincos principais falhas devem-se à ausência de sua consideração logo no início da formação do sistema liberal. 7.2 Rigidez de fatores: falha de mobilidade Primeira grande falha - Conceitos iniciais:

a) Automatismo é a capacidade autocorreção do mercado, o próprio mercado é responsável pelo equilíbrio entre produtores e consumidores.

b) Autômatos são os empresários-produtores, eles têm liberdade de produzir aquilo que melhor satisfaça as necessidades dos consumidores, desde que lhe traga uma recompensa econômica.

c) Como consumidores-rei: os cidadãos têm liberdade para adquirir os bens e serviços que mais lhe ajudam. - Fator da rigidez de mercado:

a) Física
b) Operacional
c) Institucional
d) Psicológica

- Sobre a variação dos preços:

a) Se há produção maior que as necessidades dos consumidores deverá haver baixa de preço.

b) Se há produção menor que as necessidades dos consumidores deverá haver alta de preços. 7.3 Acesso às informações relevantes: falha de transparência 7.4 A concentração econômica: falha de estrutura 7.5 Externalidades: falha de sinalização 7.6 Bens coletivos: falha de incentivo 7.7 Consequência das falhas do mercado FIM Constatação: o modelo imaginado pelo clássicos não corresponde à realidade pois a concorrência perfeita exige:


-Ampla mobilidade de fatores;
-Pleno acesso às informações;
-Ausência de economia de escala e de Externalidades; Neoliberalismo Capitalismo regulamentar Mercado controlado -Motivação negativa e motivação positiva -Participação política Intervenção do Estado na economia como suporte, incentivo, suprimento das deficiências e busca de harmônia. - Bens coletivos: são aqueles aptos ao atendimento simultâneo das necessidades de um grupo ou coletividade para os quais não vigora o princípio da exclusão no ato de seu uso ou consumo. Ex: Defesa nacional.


- Bens exclusivos: o fato de alguém deles se utilizar exclui, dessa mesma utilização outros consumidores.

Comunidade vota nos artigos que deseja ver produzidos, manifestando as suas preferências por aqueles bens cujos preços de dispõe a pagar.

Não o fariam no caso de uma ponte, ensino público, já que, sua participação seria insignificante.

Free riders – beneficiários gratuitos da obra ou do serviço PRINCÍPIO DA SOBERANIA DO CONSUMIDOR Conseqüência:

Economia fundada apenas no mercado – discriminação dos bens coletivos – exagero na produção de bens coletivos. Ex: muitos carros – transporte coletivo deficiente





Fenômeno da causação: quanto pior o transporte coletivo, maior a procura por carros particulares. Externalidade positiva:

- Demais agentes se beneficiam. Ex: praças, parques, investimentos em infra-estrutura.

-Muitos bens ou serviços, embora sejam exclusivos geram um montante de externalidades positivas a ponto de serem vistos como bens coletivos.

- Ex: vacina- bem exclusivo- protege quem foi com ela inoculado, a medida que a população a recebe aumentam as probabilidades de todo o conjunto de habitantes ver-se livre de uma epidemia Os Bens Coletivos e o Direito:

Direito Tributário: faz normas e regras para obter os recursos necessários;

Direito Financeiro: fixa critérios e diretrizes para movimentar recursos estatais

Direito Administrativo: atua na área de concessões e parcerias. Atomismo e o mercado ideal

•Empresas que estabelecem os preços em relação à oferta Empresas que estabelecem o preço através da demanda

• Monopólio e oligopólio do comércio

•Monopólio natural Pressupostos do sistema descentralizado

-Acesso de todos os operadores de um mercado às informações sobre ele.

-Informações dos produtos nele negociados.

-Identificação do produto e de suas qualidades ou atributos. PREÇO Escassez Abundância condições presentes e potencialidades Exemplo: Café
Safra e entre safra previsto Sazonalidade imprevista -Qual é a diferença entre micro e macroeconomia?

-Por que a Crise de 29 é importante para o Direito Ecônomico?

-Teoria de Keynes

-A mobilidade e o direito Poder da mídia Avanços tecnológicos omitir, ocultar um fato propositalmente desinformação tende a ser rara São muitas a informações passíveis de serem camufladas ao mercado, inclusive nesta época de grande expansão dos meios de comunicação ou até por causa deles mesmos. Normas Legais: obrigam determinados agentes ecônomicos a prestarem às partes interessadas as informações necessárias para tomada de decisão CÓDIGO DO CONSUMIDOR -Moderna tecnologia
-Consumidor confuso Proíbe: propaganda enganosa e abusiva Cigarro e bebidas alcoólicas: contra propaganda São Paulo só investe 44% previsto em metrô Principais falhas do sistema:

Concentração econômica e
externalidades.

Externalidades: positivas e negativas

O que é? Omissão de custos e benefícios

Responsáveis: unidades econômicas privadas

2 tipos: Negativas e positivas. •Interesses difusos Interesses individuais


 Comparação com motoristas que não pagam pedágio.


 Copa do Mundo e Guerras Fiscais como exemplos de externalidades positivas---tendência à internalização  Relação com o capítulo: crítica específica ao mercado liberal---ausência de controle estatal gera custos invisíveis ao mercado, o que provoca alterações monetárias (“doenças” monetárias)



 Relação com o Direito: Códigos do Consumidor, ambiental (custos ao uso de recursos naturais) e CADE.  Causas das externalidades: relação entre a propriedade e a escassez/ausência do exercício mercantil da propriedade DEVER DE INFORMAR

-Não usar informações privilegiadas

-Fazer funcionar
o mercado Economia popular Direito Difuso
Full transcript