Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Módulo 10 - A Cultura do Espaço Virtual

Arte Cinética e Optical Art
by

João Lopes

on 24 May 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Módulo 10 - A Cultura do Espaço Virtual

Milena Flament O termo Op Art (abreviação inglesa para "Arte Óptica") foi usado pela primeira vez na revista Times no ano de 1965 e designa uma derivação do expressionismo abstrato. Optical Art Op art é um termo usado para descrever a arte que explora a falibilidade do olho e pelo uso de ilusões óticas. Até 1960 , Morellet estabelece vários sistemas de formas de arranjo que usa (superposição, fragmentação, justaposição, a interferência ...), incluindo a criação do primeiro "frame", uma rede de linhas pretas paralelas sobrepostas numa ordem específica . A Op Art brinca com nossas perceções óticas. As cores são usadas para a criação de efeitos visuais como sobreposição, movimento e interação entre o fundo e o foco principal. Os tons vibrantes, círculos concêntricos e formas que parecem pulsar são as características mais marcantes deste estilo artístico. + Informações Optical Arte - François Morellet Proponent of the
"Flipped" Classroom François Morellet Charles Rennie Mackintosh nasceu a 07 de junho de 1868 em Glasgoe e socombiu a 10 Dezembro 1928 em Londres. Foi um arquiteto escocês, desenhista, colorista e artista; era um designer no movimento Arts and Crafts e também o principal representante da Art Nouveau no Reino Unido. Charles teve uma influência considerável sobre design europeu. Carreira Trabalho Trabalho João Lopes, nº5 - 12ºH História e Cultura das Artes Biografia François Morellet (nasceu em 1926, em Cholet , Maine-et-Loire ) é um contemporâneo francês pintor, gravador, escultor e artista de luz . Os seus primeiros trabalhos prefigurava minimal art e arte conceitual , desempenhou um papel importante na abstração geométrica ao longo do último meio século. Depois de um curto período de figurativo / representacional trabalho, Morellet virou-se para a captação em 1950, adotou uma linguagem pictórica de formas geométricas simples: linhas, quadrados e triângulos reunidos em composições bidimensionais. François Morellet Desde 1960, Morellet já trabalhava em diversos materiais (tecido, fita, neon, paredes ...) e investigou o uso do espaço expositivo em termos semelhantes aos artistas da arte de instalação e arte ambiental . Mackintosh viveu a maior parte da sua vida na cidade de Glasgow. Nas margens do Rio Clyde, durante a Revolução Industrial, a cidade teve um dos maiores centros de produção de engenharia pesada e construção naval do mundo. Como a cidade cresceu e prosperou, uma resposta mais rápida à elevada procura de bens de consumo e artes. O design japonês tornou-se mais acessível e ganhou uma grande popularidade. Na verdade, tornou-se tão popular e tão incessantemente apropriada e reproduzida por artistas ocidentais, que o fascínio do mundo ocidental e preocupação com a arte japonesa cunhou o novo termo, Japonism ou Japonisme . Este estilo foi admirado por Mackintosh devido a sua contenção e economia de meios; formas simples e materiais naturais, em vez de elaboração e artifícios, a utilização de textura, luz e sombra, em vez de padrão e ornamento. No mobiliário de estilo do velho oeste era visto como ornamento que exibia a riqueza de seu proprietário e o valor da obra foi estabelecido de acordo com a duração do tempo gasto na sua elaboração. De 20 de junho 16 de setembro de 2007, propôs à Arte Moderna da Cidade de Paris Museum uma exposição "Blow-up 1952-2007" do projeto, levantando a questão da expansão e recuperação de obras anteriores . Os trabalhos de op art são em geral abstratos, e muitas das peças mais conhecidas usam apenas o preto e o branco. Quando são observadas, dão a impressão de movimento, clarões ou vibração, ou por vezes parecem inchar ou deformar-se. Características principais A dinâmica da pintura na Op Art é alcançada com a oposição de estruturas idênticas que interagem umas com as outras, produzindo o efeito ótico. Técnica Em 1963 , Morellet começou a criar obras com tubos de néon, como o artista norte-americano Dan Flavin . Ganhou uma reputação internacional, especialmente na Alemanha e na França, o seu trabalho foi encomendado por coleções públicas e privadas. Reflections in water deformed by the spectator, 1964 Para Morellet, a arte referia-se apenas a si próprio. Morellet pretende controlar o processo de criação e desbancar a mitologia romântica da arte e do artista, cada escolha era justificada por um princípio previamente estabelecido. François Morellet é representado pela Galerie Kamel Mennour em Paris . A expressão "op-art" vem do inglês (optical art) e significa “arte ótica”. Defendia para arte "menos expressão e mais visualização". Apesar do rigor com que é construída, simboliza um mundo mutável e instável, que não se mantém do mesmo. Características conceituais A vida rápida das cidades contribuiu para a perceção do movimento como elemento constituinte da cultura visual do artista. Outro fator fundamental para a criação da Op Art foi a evolução da ciência, que está presente em praticamente todos os trabalhos, baseando-se principalmente nos estudos psicológicos sobre a vida moderna e da física sobre a ótica. Técnica Diferentes níveis de iluminação também são utilizados constantemente, criando a ilusão de perspetiva.
Full transcript