Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Copy of O Auto da Barca do Inferno

Trabalho sobre a obra de Gil Vicente, o Auto da Barca do Inferno.
by

Thalita Menegali Camargo

on 19 March 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Copy of O Auto da Barca do Inferno

O Auto da Barca do Inferno é uma alegoria dramática escrita por Gil Vicente, no século 15. Esta obra é constituida por vários momentos:
-ironia
-sarcasmo
-humor Exemplos de situações em que a ironia está presente no Auto da Barca do Inferno «Embarqu’a vossa doçura, que cá nos entenderemos» - Dia. para Fid.

«Ora mui muito me espanto nom vos livrar o dinheiro» - Dia. para Onz.

«Dê…lição d’esgrima, que é cousa boa!» - Dia. para Fra. A ironia é um instrumento de literatura que consiste em dizer o contrário daquilo que se pensa de forma intencional.
Na Literatura, a ironia é a arte de "brincar" com alguém, com o objetivo de obter uma reacção do leitor, ouvinte ou interlocutor. O sarcasmo está intimamente ligado à ironia com um intuito mordaz quase cruel que muitas vezes fere a sensibilidade da pessoa que o recebe. Exemplos de situações em que o sarcasmo está presente no Auto da Barca do Inferno Presente nas falas do Diabo em que humilha as personagens quando elas já estão completamente desesperadas, por exemplo, quando o Diabo diz ao Fidalgo que ninguém chora por ele, pelo contrário, a sua mulher e a amante até estão bastante felizes sem ele. O humor é uma forma de
entretenimento e de comunicação humana, e é algo que faz alguém rir. No humor inserem-se os vários tipos de cómico que são: -Cómico de situação

-Cómico de Linguagem

-Cómico de carácter Exemplos de situações em que o cómico de situação está presente no Auto da Barca do Inferno Exemplos de situações em que o cómico de linguagem está presente no Auto da Barca do Inferno Exemplos de situações em que o cómico de carácter está presente no Auto da Barca do Inferno O cómico de situação é o tipo de cómico criado por situações inesperadas e hilariantes. Este tipo de cómico resulta do uso de palavras e expressões que provocam o riso, da presença de jogos de palavras e de figuras de estilo, do recurso a diferentes registos de língua e a fórmulas tradicionais Este tipo de cómico recorre da maneira de ser, de agir e de se apresentar de uma personagem -A entrada do frade a dançar com a moça pela mão

-A lição de esgrima do frade Este tipo de cómico está presente em quase todas as cenas, mas as mais importantes serão:
-as falas do Parvo
-e a conversa entre o Diabo, o Corregedor e o Procurador em Latim Macarrónico -o Parvo devido ao seu comportamento e aos seus diálogos incoerentes.

-o Frade, esgrimista, dançarino e namorado, é também um bom exemplo pela inadequação do seu comportamento Neste livro o autor critica muitas classes sociais criando personagens tipo, ele fará alvos da sua crítica os poderosos, os materialistas e os corruptos.

Estas são algumas das criticas, boas ou más, que são mais importantes: A sátira vicentina abrange três classes sociais: Clero, Nobreza e Povo. As personagens criadas por Gil Vicente constituem tipos sociais, ou seja são personagens tipo. O Frade é uma personagem tipo que representa o clero. O frade canta e dança, dá lições de esgrima e acredita na sua salvação. A Igreja como Instituição nunca foi atacada por Gil Vicente mas as circunstâncias eram: a vida corrupta que alguns frades levavam, a sedução pelo dinheiro e o facto de pensarem que a condição de frade os salvaria e os levaria automaticamente para o Céu. O Fidalgo é uma personagem tipo que representa a nobreza. A Nobreza é apresentada como sendo decadente e ignorante. Os Fidalgos, embora «bem falantes», como é o caso de Anrique eram pobres de espírito, orgulhosos e autoritários. Gil Vicente criticava esta classe de propositadamente porque o revoltava o facto dos Nobres tratarem os mais humildes de modo autoritário e como tiranos.
São também criticados pela sua grande quantidade de privilégios e pajens. O Onzeneiro é uma personagem tipo que representa as pessoas que vivem de emprestar dinheiro e cobrar juros mais altos. É acusado de ser materialista, corrupto e ganancioso. O Parvo é uma personagem tipo que representa as figuras tradicionais do teatro satírico da Idade Média Não é acusado de nada mau, o parvo é uma personagem desprovida de juízo e não pode ser responsabilizado pelas suas ações. O Sapateiro é uma personagem tipo que representa os que enganam o povo com a sua profissão O sapateiro é acusado de enganar o povo ao fazer moldes de sapatos tortos obrigando as pessoas a comprarem mais sapatos e a gastarem o seu dinheiro, dando-o ao sapateiro, ou seja, é materialista e ganancioso. A Alcouveteira é uma personagem tipo que representa as Alcouviteiras. É acusada de oferecer serviços de prostitutas, está muito confiante que vai para o céu por ofereçer meninas aos frades. O Corregedor e o Procurador são personagens tipo que representam os magistrados e os juízes São acusados de serem subornáveis e corruptos. Os 4 Cavaleiros são personagens tipo que representam os soldados que lutam por Deus Estes soldados são louvados por Gil Vicente por terem morrido pelo Cristianismo Caracterização do Enforcado e dos 4 Cavaleiros Enforcado 4 Cavaleiros Os 4 cavaleiros físicamente, aparecem no purgatório vestidos para a guerra. Os símbolos cénicos que caraterizam os 4 cavaleiros sao a espada o broquel e o escudo - simbolizam a defesa. Psicologicamente os 4 cavaleiros são decididos, seguros, e confiantes.
Esta é uma cena em que não existem críticas da parte de Gil Vicente e os 4 cavaleiros não possuem argumentos de acusação nem de defesa.
Apresentam um registo de língua cuidado e corrente O símbolo cénico que carateriza o enforcado é uma corda. Ele foi acusado de ter sido ladrão e por isso foi condenado à morte, mas defende-se dizendo que quem morre como ele é livre de Satanás.
O Enforcado é ingénuo, simples e facilmente influenciável. Neste livro o cómico é uma parte muito importante pois disfarça as críticas feitas pelo autor Voltaire "Ridendo Castigat Mores" (com o riso se castigam os costumes). Trabalho realizado por:

Cristiana Vieitas Nº6

Gonçalo Franco Nº9

Hugo Ramires Nº10

Para a disciplina de Língua Portuguesa Auto da Barca do Inferno
Full transcript