Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Mini-curso SEPEX - Bike Anjo: Introdução à Bicicleta

No description
by

Felipe Fischmann

on 24 October 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Mini-curso SEPEX - Bike Anjo: Introdução à Bicicleta

Consumption
Production
Distribution
Research
Design
Sales
The Product
Product
Cycle
Resources
Mini-curso: Introdução ao uso da Bicicleta
21/11/2012
ministrantes:
Fabricio Sousa
Felipe Fischmann
Larissa Dalpaz de Azevedo
Thais Suzana Schadech
Vinicius Leyser da Rosa

O que é o bike anjo?
Rede de ciclistas
experientes
voluntários
motivados
Facilitar a transição para a bicicleta como meio de transporte.
Para que?
Como?
Auxiliando ciclistas com menos ou nenhuma experiência a adquirirem confiança.
Onde?
SP
RJ
RS
SC
PR
AC
MG
MA
AL
RN
SE
PA
AM
PE
CE
BA
PB
PI
DF
MS
ES
Lisboa
Introdução pessoal
Nome
Bairro
Por que escolheu a bicicleta?
por que a bicicleta?
"Problemas"
e soluções

Não tenho tempo
É perigoso
Chego suado
Não estou em forma
A motivação
ESPORTE
LAZER
MEIO DE
TRANSPORTE
ESPORTE
LAZER
MEIO DE
TRANSPORTE
ESPORTE
LAZER
MEIO DE
TRANSPORTE
Estatísticas
A fração de percursos urbanos realizados em bicicleta subiu 50% entre 1972 e 1995 na Alemanha Ocidental.
Porcentagem de percursos em bicicleta (1990):
Holanda - 30%
Dinamarca - 20%
Suíça - 10%
Suécia - 10%
Áustria - 9%
Inglaterra -8%
França - 5%
Itália - 5%
Canadá - 1%
EUA - 1%
Copenhague:
36% das pessoas vão ao trabalho de bicicleta
2/3 do orçamento para transporte de 2009 dedicado a infraestrutura de bicicletas e transporte público

Amsterdã:
55% dos percursos de até 7,5 km ao trabalho são feitos de bicicleta
60% dos percursos no centro da cidade são feitos de bicicleta
Pessoas usam a bicicleta 0,87 vezes por dia (carro = 0,84)
EUA - em uma geração:
número de crianças que vão a pé ou de bicicleta à escola: -75%
índice de obesidade: +300%
percursos realizados em bicicleta: 1%
EUA (2009)
bicicletas vendidas: 2,55 mi
carros vendidos: 2,4 mi
ciclistas mortos: 630
33% em cruzamentos
24% com concentração de álcool no sangue maior ou igual a 0,8g/dL
ciclistas feridos: 51.000
ciclistas homens: 7x mais chances de morrer e 4x mais chances da se ferir em um acidente de bicicleta
ciclistas em salas de emergência (mais de 500.000 por ano):
70% não estavam envolvidos com veículos automotores
31% não se acidentaram em rodovias
total de mortos em rodovias: 34.000
total de mortos por doenças cardíacas: 600.000
total de mortes ligadas a obesidade: 112.000
Outras estatísticas:
Quando o número de ciclistas dobra, a taxa de acidentes cai 33% (e quando a taxa de acidentes cai, o número de ciclistas aumenta...)
Uma hora de bicicleta por dia diminui 4x mais o risco de ataque cardíaco que aumenta o risco de acidentes
Para cada ano de vida perdido em um acidente de bicicleta, 20 anos são ganhos por redução de estresse e melhoras na condição cardiovascular e mental
Relatórios da polícia de Toronto - tipos mais comuns de acidente:
1o - motorista sem cautela em intersecção
2o - motorista sem cautela em ultrapassagem
3o - motorista sem cautela ao abrir a porta
* Ciclistas responsáveis por menos de 10% dos acidentes
Quanto tempo demora para chegar à UFSC:
do Centro (IFSC): 30 min

do Campeche/Rio Tavares: 40 min
da Lagoa: 30-50 min
Qual é a velocidade média de um ciclista comum?

a)5 km/h
b)10 km/h
c)16 km/h
d)40 km/h
a escolha da bicicleta
Tipos de bicicleta
Mountain bike
Speed
Fixa
Barra circular
Híbrida
Reclinada
Componentes principais
Quadro
Freios
Pneus
Câmbio
Selim
Acessórios
Capacete
Buzina
Luzes / Refletores
ESSENCIAIS
ÚTEIS
Cadeado
Bagageiro
Alforge
Roupas específicas
Bike Fit - o tamanho certo
Custo x Benefício
Gastos com a bicicleta
atitude no trânsito
Legislação - Código de Trânsito Brasileiro
BICICLETA
- veículo de propulsão humana, dotado de duas rodas,não sendo, para efeito deste Código, similar à motocicleta, motoneta e ciclomotor.
Os órgãos de trânsito têm obrigação de se preocupar com os ciclistas:

Art. 21. Compete aos órgãos e entidades executivos rodoviários da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, no âmbito de sua circunscrição:
(…)
II – planejar, projetar, regulamentar e operar o trânsito de veículos de pedestres e de animais, e promover o desenvolvimento da circulação e segurança de ciclistas.

(o Art. 24 dispõe o mesmo sobre os órgãos e entidades executivos de trânsito dos Municípios)
Colar na traseira do ciclista ou apertá-lo contra a calçada é infração grave:

Art. 192. Deixar de guardar distância de segurança lateral e frontal entre o seu veículo e os demais, bem como em relação ao bordo da pista, considerando-se, no momento, a velocidade, as condições climáticas do local da circulação e do veículo:
Infração – grave;
Penalidade – multa.
A fina é considerada também uma ultrapassagem inadequada. Veja como o Código determina que deva ser feita uma ultrapassagem:

Art. 29. O trânsito de veículos nas vias terrestres abertas à circulação obedecerá às seguintes normas:
(…)
XI – todo condutor ao efetuar a ultrapassagem deverá:
a) indicar com antecedência a manobra pretendida, acionando a luz indicadora de direção do veículo ou por meio de gesto convencional de braço;
b) afastar-se do usuário ou usuários aos quais ultrapassa, de tal forma que deixe livre uma distância lateral de segurança;
c) retomar, após a efetivação da manobra, a faixa de trânsito de origem, acionando a luz indicadora de direção do veículo ou fazendo gesto convencional de braço, adotando os cuidados necessários para não pôr em perigo ou obstruir o trânsito dos veículos que ultrapassou.
Bicicleta pode ultrapassar carros e usar o corredor quando estiverem parados ou aguardando em fila (quando estiverem em movimento, aguarde atrás deles como veículo e não se arrisque):

Art. 211. Ultrapassar veículos em fila, parados em razão de sinal luminoso, cancela, bloqueio viário parcial ou qualquer outro obstáculo, com exceção dos veículos não motorizados:
Infração - grave;
Penalidade - multa.
Estacionar um carro na ciclovia ou ciclofaixa é infração grave, sujeita a multa e guincho:

Art. 181. Estacionar o veículo:
(…)
VIII – no passeio ou sobre faixa destinada a pedestre, sobre ciclovia ou ciclofaixa, bem como nas ilhas, refúgios, ao lado ou sobre canteiros centrais, divisores de pista de rolamento, marcas de canalização, gramados ou jardim público:
Infração – grave;
Penalidade – multa;
Medida administrativa – remoção do veículo;
Buzina, espelho e “sinalização” na frente, atrás, dos lados e nos pedais (que pode ser entendida por refletivos) são obrigatórios pelo Código, mas capacete não:

Art. 105. São equipamentos obrigatórios dos veículos, entre outros a serem estabelecidos pelo CONTRAN:
(…)
VI – para as bicicletas, a campainha, sinalização noturna dianteira, traseira, lateral e nos pedais, e espelho retrovisor do lado esquerdo.

Obs.:O Projeto de Lei 2956/2004 pretende cancelar a obrigatoriedade do uso de “campainha” e espelho retrovisor, mas está em tramitação desde 2004. Em 2008, foi encaminhado ao Senado.
Deixar de andar com a bicicleta em fila única pela rua é infração média:

Art. 247. Deixar de conduzir pelo bordo da pista de rolamento, em fila única, os veículos de tração ou propulsão humana e os de tração animal, sempre que não houver acostamento ou faixa a eles destinados:
Infração – média;
Penalidade – multa.

Pedestres têm prioridade sobre ciclistas; ciclistas têm prioridade sobre motos e carros:

Art. 29. O trânsito de veículos nas vias terrestres abertas à circulação obedecerá às seguintes normas:
(…)
§ 2º Respeitadas as normas de circulação e conduta estabelecidas neste artigo, em ordem decrescente, os veículos de maior porte serão sempre responsáveis pela segurança dos menores, os motorizados pelos não motorizados e, juntos, pela incolumidade dos pedestres.

Os carros não devem nos fechar:
Art. 38. Antes de entrar à direita ou à esquerda, em outra via ou em lotes lindeiros, o condutor deverá:
(…)
Parágrafo único. Durante a manobra de mudança de direção, o condutor deverá ceder passagem aos pedestres e ciclistas, aos veículos que transitem em sentido contrário pela pista da via da qual vai sair, respeitadas as normas de preferência de passagem.

Tirar fina é infração média:

Art. 201. Deixar de guardar a distância lateral de um metro e cinqüenta centímetros ao passar ou ultrapassar bicicleta:
Infração – média;
Penalidade – multa.

Se a fina for em alta velocidade, são duas multas (a média aí de cima mais essa grave aqui):

Art. 220. Deixar de reduzir a velocidade do veículo de forma compatível com a segurança do trânsito:
(…)
XIII – ao ultrapassar ciclista:
Infração – grave;
Penalidade – multa;

O carro deve dar preferência de passagem ao ciclista quando ele já estiver atravessando a via, mesmo que o sinal abra para o carro:

Art. 214. Deixar de dar preferência de passagem a pedestre e a veículo não motorizado:
I – que se encontre na faixa a ele destinada;
II – que não haja concluído a travessia mesmo que ocorra sinal verde para o veículo;
(…)
Infração – gravíssima;
Penalidade – multa.
IV – quando houver iniciado a travessia mesmo que não haja sinalização a ele destinada;
V – que esteja atravessando a via transversal para onde se dirige o veículo:
Infração – grave;
Penalidade – multa.
Ao contrário da crença popular, NÃO EXISTE VELOCIDADE MÍNIMA NA FAIXA DA DIREITA! Entenda aqui

Art. 219. Transitar com o veículo em velocidade inferior à metade da velocidade máxima estabelecida para a via, retardando ou obstruindo o trânsito, a menos que as condições de tráfego e meteorológicas não o permitam,
salvo se estiver na faixa da direita
:
Infração – média;
Penalidade – multa.

Devemos andar na rua, no sentido dos carros e nas faixas laterais da via (inclusive na esquerda em caso de vias de mão única, embora geralmente isso seja bastante perigoso, sobretudo em avenidas de fluxo rápido). E temos preferência de uso da via!

Art. 58. Nas vias urbanas e nas rurais de pista dupla, a circulação de bicicletas deverá ocorrer, quando não houver ciclovia, ciclofaixa, ou acostamento, ou quando não for possível a utilização destes, nos bordos da pista de rolamento, no mesmo sentido de circulação regulamentado para a via, com preferência sobre os veículos automotores.

Parágrafo único. A autoridade de trânsito com circunscrição sobre a via poderá autorizar a circulação de bicicletas no sentido contrário ao fluxo dos veículos automotores, desde que dotado o trecho com ciclofaixa.

Via de trânsito rápido, aquelas em que o ciclista não pode trafegar, são apenas as que não tenham esquinas nem faixas de travessia. Em todas as outras ruas e avenidas, PODE. Saiba mais

VIA DE TRÂNSITO RÁPIDO – aquela caracterizada por acessos especiais com trânsito livre, sem interseções em nível, sem acessibilidade direta aos lotes lindeiros e sem travessia de pedestres em nível.
Somos proibidos de circular em vias de trânsito rápido (que não são qualquer avenida) e em rodovias sem acostamento, além de algumas outras coisinhas que pouquíssimos ciclistas sabem:

Art. 244, § 1º Para ciclos aplica-se o disposto nos incisos III, VII e VIII, além de:
a) conduzir passageiro fora da garupa ou do assento especial a ele destinado;
b) transitar em vias de trânsito rápido ou rodovias, salvo onde houver acostamento ou faixas de rolamento próprias;
c) transportar crianças que não tenham, nas circunstâncias, condições de cuidar de sua própria segurança.

Inciso III – fazendo malabarismo ou equilibrando-se apenas em uma roda;
Inciso VII – sem segurar o guidom com ambas as mãos, salvo eventualmente para indicação de manobras;
Inciso VIII – transportando carga incompatível com suas especificações
Bicicleta na calçada, só com autorização da autoridade de trânsito e sinalização adequada na calçada:

Art. 59. Desde que autorizado e devidamente sinalizado pelo órgão ou entidade com circunscrição sobre a via, será permitida a circulação de bicicletas nos passeios.
Andar com o carro na ciclovia ou mesmo numa ciclofaixa é o mesmo que dirigir na calçada, infração gravíssima:

Art. 193. Transitar com o veículo em calçadas, passeios, passarelas, ciclovias, ciclofaixas, ilhas, refúgios, ajardinamentos, canteiros centrais e divisores de pista de rolamento, acostamentos, marcas de canalização, gramados e jardins públicos:
Infração – gravíssima;
Penalidade – multa (três vezes).
O Código dá direito aos Municípios de registrar e licenciar as bicicletas caso decidam fazer isso:

Art. 129. O registro e o licenciamento dos veículos de propulsão humana, dos ciclomotores e dos veículos de tração animal obedecerão à regulamentação estabelecida em legislação municipal do domicílio ou residência de seus proprietários.
[ver também Art.24, incisos XVII e XVIII e Art.141]

Importadores e fabricantes de bicicletas são obrigados a fornecer um manual contendo mais ou menos tudo isso que eu está sendo dito aqui, além de instruções sobre direção defensiva e primeiros socorros:

Art. 338. As montadoras, encarroçadoras, os importadores e fabricantes, ao comerciarem veículos automotores de qualquer categoria e ciclos, são obrigados a fornecer, no ato da comercialização do respectivo veículo, manual contendo normas de circulação, infrações, penalidades, direção defensiva, primeiros socorros e Anexos do Código de Trânsito Brasileiro.
Os fabricantes e importadores são obrigados a fornecer as bicicletas com os equipamentos citados acima:

Do mesmo Art. 105:
§ 3º Os fabricantes, os importadores, os montadores, os encarroçadores de veículos e os revendedores devem comercializar os seus veículos com os equipamentos obrigatórios definidos neste artigo, e com os demais estabelecidos pelo CONTRAN.

Acostamento é lugar de bicicleta sim:

ACOSTAMENTO – parte da via diferenciada da pista de rolamento destinada à parada ou estacionamento de veículos, em caso de emergência, e à circulação de pedestres e bicicletas, quando não houver local apropriado para esse fim.
Bicicleta na calçada ou pilotagem “agressiva” é motivo para multa e apreensão da bicicleta (mas a autoridade é obrigada a fornecer um recibo!):

Art. 255. Conduzir bicicleta em passeios onde não seja permitida a circulação desta, ou de forma agressiva, em desacordo com o disposto no parágrafo único do art. 59:
Infração – média;
Penalidade – multa;
Medida administrativa – remoção da bicicleta, mediante recibo para o pagamento da multa.

Ameaçar o ciclista com o carro é infração gravíssima, passível de suspensão do direito de dirigir e apreensão do veículo e da habilitação:

Art. 170. Dirigir ameaçando os pedestres que estejam atravessando a via pública, ou os demais veículos:
Infração – gravíssima;
Penalidade – multa e suspensão do direito de dirigir;
Medida administrativa – retenção do veículo e recolhimento do documento de habilitação.
Quer passar pela calçada ou atravessar com a bike na faixa? O CTB manda desmontar:

Art. 68. É assegurada ao pedestre a utilização dos passeios (…)
§ 1º O ciclista desmontado empurrando a bicicleta equipara-se ao pedestre em direitos e deveres.
Sinais
Situações de risco
e o que fazer

Obstáculos no caminho
Rotatórias
Semáforos
Carros dobrando à direita
Congestionamentos
Carros entrando de vias secundárias
Carros abrindo a porta
Pedalando na chuva
Pedalando à noite
Respeito aos pedestres
MEcânica básica
Quando a corrente cai
Quando a marcha não funciona
Quando a corrente prende
Quando o pneu fura
Quando o freio está frouxo
bike anjo brasil, bike anjo floripa e bicicletada
leitura recomendada
Apocalipse motorizado : a tirania do automóvel em um planeta poluído

/ Ned Ludd, (org.) ; [tradução Leo Vinicius ; ilustrações de Andy Singer]. -- 2. ed. rev. -- São Paulo : Conrad Editora do Brasil, 2005. -- (Coleção Baderna)
vadebike.org
www.ta.org.br/educativos/DOCS/De_bicicleta_para_o_trabalho.pdf
www.bikexprt.com/streetsmarts/usa/chapter2a.htm
bicyclesafe.com
www.escoladebicicleta.com.br
Luvas
Em um ano:
revisão: R$50,00 (x3) = R$150,00
câmara nova: R$10,00 (x2) = R$20,00
A cada 2 anos:
pastilhas de freio: R$20,00
corrente: R$50,00
aumentar distância entre veículos
diminuir velocidade (especialmente em curvas)
atenção a poças
um pára-lamas pode ajudar
usar luzes e/ou refletivos
atenção a obstáculos
Uma vez:
capacete: R$100,00 a R$800,00
refletivo: R$10,00 a R$100,00
luzes: R$40,00 a R$400,00
buzina: R$5,00 a R$60,00
cadeado: R$10,00 a R$100,00
Regras Gerais
manter distância (70 cm) da faixa de rolamento
não andar na calçada
não andar na contramão
ser previsível
http://www.nograu.com.br/bike-fit-no-grau/
Considerações
tenha claro o uso que fará
experimente vários tipos de bicicleta
o barato pode sair caro
negocie trocar alguma parte que não lhe agrade
Dobrável
BMX

Calçada é para pedestres, bicicleta só circula nela em casos excepcionais:

PASSEIO – parte da calçada ou da pista de rolamento, neste último caso, separada por pintura ou elemento físico separador, livre de interferências, destinada à circulação exclusiva de pedestres e, excepcionalmente, de ciclistas.
Ciclovia é quando é separada dos carros (mas não é lugar de pedestre!):

CICLOVIA – pista própria destinada à circulação de ciclos, separada fisicamente do tráfego comum.

Ciclofaixa é uma faixa exclusiva para bicicletas e outros VPH:

CICLOFAIXA – parte da pista de rolamento destinada à circulação exclusiva de ciclos, delimitada por sinalização específica.
Ciclo é uma bicicleta, um triciclo, etc., desde que movido a propulsão humana:

CICLO – veículo de pelo menos duas rodas a propulsão humana.
Conversão à esquerda
prática
Full transcript