Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Políticas Econômicas no Brasil

No description
by

Paulo Cezar Machado

on 4 July 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Políticas Econômicas no Brasil

As Políticas Econômicas na História do Brasil
Brasil Colonial
O Mercantilismo
Principais Características do Sistema Econômico Mercantilista
Metalismo
Industrialização
Balança Comercial Favorável
Protecionismo alfandegário
Pacto colonial
Ciclos Econômicos do Período Pré-Colonial e Colonial
Pré-Colonial
Colonial
O Apogeu do Ouro Brasileiro
Brasil Imperial
República Velha
Políticas Econômicas Adotadas
Encilhamento
Consequências do Encilhamento
Empresas Fantasmas
Aumento da Inflação
Desorganização das Finanças Públicas
Política Financeira de Campos Sales (1898-1902)
Passagem do Governo Rodrigo Alves
Afonso Pena
Washington Luís
Plano Cruzado
Mudança da moeda brasileira de cruzeiro (Cr$) para cruzado (Cz$) e a divisão do valor por mil, fazendo com que Cr$1.000,00 passasse a valer Cz$1,00
Desindexação da economia
Congelamento de preços de bens e serviços
Congelamento da taxa de câmbio por um ano (US$1 = Cz$18,84);
Congelamento de salários: salário mínimo fixado em Cz$804 e salários em geral como a média de seu valor nos últimos seis meses;
Fixação do valor dos títulos da dívida pública
Gatilho Salarial ou Seguro-Inflação
Plano Cruzado II
Descongelamento do preço de bens e serviços;
Reindexação da economia;
Alteração do cálculo da inflação, que passou a ser com base nos gastos das famílias com renda de até cinco salários mínimos;
Aumento da carga fiscal, das tarifas de serviços públicos e dos impostos sobre bebidas e cigarros
Plano Bresser
Plano Verão
Plano Collor
O cruzado novo (NCz$) foi substituído pelo cruzeiro (Cr$), na proporção NCz$1.000,00 = Cr$1,00;
Contas correntes, cadernetas de poupança ou quaisquer outros investimentos com saldo superior a Cr$50.000,00 foram congelados por 18 meses;
Congelamento de preços e salários, tabelados pelo Governo, e com posteriores ajustes, baseados na inflação esperada;
Criação do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF);
Eliminação de incentivos fiscais e aumento no preço de serviços públicos;
Controle de Gastos Públicos: demissão de funcionários, privatização de estatais e diminuição de órgãos públicos.
Plano Collor II
Plano Marcílio
Plano Real – Estabilização da Economia
Controle da Inflação
Fernando Henrique Cardoso
Unidade Real de Valor (URV)
Principais medidas: Desindexação da Economia, Privatizações, Equilíbrio Fiscal, Abertura Econômica, Contingenciamento e Políticas Monetárias Restritivas.
Abertura econômica
Âncora cambial
Sucesso do plano

O Novo Governo de Getúlio Vargas
Ditadura de 1964-73
Governo Sarney
Governo Collor
Governo Itamar Franco
Continuidade do Plano Real
Fim da hiperinflação
Criação de programas sociais pioneiros
Privatizações
Investimentos externos, entrada de dólar no país
Crises: retirada imediata de dólares do país, o que levou FHC a pedir empréstimos três vezes ao FMI
Paridade Cambial: 1 Dólar = 1 Real
Aumento da dívida pública
Desvalorização da moeda e aumento da taxa de juros (Política Monetária)
Ausência de investimento e de planejamento em produção de energia
Crise do apagão e racionamento de energia
Introdução de Usinas Termoelétricas
Lei da Responsabilidade fiscal
Reeleição

Governo FHC
Maior crescimento real do salário mínimo
Programas Sociais: Fome Zero, Bolsa Família e Bolsa Escola
Confiança do FMI (Fundo Monetário Internacional)
Valorização da taxa de câmbio
Alta dedicação a melhora das políticas externas
Redução da pobreza
Redução das desigualdades sociais
Retomada do crescimento do país
Continuidade nos projetos de Fernando Henrique
Governo Lula
Governo Dilma
Dilma tem ideologias econômicas opostas a de Lula
Crescimento interno do país, barrando os produtos importados para reduzir a competição perante as indústrias brasileiras
A diminuição da taxa de juros pelos bancos
Visão dualista entre crescimento e estabilidade
Saída da dualidade elevação de juros x Reforço ao crescimento da demanda
Conter a aceleração da inflação (com a elevação da taxa de juros), o governo parece contar com outros instrumentos, como o controle de preços da gasolina e a redução das tarifas de energia elétrica
Política explícita de apoio à indústria
Superávit primário
Interfere com firmeza no câmbio para desvalorizar o real e persegue a meta fiscal superavitária
Macroeconomia
Políticas Cambiais
Políticas Fiscais
Políticas Monetárias
Operações de Mercado Aberto
Depósito Compulsório
Redesconto Bancário
Controle e Seleção de Crédito
Superavitária
Deficitária
Equilibrada
Cambio Flutuante
Âncora Cambial
Dirty Float ou Bandas Cambiais
Plano de Metas: investir em energia, transportes, indústrias de base, educação e alimentação.
“Cinquenta anos em cinco”.
Construção de Brasília
Constante ligação e dependência dos empresários com o Estado industrializante que garantia a entrada de capital estrangeiro
Parecido com a política de Getúlio Vargas
Aumento da emissão de papel moeda, o que criou uma crise com o FMI, aumento dos impostos sobre combustíveis e empréstimos ou aplicações diretas de empresas estrangeiras.
Aumento da inflação, da divida externa, desigualdade nas regiões brasileiras, falta de investimentos no transporte públicos (sem preocupação em investir no transporte ferroviário)
Governo de Juscelino Kubitschek
Ditadura de 1973-79
Plano de Ação Econômica do Governo (1964-1967)
Inflação centrada no excesso de demanda
PAEG dividido em duas linhas de atuação
1) Política Conjuntural
Redução de déficit público, Restrição de Crédito e aperto monetário e Reajuste salarial
2) Reformas estruturais
Tributária, Monetário-Financeira e Política Externa
Resultado: Grande êxito na redução das taxas inflacionárias e na retomada do crescimento.
Milagre Econômico (1967-1973)
Maiores taxas de crescimento do PIB na história recente
Política gradualista de combate à inflação
Inflação de custos
Retomada de investimento público em infraestrutura
Demanda por bens duráveis
Construção civil
Crescimento das exportações
Investimento em empresas estatais
Teoria do Bolo

II Plano Nacional de Desenvolvimento (1973-1979)
Inflação e problemas da balança comercial devido à crise do petróleo (1973)
II PND como estratégia de financiamento (Manter a economia marchando forçada)
Objetiva manter o crescimento econômico alto
Alteração na estrutura produtiva brasileira
Crescimento da dívida externa
Heterodoxia Delfiniana (1979)
Segunda crise do petróleo aumenta a taxa de juros internacional
Aceleração da inflação
Tentativa de reeditar o milagre econômico
Medidas
Controle sobre taxas de juros, Expansão do crédito para agricultura, Criação da Secretaria Especial das Empresas Estatais, Eliminação de alguns incentivos fiscais, Estímulo à captação externa, Maxidesvalorização do cruzeiro
Resultados negativos


Ditadura de 1980-85
Crise da dívida externa(1980-1985)
Inflação altíssima
Dívida externa
Ajustamento voluntário
Política de superávits externos
Contenção da demanda agregada, Aumento da taxa de juros, Redução do salário real, Desvalorização real do cruzeiro, Elevação de preço dos derivados de petróleo, Estímulo à competitividade da indústria brasileira
Resultados
Profunda recessão econômica em 1981 e 1983
Inflação ultrapassa os 100% a.a.
Superávit recorde no comércio exterior

Governo Provisório (1930-1934)
Crise de 29
Crise do café
Redirecionamento do capital agrícola para o setor industrial
Substituição das importações
Governo Constitucional (1934-1937)
Constituição de 1934:
Salário mínimo, jornada de oito horas diárias, repouso semanal, férias remuneradas, indenização em demissões sem justa causa, dentre outros.
Novas leis que permitiam a criação de fundações, institutos de pesquisa e abertura de linhas de crédito que viabilizassem a expansão do parque industrial.
Estado Novo (1937-1945)
Outorgada a Constituição de 1937(“Polaca”)
Indústria teve um impulso considerável
Companhia Vale do Rio Doce e Conselho Nacional do Petróleo, surgimento de grandes empresas estatais.
Inicio da Segunda Guerra Mundial, posição inicial de neutralidade o que garantia a entrada de capitais norte-americanos no país.
Pressões da opinião politica interna e dos norte-americanos levou o Brasil a declarar guerra aos países do Eixo
Criação da Companhia Siderúrgica Nacional (SDN).
A Era Vargas
Política Populista
Aproximação com o Capital Estrangeiro
Politica de desenvolvimento com fomento para empresas Estatais ou Privadas
Criação da Petrobras
Fundação do Bando Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDE)
Políticas Econômicas para ampliar a industrialização
Aumento do salário mínimo em 100%
Suicídio
Governo do Dutra
Economia Liberal
Limitando Importações
Resguardo das Reservas Cambiais
Substituição das Importações
Plano SALTE
Fracasso do Plano SALTE
Primeiro Império
Segundo Império
Crise da Era Mauá
Imigração brasileira
Desenvolvimento Brasileiro da época
Guerra do Paraguai
República Velha
Sociedade
Direito
Economia
Microeconomia
Full transcript