Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Adolescência e Cidadania: construindo e socializando conheci

No description
by

Christian Engelmann

on 6 May 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Adolescência e Cidadania: construindo e socializando conheci

Adolescência e Cidadania: construindo e socializando conhecimentos sobre a violência de gênero e os direitos das crianças e adolescentes, com jovens do ensino médio de Criciúma-SC

C
O
O
R
D
E
N
A
D
O
R
E
S
Profº Ismael de Souza
Profª Sheila Martignago Saleh
Profª Karin Martins Gomes

E
X
T
E
N
S
I
O
N
I
S
T
A
S

B
O
L
S
I
S
T
A
S
Lahys Barbosa – Direito
Maurício Lopez - Psicologia
“A extensão constitui-se em atividade permanente da UNESC e será desenvolvida contemplando as várias áreas do conhecimento, visando à socialização do conhecimento científico, indissociável do ensino e da pesquisa”art. 120/Res. 01/2007/CSA

E
X
T
E
N
S
Ã
O

U
N
A
/
C
S
A

P
E
D
I
C

Programa de Extensão em Direito e Cidadania

L
I
N
H
A

Infância e Adolescência
O
B
J
E
T
I
V
O
Trabalhar os tipos de violência da atualidade, como violência doméstica e familiar (incluindo as diferenças de gênero), escolar (bullying), na web (cyberbullying) e difundir os instrumentos jurídicos da Lei Maria da Penha (Lei 11.340/06) e do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) para adolescentes (15 a 17 anos) que frequentam o Ensino Médio de escolas públicas do Município de Criciúma-SC, promovendo o processo de desnaturalização da violência de gênero.
P
Ú
B
L
I
C
O
/
C
O
M
U
N
I
D
A
D
E
-
A
L
V
O
Estudantes do 2º ano do ensino médio das 17 escolas do Município de Criciúma-SC
O presente projeto de extensão já se consolidou em dois anos de atividades com alunos do 2º ano do ensino médio de escolas públicas de Criciúma. Encontra-se no terceiro ano de atividades. No ano de 2012 foram atendidas 08 (oito) escolas de Criciúma e 1 (uma) de Morro da Fumaça, abrangendo o total de 848 adolescentes. Já no segundo ano de atividades do projeto, 2013, foram atendidas 10 (dez) escolas públicas de Criciúma e 01 do município de Cocal do Sul, abrangendo um total de 652 adolescentes.

A
D
O
L
E
S
C
Ê
N
C
I
A

E

C
I
D
A
D
A
N
I
A

M
E
T
O
D
O
L
O
G
I
A
Oficinas nos espaços das escolas com apresentação de 6 módulos em 45 min. cada, portanto compreendendo 2 h/a por encontro; abordagem com dinâmicas de grupo coordenadas pelo aluno de Psicologia e apresentação dialogada da aluna do Direito; espaço para perguntas e gravação de depoimentos, quando possível.
MÓDULO 1 -
IDENTIDADE DE GÊNERO

MÓDULO 2

CIDADANIA E DIGNIDADE HUMANA

MÓDULO 3 -

NOVAS FORMAS DE VIOLÊNCIA DO SÉCULO XXI :BULLYNG E CYBERBULLYNG

MÓDULO 4 -

ECA e ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

MÓDULO 5 -

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR

MÓDULO 6 –

TRANSFORMANDO VIOLÊNCIA EM ARTE

RESULTADOS
O impacto obtido pelas oficinas realizadas foi extremamente positivo, haja vista a plena participação dos(as) adolescentes, através de perguntas e contribuições, e pela notável identificação que fizeram com o seu cotidiano, apontando situações vivenciadas na família, na escola e no convívio social como práticas de violência, as quais antes não eram vistas dessa forma pelos(as) adolescentes.

Desnaturalizar a violência é
um processo lento e educativo, que visa mostrar aos adolescentes que diversas situações e condutas vivenciadas em seu cotidiano, tidas como “normais”, são na verdade vitimizadoras, causam diferentes danos e suprimem o direito fundamental a uma vida digna
e livre da violência.
Full transcript