Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Principios básicos de Analise do comportamento

No description
by

Luis Humbert

on 16 September 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Principios básicos de Analise do comportamento

Aprendizagem pelas consequências: O reforço
O Reforço
Reforço é um tipo de consequência do comportamento que aumenta a propabilidade de um dterminado comportamento voltar a ocorrer. Novamente, temos uma relação entre o organismo e seu ambiente, na qual o organismo emite uma resposta e produz alterações no ambiente
Extinção Operante
Principios básicos de Analise do comportamento
Moreira e Medeiros
Capitulo 3
O comportamento Operante, termo cunhado por B. F. Skinner.
Classificamos como operante aquele comportamento que produz consequencias(modificações no ambiente) e é afetado por elas
. Logo consideramos como as consequencias daquilo que fazemos nos mantêm no mesmo caminho, ou afasta-nos dele. Entender o comportamento operante é fundamental para compreendermos como aprendemos nossas habilidades e nossos conhecimentos, ou seja, falar, ler, escrever, raciocinar, abstrair, etc) e até mesmo como aprendemos a ser quem somos, a ter nossa personalidade.
(Moreira e Medeiros, 2007 pagina 48)
''
Dizer que as consequencias dos comportamentos chega a afetá-los é o mesmo que dizer que as consequências determinarão, em algum grau, se os comportamentos que as produziram ocorrerão ou não outra vez, ou se ocorrerão com maior ou menor frequência.''
(Moreira e Medeiros, 2007 pagina 49)
''Se o comportamento é influenciado(controlado) por suas consequências, isso nos dá duas possibilidades fantásticas, extremamente importantes para os psicólogos: (a) podemos manipular as consequências dos comportamentos para compreendermos melhor como a interação comportamento (resposta)-consequencia ( R C) se dá; se os comportamentos das pessoas (e também de animais não-humanos) são controlados por suas consequencias, isso significa que podemos modificar os comportamentos das pessoas programando consequências especiais para seus comportamentos.''
(Moreira e Medeiros, 2007 pagina 50)

''Algumas crianças são extremamente hábeis em controlar o comportamento de seus pais. Quando elas querem alguma coisa e os pais não cedem, elas simplesmente '' aprontam o maior berreiro''. O que acontece, então ? Muitos pais atendem sua vontade, dando a criança o que ela quer no momento que está fazendo birra.[...] Cada vez que a mãe permite que ela fique um pouco mais na banheira ao fazer birra, a mão está ensinando a criança a ser birrenta.''
SD
R
C
Banheira
Chorar
Ficar mais tempo
''Percebemos, nesse caso, que algumas crianças são '
birrentas
'' não porque têm uma ''
natureza ruim
'' ou porque são ''
chatinhas
'': agem assim porque funciona, porque birra produz consequência que reforçam o seu comportamento.''
(Moreira e Medeiros, 2007 pagina 51)
(Moreira e Medeiros, 2007 pagina 51)

Quando alterações no ambiente aumenta a propabilidade de o comportamento que produziu voltar a ocorrer , chamamos tal relação entre o organismo e o ambiente de
contigência de reforço
.
Reforçadores Naturais x Reforçadores Arbitrários

No momento em que a consequência reforçadora do comportamento é o produto direto do propio comportamento, dizemos que a consequência é uma reforçadora natural. Quando a consequencia reforçadora é um produto indireto do comportamento, afirmamos que se trata de um reforço arbitrário.
Ex: Tocar violão sozinho x Tocar violão em bar por dinheiro

''Alem de aumentar a frequência de um comportamento reforçado, o reforço(ou a consequência reforçadora) tem dois outros efeitos sobre o comportamento dos organismos.
Uma delas é a diminuição da frequência de outros comportamentos diferente dos comportamentos reforçados.''

Outro efeito do reforço
é a diminuição da variabilidade
na topografia da resposta. À medida que o comportamento é reforçado passa-se a emitir de forma cada vez mais parecida
''Quando suspendemos o reforço de um comportamento, verificamos que a possibilidade de esse comportamento ocorrer diminui(retorna a seu nivel operante , isto é, a frequencia do comportamento retoma aos niveis de antes do comportamento ter sido reforçado) .
Esse procedimento e o processo dele decorrente são conhecidos como Extinção Operante.''

A resistencia a extinção, que pode ser definida como o tempo - ou o numero de vezes- que um organismo continua emitindo uma resposta após a suspensão do seu reforço
.[...] De modo geral, individuos cujos comportamento apresenta alta resistência à extinção são conhecidos como perseverantes, empenhados , cabeças-duras ou teimosos. Já os individuos cujo comportamento apresenta baixa resistência à extinção são os que desistem facilmente de suas atividades.
Mas por que alguns individuos são mais perseverante ou teimosos que outros ? Porque alguns comportamentos são mais resistentes à extinção ?
Fatores que influenciam a resistência à extinção:
A resposta a estas perguntas estão na
história de aprendizagem
ou na
história de reforçamento
de cada um. Basicamente três fatores influenciam a resistencia a extinção de um comportamento:

Numero de reforços anteriores

Custo da resposta

Esquema de reforçamento
O principal efeito da extinção é o retorno a frequencia do comportamento aos niveis prévios.Outros três efeitos importantes no inicio do processo de extinção:



Aumento na frequência da resposta no inicio do processo de extinção
Aumento da variabilidade da topografia da resposta
Eliciação de respostas emocionais
Modelagem : Aquisição de comportamento
''O reforço diferencial consiste em reforçar algumas respostas que obedecem a algum critério e em não reforçar outras respostas similares.''
''Usamos na modelagem o reforço diferencial(reforçar algumas respostas e extinguir outras similares) e aproximações sucessivas( exigir gradualmente comportamentos mais próximos do comportamento-alvo) a fim de ensinar um novo comportamento, sendo uma caracterisca fundamental da modelagem a imediaticidade do reforço, ou seja, quanto mais próximo temporalmente da resposta o reforço estiver mais eficaz.''
*****Exemplo do bebê aprendendo a falar 'mamãe'*****
Principios básicos de analise do comporamento
Capitulo 4
Moreira e Medeiros
Aprendizagem pelas consequências o controle aversivo:
"Nesse capitulo, veremos que existe outros tipos de consequencias do comportamento que também aumentam sua frequencia (Reforço Negativo), e outras que diminuem sua frequência(punição positiva e negativa) A esses tipos de consequências damos o nome de controle aversivo do comportamento.
Porque ''controle aversivo do comportamento''?"
'' Quase todos os seres vivos agem buscando livrar-se de contatos prejudiciais....provavelmente, esse tipo de comportamento desenvolve-se devido ao seu valor de sobrevivência"
(Skinner,1983, p.24 apud Moreira e Medeiros,2007)
(Moreira e Medeiros, 2007, p.64)
'' Defende-se que o controle exercido pelos três tipos de consequência é aversivo porque o individuo se comporta para que algo não
aconteça''
(Moreira e Medeiros, 2007, p.65)
''Muitas pessoas respeitam o limite de velocidade para não serem multadas; muitos estudantes frequentam as aulas para não ficarem com falta, muitas pessoas não expõem suas idéias para não serem criticadas; mentem para não serem punidas, e assim por diante.''
(Moreira e Medeiros, 2007, p.65)
''
O controle aversivo diz respeito à modificação na frequência do comportamento utilizando-se o reforço negativo e a punicão positiva ou negativa
. De certa forma, a extinção também se configura como algo aversivo, sendo observadas fortes reações emocionais, principalmente quando a extinção segue o reforçamento continuo do comportamento.
Contudo não se considera extinção como controle aversivo
, principalmente ao envolver reforço diferencial.''
(Moreira e Medeiros, 2007, p.65)
''O estimulo aversivo é um conceito relacional(envolve relações entre eventos) e funcional.
Não existe estimulos eminentemente aversivos.''
(Moreira e Medeiros, 2007, p.65)
'' O reforço não se dá apenas com apresentação de estimulos(como aplausos), mas também pela retirada de estimulos do ambiente. Ex: Quando estamos com dor de cabeça, podemos tomar um analgésico.
''A diferença básica entre o reforço positivo e o reforço negativo reside na natureza da operação.''
(Moreira e Medeiros, 2007, p.66)
(Moreira e Medeiros, 2007, p.66)
PUNIÇÃO
Fuga e Esquiva
''Consideramos que um comportamento é uma fuga no momento em que um determinado estimulo aversivo está presente no ambiente, e esse comportamento retira-o do ambiente[...] Já a esquiva é um comportamento que evita ou atrasa o contato com um estimulo aversivo. Isto é, o comportamento de esquiva ocorre quando um determinado estimulo aversivo não está presente no ambiente, e emitir esse comportamento faz com que o estimulo não apareça ou demore mais para aparecer.''
(Moreira e Medeiros, 2007, p.66)
''Ex.: Fazer a barba quando a namorada ja está reclamando dos beijos que arranham sua face é um exemplo de fuga,pois a reclamação ja está presente. Seria esquiva caso o namorado fizessa a barba antes de encontrá-la para evitar a reclamação que ainda não está presente.''
(Moreira e Medeiros, 2007, p.67)
''
Uma estrátegia interessante de diferenciar os dois tipos de comportamento consiste em considerar a esquiva como uma prevenção, e a fuga como uma remediação.[...]A fuga é sempre a primeira a ser aprendida
, de inicio som modelados a emitir respostas que retirem estimulos aversivos já presentes, como fugir de um predador, por exemplo.
Não temos como explicar o comportamento que ocorre sob controle de algo que não está ocorrendo ainda
.''
(Moreira e Medeiros, 2007, p.67)
''A punição destina-se a eliminar comportamento inadequados, ameaçadores ou, por outro lado, indesejáveis de um dado repertório, com base no principio de que quem é punido apresenta menor possibilidade de repetir seu comportamento. Infelizmente, o porblema não é tão simples como parece. A recompensa(reforço) e a punição não diferem unicamente com relação aos efeitos que produzem.
Uma criança castigada de modo severo por brincadeiras sexuais não ficará necessariamente desestimulada de continuar, da mesma forma que um homem preso por assalto violento não terá necessarimaente diminuida sua tendência à violencia. Comportamento sujeitos a punição tendem a se repetir assim que as contingencias punitivas forem removidas
''
(Skinner, 1983, p.50 apud Moreira e Medeiros,2007)

A distinção entre punição positiva e punição negativa incide na mesma distinção com relação ao reforço: se um estimulo é acrescentado ou subtraído do ambiente.
Tanto a punição positiva como a punição negativa diminuem a propabilidade do comportamento ocorrer

Punição positiva:
Diminui
a propabilidade doc omportamento ocorrer pela
adição
de um estimulo aversivo no ambiente.

Punição negativa:
Diminui
a propabilidade de o comportamento ocorrer novamente pela
retirada
de um estimulo reforçador do ambiente.
Ex.: Jogar bola dentro de casa, ''levar uma surra'' e não jogar mais bola nesse local
Ex: Cometer assalto, ser preso(perder a liberdade) e não cometer mais crimes.
Suspensão de contingência punitiva: recuperação de resposta
''Um comportamento que outrora fora punido pode deixar de sê-lo e talvez tenha sua frequencia restabelecida.''
''Um dos objetivos terapeuticos
é, portanto, criar condições para
que o cliente se exponha
novamente às contingências.

Por exemplo, um rapaz que um dia se declarou para a namorada, e ela o deixo logo em seguida, teve o comportamento de se declarar negativamente punido
Sendo assim esse rapaz talvez nunca mais se declare para ninguém, o que também gera a perda de reforçadores. Portanto, a terapia poderia criar condições para que ele tentasse de novo se declarar em uma situação com baixa propabilidade de punição, a fim de que o comportamento fosse restabelecido''
• Punição negativa x Extinção: Diferença entre punição e extinção refere-se ao processo: a punição suprime rapidamente a resposta, enquanto a extinção produz diminuição gradual na propabilidade de ocorrencia da resposta.
''• Efeitos colaterais do controle aversivo: Uma desvantagem comum ocorre quando o administrador da punição observa a resposta emocionais do organismo punido. Essas respostas eliciam outras respostas emocionais no individuo que pune, comumente conhecidas por respostas emocionais de pena ou culpa. Elas são aversivas e o individuo que pune, pode passar a liberar reforçadores ao organismo punido como forma de esquiva dos sentimentos de pena ou culpa. ''
''•Uma criança faz birra para receber um doce na rua, seus pais podem dar uma palmada para punir a birra, a criança chora, costumamos ter pena, e dar o doce para se esquivar do choro aversivo.
Esse procedimento é prejudicial por duas razões principais: 1) Os pais treinam a relação entre o comportamento de chorar e ganhar o que se quer, aumentando a propabilidade do choro ocorrer no futuro. De fato, o choro deixa de ser exclusivamente um comportamento respondente, sendo controaldo por suas consequencias, isto é, torna-se um operante. Levando a ação adquirir funções reforçadoras condicionadas.''
Dor
Choro
S
R
SD
R
C
Chorar
Ganhar o doce
Pirulito
Não+Palmadas
Supressao de outros comportamentos
R+
O efeito da punição não se restringe apenas ao comportamento que produziu a consequência punitiva. Outros comportamentos que estiverem ocorrendo temporalmente ao momento da punição podem ter sua frequencia reduzida
Emissão de respostas incompativeis ao comportamento punido
Exemplo muito comum é o da menina que teve um namoro em que investiu muito. Mas para a infelicidade da moça, seu namorado a trocou por outra pessoa. Essa menina sofreu muito com o término, ou seja, seu comportamento de investir em um relacionamento estável foi severamente punido. Ela pode desenvolver o seguinte padrão: Quando começar a se envolver com alguém e perceber que está começando a gostar dessa pessoa, ela rompe o relacionamento antes de se estabelecer namoro.''
''Após a punição de um comportamento, os organismo, em geral, passam a emitir uma segunda resposta que torne improvavel a repetição do comportamento punido.
Contracontrole
''No contracontrole, o organismo controlado emite uma nova resposta que impede que o agente controlador mantenha o controle sobre o seu comportamento.No caso da punição, garante-se que o comportamento punido continue a ocorrer sem entrar em contanto com ela.''
''Ex.: Freiar diante um radar, colocando na velocidade permitida pela via e, assim, nos esquivamos da multa.''
''A resposta de frear antes do radar é negativamente reforçada. Entretanto, não foi essa a resposta esperada pelo controlador de trânsito, o qual programou essa contigência de punição''
''Um exemplo mais banal que esse mais comum entre namorados. A namorada, que está oito quilos acima do peso, emite aquela pergunta infeliz: ''
Benzinho, você acha que eu engordei?
''
''A resposta mais provavel, obviamente é: " O que é isso meu amor? Você está linda!''
Porque punimos tanto?
1) Imediaticidade da consequência

2) Eficacia não dependente da privação

3) Facilidade no arranjo das contigencias
(Moreira e Medeiros, 2007 , pagina 79)
Quais as alternativas?
1) Reforço positivo em lugar de reforço negativo

2) Extinção em vez de punição?

3)Reforçamento Diferencial

4) Aumento da densidde forços para outras alternativas
(Moreira e Medeiros, 2007 , pagina 80)
(Moreira e Medeiros, 2007 , pagina 78)
(Moreira e Medeiros, 2007 , pagina 78)
(Moreira e Medeiros, 2007 , pagina 78)
(Moreira e Medeiros, 2007 , pagina 78)
(Moreira e Medeiros, 2007 , pagina 78)
(Moreira e Medeiros, 2007 , pagina 77)
(Moreira e Medeiros, 2007 , pagina 77)
(Moreira e Medeiros, 2007 , pagina 75)
(Moreira e Medeiros, 2007 , pagina 75)
(Moreira e Medeiros, 2007 , pagina 74)
(Moreira e Medeiros, 2007 , pagina 73)
(Moreira e Medeiros, 2007 , pagina 72)
(Moreira e Medeiros, 2007 , pagina 70)
(Moreira e Medeiros, 2007 , pagina 71)
(Moreira e Medeiros, 2007 , pagina 71)
(Moreira e Medeiros, 2007 , pagina 60)
(Moreira e Medeiros, 2007 , pagina 60)
(Moreira e Medeiros, 2007 , pagina 58)
(Moreira e Medeiros, 2007 , pagina 57)
(Moreira e Medeiros, 2007 , pagina 55)
(Moreira e Medeiros, 2007 , pagina 55)
(Moreira e Medeiros, 2007 , pagina 53)
(Moreira e Medeiros, 2007 , pagina 53)
(Moreira e Medeiros, 2007 , pagina 52)
(Moreira e Medeiros, 2007 , pagina 51)
Full transcript