Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Observação

No description
by

Zuleica Moreno

on 9 June 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Observação

"Observar e problematizar para intervir e avaliar"
A TÉCNICA DA OBSERVAÇÃO
“A observação é uma etapa intermédia entre a construção dos conceitos e das hipóteses e o exame dos dados utilizados para as testar.” (Quivy et al, 1998, p.163)
ATIVIDADE
Observar para quê?
Observação PARTICIPANTE e NÃO PARTICIPANTE;
Distanciada e participada;
Intencional e espontânea;
Formas e Meios de Observação
Observação ocasional
Quanto ao processo de observação
Observação Molar
Quanto às características do campo de observação
Realizada por escolha do observador, tendo em vista um momento específico da interação dos indivíduos ou um momento específico de um fenómeno, resultando no registo dos incidentes ocasionais verificados pelo observador
Características:
Típica do senso comum, não obedece a regras e é afectada pela subjectividade das pessoas;

Não há definição prévia de objetivos;

Os comportamentos registados são escolhidos por serem característicos de uma pessoa ou então, pelo contrário, por serem pouco habituais nela;

Todos os comportamentos poderão ser alvo desse registo;

Caracterização das atitudes, traços de personalidade e relações sócio-afetivas;

Os registos são descrições detalhadas e precisas de um comportamento específico e da situação que lhe deu origem;

Os elementos são revistos e atualizados
Coloca em relevo a coerência dos processos e dos resultados obtidos, utilizando técnicas rigorosas, dispondo o observador de um método de anotação orientado para a recolha de dados que podem assumir duas formas distintas - SISTEMAS DE CATEGORIAS E SISTEMAS DE SINAIS
Características:
É dirigida e tem os objetivos pré-definidos;

Obtenção de dados cientificamente significativos;

Utilizada para compreender como funciona uma determinada atividade ou tarefa;

O pesquisador observa as etapas de um processo, as ferramentas utilizadas, as dificuldades que aparecem, as conversas e resultados do trabalho;

A observação é feita repetidas vezes até que se tenha suficiente evidências para afirmar tal coisa;

Registo em grades de observação.
SISTEMA DE SINAIS
Os comportamentos são alvos de um só registo mesmo que aconteçam mais do que uma vez
SISTEMA DE CATEGORIAS
Os comportamentos são alvo de registo sempre que ocorram.
Para recolher e organizar criteriosamente a informação e para nos adaptarmos continuamente aos elementos que fazem parte da investigação.
Como observar?
A definição dos objectivos e a delimitação do
campo de observação determinarão a estratégia a
seguir.
Isto implica:
Uma opção por determinadas formas e meios de observação;
Uma escolha de critérios e de unidades de registo dos dados;
Uma elaboração de métodos e técnicas de análise e tratamento dos dados recolhidos;
Uma preparação dos observadores
Na perspectiva da situação ou na atitude do observador:
Observação SISTEMÁTICA e OCASIONAL;
Armada (ou instrumental) e desarmada;
Contínua e intermitente;
Directa e indirecta;
Observação MOLAR e MOLECULAR;
Verbal e gestual;
Individual e grupal;
Relativamente ao processo de observação:
Quanto aos aspectos ou características do campo de observação:
Observação participante
Quanto à situação do observador
Nota:
As formas ou meios salientadas/os são as/os que poderão ter repercussão na investigação pedagógica
Observação naturalista
Observação sistemática
Observação não-participante
Seguida quando se pretende estudar uma comunidade durante um longo periodo de tempo, participando na vida colectiva;
Permite a interação-inserção, ou seja, a intersubjectividade-empatia ou diálogo entre dois sujeitos;
É um método de recolha de dados mais utilizado na investigação qualitativa e oferece informação sobre o comportamento dos sujeitos.
Garante uma informação rica e profunda;

Permite flexibilidade ao investigador;

Realiza-se em contacto directo do observador com o fenómeno observado;

Permite captar uma variedade de situações ou fenómenos.
Acesso e exigência/compromisso;

Desconfiança do grupo observado em relação ao observador;
Seguida quando se pr
etende estudar uma comunidade durante algum periodo de tempo, não participando na vida colectiva, estando somente como mero espectador
;

O investigador abstem-se de todo e qualquer contacto com os sujeitos observados e não intervém, uma vez que a presença do investigador no terreno introduz neste uma série de novas relações sociais.
Garante uma informação rica;

Realiza-se na presença directa do observador com o fenomeno observado;

Permite captar uma variedade de situações ou fenómenos.
O comportamento dos observados pode não ser autêntico;

Não permite flexibilidade ao investigador;
“Parecia-me impossível conciliar a concentração no trabalho com a observação. Ao contrário do que se passava comigo, o meu colega, facilmente conversava com as operárias dos acabamentos enquanto trabalhava e, apesar do ruído entendia tudo o que elas diziam. Entretanto entra na fábrica o chefe que conversa com uma das operárias. A operária interrompe o seu trabalho e dirige-se à rua. O chefe entra no seu escritório e continua a trabalhar.”
“Observação do comportamento dos indivíduos nas circunstâncias da sua vida quotidiana” (FRAISSE).
“A observação naturalista é o estudo dum fenómeno no seu meio natural (...)”. (HENRY)
A observação naturalista é em síntese uma forma de observação sistematizada, realizada em meio natural e utilizada desde o século XIX na descrição e quantificação de comportamentos do homem e de outros animais.
FINALIDADE da observação:
Estabelecimentos de "biografias"

(construídas a partir do que o observador vê)
Não é uma observação seletiva – o observador procede a uma acumulação de dados, pouco seletiva, mas passível de uma análise rigorosa
Pretende estabelecer biografias compostas por um grande número de unidades de comportamento, que se fundem umas nas outras
Preocupa-se fundamentalmente com “a precisão da situação”, isto é, com a apreensão de um comportamento ou de uma atitude inseridos na situação em que se produziram, a fim de se reduzirem ao mínimo as dúvidas referentes à sua interpretação
A continuidade é um dos princípios de base que possibilita uma observação correta: a seleção dos acontecimentos é algo arbitrária, que se verifica apenas no laboratório, pois o processo vital é caraterizado pela interrupção
A inferência desempenha um papel muito importante pois permite o estabelecimento de hipóteses de articulação entre a situação e o comportamento;

O trabalho do observador, desenvolve-se assim da descrição objetiva da situação e do comportamento e da inferenciação das possíveis articulações entre estes dois elementos;

A observação naturalista visa explicar o porquê e o para quê através do como;

As finalidades e as motivações atribuídas aos comportamentos decorrem da interpretação da relação que o observador estabelece entre o observado e o seu meio ambiente;
(os descritivos obtidos dessa interpretação, a expressão da sua subjetividade)

Esta perspetiva aproxima-se de uma metodologia de tipo clínico, sem possibilidades de comprovação experimental das interpretações inferidas.
Características:
Por: Catarina Silva, Joana Gonçalves e Zuleica Moreno
Bibliografia
ESTRELA, A. (1994). Teoria e Prática de Observação de Classes. Uma Estratégia de Formação de Professores (4ª ed.). Porto: Porto Editora.
QUIVY, Raymond; CAMPENHOUDT, LucVan (1992). Manual de Investigação em Ciências Sociais. Lisboa: Gradiva.

“Estavamos sentadas a observar de longe a aluna Catarina. Tínhamos como objetivos observar a sua forma de comunicação. Em linguagem gestual ela disse à educadora que queria ir à casa de banho. As suas expressões estavam estranhas. Aparentava estar muito afelita e apressada para ir à casa de banho. A educadora, por sua vez, agarrou-lhe pelos braços e levou-a de forma aparentemente agressiva. O grupo guardou o material de observação (grelhas e canetas) e abandonou o local.”
“Realizámos extensos registos do comportamento de crianças em contextos de vida real, de acordo com uma abordagem tradicional centrada na pessoa, verificámos alguns atributos do comportamento variavam menos entre crianças num determinado contexto do que de um contexto para o outro, no dia a dia das crianças."
Participante/Ocasional/Molar
Não-participante/Naturalista/Molecular
Não-participante/Sistemática/Molecular
As formas de observação a que nos referimos constituem exemplos de métodos e de técnicas de observação de classes que têm sido utilizadas na investigação
CONSIDERAÇÕES FINAIS
A sua validade decorre dos princípios de que se parte, dos objetivos que se definem e das estratégias que se pretendem utilizar para alcançar esses mesmos objetivos
Tendo em conta a descrição e análise dos métodos e técnicas, torna-se claro que as suas falhas, por enquanto, não poderão ser resolvidas de forma teórica: será no campo da prática da investigação que os problemas se deverão pôr e se deverão encontrar perspetivas de solução.
Observação Molecular
“Caráter global”
Segundo Landsheere reporta-se à frase
Algo mais específico, mais “microscópico”
Segundo Landsheere reporta-se à palavra
Quanto ao comportamento WRIGHT diz-nos que:
Ocorre no campo cognitivo dos sujeitos e é dirigido para determinada finalidade
Os comportamentos molares correspondem a “ações”, como por exemplo passear com alguém, ir ou vir da escola, etc.
Os comportamentos moleculares, referem-se a comportamentos específicos, constituídos de padrões (gestos, manipulações, etc.).
OBSERVAÇÃO MOLAR E OBSERVAÇÃO MOLECULAR
A observação molar é também utilizada na observação de classes
À semelhança da observação sistemática, as sequências comportamentais são obtidas por inferências
WRIGHT, acrescenta quatro diferenças
As inferências referem-se a finalidades imediatas (de ordem comportamental)
As inferências decorrem dos comportamentos observados e apenas destes
As inferências são controladas pelos comportamentos subsequentes e, se possível, por testemunho direto d observado
As unidades sequenciais correspondem a “constructs” interpretativos do real e como tal, não podem ser consideradas unidades comportamentais de base
Full transcript