Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

ROMA ANTIGA (Séc X a.C - V d.C)

No description
by

Kieran Bragança

on 9 April 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of ROMA ANTIGA (Séc X a.C - V d.C)

A sociedade romana
-
Escravos
: por dívida e de guerra.
República romana
(509 a.C - 27 a.C.)
- Monopólio político dos patrícios --> Senado;
Plebeus
- explorados e escravizados;
A Monarquia romana
- Rei com poder limitado por um Conselho de anciãos/Senado;
Século V a.C: conflitos e mudanças políticas
- Corrupção dos tribunos: todos foram de origem cliente. Passaram a apoiar os patrícios para obter benefícios próprios; (Marco Antônio era de origem cliente e chegou a se tornar cônsul.)
Justiça romana
- Inicialmente a religião legitimava o governo patrício;

- Distanciamento entre religião e política;

- Racionalização da política e do direito (estudo e interpretação das leis passa dos sacerdotes para os juristas);
ROMA ANTIGA (Séc X a.C - V d.C)
-
Patrícios
: ricos proprietários de terra e de gado, aristocracia de sangue;
-
Plebeus
: maior parte da população. Pequenos agricultores e não possuiam direitos políticos;
-
Clientes
: plebeus com poder aquisitivo, na maioria das vezes eram profissionais liberais (médicos, advogados etc.);
Cidadania romana
Homens livres (porém nem todos) tinham direito à: direito privado, ocupar cargos públicos e magistraturas e participar de assembleias politicas.
- Assembleia: grupo de cidadãos que validavam as leis do Senado.
assembleias (curiata - religiosa, tribal - urbana e centuriata - militar): controladas por patrícios, elegiam cônsules e magistrados e formulavam leis.
magistrados para diversas áreas; (Ex: Pretor, responsável pela justiça - juízes)
dois consulês (militar e religioso - pontífice: criavam e julgavam as leis; (tinham poder de veto um sobre o outro)
- Senado (orgão controlador e de cargos vitalícios
- ausência de representação política e de leis escritas.
- proibição de casamento com patrícios;
- discriminados nos tribunais;
A crise da república
- A população alienada apoiava aquele que tivesse as propostas mais sedutoras (demagogia);
O latifúndio
e a marginalização da plebe
- Formação de grandes latifúndios;
- Processo de marginalização da população (proletário: aquele que não fornecia nada ao Estado além da prole);
Conquistas romanas
Roma domina o mediterrâneo ocidental e oriental.
O 1º Triunvirato
Populista, iniciou a política do pão e circo;
Confiscou terras da aristocracia e distribuiu para o exército;
Nomeou senadores que não eram de Roma;
Em 44 a.C. se autoproclamou ditador vitalício. Descontente com a medida, o senado conspirou com o afilhado de Júlio César, Brutus e o assassinou.
Monarquia e República
(Baixa mobilidade social)
Conquistas > Discussões senatoriais.
Exército deixou de ser instrumento do governo e se tornou patrimônio dos generais;
Fortalecimento do exércitos e dos generais;
- Riquezas e conquistas geraram disputa por poder;
- Período das ditaduras (107 - 79 a.C.)
Exploração das colônias por governadores e
soldados;
- Dificuldade de administração de tão vasto território (Crise do Senado).
Em 31 a.C. Caio Otávio venceu as tropas de Marco Antônio e Cleópatra na
Batalha do Ácio
e se tornou o primeiro imperador de Roma, recebendo os titulos de
Imperator
,
Augustus
, e Príncipe (Primeiro cidadão)
Em 27 a.C. oficialmente teve fim a República romana e iniciou-se o período imperial.
-
2º Triunvirato
(Marco Antônio, Lépido e Caio Otávio)
Exigiam igualdades política, jurídica e social;
-
Tribunato da plebe
: formação da assembleia da plebe, que elegia os tribunos, magistrados representantes do povo no senado; (Inviolável e possuia poder de veto)
-
Lei das Doze Tábuas
(leis escritas válidas para plebeus e patrícios - surge a figura do advogado, aquele que interpreta as leis para os iletrados)
-
Leis Licínias-Séxtias
(fim da escravidão por dívida e um dos consulês sempre deveria ser plebeu);
- Plebeus ameaçavam abandonar as cidades, não pagar impostos, não trabalhar e não servir o exército; (Greve do Monte Sagrado)
-
Lei Canuléia
(permissão do casamento de plebeus com patrícios);
-
Nobilitas
: oligarquia formada por patrícios e plebeus influentes (tribunos);
- Adquirir a lealdade dos povos vencidos;
- A escravidão por guerra passou a ser extremamente rentável e fundamental para a economia;
- O exército era dividido em legiões e a organização em patentes inovou o sistema de guerras na antiguidade.
- Regiões conquistadas mantinham seu governo próprio, mas eram obrigadas a abastecer o exército romano com homens;
- O exército era pluricultural;
- Guerras Púnicas (Roma x Cartago-264 à 146 a.C.)
- Guerras Macedônicas: conquista da Macedônia e da Grécia.
- Conquista do Egito no século I a.C.
- As guerras de conquista diminuiram o fluxo das atividades agrícolas;
O que antes era produzido pelos plebeus, agora chegava à Roma sob forma de impostos cobrados das provincias conquistadas (Ex: Trigo vinha do Egito, Vinho e Azeite vinham da Grécia etc;
Êxodo rural -> inchaço populacional;
Mão de obra escrava passa a substituir a plebéia. (Desemprego estrutural -> inerente ao sistema econômico vigente).
- Tentativa de reforma agrária
A urgência das guerras exigia a decisão rápida de generais e não a lentidão do sistema de debates do Senado
Irmãos Graco
Tibério Graco - 133 a.C.: dizia que todas as
Ager publicus
deveriam ser distribuidas para aqueles que ainda não tivessem terras. (Morto a mando dos patrícios)
Caio Graco - 123 a.C.: Deu continuidade as propostas do irmão e foi obrigado a se suicidar.
- Surgem partidos rivais: o partido popular e o partido optimates (aristocrata)
- 107 - 86 a.C - O líder do Partido popular,
General Mário
, tomou o poder e se tornou ditador.
governou em prol dos menos favorecidos (populista);
foi o precursor da política do pão e circo;
os guerreiros graças a ele, receberiam um soldo pago em sal (daí o termo "soldado" e "salário") que podera ser vendido e o dinheiro utilizado para sobreviver.
Ditaduras
- 86 - 79 a.C -
General Sila
, do partido aristocrata, extremamente conservador, toma o poder.
retirou o soldo e os benefício da plebe;
aumentou o número de senadores de 300 para 600 e o poder deles;
perseguiu e matou membros do partido popular, senadores e comerciantes simpatizantes;
A pedido de alguns senadores, Sila poupou o sobrinho de Mário, chamado Júlio César, que foge de Roma. Porém nesse episódio, Sila diz:
"Cuidado com esse rapaz, pois ele nos será mil mários."
Sila abdicou de seu cargo em 79 a.C.
- Período da Anarquia
O período de Anarquia
- A revolta gladiadora/ de Spartacus
libertação de escravos e organização de um exército com cerca de 50 mil homens exigindo navios para ir embora da Itália;
O não cumprimento das exigências fez com que o exército rebelde invadisse o sul de Roma;
Apavorado, o Senado convocou os Generais Pompeu e Crasso, cônsules na época, para acabar com a revolta;
120 mil legionários suprimiram a revolta e promoveram as mais violentas punições aos rebeldes, como empalamentos, crucificações etc.
- crises sociais e revoltas populares
Pompeu e Crasso adquirem grande prestígio e respeito em Roma, e juntamente com o jovem General Júlio César, conquistador da Gália, subjugam o Senado e proclamam o 1º Triunvirato.
A morte de Crasso no oriente, fez com que Pompeu se autoproclamasse governante de seus territórios e em seguida foi atrás de Júlio César;
- 71 - 48 a.C. (Júlio César, Pompeu e Crasso)
Segundo as leis romanas, Pompeu não poderia atacar Júlio César, já que ele, mesmo sendo mais jovem, era sogro de Pompeu. Com a morte de sua esposa, dando a luz a seu filho, Pompeu investe sobre Júlio César, convencendo o Senado a torna-lo inimigo da República (persona non grata)
Júlio César, desrespeitando as leis romanas, reúne suas legiões e invade Roma (
Alea jacta est
- A sorte está lançada), repetindo a atitude do General Sila em 86 a.C. e obrigando Pompeu a se refugiar no Oriente para organizar seu exército
Batalha da Farsália - vencida por Júlio César. Pompeu ao se refugiar no Egito, sob o governo do Faraó Ptolomeu, acaba decaptado. De acordo com as leis romanas, um general não poderia ser tocado sem um julgamento aos moldes de Roma, se aproveitando disso, Júlio César interfere no governo de Ptolomeu e coloca sua irmã, Cleopatrá no trono.
Ditadura de Júlio César - 48 - 44 a.C.
O 2º Triunvirato
-44 - 31 a.C. (Caio Otávio, Marco Antônio e Lépido)
- O prestígio de Júlio César mesmo após sua morte, fomentou revoltas populares e um novo golpe de Estado promovido por pessoas próximas a ele;
- O Senado, desejando retomar o controle da República, não pensou na repercussão do assassinato de Júlio César;
- Num primeiro momento, promoveram a perseguição a todos os inimigos de Júlio César;
- Ambicioso, Caio Otávio, desejando governar sozinho, parte em perseguição dos outros triunviros;

- Lépido se retira do governo da África e Caio Otávio recebe o governo de seus territórios;
- Marco Antônio, resposta ao pedido de Cleópatra de proteção contra a invasão dos Núbios ao Egito, se alia a ela e arquiteta um plano de transformar Roma em um governo de Dinastia Romano-Egípcia;
- Caio Otávio incita o Senado contra Marco Antônio e Cleópatra;
Full transcript