Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Obsessão/Desobsessão

Aula 31, Quarto Ano, CEAK
by

Ruy Flavio de Oliveira

on 16 March 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Obsessão/Desobsessão

Obsessão e Desobsessão
Educandário, Domingo
16/03/2014
A Obsessão
O que é?
“Ação prejudicial, insistente, dominadora, de um espírito sobre outro.”
Obsessão é a insistência de um Espírito mau ou ignorante sobre determinada pessoa, agindo seguida e constantemente, transmitindo-lhe idéias negativas, estimulando vícios, perseguindo-a, sugando-lhe energias e roubando-lhe sensações.
Observação importante
“Ação Prejudicial” e “insistência” não são equivalentes a:
Dominação
Subjugação
Controle
Governo
Soberania
...
Chamamos “obsidiado” àquele que sofre a ação obsessiva de um ou mais espíritos.
Por que isso é importante?
Porque esse controle depende de como o obsidiado reage ao processo obsessivo.
Por que
acontece?

“Débito de um espírito para com outro”
Um parêntese: podemos dever, mesmo, a outro espírito?
Atração de um espírito para outro por sintonia mental
Pela falta de ação no bem
Quanto
ao seu agente

Desencarnado sobre encarnado
Obsessão Mutua
Encarnado sobre desencarnado
Auto-obsessão
Graus de
Obsessão

Obsessão Simples
Fascinação
Subjugação
Influência perceptível
Causa incômodo
Permite fácil reação
Todos sofremos, ocasionalmente
Obsessor conseguiu iludir o obsidiado
Obsidiado fica fascinado pelo obsessor
Não se reconhece obsidiado
Confia no obsessor
Gosta do relacionamento
Constrangimento moral e/ou físico, sem que a pessoa consiga reagirNão revoga o livre-arbítrio, mas o neutralizaVontade dominada pelo obsessor
A princípio Kardec rejeitou a ideia de possessão, por acreditar que o mecanismo de dominação completa não poderia existir, por implicar na substituição de um espírito por outro em um corpo vivo.
Contudo, diante do caso da Sra. A., e principalmente da Srta. Júlia, pode constatar que o fenômeno, de fato, existe. (Revista Espírita, 1863, “Um Caso de Possessão”)
Como Prevenir?
Como reconhecer?
SINAIS DE ALARME
Há dez sinais vermelhos, no caminho da experiência, indicando queda provável na obsessão:

quando entramos na faixa da impaciência;

quando acreditamos que a nossa dor é a maior;

quando passamos a ver ingratidão nos amigos;

quando imaginamos maldade nas atitudes dos companheiros;

quando comentamos o lado menos feliz dessa ou daquela pessoa;

quando reclamamos apreço e reconhecimento;

quando supomos que o nosso trabalho está sendo excessivo;

quando passamos o dia a exigir esforço alheio, sem prestar o mais leve serviço;

quando pretendemos fugir de nós mesmos, através do álcool ou do entorpecente;

quando julgamos que o dever é apenas dos outros.

Toda vez que um desses sinais venha a surgir no trânsito de nossas idéias, a Lei Divina está presente, recomendando-nos a prudência de amparar-nos no socorro da prece ou na luz do discernimento.
Scheilla
(Psicografia de Chico Xavier, Ideal Espirita)
Duas palavras simples resumem a prevenção:
“Vigiai” e “Orai”
Como
se cura?

Pela Ação do Encarnado
Confiança

Paciência

Renovação Moral
Prática do Bem

Perdão

Dar sequência a vida
Pela Ação do Desencarnado
Mudança de atitude diante da falta de resultado

Decisão de perdoar

Resultado da Lei do Progresso
Pela Ação de Terceiros
Resistência Fluídica (Orações, Passes, Vibrações)

Esclarecimento (tanto ao encarnado, quanto ao desencarnado)
Lembrando sempre
“Você consegue levar um cavalo até a beira d’água, mas não consegue fazê-lo beber.”
A Desobsessão
O que é?
É o trabalho doutrinário e mediúnico, feito na tônica do amor fraterno, procurando a libertação de ambos – obsessor e obsidiado – do processo prejudicial em que se encontram.
Comportamento
Percepção dos fluidos
Vidência
Atenção
Os sinais são tênues
Assumir que o indivíduo está sofrendo obsessão é bastante temerário
Agir com muita cautela e extrema caridade ao avaliar uma situação alheia
Agir com muita calma, muita confiança, total honestidade e também total humildade ao avaliar a própria situação
Subjugação
A crise faz com que a pessoa aja de forma diversa ao seu normal: palavras, gestos, expressões, opiniões
A crise faz com que a pessoa aja como se fosse outra
No retorno da crise, a pessoa se queixa do domínio, ou não se lembra do que acaba de fazer ou dizer
Fascinação
Ideias fantasiosas começam a fazer parte do cotidiano da pessoa
Ligação exacerbada com o que um “mentor” ou “espírito de luz” diz ou manda fazer
Rejeição de conceitos doutrinários estabelecidos
Sinais obsessivos do médium
Obsessão e Mediunidade
Não é a
faculdade mediúnica
ou o
Espiritismo
que provocam a obsessão.
É Ferramenta!
Doutrina de amor e paz, que visa a evolução do indivíduo através da prática do bem.
A Obsessão é escolho da Humanidade, e não só da Mediunidade: aflige tanto quem é médium quanto quem não é médium.
Persistência de um espírito em se comunicar

Ilusão a que se entrega o médium, sem perceber a falsidade das ideias ou o ridículo que passa

Crença na infalibilidade e na identidade absoluta do espírito

Confiança nos elogios (e sede de recebe-los)

Disposição para se afastar das pessoas que emitam opiniões contrárias às dos espíritos e que alertem para a fascinação

Necessidade incessante e inoportuna de escrever e dar comunicações

Constrangimento qualquer dominando-lhe a vontade e forçando-o a agir ou falar
A avaliação constante e criteriosa, movida pelo rigor doutrinário e permeada pelo desejo fraterno pelo bem dos companheiros e dos trabalhos mediúnicos é a chave para a identificação e correção das distorções. A humildade e a coerência por parte de todos, por certo, é fundamental.
Full transcript