Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Comunicação, Espaço e Tecnologias Móveis

No description
by

Leonardo de Oliveira

on 9 June 2018

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Comunicação, Espaço e Tecnologias Móveis

COMUNICAÇÃO, ESPAÇO E
TECNOLOGIAS MÓVEIS

Temas Abordados

O que é Mobilidade?

O que são Espaços de Fluxos e Espaços de Lugar?

O que é Não-Lugar?

O que é Jornalismo Móvel e suas potencialidades e desafios?

O que é Realidade Virtual e Realidade Aumentada?

Definição de Mídia Locativa;

Os problemas de segurança e privacidade em meio a globalização dos fluxos informacionais.

O que é Mobilidade?
Quando se pensa é mobilidade é difícil especificar. Mobilidade de que? Ela é física, ou ela é virtual? Existem várias vertentes de mobilidade.

Como o próprio nome diz pode ser um telefone móvel, responsável por conectar uma imensidão de pessoas com todas as partes do mundo, bilhões de seres em apenas um aparelho. Pode ser a minha mobilidade de sair de casa e ir a algum lugar, onde lá vou depender da mobilidade urbana (carros, ônibus, metrô..).

Então em suma a palavra Mobilidade nada mais é que a vida, a vida que se vive seja onde for, em casa nas mãos com um aparelho, em um quarto atrás de uma tela de computador, na rua se locomovendo utilizando veículos feitos para a mobilidade de alguém, de milhares.

Mobilidade move nações, gera emprego nas indústrias, as indústrias são construídas para ela e dependem dela para ganhar dinheiro.

Tudo isso é mobilidade e um Mundo Moderno.
Seminário de Jornalismo - 2º Período
Alunos: Caio, João Rafael, Leandro, Leonardo e Lucas
Docente:
Marelene Fernandes
Disciplina:
Comunicação e Tecnologias Digitais

O que são Espaços de Fluxos e Espaços de Lugar?
Segundo Manuel Castells sociólogo espanhol e estudioso de media communication, o espaço é o suporte físico no qual as pessoas vivem no tempo, tempo este real.

Esse espaço-tempo ao qual vivemos e estamos acostumados, seria o que ele chama de Espaço de Lugar.

O novo espaço que aparece a partir dessas novas tecnologias se diferencia deste anterior porque possui três elementos:

1) Um meio de fluxo adequado;

2) Os elementos adequados que compõe o fluxo e que “atravessam” através dele;

3) Os “nós” organizacionais que controlam a circulação desses fluxos.
O que é Não-Lugar?
Marc Augé, um importante etnólogo francês, estabeleceu um conceito importante para a sociologia chamado de Não-Lugar. Em sua concepção, o
Não-Lugar
é exatamente o oposto de lar, residência ou aquele espaço personalizado.
O que é Não-Lugar?
Segundo Augé, os
lugares
implicam em ambientes de pertencimento e está relacionado com três dimensões:

• Identitários: um lugar antropológico simbólico marcado pela identidade, ou seja, seu lugar de nascimento, as regras de residência, etc., são como uma inscrição no solo que compõe a identidade individual;

• Históricos: a história comum, ou seja, seu destino. Na medida em que os nativos vivem na história;

• Relacionais: a relação, ou seja, seu grupo pessoal. Referências compartilhadas que designam fronteiras marcam a relação com seus próximos e os outros.

Em oposição, os
não-lugares

não se definem
como identitários, relacionais ou históricos.
O Jornalismo Móvel
O QUE É JORNALISMO MÓVEL?

A comunicação pode se dar em vários locais através dos dispositivos móveis, Jornalismo móvel se dá porque os computadores PC’s dão lugares aos smatphones, intercalando Lugares físicos com o ciberespaço.

O acesso à internet começa a ser o próximo canal de expansão da comunicação móvel no país. Isso nos leva a crer que a popularização dos aparelhos deve encaminhar uma maior popularização da tecnologia.

De fato, as comunicações sem fio fazem parte da evolução histórica do país, com isso o jornalismo móvel vem crescendo cada dia mais.

Esses dispositivos estão imersos nas redes wireless que se expandem rapidamente em coberturas e velocidade de banda. O massivo uso de aparelhos como celulares de maneira intensiva tem transformado a relação homem/máquina.
O Jornalismo Móvel
Entende-se por tecnologias móveis digitais smartphones, palmtops, notebooks, mini laptops, celulares, PDA´s, gravadores e câmeras digitais, aplicativos portáteis como pen drive e similares.

As conexões sem fio são formadas por Wi-Fi, WiMax, Bluetooth, infravermelho e tecnologia de terceira geração 3G que variam de acordo com a velocidade de conexão e o alcance em termos de cobertura. Cada vez menores, mais potentes e híbridas são responsáveis por manter o repórter por mais tempo em campo para apurar, capturar vídeo, imagens e enviar às redações ou publicar direto do local.

Entretanto, alguns editores se mostram preocupados com a qualidade das notícias sem uma supervisão adequada da produção de campo dos repórteres.

O Jornalismo Móvel
AS POTENCIALIDADES E DESAFIOS

As vantagens desses dispositivos para o jornalismo, podemos já observar nos atos terroristas de Madrid em 2004, em que a população local se reuniu através de mensagens de texto.

O resultado foi a maior manifestação pública na cidade desde a Segunda Guerra Mundial.

Nos atentados de Londres em 2005, aparelhos móveis registraram as imagens do metrô após as explosões. Estas imagens foram para as redes de televisão de todo o mundo pelo critério de informação e não de qualidade técnica.

Os cidadãos estão equipados com câmeras conectadas que podem relatar fatos antes dos profissionais.

Os mais importantes desafios da utilização do jornalismo móvel é lidar com fontes de informação, com base de dados, com o processo produtivo como um todo interligado por redes locais e remotas através da possibilidade de construção de reportagens mediadas por computador.
Mídias Locativas
O termo "
Mídias locativas
" foi concunhado por Karlis Kalnis como um conjunto de informações e tecnologias , com seu conteúdo de informações ligado diretamente a uma localidade. Tornado possível o compartilhamento de informações sobre um determinado local, criando um novo aspectos sobre o lugar. Entretanto as trocas de informações não são mais geradas por meios massivos, ou seja por um lugar fixo, nem do ciberespaço que são acessado em locais fechados, são gerados por dispositivos que emite a informação sobre determinado o local, são informações geradas por diversos usuários , que usam tecnologia sem fio ou seja tecnologias de rastreamento que por sua vez permite que a informação seja ligada a espaços geográficos.

O GPS, que significa:
Sistema de Posicionamento Global
, é a tecnologia que permite a localização e a orientação dos usuários, tanto como pessoas e computadores, que virtualmente permite, seguir seu caminho ou se encontrar aonde for que seja. Perante a Tecnologia GPS, outros dispositivos que compõe os tópicos de mídia locativa, são, os telefones celulares, laptos, WI-FI, bluetoohs, etiquetas de identificação por radio freqüência,etc... São ligados a redes que permitem troca de informações moveis, sobre o determinado lugar ou assunto geográfico. Devido aos avanços da tecnologia quanto da internet, o leque de informações que são geradas e armazenadas, a partir de dispositivos sensíveis é bastante extenso.
Mídias Locativas
Ronald Lenz, definiu várias categorias aos tipos mídias locativas, ao todo Lenz descreve dezenove tipos de praticas, algumas categorias como exemplo são, blogs que incorporam semântica geo-locativa, softwares sociais moveis, dispositivos de mobilidade tais como fones com detecção de movimento e controle por meio da utilização de sensores , internet móvel, entre outras.

Nesse contexto, surgem projetos que exploram os espaços geopolíticos das cidades, como exemplo um usuário que postam em localização geográfica historias pessoais, pensamentos, informações sobre o determinado local que é postada virtualmente em um espaço geográfico, com a ajuda do GPS para ser recebida por um outro usuário, gerando um espaço urbano cujo os usuários tais como moradores, residentes novos, turistas, podem desfrutar e redescobrir os lugares . Projetos que por fim beneficia a todos, com a comunicação colaborativa de conhecimento e compartilhamento.
Realidade Virtual e Realidade Aumentada
Realidade Virtual
é uma tecnologia capaz de enganar os sentidos de um usuário, por meio de um ambiente virtual, ou seja, todo um cenário gerado por computador. Ao induzir efeitos visuais, sonoros e até táteis, a realidade virtual permite a imersão completa em um ambiente simulado, com ou sem interação do usuário. Permite que as pessoas emergirem na interação como se fosse algo real com a ajuda de óculos.


Diferentemente da Realidade Virtual, a
Realidade Aumentada
é uma tecnologia utilizada para unir o mundo real com o virtual, reconhece códigos em superfícies, como a câmera do celular, códigos em figuras ou óculos, geralmente gerando hologramas sobrepostas criando imagens reais em dispositivos digitais.
Os problemas de segurança e privacidade
em meio a globalização dos fluxos informacionais
Castells fala sobre um novo paradigma da tecnologia da informação, baseado, construído a partir do aprimoramento do indivíduo.

Para o autor, isso é extremamente importante para que a tecnologia continue avançando sem prejudicar a segurança da humanidade e sua qualidade de via.

Tal fato acontece pois, no processo de informatização da sociedade, o consenso sobre valores, princípios e tradições está desaparecendo.
Os problemas de segurança e privacidade
em meio a globalização dos fluxos informacionais
Os avanços tecnológicos e a globalização de informações auxiliam, segundo o livro Comunicação e Mobilidade, de André Lemos, a manutenção da segurança. Porém, a vídeo-vigilância, por exemplo, também pode ser interpretada, de certa forma, como violação de privacidade.

O autor também cita exemplos de aparelhos tecnológicos utilizados por nós nos dias atuais, que também podem servir como dispositivos de vigilância, pois possuem em sua “engrenagem” sistemas de monitoramento.

Podemos portanto entender a segurança e a privacidade hoje em dia de forma um pouco confusa, pois embora pequenas invasões de privacidade sejam justificadas pela necessidade de se preservar a segurança, o monitoramento também está presente em redes sociais, por exemplo, e espaços de divertimento, portanto tendo acesso a informações privadas, e abrindo um leque muito grande de possibilidades relacionadas ao destino que se dará a elas: se o esquecimento após verificação de sua natureza inofensiva, ou se repasse para outros, por exemplo. Tudo isso, considerando que na sociedade atual, a segurança é um elemento afirmador.
O
Não-Lugar
são espaços públicos de rápida circulação como: aeroportos, rodoviárias, estações de metrô, pelos meios de transporte, pelas grandes cadeias de hotéis e supermercados. Ou seja,
são os lugares de acesso, de movimento, trânsito ou passagem.
Nestes as pessoas são clientes, consumistas, passageiro ouvinte numa relação individual.
LUGAR
NÃO-LUGAR
Leandro
Leandro > Leonardo
Leonardo
Leonardo > Rafael
Rafael
Rafael
Rafael
Caio
Caio > Lucas
Rafael > Caio
Lucas
Lucas
Full transcript