Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

palatalização

No description
by

bruna bentes

on 25 April 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of palatalização

0 + - = 9 8 7 1 2 3 4 5 6 c Objetivos Descrever a sibilante em Manaus;

Investigar a influência fonológica do falar manauara no processo de aprendizagem de inglês;

Quantificar a predominância da palatalização do /s/; Sibilante em Manaus Comportamento fonético-fonológico do /s/ no Brasil
na pesquisa "astronaut", "estimation", "ostracism" antecede ao /t/ foram palatalizadas

Pedrosa (2009, p.142)
"O traço coronal ser ambiente propício à palatalização"

Conexionista:
exposição frequente à L2; associações, aprendizagem

Estudantes brasileiros de inglês.

Início de investigações linguístico-científicas no português falado em Manaus na aprendizagem de inglês A influência fonológica do português falado em Manaus na aprendizagem de língua inglesa: a palatalização do /s/ pós-vocálico. Orientadora: Msc. Tatiana Belmonte dos Santos Metodologia UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS
INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS
DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS E LITERATURAS ESTRANGEIRAS Gráficos Bruna Thayana França Bentes Ocorre na variante amazonense da LP;

Posições inicial e medial diante de vogal átona
ou tônica;

Não ocorrem em posições inicial e final
pós-vocálicas, nem formam grupos consonantais. Barbosa (1995) Questionamento O falar manauara influencia na aprendizagem de língua inglesa? Justificativa O português brasileiro é rico em variações
Implicações do processo de aprendizagem da L2. Hipótese É provável que no processo de aprendizagem da L2, os alunos façam transferência da estrutura fonético-fonológica da L1. A sibilante no português brasileiro Cavalcante (2012) Morfológico Variações acontecem
em todos os níveis:
Sintático Fonético-Fonológico. "as mudanças ocorrem de acordo com o dialeto utilizado pelos falantes" os fonemas consonantais Ribeiro (2006 apud MONTEIRO, 2009, p.20)
[z] ou [ ] seguido por consoante sonora.
Ex: esboço, desvio

[s] ou [ ] seguido por consoante surda ou final de palavra.
Ex: pasta, asco, mês, luz

[z] segmento inicial em posição final de sílaba.
Ex: luz, luzes Silva (2013) "O processo de palatalização está presente no Português desde a formação inicial da língua". miscere > mexer
passione > paixão Todos esses fones [s,z, ] ocorrem
tanto no português quanto no inglês Posições inicial, medial e final O fonema / / não ocorre em posição inicial no inglês. Monteiro (2009) [s] sapato, soro, acerola [z] zelador, preso, casebre [ ] asfalto, astro, rapaz, lápis Martins (2007) dados fornecidos pelo ALiB: três variantes ocorrem na fala dos informantes: Martins (2007) Dados fornecidos pelo ALiB
355 dados em posição medial 178 ocorrências de [s,z]

167 ocorrências de [ , ]

10 ocorrências de [ , ] "mermo" Transferência da fala padrão
para o inglês. Barbosa (1995) No português de manaus, /s, z/
é sempre pré-vocálico e nunca
pós-vocálico. Influência da L1 na L2 A abordagem conexionista

"Investigar a natureza dos
mecanismos cognitivos que
subjazem à aprendizagem dos
processos fonológicos, semânticos
e sintáticos" Zimmer (2003, p.2) O modelo conexionista: Dados que alimentam a mente: input, hidden, output Baseada em padrões associativos;

O conhecimento é armazenado por conexões;

A aprendizagem ocorre como resultado de mudanças graduais na força das conexões

Experiência. "Quanto maior a exposição do indivíduo a uma palavra, por exemplo, mais sinapses se reforçam na rede" Leite (2008, p.6) Ferrari (2002 apud LEITE, 2008)

O meio, frequente exposição;

Emoção e atenção;

Podem interferir com mais ou menos sinapses. Zimmer (2006, p.118) Relacionado com a percepção

Os sons da L2 são percebidos como se fossem da L1. Pesquisa Quali-quantitativa

Coleta de dados em uma escola em Manaus

Fonética Instrumental

Praat Software

Análisar, descrever,quantificar o fenômeno Os informantes Nascidos e criados em Manaus; Pais nascidos e criados em Manaus;

Nunca morado fora por mais de 3 anos; Não possuem curso de inglês Possuem curso de inglês Grupos A coleta de Dados 3° ano do Ensino Médio
Escola pública de manaus
Zona centro-oeste Corpus Instrumental de análise: Praat Análise e síntese da fala
Desenvolvido pelos linguistas Paul Boersma e David Weenink
Institute of phonetic Sciences da Universidade de Amsterdã.
análise do som como ondas, focando frequência, comprimento,decibeis, etc.
no espectrograma, vemos os formantes
é a intensidade do pico no espectro de um som. Análise dos Dados Identificação do Fenômeno 108 dados
22 palatais > 20.4%
"ostracism" > 6ocorrências 54 dados
19 palatais > 35.2%
"ostracism" > 6 ocorrências 54 dados
3 palatais > 5.5%
"estimation"
"oscar"
"ostracism" 1 ocorrência Considerações Finais Referências AGUIAR, B. F. O estudo do –S em coda silábica nas cidades de Niterói, Macaé e Barra Mansa. Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro, 2010.
BARBOSA, L. P. Manual de Fonética do Inglês. Manaus: EDUA, 2002.
BARBOSA, L. P. Fonologia – a fala amazonense e sua influência no ensino de inglês. Manaus: UA, 1995.
CALLOU, D. e LEITE,Y. Iniciação à fonética e à fonologia. 7ª ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2000.
Cambridge Advanced Learner’s Dictionary. Cambridge University Press, 2003
CAMPOS, M. S.“O falar de Borba: Aspectos fonético-fonológicos”. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura e humor, no 37, p.135-152, 2o sem, 2008.
CAVALCANTE, M.S.N. A língua que falamos: Um estudo sobre as variantes fonéticas do português na fronteira Tabatinga (Brasil) – Letícia (Colômbia). Em anais do SIELP: Uberlândia: EDUFU, 2012.
DÖRNYEI, Z. Research Methods in Applied Linguistics. Oxford University Press, 2007.
FINGER, I. Teorias de Aquisição da Linguagem. 2007
LEITE, A. S. O paradigma conexionista na aquisição lexical. ReVEL. Vol 6, n.11, 2008
MARTINS, F.S. Comportamento fonético-fonológico do /S/ pós-vocálico em Manaus. Em Anais do SILEL.Uberlândia: EDUFU, 2011
MONTEIRO, M. F. C. Representações de professores de inglês em serviço sobre a Abordagem Instrumental: um estudo de caso. São Paulo, 2009
MONTEIRO, R.C.N. A produção palato-alveolar de /S/ nas vozes do Amapá. Dissertação de mestrado. João pessoa, 2009.
PEDROSA, J. L.R. Análise do /s/ pós-vocálico no português brasileiro: coda ou onset com núcleo foneticamente vazio?. Tese de Doutorado. João Pessoa, 2009.
SACCONI, L.A. Minidicionário Sacconi da língua portuguesa. São Paulo: Atual, 1996.
SANTOS, T.B. Descrição da nasalidade no município de Barreirinha, comunidade do Andirá, no Amazonas. Dissertação de Mestrado. Manaus, 2013
SAUSSURE, F. Curso de Linguística geral. São Paulo: Cultrix, 1969
SILVA, T. C. Fonética e fonologia do português: roteiro de estudos e guia de exercícios. São Paulo: Contexto, 2013.
ZIMMER, M. A transferência do conhecimento fonético-fonológico do português brasileiro (L1) para o inglês (L2) na recodificação leitora: uma abordagem conexionista. Tese de doutorado. Porto Alegre, 2003. Referências IMC01 IMS01
Full transcript