Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Respostas metabólicas ao Exercício Prolongado

No description
by

Amanda Simões

on 3 December 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Respostas metabólicas ao Exercício Prolongado

A utilização simultânea dos estoques de gordura e de glicogênio hepático torna-se progressivamente mais importante na manutenção da produção muscular de ATP, á medida que o exercício avança e os estoque de glicogênio muscular são depletados.
30 a 180 minutos
Taxa de ATP relativamente baixo
Hidratação
Carnitina
Transporte de gordura para a mitocondria
ciclo glicose-ácidos graxos
diminuição do complexo piruvato deidrogenase ativado
redução do consumo de glicogenio muscular durante exercicio
A energía proveniente dos carboidratos se esgotaria em aproximadamente 90 minutos de corrida. No entanto, o recorde mundial de maratona é de 130minutos
O conteudo de carboidrato do musculo esqueletico é muito resistente á alteraçoes em individuos sedentários.
Fonte de energia para o exercício prolongado
A integração da oxidação de carboidratos e gorduras pelo músculo esquelético
Disponibilidade do Carboidrato
Muscular dieta e exercício

Respostas Metabólicas ao Exercício prolongado
Amanda simões
Bárbara Mól
Isabela Salles
José Soares
Lázaro Lobo
Ronan Fonseca

Ingestão de Carboidratos
Imediatamente antes
do Exercício

Ingetão de carboidratos durante o exercício
Mecanismos da Fadiga
A ingestão de carboidratos antes do exercício ajuda a assegurar que os estoques de glicogênio hepáticos sejam IDEIAS.
Efeito Rebote da insulina
Rápida liberação de insulina
Declíniio da glicose
Liberação Àcidos Graxos Livres
Fadiga
FRUTOSE Tida como fonte ideal de carboidratos
Pequena liberação de insulina
Menor taxa de utilização do glicogenio muscular
Aceleração da síntese hepática
do glicogênio
A ingestão de carboidratos durante o exercício podem aumentar a capacidade de resistência de exercícios prolongados.
Berstrom e Hultman
Infusão intravenoza de glicose



Indivíduos não condicionados

Período: 70 minutos de exercício a 70% VO² máx
Redução de 25% da utilização do glicogênio muscular
A ingestão de carboidratos durante o exercício aumenta a oxidação dos substratos
A mobilização e oxidação de gorduras diminui
Tsintazas
Carboidrato X placebo
Redução de 25% da utilizaçãode glicogênio nas fibras tipo I após 104 minutos de exercício, o que não ocorreu nas fibras tipo II
Coyle
Placebo aromatizado X Polímero de glicose
Não havia diferença na utilização do glicogênio muscular
Periodo de 3 horas de exercício
Porem os individuos que não ingeriram soluçoes de placebo apresentaram exaustão.
Após 182 minutos- queda na concentração de glicose sanguinea.
Enquanto os que ingeriram a glicosada conseguiram realizar por mais de 240 minutos.
Apesar da riquesa de informações que apontam que a disponibilidade dos carboidratos é essencial para o desempenho durante exercícios intensos,o mecanismo bioquímico exato da ocorrência da fadiga na condição de depleção de arboidratos pernece.
A manutenção de uma hidratação adequada atenua o aumento da temperatura interna durante o exercício.
No entanto, com o desenvolvimento da desidratação, há um aumento de estresses sobre os sistemas cardiovascular e termorregulador para manter o equilíbrio do calor.

55% para 80-90%
Infra-regulação da proteina transpostadora
glicogênio sintase
3 a 4 dias de inanição terão pouco
efeito nas reservas musculares de glicogênio
Década de 30, Christensen e Hansen
1967,bergston e Hultman
bicicleta a 80% Vo2 Máx
70 minutos- Depleção do glicogenio muscular
Piruvato Deidrogenase
Forma ativa e inativa
Impede a formação de Acetil CoA e aumenta com a intensidade
Ca+ Ativa a fosfatase atravez da promoção da sua desfosfoização
Depleção do glicogênio + ingestão dietética de carboidratos
1966
Ressíntese
Supercompensação de estoques musculares
de glicogênio é restrita ao grupo
muscular exercitado
Relação entre a ingestão dietética anterior ao exercício, os estoques musculares de glicogênio e a capacidade do exercício
Restrição de carboidratos
Reduziu o glicogênio muscular - 65%
Rica em Carboidratos
Aumentou o glicogênio muscular- 95%
Restrição de carboidratos:
Tempo de resistência
55%
Rica em carboidratos:
50%
Ciência do exercício
''Carga de carboidratos
Dieta rica em carboidrato-->
Recuperação--> ressíntese-->
25% maior Fibras Tipo I -->taxa
de ressíntese diminui tipo I-->
Tipo II estável -->24 horas se iguala
Glut 4

Vital no metabolismo dos carboiratos
Disponibilidade
de carboidratos
no fígado,
Dieta e exercício

Liberação de glicose no período pós absortivo- 0,8-1,1 mmol/ minuto
Dieta X Exercícios
X
Metabolismo de carboidratos hepáticos
70% da liberação deriva de estoques hepáticos
Restante é sintetizado pela gliconeogênese:
Lactato, piruvato, glicerol e aminoácidos
Ciclo da glicose Alanina
Década de 70
A alanina não é apenas o produto
final da glicose mas também contribui significavamente com a gliconeogênese hepática e serve para manter a produção de glicose hepática durante condições de restrição de carboidratos
Músculo
Fígado
Ciclo da Glicose Alanina
O Fígado é extremamente sensível ás alterações da ingestão dietética de carboidratos-
Privação Alimentar
1973, Nilsson e Hultman
1 dia de privação- 270--> 30 mmol/kg m. úmida
22 horas de jejum- gliconeogênese hepática é responsável por, 65% da produçaõ total de glicose
Pós absortivo: taxa de liberação hepática aumenta em função da intensidade do exercício
Concentração
sanguinea de insulina
Adrenalina e Glucagon
E o prolongamento do exercício extimulam a
liberação de Glicose hepática
Estudos recentes buscam dar respostas mais conclusivas
Glicose diminui- 90 minutos
Ressíntese- 3 a 4 vezes mais rápidas-Frutose
Ocorrem implicações importantes no
desempenho do exercício
Indiretamente
+ rápida dos estoque
Diretamente=
Hipoglicemia/inibição neurológica
Maximização dos estoques de
carboidrato ANTES do
exercício prolongado!
Fica evidente que, para ser bem sucedida na redução da utilização do glicogênio muscular, de modo a melhorar o desempenho, a contribuição para a produção total de energia vinda da ingestão de carboidratos durante o exercício deve ser maior do que a derivada da oxidação de gordura.
A ingestão de carboidratos aumenta a capacidade de resistência pela contribuição á produção oxidativa de ATP e , por essa ação retarda o desenvolvimento da depleção de glicogênio nesse tipo de fibra.
Efeito do aumento da
disponibilidade de gordura
antes do exercício

Oxidação de gorduras
Hipoglicemia durante o exercício
Ingestão dietética envolvendo atividades de longo prazo
Fonte de combustível armazenado
As vias energéticas utilizadas em uma atividade sempre irão depender de dois fatores intensidade dos exercícios e o tempo de duração dos mesmos .Diante disse, podemos afirmar que quanto mais tensa for a necessidade de se obter energia imediata, menor será a degradação dos áciddos graxos livres para a produção de atp.
Em exercícios de intensidades moderadas por períodos constantes, os meios aeróbios de produção de atp passam a predominar, sendo estes um tanto quanto mais demorados, porém essas fontes energéticas são mais duradouras que as anaeróbicas
Full transcript