Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Comunicação ubíqua - Repercussões na cultura e na educação

No description
by

Bruna Nau

on 7 November 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Comunicação ubíqua - Repercussões na cultura e na educação

A web em perspectiva
A cidade e o corpo como interfaces
Cidades interfaceadas
Waal: plataformas, programas, filtros e protocolos.
Lemos (2004): cidade-ciborgue (cidade da cibercultura); cidades virtuais, governo eletrônico, cibercidadania, exclusão/inclusão digital, ciberdemocracia.

O corpo aquém e além do invisível
Cultura Tecnológica e corpo biocibernético (Santaella, 1998).
Corpo como interface com a cidade.
Terminais de interface: percepção, sensorialidade, motricidade e afecção humanas.

Cidades e corpos em simbiose
Tecnologias como extensões humanas e das cidades.
O pós-humano na convivência com a internet das coisas
Nas entranhas das RFID (Identificação por Radiofrequência)

Identificação e rastreamento.
Habilita a coleta de dados por meio de tags eletrônicas.
Código de barras, biométrica, fitas magnéticas, reconhecimento ótico e de voz, cartões inteligentes.
Segurança e privacidade.
Introdução
Grupo de pesquisa Educação e Cibercultura
Apresentação: Bruna Nau
Comunicação ubíqua - Lucia Santaella
Por uma nova ontologia: Realismo especulativo

Bogost (2012) - existência # pensamento; as coisas especulam, mas de que forma? rejeição ao correlacionismo.
Ontologia achatada (DeLanda; Bryant).
Interesse em questões ontológicas (Deleuze; Guatarri).
Irreducionismo (Latour).
Cognoscibilidade do Absoluto; fim da dualidade sujeito-objeto, correlacionismo (Meillassoux).
Badiou; Zizek; Brassier; Grant; Harman; Tosacano.
Pós-humano: próximos passos

O pós-humanismo reconhece a heterogeneidade, a multiplicidade, a contradição, o contexto, a objetividade situada como consitutivos do humano, por isso pressupõe o descentramento do humano e recusa concepções essencialistas do humano.
Conversações dos objetos com a internet e as pessoas

"O futuro será definido pelos spimes".
Microchips.
Ambientes inteligentes: iluminação, trânsito, entretenimento, economia, organização.
Internet das coisas
extensão da internet no mundo físico, tornando possível a interação com e entre objetos;
objetos cotidianos e pessoas com tecnologias agregadas;
complexo tecnológico de redes inteligentes ubíquas.
As promessas da Web 3.0
Web semântica: busca a partir de significados.
Esquema, ontologia e lógica.
NLP (Processamento da linguagem natural): Web "capaz de compreender a linguagem natural, reconhecer o contexto e raciocinar sobre as necessidades do usuário, para oferecer uma experiência personalizada, mais produtiva e intuitiva" (LAFUENTE, 2011, p. 80).

Reutilização e mashup (mistura) dinâmica.
Na Web 3.0, os espaços organizados em tempo real pelos usuários a partir de uma coleção de recursos de diferentes sites.
Apropriação para fins comerciais e de divulgação.
Estado social.
Tendências para um futuro próximo
Discussão de aspectos éticos e sistemas de controle, privacidade/liberdade.
Web pragmática.
Convergência; Tela sensível; Banda larga.
Tencossustentabilidade: tecnologias verdes.
Desconexão consciente: equilíbrio psíquico e físico.
Interface
ambientes que permitem que dois ou mais sistemas mútuos se adaptem.
Poissant (2009): sensores, gravadores, atuadores, transmissores, difusores, integradores.



"Quanto mais a tecnologia se infiltra em todos os lugares, tanto mais ela vai se tornando invisível" (p.59)
A imprensa e a alfabetização tornaram o mundo um livro a ser lido [...]. A pesquisa verdadeira do domínio das interfaces, particularmente na arte, faz pensar que se visa mais a uma reaplicação de um mundo 3-D"
(POISSANT, 2009, p.24).
Graduação (PUC-SP) - Letras Português e Inglês

Teoria Literária
Ciências da Comunicação
Semiótica
Tecnologias da Inteligência
Design Digital
Estudos Peirceanos, Mídia e Comunicação

O estado da arte da Web
Fases da revolução digital (Peterson, 2003)
Eras da idade digital (Lafuente, 2011)
hardware
software
interfaces
ecologia tecnológica
microcomputador (1990-2000)
(2000-2010)
Web semântica (2010-2020)
Ecologia das mídias (TICs e comunidades culturais) na sociedade mediatizada/midiatizada: hipersociabilidade, cognição distribuída, inteligência coletiva (corpo, mente e contexto).

Ser cidadão - distinguir linguagens e mídias,
suas naturezas comunicativas, injunções
político-sociais, levantar perguntas.
Hipermobilidade e ubiquidade desdobrada

Hipermobilidade: "mobilidade física acrescida dos aparatos móveis que nos dão acesso ao ciberespaço" (p.15).
disponibilização de um tipo de comunicação ubíqua, pervasiva, corporificada e multiplamente situada;
seres ubíquos, presentes-ausentes.
Ubiquidade na computação
Ubiquidade:
"habilidade de se comunicar a qualquer hora e em qualquer lugar via aparelhos eletrônicos espalhados pelo meio ambiente" (p.16).

"coordenação de dispositivos inteligentes, móveis e estacionários para prover aos usuários acesso imediato e universal à informação e novos serviços, de forma transparente, visando aumentar as capacidades humanas" (p.16-17) Araújo, 2003.
móvel
pervasiva
ubíqua
COMPUTAÇÃO
Cognição cultura e educação
Cultura - Pensamento - Ação
Cultura líquida - linguagens líquidas
"É preciso viver as tecnologias"
Full transcript