Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Raymond Aron "Paz e Guerra entre as Nações"

No description
by

Juliana Massari

on 11 April 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Raymond Aron "Paz e Guerra entre as Nações"

3. A dialética da subversão
Conclusão
Aron busca, através do capítulo XVII, caracterizar duas das armas mais utilizadas pelos dois blocos em período de Guerra Fria: a persuasão e a subversão. Em tempo de manutenção de poder e corrida armamentista, qualquer confronto direto representaria um perigo à sobrevivência dos Estados. A URSS acaba então usando a legitimidade do próprio ideal capitalista de liberdade democrática para promover a ideologia soviética, através de partidos legalizados pelo ocidente. Com essa legitimidade, era muito fácil enfraquecer governos capitalistas com influências indiretas e financiamentos das minorias. Para combater o perigo vermelho e sem muito pretexto para proibir articulações comunistas dentro do próprio bloco, os EUA acabam por promover uma "nova doutrina Monroe", onde que à menor possível iminência (por mais falaciosa e afastada da realidade ela fosse) de uma tomada comunista, governos ditatoriais de direita eram articulados nas zonas de influências americanas, o que explica o envolvimento estadunidense no surgimento das ditaduras militares da América do Sul, o que, segundo Aron, seria totalmente racional por parte do Estado Americano.
"Paz e Guerra entre as Nações"
Raymond Aron
Capítulo XVII
1. Não-Alinhamento, neutralidade e neutralismo
Europa
Neutralidade armada
Neutralidade desarmada
Neutralismo
Fora da Europa
"Neutros"
Neutralismo
Neutralismo ativo
"A opção por um determinado tipo de neutralidade ou de neutralismo não depende do grau ou da natureza do subdesenvolvimento: são as circunstâncias políticas, a psicologia das elites e dos povos que determinam a modalidade de não-alinhamento, ou de engajamento em favor de um dos blocos." (p.483)
2. A diplomacia do dólar e do rublo
Estados Unidos
(plano Marshall)
20 bilhões de dólares
URSS
2 bilhões de dólares
"irmão maior" x"irmão menor"
"Às vezes o mesmo país recebe ajuda das duas superpotências" (p.486)
Estados Unidos - Países subdesenvolvidos
URSS - Assistência econômica como instrumento de persuasão
Em que difere a prática soviética de assistência econômica da prática ocidental?

Raymond Aron (1909 - 1983) - Paz e Guerra entre as Nações (1962)
Contexto: Guerra Fria
Trás à tona a complexidade das Relações Internacionais, a multiplicidade dos atores e contextos e a diversidade de objetivos.
Dois pressupostos Realistas

Não há lei no mundo que regule as Relações Internacionais.

Livre Recurso à Força.
As nações conduzem sua política externa buscando segurança, desenvolvimento e bem-estar, prestígio e afirmação de ideias.
Dado o contexto de Guerra Fria, percebemos os Estados divididos em três grupos: Bloco Ocidental, Bloco Soviético e o chamado Terceiro Mundo, que é formado pelos Estados que não fazem parte de nenhum dos outros dois blocos. *
Mesmo o chamado Terceiro Mundo não fazendo parte de nenhum dos outros dois blocos, por participar sistema internacional sofrem ações dos outros dois blocos a fim de provocar a adesão dos Estados a algum desses dois blocos.

Diplomacia dos "Grandes"


Não-alinhados
Dada as dimensões de cada relação percebemos claramente que a generosidade não é tão praticada quandos os interesses, objetivos e as rivalidades são mais intensas.
Tática da subversão entre os dois blocos - Oposto do Concerto de Viena
Principal meio para a subversão: a Propaganda
Ocidente: Não possuía o monopólio da ideologia e da interpretação histórica
Oriente: Possuía o monopólio da ideologia e da interpretação histórica
Vantagem institucional da propaganda soviética: países democráticos precisam legitimar um partido socialista, em respeito às liberdades democráticas. Ex. França durante a GF
Bloco socialista = monopartidário e autoritário
A propaganda, como ferramenta de legitimação, é tão forte que inibe os desejos de Revolução nos países em que a ideologia está bem enraizada
Alinhamento Europeu: Sobretudo ao capitalismo- história economica do continente

Alinhamento do Terceiro Mundo: Passíveis à melhor propaganda e apoio. Falta de senso de arbitragem x Sedução ideológica/economia
Subversão: "atiçar o descontentamento dos povos, excitar as massas contra os governos, provocar ou explorar revoltas, ou rebeliões, a fim de debilitar os Estados rivais e difundir certas instituições, mais ianda do que determinadas idéias" (p. 493)
Os Estados que praticam a subversão, deverão possuir agentes competentes e uma organização capazes de transformar a rebelião em revolta e a revolta em revolução. URSS possui vantagem no Terceiro Mundo
Ferramenta de subversão americana: Indireta e secreta - Assistência econômica (Redução de pobreza) = Dirigentes capazes
Vantagens da Subversão Soviética:
1- Derruba a competição ideológica
2 - Reestabelecimento da ordem do Terceiro Mundo, antes de direitos civis
3 - Preferem desenvolvimento ecônomico antes de liberdade e inst. representativas
4. A dialética da Neutralidade
1945 - 1960: Duas etapas

1 - Busca por clientela
2 - 2 Blocos e não 3 - Subversão
Legitimação da Neutralidade
Neutralidades distintas - Ex. India, Cuba, Egito
Preocupações internas e não internacionais.
Não-alinhados não consistem em um bloco
Full transcript