Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Semiologia Médida

No description
by

André Sassi

on 3 November 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Semiologia Médida

Semiologia Médica
Idosas e Idosos
Antes da Semiologia...
Transição demográfica
Transição Epidemiológica
Envelhecer é um processo sequencial, individual, acumulativo, irreversível, universal, não patológico, de deterioração de um organismo maduro, próprio a todos os membros de uma espécie de maneira que o tempo o torne menos capaz de fazer frente ao estresse do meio-ambiente e portanto aumente sua possibilidade de morte.
É difícil definir quando uma pessoa se torna idosa.

OMS: > 65 anos
Países com expectativa de vida mais baixa: > 60 anos
Brasil: > 60 anos
Idosos jovens - 65 a 74 anos
Idosos velhos - 75 a 84 anos
Idosos muito velhos - mais de 85 anos
Dona Lourdes
Dona Lourdes tem 62 anos, é natural de Sumé e procedente de João Pessoa onde trabalha como empregada doméstica. Tem dois filhos, um casal. A mais velha mora em São Paulo e o mais novo mora com ela em um bairro da capital.
Procura a unidade de saúde por queixas frequentes de dor na região epigástrica. Tem dores na coluna há vários anos. Uma ultrassonografia mostrou que tinha mioma uterino. Um exame de sangue mostrou que o colesterol estava um pouco alto.
Já usou sinvastatina. Às vezes usa omeprazol e dorflex.
Não fuma e bebe bebidas alcóolicas eventualmente.
Foi ao INSS para ver que ainda faltam 7 anos para se aposentar.
Como abordar?
Considerando a história de Dona Lourdes, que diferenças podemos perceber na abordagem semiológica dos adultos e dos idosos?
Ela se enquadra no perfil de pessoa idosa que temos em mente?
Qual é esse perfil?
Aspectos próprios do Paciente Idoso
Tendência a ter múltiplas doenças
Tendência a ter doenças crônicas
Sintomas da doença atual podem ser alterados por doenças preexistentes
As primeiras manifestações de uma doença podem aparecer somente em fases avançadas
Tendência a ter doenças agudas mais graves e de recuperação mais lenta
Tendência a ter doenças com apesentação clínica atípica
Tendência a ter deficiências funcionais que comprometem a capacidade de viver independentemente
Maior risco de iatrogenia
Aspectos Gerais para a Semiologia do Idoso
Diminuição da massa e da força muscular - sarcopenia

Aumento da gordura corporal

Aumento das curvaturas da coluna, achatamento dos arcos plantares e dos discos intervertebrais

Modificações no sistema de regulação de temperatura - menor tolerância ao frio e ao calor

Diminuição da imunidade celular - aumento da incidência de neoplasias


Pele e fâneros: flacidez, redução do tônus e espessura, menos umidade, canície, unhas irregulares (crescimento lento)
Sistema osteoarticular e muscular: perda de tecido ósseo (risco de fraturas), anquilose costocondral (reduz elasticidade torácica), adelgaçamento das cartilagens articulares, redução dos discos intervertebrais, perda de massa muscular (elemento fundamental para a saúde do idoso)
Sistema nervoso: redução da massa encefálica, diminuição da velocidade de condução nervosa (redução dos reflexos), diminuição da capacidade de reter novas informações, diminuição do tempo de sono (diminui duração e frequência da fase de sono profundo)
Sentidos:
- Audição: aumento do pavilhão auditivo; calcificação art. entre martelo e bigorna - presbiacusia
- Visão: ptose palpebral, opacificação do cristalino (catarata)


- Olfato: redução dos receptores olfatórios (diminuição do olfato)
- Paladar: atrofia das papilas gustatórias (diminuição do paladar, tendência a se alimentar menos por não sentir gosto)
Sistema Respiratório: diminuição da elasticidade pulmonar (enrijecimento de brônquios), redução da velocidade dos batimentos ciliares.
Cardiovascular: redução do débito cardíaco, aumento da resistência periférica, aumento da PA.

Digestório: perda de dentes, diminuição da força muscular (prejuízo na mastigação), glossodinia, enfraquecimento das paredes intestinais (favorece divertículos).

Urinário: perda da massa renal (déficit funcional), complacência da bexiga diminui, aumento da próstata, incontinência.

Genital: mamas flácidas (substituição do tecido mamário por tecido adiposo), diminuição da vagina e atrofia da mucosa, frouxidão dos ligamentos do útero. Diminuição dos testículos e do pênis, aumento da próstata.
Consulta com idosas e idosos - LEMBRAR!
Evitar estereótipos: poliqueixoso, pessimista, teimoso;

Não naturalizar os sintomas por causa do envelhecimento - Algumas coisas são da idade, outras não! - Os pacientes chegam a pensar assim, o que os afasta do serviço de saúde;

Idoso não é que nem criança - não infantilizar - não chamar de vozinho ou vozinha (a fala com "inho" deve ser sempre evitada);

Manter o diálogo sempre com a pessoa idosa (paciente) e não com o acompanhante pressupondo que a/o paciente não vai entender;

Manter-se atenta(o) às diferenças culturais (visão de mundo, termos);



Consulta com idosas e idosos - LEMBRAR!
Falar tranquilamente, com tom de voz constante, sem mudar de assunto rapidamente;

Manter a sala organizada, iluminada e silenciosa;

Certifique-se que a pessoa está ouvindo e compreendendo o que está falando;

Ajudar a pessoa a se locomover na sala (ex. subir e descer da maca);

Ter sempre em mente a necessidade de falar com o acompanhante ou fazer abordagem mais sistemática com a família
Elementos para abordagem à saúde das idosas e dos idosos
Os 5 "Is"
Iatrogenia
Imobilidade
Incontinência
Insuficiência (declíneo) das funções cognitivas
Instabilidade
Avaliação Global da Pessoa Idosa
Estado Nutricional
Acuidade Visual
Cartão de Jaeger

- Colocar a 35 cm da pessoa;
- Sem disfunção se conseguir ler até o nível 20/40
Teste de Snellen

- 6 metros
- Ler a linha 20/40
Acuidade Auditiva
Teste do Sussurro

- Ficar a 33 cm da pessoa
- Sussurrar uma pergunta: ex. quantos anos você tem? e solicitar que a pessoa responda
- Testar em cada ouvido
- Fazer otoscopia se a pessoa não responder - rolha de cera
Incontinência Urinária

- Perguntar: Já sentiu molhada(o)?; Perde urina quando tosse, espirra ou faz esforço?; Usa fraldas? Às vezes sente que não dá tempo de chegar ao banheiro?
- Causas: medicamentos, restrição de mobilidade, demências, infecções, retenção urinária
Sexualidade

- Perguntar: Mantém relações sexuais? Tem companheira(o) fixa(o)? Usa preservativos? Algum desconforto durante a relação sexual? Tem desejo de ter relação sexual?
- Disfunção erétil; Hipotrofia dos tecidos genitais
Avaliação Global da Pessoa Idosa
Estado Vacinal
- dT (anti-tetânica) - 10 em 10 anos
- Anti-pneumocócica - 1 dose: pessoas com DPOC, ICC, IRC, Diabetes, SIDA; 5 em 5 anos: pessoas que vivem em casas geriátricas
- Anti-influenza - sazonal - melhores evidências para idosos com doenças crônicas
Avaliação Cognitiva
Questionar/ouvir: esquece fogão aceso, esquece atos feitos recentemente, esquece falas recentes, não lembra o caminho de casa
Teste 1:
- Falar 3 palavras e pedir para a pessoa repetí-las e memorizá-las: ex. mesa, banana, dinheiro
- Conversar sobre outros assuntos durante 3 minutos
- Solicitar que a pessoa repita as três palavras ditas anteriormente
Teste 2: Mini exame do estado mental
Resultado Mini exame do estado mental
Somatório total = 30 pontos

Pontos de corte
- Analfabetos = 19
- 1 a 3 anos de escolaridade = 23
- 4 a 7 anos de escolaridade = 24
- Mais de 7 anos de escolaridade = 28
Teste 3: Desenho do Relógio
Avaliação Funcional: Atividades da Vida Diária (AVD)
Depressão
- Prevalência de 4,7 a 36,8%
- Mais em idosas (2:1)
0 a 5 - normal
6 a 10 - depressão leve
11 a 15 - depressão severa
Mobilidade e Risco de Quedas
Escore < 19 aumenta em 5 vezes o risco de quedas
Alimentar-se
Banhar-se
Vestir-se
Mobilizar-se
Deambular
Ir ao banheiro
Manter controle sobre suas necessidades fisiológicas
Avaliação Funcional: Atividades Instrumentais da Vida Diária (AIVD)
Utilizar meios de transporte
Manipular medicamentos
Realizar compras
Realizar tarefas domésticas leves e pesadas
Utilizar o telefone
Preparar refeições
Cuidar das próprias finanças
Com ajuda/com ajuda parcial/não consegue
O que acharam da aula?
Obrigado!

André Sassi
Voltando ao caso da Dona Lourdes...


Como abordar??
Mapear Rede de Apoio e Relações Familiares
- Ecomapa
- Genograma


Se precisar de ajuda para alguma coisa, com quem pode contar?
Full transcript