Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

"Felizmente há luar!"

No description
by

Inês Alonso

on 8 May 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of "Felizmente há luar!"

As personagens do poder
O poder político por D. Miguel
O poder religioso por Principal Sousa
O poder militar por Beresford
Os delatores
Andrade Corvo
Morais Sarmento
Vicente
General Gomes Freire de Andrade (a presença ausente)
Matilde de Melo
Sousa Falcão
Frei Diogo
O povo
Manuel
Rita
Populares
Manuel -
O mais consciente dos populares
Rita -
A mulher do manuel
Antigo soldado -
Um antigo soldado do regimento de Gomes Freire
Vicente -
Um provocador em vias de promoção
Dois Polícias -
Iguais a todos os polícias
Vários populares -
Plano de fundo premanente
D. Miguel Forjaz
Beresford
Principal Sousa
Morais Sarmento
Andrade Corvo
Frei Diogo de Melo -
Um homem sério que destoaria nesta peça se nela não figurassem, também:
António de Sousa Falcão -
O inseparável amigo de:
Matilde de Melo -
A companheira de todas as horas de:
O General Gomes Freire D'Andrade -
que está sempre presente embora nunca apareça.


"Felizmente há luar!"
Luís de Sttau Monteiro
Personagens
Pág. 13
Três conscienciosos governadores do reino
Dois denunciantes que honraram a classe
D. Miguel Pereira Forjaz
Principal Sousa
Cruel
Marechal Beresford
Calculista
Contexto Histórico
Primo de Gomes Freire, entrou no exército em 1785 foi sucessivamente capitão, major e capitão-general. Apoiou Beresford na reorganização do exército Português. Em 1820, com a revolução, recebeu o titulo de Conde da Feira.
Assume um papel principal na acusação do general Gomes Freire pois receia que o prestígio, inteligência e capacidade deste lhe retirem a projeção a que está habituado e coloquem em causa o seu lugar na regência durante a ausência do rei D. João VI no Brasil.
Caracterização da personagem
Pequeno
tirano, inseguro e prepotente
, homem avesso ao progresso e
insensível à injustiça e à miséria
.
D. Miguel e o principal Sousa são as duas personagens mais execráveis de todo o texto pela
falsidade
e
hipocrisia
que veiculam.
Inteiramente dedicado aos seus ideiais, sem qualquer apego à "fortuna" ou à "vida". Assume como missão o combate por um determinado modelo de sociedade: o
patriotismo e a noção de Estado
, expressos na ideia de um Portugal assente nos pilares tradicionais da
monarquia absolutista
; defende uma
sociedade estratificada com papeis sociais distintos
;
recusa
uma sociedade regida por principios como
a liberdade e a igualdade.

Megalómano
Egocêntrico
Autoritário
Tirano
Prepotente
Arrogante
Calculista
Ambicioso
Corrupto
Hipócrita
Mesquinho
Insensível
Vingativo
Rancoroso
Invejoso
Cobarde
Injusto
Conservador
Preconceituoso
Absolutista
(1769 - 1827)
"é a personificação da mediocridade consciente e rancorosa"
Sousa Falcão
Caracterização da personagem
Fanático, corrompido pelo poder eclesiástico, odeia os franceses porque "
transformaram esta terra de gente pobre mas feliz, num antro de revoltados!
". Revela uma consciência culpada, pela sua participação na trama arquitetada contra o General Gomes Freire, mostrando-se frágil e aterrorizado. É incapaz de enfrentar o problema e dominado pelo pânico é atormentado pelo pesadelo de um julgamento popular.

As didascálias que acompanham esta personagem no ato I - "
O principal Sousa surge no palco imponentemente vestido
." (p. 36) - e no ato II - "
Surge a meio do palco (...) Está vestido de gala e sentado na cadeira

(...)
." (p.121) - mostram um homem viadoso que aprecia a riqueza e o luxo, o que entra em conflito com os principios da igreja.
Contexto Histórico
D. José António de Meneses e Sousa Coutinho fez parte da regência durante a ausência D. João VI no Brasil, até á revolução de 1820.
Dogmático
Corrupto
Hipócirta
Cínico
Injusto
Materialista
Inescrupuloso
Pragmático
Racional
Materialista
Ambicioso
Mercenário
Egocêntrico
Decidido
Irónico
Cínico
Trocista
Mordaz
Arrogante
Prepotente
Injusto
Inescrupuloso
Caracterização da personagem
Poderoso, mercenário, interesseiro, calculista, trocista, sarcástico.
Revela-se um homem de ação, de caractér autoritário, intolerante e pragmático; não só assume, sem qualquer remorso ou inquietação moral, a conveniência de
"crucificar alguém" como o faz com uma frieza sarcástica e calculista
motivado por interesses individuais:
a manutenção do seu posto e da sua tença anual.
Contexto Histórico
General inglês e marechal do exército português, veio para Portugal, aquando das invasões francesas para reorganizar o exército. Depois das invasões desenvolveu uma ação repressiva no nosso país. Rejeitava as novas ideias liberais, imaginava conspirações e reprimia-as severamente, para além disso enquanto submetia o país a uma organização militar, ia colocando os oficiais britânicos nos mais altos cargos tudo isto culminou com a execução de Gomes Freire. Nunca nutriu apreço nem pelo povo, nem pelo país. Foi obrigado a voltar a Inglaterra depois da revolução de 1820.
(1768-1854)
Andrade Corvo e Morais Sarmento
Calculistas
Vicente
Lúcido
Ambiciosos
Interesseiros
Delatores
Traidores
Subservientes
Inescrupulosos
Cobardes
Caracterização das personagens
Delatores por excelência,
ambiciosos e desejosos de subir na vid
a, têm como preocupação
alcançar riqueza e poder
,
sem olhar a meios para atingir os fins
. Procuram agradar aos governadores e acabam por ser meros
bonecos na mão dos poderosos
.
Exageram
na descriçao da situação explosiva e nos comentários que teriam ouvido na rua,
dando importancia e valor às informações que poderiam fornecer
, com o objetivo de alarmar e pressionar
provocam o medo e a instabilidade nos governadores
, criando neles a necessidade de agir rapidamente.
Caracterização da personagem
Elemento do povo, Vicente trai os seus companheiros pois apenas lhe interessava a sua própria ascensão político-social, acaba por desprezar a sua origem e o seu passado.
Num primeiro momento, tenta denegrir junto do povo o prestígio do general Gomes Freire, assumindo-se como um provocador e agitador; num segundo momento, denuncia o general a D. Miguel a troco da nomeação como intendente da polícia.
Vicente é uma personagem incomoda pois leva o espectador a olhar para dentro de si e a rever-se em alguns comportamentos, acaba por ser aquele que se vende ao poder.
Astuto
Crítico
Provocador
Manipulador
Revoltado
Hipócrita
Interesseiro
Oportunista
Egoísta
Materialista
Ambicioso
Servil
Adulador
Traidor
Inescrupuloso
"Os degraus da vida são logo esquecidos por quem sobe a escada... Pobre de quem lembre ao poderoso a sua origem... Do alto do poder, tudo o que ficou para trás é vago e nebuloso... Nunca se fala de traição a quem sobe na vida..."
As personagens do
anti poder
General Gomes Freire de Andrade
Matilde de Melo
Apaixonada
Sousa Falcão
Amigo
Frei Diogo
Justo
Contexto Histórico
General português, membro da Legião Estrangeira, chegou a Portugal com 24 anos. Em 1808 tornou-se 2º comandante da Legião Portuguesa que se bateu, ao serviço dos franceses. Por não ter combatido contra o seu país, foi reabilitado quando regressou a Portugal.
Grão-mestre da Maçonaria desde 1816, encabeçou a Conspiração de 1817. Punha em causa a ausência da corte de D. João VI no Brasil, a presença militar inglesa no país e a grave situação económica que se vivia.
Embora não fosse provado o seu envolvimento, foi condenado à morte como traidor. Após a revolução de 1820, a memória do general foi reabilitada e transformada num dos mártires da liberdade.

Caracterização da personagem
A sua presença é construída a partir das falas das outras personagens, para as quais se torna uma obsessão.
O povo vê nele o seu
herói
, o único que será capaz de o libertar do clima de opressão e terror em que vive.
É o simbolo da modernidade e do progresso, adepto de novas ideias liberais. É o símbolo da luta pela liberdade, da defesa intransigente dos ideais e daí a sua presença incomoda á regência. É um homem íntegro e com firmez de carácter, recusando pactuar com o poder. A sua morte servirá de lição a todos aqueles que ousem afrontar o poder político e económico.
Herói é aquele que não desiste do sonho que o faz lutar e perseguir a concretização dos seus objetivos, Gomes Freire é comparado a um herói porque a sua lição de coragem, bem como a sua determinação em não abandonar o sonho de ver Portugal livre constituem os principais elementos da construção do carácter épico e trágico desta personagem.

Íntegro
Honesto
Justo
Inteligente
Leal
Honrado
Generoso
Determinado
Corajoso
Solidário
Símbolo do Liberalismo
(1757 -1817)
" Que está sempre presente, embora nunca apareça."
Idealista
Lutador
Fiel
Corajosa
Forte
Justa
Lúcida
Inteligente
Angustiada
Determinada
Presistente
Revoltada
Lutadora
Denunciadora
Caracterização da personagem
"Companheira de todas as horas" é ela que dá voz à injustiça sofrida pelo seu homem. As suas falas traem a sua dor e revolta, constituem também uma denúncia da falsidade e da hipocrisia do Estado e da Igreja.
Quando dialoga com os representantes políticos é violenta nas suas denuncias. Quando dialoga com os representantes da igreja, revela um profundo conhecimento dos seus principios e insurge-se contra uma Igreja que desconhece o verdadeiro significado da caridade, da justiça e da igualdade entre os homens. Quando dialoga com o povo, mostra-se insatisfeita coma sua falta de solidariedade e apoio.
É uma personagem que evolui ao longo da peça, inicialmente é apenas uma mulher que quer salvar o seu homem, mas ao tomar consciencia da trama maquiavélica em que o seu homem foi apanhado acaba por assumir a luta que Gomes Freire inciára e revela-se forte e corajosa.
A consciência da inevitabilidade do martírio do seu homem arrasta-a para uma delírio final em que, envergando uma saia verde que o general lhe oferecera em Paris dialoga, a uma só voz, fazendo ressurgir a fé religiosa quando se despede do general acreditando num reencontro pós-morte. Ela pertende celebrar o amo em vez de chorar a morte.
Companheira de Gomes Freire, nascida em Seia e de origem modesta e religiosa.
"Enquanto houver vida... força... voz para gritar... Baterei a todas a portas, clamarei, por toda a parte, mendigarei, se for preciso, a vida daquele a quem devo a minha!"
Leal
Fiel
Dedicado
Lúcido
Amargurado
Companheiro de luta de
Gomes Freire e amigo do casal.
Caracterização da personagem
É o amigo fiel em quem se pode confiar, está sempre pronto a exprimir a sua solidariedade e amizade, sofre junto de Matilde a condenação do general. No entanto tem consciencia que muitas vezes não atuou da forma mais mas ajustada aos seus ideais, faltando-lhe a coragem para passar a acção.
Sousa Falcão mostra estar atormentado por um conflito moral e manifesta ódio de si próprio, sente-se culpado e com remorsos por se encontrar em liberdade enquanto o amigo é condenado à morte. Defendendo os mesmos ideais que o general, a diferente situação de ambos deve se apenas à sua cobardia.
Para ele, o general é mais do que um amigo, é alguém que ele desejaria ser.
"Há homens que obrigam todos os outros homens a reverem-se por dentro."
Honesto
Altruísta
Sensível
Caracterização da personagem
Símbolo do anti poder dentro da igreja. Representa uma Igreja autêntica, que quer ser e não parecer. É ele que fortalece Matilde quando esta parece sucumbir na sua fé e afirma que "A misericórdia de Deus é infinita" e acrescenta "Haja o que houver, não julgue a Deus pelos homens que falam em Seu nome". Denunciando a atuação contraditória dos homens da igreja.
Representante da Igreja entre as personagens do anti poder, ou seja, é o oposto do principal Sousa.
Populares
Pobres
MANUEL
RITA
Pobre
Oprimido
Revoltado
Insatisfeito
Crítico
Esperançado
Manuel representa, metaforicamente, o povo português e protagoniza a consciência de um povo desprezado pela opressão, manifestamente impotente para alterar o seu destino.
É o elemento que polariza os restantes elementos do povo embora este não passem de cenário humano, dominados pela miséria, sem coragem e vontade de intervir.
Símbolos do povo oprimido e esmagado, sem vitalidade, têm consciência da injustiça em que vivem e sentem-se simples bonecos nas mãos dos poderosos. Gomes Freire é uma espécie de messias, a prisão do general é uma espécie de traição à esperança que o povo depositava nele.
O casal representa a desesperança, a desilusão, a frustração de toda uma legião de miseráveis face à quase impossibilidade de mudança da situação opressiva em que vivem.
Oprimidos
Resignados
Desanimados
Infelizes
Esperançados
Não têm uma intervenção direta no conflito, funcionam como pano de fundo permanente. Só se revelam através de algumas vozes individuais:
Manuel, Rita, 1º Popular, Antigo Soldado.

Inês Alonso | Nº11 | 12º CT1
8 maio de 2015
General Humberto Delgado
Freire Gomes de Andrade
ESTADO NOVO
REVOLUÇÃO LIBERAL
Full transcript