Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

As grandes navegações - 7° ano

No description
by

Jessica Nunes

on 15 June 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of As grandes navegações - 7° ano

As grandes navegações
Os mares nunca antes navegados
Mares nunca antes navegados
Quais eram os motivos?

Viagens restristas a mares fechados - Mediterrâneo;

Poucos conhecimentos e tecnologia náutica para viajar em alto-mar;

O medo: crença de que seres fantásticos habitavam os mares. O Atlântico era chamado de Mar Tenebroso.
Motivos:
Renascimento comercial: busca de novas rotas comerciais;
Renascimento cultural: humanismo e antropocentrismo;
Renascimento científico: inovações tecnológicas;
Escola de Sagres
;
Ascensão da burguesia: comércio.

Conquista de Ceuta (1415):
Início da expansão marítima;
Entreposto comercial no norte da África;
Local estratégico para controlar rotas comerciais do Mediterrâneo;
A expansão marítima portuguesa
Posicionamento geográfico
privilegiado;
Experiência
pesca e no comércio pelo Mediterrâneo;
Estado centralizado:
monarquia apoiava e financiava as expedições marítimas;
Apoio da

Igreja católica
: evangelizar os nativos das regiões encontradas.
Desenvolvimento náutico:
Escola de Sagres.
O pioneirismo português
Até o século XIV, os europeus tinham um
conhecimento geográfico reduzido
;
Além disso, existia um grande
medo do desconhecido
.
Um mundo desconhecido
Monstros do imaginário europeu
Século XIV: escassez de metais preciosos para produção de moedas, o que prejudicou o comércio da burguesia;

As rotas de comércio entre Europa e Oriente eram monopolizadas por mercadores de Gênova e Veneza. Tornou-se necessário encontrar
novas rotas comerciais
para as Índias (Índia, China e Japão);
Motivos comerciais
As especiarias do Oriente
A Escola de Sagres
Grupo de pesquisadores incentivados pelo governo português;
Recuperaram informações náuticas de outros povos: fenícios, gregos, árabes e egípcios;
Aperfeiçoamento de instrumentos náuticos;
Elaboração de cartas de navegação;
Construção de novas embarcações.
Novas rotas marítimas
Fases da expansão marítima portuguesa
Primeira fase (1418 - 1487):
Viagens pela costa atlântica africana (1418);
Chegada ao extremo sul da África (1487);

Segunda fase (1498):
Era das Grandes navegações;
Vasco da Gama chega às Índias, contornando a costa atlântica africana.
As viagens
Os tripulantes:
Caravelas: cerca de 50 pessoas;
Naus: cerca de 100 pessoas;
Perfil variado: nobres, estudiosos náuticos, marinheiros;

As viagens:
Várias embarcações: até 1200 tripulantes;
Escrivão: representante do rei, responsável pelos relatos de viagem;
Representante da Igreja: converter ao cristianismo.
As viagens além-mar
Trabalhadores braçais de funções diversas:
analfabetos e pobres sonhavam em melhorar a vida;
prisioneiros levados a força para cumprir sentença;

Militares:
defesa da embarcação e conquista de novas regiões;

As condições de vida nos navios:
dormiam no chão;
condições de higiene precárias;
alimentos se deterioravam;
Escorbuto: falta de vitamina C.
O significado da expansão ultramarina
Resultados:
Expansão comercial e marítima;
Contato entre diferentes povos;
Intercâmbio de mercadorias, ideias, costumes e culturas;

Formação de impérios coloniais:
Colonizador: acumulação de riquezas e poder;
Colonizados: violência, trabalho escravo e intolerância.

Vasco da Gama
Full transcript