Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Serviço Social na Esfera Estatal

No description
by

Ariane Ewert

on 29 May 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Serviço Social na Esfera Estatal

Objetivo da Apresentação;

Serviço Social frente as novas manifestações e expressões da questão social;

transformações do capitalismo: aprofundamento da desigualdade social, o desemprego estrutural. precarização das relações de trabalho, a reforma conservadora do Estado, os processos de redefinição dos sistemas de proteção social e da política social
Introdução
Processo de reestruturação
A esfera da produção é palco de intensas transformações e re-estruturações;

As condições estruturais do capitalismo global financeirizado e o fabuloso desenvolvimento tecnológico e informacional, que promovem intensas mudanças nos processos e relações de trabalho;

No âmbito estatal, existe o processo de desresponsabilização em relação às políticas sociais universais e o consequente retrocesso na consolidação e expansão dos direitos sociais.;
Prática do Profissional no SUAS.
Realizar pesquisas para identificação das demandas e reconhecimento das situações de vida da população que subsidiem a formulação dos planos de
Assistência Social;

Realizar pesquisas para identificação das demandas e reconhecimento das
situações de vida da população que subsidiem a formulação dos planos de
Assistência Social;


Relações sociais capitalistas
Primeira Premissa: O Serviço Social como as demais profissões são contruções históricas envoltas de determinações sociopolíticas;

O Serviço Social desenvolve-se alavancado pelo setor Estatal- processo de regulação e reprodução social;

Segunda Premissa: Particularidade do Serviço Social: intervenção no enfrentamento da questão social, emergidas pela desigualdade social .

Terceira Premissa: Determinação na divisão social e técnica do trabalho por meio de implementação e formulação de políticas sociais;
Serviço Social na Esfera Estatal
Serviço Social, trabalho profissional e transformações recentes nas esferas estatal e societária
A década de 1990 foi palco de um complexo processo de regressões no âmbito do Estado e da universalização dos direitos;

Ocorrem profundas transformações societárias, determinadas pelas mudanças na esfera do trabalho, pela reforma gerencial do Estado pelos processos de redefinição dos sistemas de proteção social e da política social, e pelas novas formas de enfrentamento da questão social;
No âmbito da sociedade civil expressa-se o crescimento de ONGs com parcirias formadas com Estado;

O crescimento e a multiplicação das ONGs expressam uma diferenciação do seu perfil. Em 1970 e 1980, as ONGs atuavam na retaguarda, assessorando a luta dos movimentos populares, a partir de 1990, elas passam a disputar recursos, lugares e reconhecimento públicos, ao lado de outros atores que integram o cenário político;

Disputa entre nomenclatura: sociedade civil e terceiro setor;

Fragilidade: Estado deixa de prestar serviços diretos à população e passa a estabelecer parcerias com organizações sociais e comunitárias, incluindo-se aí as fundações e institutos empresariais;
Estado permanece sendo a forma mais efetiva de operar a universalização dos direitos, considera-se o âmbito executivo e os poderes judiciário e legislativo ;

Esfera judiciária: os assistentes sociais atuam no vasto campo do acesso aos direitos e à justiça, na perspectiva de buscar superar a aplicação discriminatória das leis que se verifica no cotidiano das classes subalternas;

Poder legislativo: Inscrição na legislação através de projetos e leis atuantes nos parlamentos municipais, estaduais e federal;
Elaborar, executar e avaliar os planos municipais buscando a interlocução com as diversas áreas e políticas públicas, com especial destaque para as políticas de Seguridade Social;

Formular e defender a constituição de orçamento público necessário à implementação do plano de Assistência Social;

Favorecer a participação dos(as) usuários(as) e movimentos sociais no processo de elaboração e avaliação do orçamento público;

Planejar, organizar e administrar o acompanhamento dos recursos orçamentários nos benefícios e serviços sócioassistenciais nos Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) e Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS);


O Estado executa uma reforma conservadora ocorrendo um processo de sucateamento dos serviços públicos contra os novos direitos (CF 1988);


O agravamento da questão social repercute no campo profissional, tanto nos sujeitos com os quais o Serviço Social trabalha como também no mercado de trabalho dos assistentes sociais que sofre o impacto das mudanças que atingem o exercício profissional

O processo de reestruturação produtiva atingem também o mercado de trabalho do assistente social, com a redução de postos governamentais;



Intensifica- se os processos de subcontratação de serviços individuais dos assistentes sociais por parte de empresas de serviços ou de assessoria na prestação de serviços aos governos, acenando para o exercício profissional privado (autônomo), temporário, por projeto, por tarefa, em função das novas formas de gestão das políticas sociais.
Desafios apresentados no cotidiano do Assistente Social na Esfera Estatal
Interlocução pública do Serviço Social;
Mudanças societárias ;
Novos atores sociais;
Avançar na articulação entre as ações desenvolvidas e a reflexão teórica crítica;
Participar ativamente do movimento da defesa do caráter universalizante da Seguridade Social e da primazia do Estado;
Exigências de profundas mudanças no perfir do Assistente Social;
Desempenho de novas atribuições e competências ;
Novas alternativas e áreas de trabalho profissional ;
Intervenção crítica criativa;
Atendimento especializado as novas demandas;
Estimular a organização coletiva e orientar(as) os usuários(as) e trabalhadores(as) da política de Assistência Social a constituir entidades representativas;

Instituir espaços coletivos de socialização de informação sobre os direitos sócio-assistenciais e sobre o dever do Estado de garantir sua implementação;

Assessorar os movimentos sociais na perspectiva de identificação de demandas, fortalecimento do coletivo, formulação de estratégias para defesa e acesso aos direitos;

Realizar visitas, perícias técnicas, laudos, informações e pareceres sobre acesso e implementação da política de Assistência Social;

Realizar estudos sócio-econômicos para identificação de demandas e necessidades sociais;
Organizar os procedimentos e realizar atendimentos individuais e/ou coletivos nos CRAS;

Exercer funções de direção e/ou coordenação nos CRAS, CREAS e Secretarias de Assistência Social;

Fortalecer a execução direta dos serviços sócio-assistenciais pelas prefeituras, governo do DF e governos estaduais, em suas áreas de abrangência;

Realizar estudo e estabelecer cadastro atualizado de entidades e rede de atendimentos públicos e privados;

Prestar assessoria e supervisão às entidades não governamentais que constituem a rede sócio-assistencial;


Participar nos Conselhos municipais, estaduais e nacional de Assistência Social na condição de conselheiro(a);

Atuar nos Conselhos de Assistência Social na condição de secretário(a) executivo(a);

Prestar assessoria aos conselhos, na perspectiva de fortalecimento do controle democrático e ampliação da participação de usuários(as) e trabalhadores(as);

Organizar e coordenar seminários e eventos para debater e formular estratégias coletivas para materialização da política de Assistência Social;

Participar na organização, coordenação e realização de conferências municipais, estaduais e nacional de Assistência Social e afins;



Elaborar projetos coletivos e individuais de fortalecimento do protagonismo dos(as) usuários(as);

Acionar os sistemas de garantia de direitos, com vistas a mediar seu acesso pelos(as) usuários(as);

Supervisionar direta e sistematicamente os(as) estagiários(as) de Serviço Social. (CFESS,2009,p.19-22)
O caráter interdisciplinar e intersetorial do trabalho profissional no campo das políticas sociais públicas
Importância do trabalho compartilhado com outros profissionais;

Estratégico e fundamental;

Programas e projetos;

interdisciplinar e intersetorial;

Identidades e competências de cada profissão;
O desafio de recuperar o trabalho de base junto à população
Movimentos populares e organizações políticas, cederam lugar para formas institucionalizadas de participação;

Extrapolar os espaços institucionais de participações (Conselhos e Conferências);

Pensar em mecanismos de ação coletiva capazes de impulsionar a participação popular.
Quarta Premissa: Análise das políticas sociais pauta-se na vínculação de organizações governamentais e privadas , estabelescendo relações complementares e conflituosas;

Quinta Premissa: Reflexão sobre o trabalho do Assistênte Social na esfera estatal emergido na relação antagônicas e recíprocas entre a sociedade civil.

Sexta Premissa: Reflexão e utilização correta da nomenclatura Estado e Governo.
Pesquisa sobre o perfil dos assistentes sociais no Brasil, promovida pelo Conselho Federal de Serviço Social3, com base em dados em 2004 (CFESS, 2005)
78,16% instituições públicas de natureza estatal, das quais 40,97% atuam no âmbito municipal, 24%, estaduais e 13,19%, federais;

Empresas privadas com 13,19%;

“Terceiro Setor”, com 6,81%;

Jornada de trabalho: 40 horas- 50,70%; 30 horas (28,65%);
Atividade Política
68% não registram qualquer participação

32% registram algum tipo de participação: em movimento da categoria de assistente social (44,89%); em movimentos sociais (32,18%), em movimento partidário (12,62%) e no movimento sindical (10,40%);
Participação em Conselhos
30,44% de assistentes sociais participam em Conselho de Direitos ou de Políticas Sociais.

As maiores frequências incidem nas áreas de: assistência (35,45%), criança e adolescente (25,12%), saúde (16,67%) idoso (7,08%), direitos humanos (6,57%), mulher (4,23%), portador de deficiência (1,41%)
Perfil
Sexo: feminino (97%);masculino (03%);

Idades :entre 35 a 44 (38%) e 25 a 34 anos (30%), ainda que 25% estejam na faixa entre 45 e 59 anos.

Religião: católica (67,65); protestante (12,69%); espírita kardecista (9,83%); 07,92% não têm qualquer religião. As demais preferências religiosas não têm incidência significativa.

Cor: Identificam-se como branca (72,14%) e as que se declaram pretas e negras totalizam 20,32%;
Full transcript