Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Untitled Prezi

No description
by

Felipe Szczepaniak

on 1 April 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Untitled Prezi

DESIGN DE IDENTIDADE VEGETAL FÖERSPAK: PLANTA-SÍMBOLO PARA PELOTAS-RS FELIPE FOERSTNOW SZCZEPANIAK (FÖERSPAK) 2013 BANCA FINAL OBJETIVO Criar uma metodologia (com base no conceito de “Biônica Inversa”) para o projeto de identidade de uma planta-símbolo da cidade de Pelotas. ESTRUTURA À GUISA DE PREFÁCIO

CONSIDERAÇÕES INICIAIS

I_METODOLOGIA FÖERSPAK

II_DESIGN DE IDENTIDADE VEGETAL

III_PLANTA-SÍMBOLO

CONSIDERAÇÕES FINAIS

GLOSSÁRIO

REFERÊNCIAS Design de identidade;
Identidade vegetal;
Metodologia projetual;
Planta-símbolo.
PALAVRAS-CHAVE: PRÁTICA APRESENTAÇÃO OBJETIVO

ESTRUTURA

PRÁTICA

CONSIDERAÇÕES FINAIS

REFERÊNCIAS PLANTA-SÍMBOLO MARCA MANUAL LOCAIS DE CULTIVO COROA CARTÃO DE IDENTIFICAÇÃO EMBALAGEM CONSIDERAÇÕES FINAIS Percorrer diversos cursos de graduação da UFPel me possibilitou ter uma visão ampla.

Eu me conheço melhor.

Descubro “uma nova profissão”.

CONSIDERAÇÕES FINAIS Considero que o designer pode ajudar a inovar plantas ornamentais.

Pode ser possível o desenvolvimento do projeto de uma nova cultivar simbólica através da Biônica Inversa.

Propor um produto vegetal sob autoria de um designer pode agregar maior valor ao bioproduto.

Penso que eleger uma planta comum provavelmente não despertaria a mesma emoção ao consumidor.
CONSIDERAÇÕES FINAIS As flores podem contribuir para a felicidade e uma melhor imagem da cidade.

A nova cultivar exibe a identidade da cidade e a representa de modo vivo e ecológico.

Pode acarretar em maior consumo e, consequentemente, em mais renda (empregos verdes) e embelezamento à região produtora.
CONSIDERAÇÕES FINAIS Entendo que a naturalidade é uma utopia, a artificialidade é a naturalidade; ir contra o instinto, isso sim é artificial. Tudo se confronta porque coexiste e, para separar, é necessário adotar um ponto de vista.

Refuto o preconceito quanto aos OGMs.
CONSIDERAÇÕES FINAIS Isto é mais do que uma pesquisa, é um projeto de vida! O LIVRO Encadernação

Capa de madeira

Mini DVD

Acabamentos (recortes)
REFERÊNCIAS AGRÍCola da Ilha. Lançamento 2013 – Mais luminosidade no paisagismo de grandes áreas, 2012. Disponível em <http://hemerocallis.com.br/lancamentos.asp> Acesso em 8 dez. 2012.
ALICE, Cecília Ballvé et al. Plantas medicinais de uso popular: atlas farmacológico. Canoas: Ed. ULBRA, 1995.
AMABIS, José Mariano; MARTHO, Gilberto Rodrigues. Biologia. São Paulo: Moderna 2. Ed., 2004.
ANCIET, Evelise Ruthschilling. Design de superfície. Porto Alegre: UFRGS, 2004.
ARAIA, Eduardo. Edifícios doentes, eles podem ser letais, 2008. Disponível em: <http://www.terra.com.br/revistaplaneta/edicoes/425/artigo72647-1.htm> Acesso em 22 set. 2012.
ASSEMBLÉIA Legislativa. Espinheira Santa é a planta medicinal símbolo de Santa Catarina, 2011. Disponível em: <http://www.alesc.sc.gov.br/portal/imprensa/leitor_noticia.php?codigo=28368> Acesso em 23 jan. 2013.
AULETE Dicionário Uol, s/d. Disponível em: <http://aulete.uol.com.br/> Acesso em 11 mar. 2013.
BALEN, Tuur Van. Pigeon D’or, s/d. Disponível em:<http://www.cohenvanbalen.com/work/pigeon-dor#> Acesso em 28 out. 2012.
BARBIERI, Rosa Lía. Cebola: ciência, arte e história. Pelotas: Embrapa Clima temperado, 2005.
BARTLETT, George. E-book. Fuchsias: the new cultivars. The Crowood Press Ltd., 2011.
BAUMAN, Zygmunt. Identidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.
BENEMANN, Daiane de Pinho et al. Variabilidade genética entre acessos de gérbera (Gerbera hybrida). 12º ENPOS realizado na Universidade Federal de Pelotas (UFPel), 2010. Disponível em: <http://www.ufpel.edu.br/cic/2010/cd/pdf/CB/CB_00347.pdf> Acesso em 18 dez. 2012.
BORÉM, Aluízio; MILACH, Sandra Kothe. O Melhoramento de plantas na virada do Milênio. Revista Biotecnologia Ciência & Desenvolvimento, número 07, jan/fev, 1999, p.68-72.
BOTTON, Alain de. A arquitetura da felicidade. Rio de Janeiro: Rocco, 2007.
BRITO, Victor Cordeiro Moreira de. Estudo comparativo entre melhoramento genético em vegetais e a produção de transgênicos. Monografia apresentada à Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio como requisito obrigatório para conclusão do Curso Técnico de Ensino Médio em Saúde, com habilitação em Laboratório em Biodiagnóstico em Saúde. Rio de Janeiro, 2006.
BÜRDEK. Bernhard E. Design: História, teoria e prática do design de produtos. Tradução Freddy Van Camp. São Paulo: editora Blucher, 2010.
BUZIOSnews. Hibiscus híbridos, s/d. Disponível em: <http://www.buziosnews.com.br/hibiscos.htm> Acesso em 23 jan. 2013.
CASA e jardim. Conheça a linguagem das flores, 2010. Disponível em: <http://casa-e-jardim.hagah.com.br/especial/sc/decoracao-sc/19,1267,2893173,Conheca-a-linguagem-das-flores.html> Acesso em: 23 jun. 2013.
CHARLOTTE ; FIELL, Peter. Design do Século XX. Tradução: João Bernardo Boléo, China: Taschen, 2000.
CIÊNCia e Natureza. Vida das Plantas. Rio de Janeiro: Abril Coleções, 1998.
CIPINIUK, Alberto; PORTINARI, Denise B. Sobre Métodos de Design. In: COELHO, Luiz A.L. (org.). Design Método. Rio de Janeiro: Ed. PUC-RIO; Teresópolis: Novas Idéias, 2006. p.17-38.
COELHO, Luiz Antonio L. (org). Conceitos-chave em design. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio. Novas Idéias, 2001.
COELHO, Luiz A. Percebendo o método. In: COUTO, Rita M. de Souza; OLIVEIRA, Alfredo J. (org.). Formas do Design. Rio de Janeiro: 2AB, PUC-Rio, 1999. p. 28-51.
CONGRESSO nacional de botânica, 2012. Planta símbolo. Disponível em: <http://www.63cnbot.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=8&Itemid=13> Acesso em 23 jan. 2013.
COSTA, Juan. A imagem da marca. São Paulo: Edições Rosari, 2008.
CRITCHLOW, Keith. The hidden geometry of flowers. Edinburgh: Floris Books, 2011.
CUCHE, Dennys. A noção de cultura nas ciências sociais. Bauru: EDUSC, 1999.
DECKER, Felipe S. Mercado de trabalhado quer profissionais de mente aberta. Informativo do Conselho regional de Química da 5ª Região-RS, ano XV, n. 120, jan-fev-mar, 2011.
DE LEÓN, Zênia. Pelotas: Sua História e sua gente para 1º e 2º graus. Pelotas: UFPEL, 1996.
DICIOnário Online de português, s/d. Disponível em: <http://www.dicio.com.br> Acesso em 11 mar. 2013.
EMBRAPA Clima Temperado. 2ª Reunião Técnica Estadual de Plantas Bioativas, 2007. Disponível em: <http://www.cpact.embrapa.br/eventos/2007/reuniao_tecnica/index.php> Acesso em: 9 dez. 2012.
ENCIClopédia Compacta Istoé - Guinness de Conhcimentos Gerais. São Paulo: Editora Três, 1995.
ESCOREL, Ana Luisa. O Efeito Multiplicador do Design. 2. ed. São Paulo: SENAC São Paulo, 2000.
FAMOR. Panta símbolo. Disponível em: <http://www.famor.sc.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=50&Itemid=57> Acesso em 23 jan. 2013.
FENADOCE, S/D. Disponível em: <http://www.fenadoce.com.br/> Acesso em 13 mar. 2013.
FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Mini Dicionário Aurélio. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira S.A., 1988.
FEYERABEND, Paul K. Contra o método. São Paulo: Editora UNESP, 2007.
FISCHER, Síntia Zitzke et al. Hastes florais de cenoura: uma opção para a floricultura. Pelotas: Embrapa Clima Temperado, 2006. 32 p. (Embrapa Clima Temperado. Documentos, 175). Disponível em: < http://www.cpact.embrapa.br/publicacoes/download/documentos/documento_175.pdf> Acesso em: 2 out. 2012.
FLORIGENE. Regulation, s/d. Disponível em: <http://www.florigene.com/sales/regulation.php> Acesso em 15 fev. 2013.
FLORIT, Luciano. A reinvenção social do natural: natureza e agricultura no mundo contemporâneo. Blumenau: Edifurb, 2004.
FLUSSER, Vilém. O mundo Codificado: por uma filosofia do design e da comunicação. São Paulo: Cosac Naify, 2007.
FOUCAULT, Michel. Tecnologias del yo y otros textos afines. 2ed. Barcelona: Paidós, 1991.
FRASCARA, Jorge. El diseño de comunicación. Buenos Aires: Infinito, 2006.
GARDENAction: The Fuchsia flower. Disponível em: <http://www.gardenaction.co.uk/garden_diary/garden_mini_project_march_fuchsia1.asp> Acesso em 11 fev. 2013.
GEISEL, Ernesto et al. Lei n. 6.607, 1978. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6607.htm> Acesso em: 23 jun. 2013.
GIULIETTI, Ana maria et al. Plantas raras do Brasil. Belo Horizonte: Conservação Internacional, 2009 p.23.
GOMES FILHO, João. Design do objeto: bases conceituais. São Paulo: Escrituras Editora, 2006.
GONZÁLES-VARAS, Ignácio. Conservación de Bienes Culturales: Teoría, história, princípios y normas. Madrid: Ediciones Cátedra, 2008.
GROLLI, Paulo. Sistemas de produção de plantas ornamentais. (notas de aula). Pelotas: UFPel, 2012.
HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.
HARTL, Daniel L. Essential genetics: a genomics perspective. Jones and Bartlett Publishers: Canada, 5th ed., 2011.
HEILBRUNN, Benoît. A logomarca. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2002.
HELLER, Eva. A psicologia das cores: como as cores afetam a emoção e a razão. Espanha: Editora Garamond Ltda, 2000.
JAFFÉ, Aniela. O simbolismo nas artes plásticas. In: JUNG, Carl G. (org). O homem e seus símbolos. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1964.
JONES, Kenneth C. Introdução à biologia. Fundação Cabouste Gulbenkian: Lisboa, s/d.
KÄMPF, Atelene Normann. Apresentação, 2000. In: PETRY, Cláudia et al. Plantas ornamentais: aspectos para a produção. 2 ed. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, 2008.
KÄMPF, Atelene Normann (coord.). Produção Comercial de Plantas Ornamentais. Guaíba: Ed. Agropecuária, 2000.
KIRCHOF, Edgar Roberto. Estética e biossemiótica. Porto Alegre: Instituto Estadual do Livro: EDIUCRS, 2008.
KRUCKEN, Lia. Design e território: valorização de identidades e produtos locais. São Paulo: Studio Nobel, 2009.
LABORatório de Química Bio-orgânica Teórica, s/d. Disponível em: <http://acd.ufrj.br/~tbocl/tbocl-f-chalcona.php> Acesso em 11 mar. 2013.
LAWSON, Simone. How Do I Become a Plant Breeder?, 2003. Disponível em: <http://www.wisegeek.com/how-do-i-become-a-plant-breeder.htm> Acesso em 18 nov. 2012.
LEGIS. Decreto 38.400, 1998. Disponível em: <http://www.al.rs.gov.br/Legis/M010/M0100099.ASP?Hid_Tipo=TEXTO&Hid_TodasNormas=6844&hTexto=&Hid_IDNorma=6844> Acesso em: 23 jun. 2013.
LINCOLN, Taiz, ZEIGER, Eduardo. Fisiologia Vegetal. Tradução Eliane Romanato Santarém et al. 4.ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.
LUPTON, Ellen; PHILLIPS, Jennifer Cole. Novos fundamentos do design. São Paulo: Cosac Naify, 2008.
MAGALHÃES, Gildo. Introdução à Metodologia da Pesquisa, Caminhos da Ciência e Tecnologia. São Paulo: Editora Ática, 2005. 263p.
MAGALHÃES, Mário Osório. História e Tradições da Cidade de Pelotas. Pelotas: Editora Armazém Literário, 1999.
MEGGS, Philip B.; PURVIS, Alston W. História do Design Gráfico. São Paulo: Cosac Naify, 2009. p.243-283.
MENDES, Mariuze Dunajski; QUELUZ, Gilson Leandro. A construção das identidades e a trajetória do mobiliário artesanal paraense. In: QUELUZ, Marilda Lopes Pinheiro (org). Design & identidade. Curitiba: Editora Peregrina, vol. 2, 2008.
MIRANDA, Evaristo Eduardo de, COLOMBINI, Fabio. Natureza Brasileira em Detalhe. São Paulo: Metalivros, 2007.
MOLES, Abraham A. Teoria dos objetos. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1981.
MONSELL, Alice Jean. Corpos em suspensão: algumas propostas para suspender os deriveres da matéria. Porto Alegre: Dissertação de Mestrado em Artes Visuais. Universidade Federal de Pelotas, 1999.p.60
MORAES, DIJON; KRUCKEN, Lia. Design e sustentabilidade. Barbacena: EdUEMG, 2009. p.30-35
MORAES, DIJON; KRUCKEN, Lia. Design e transversalidade. Belo Horizonte: Santa Clara: Centro de Estudos Teoria, Cultura e Pesquisa em Design. UEMG, 2008. p.53
MTV. Mod MTV Biotecnologia, 2011. Disponível em: <http://mtv.uol.com.br/programas/mod/videos/02x02-biotecnologia> Acesso em 8 dez. de 2012.
MUNARI, Bruno. Das coisas nascem coisas. São Paulo: Martins Fontes, 2008.
NIKKEYPEDIA, s/d. Furoshiki. Disponível em: <http://nikkeypedia.org.br/index.php/Furoshiki> Acesso em 13 mar. de 2013.
NORMAN, Donald A. Design emocional: porque adoramos (ou detestamos) os objetos do dia-a-dia. Rio de Janeiro: Rocco, 2008.
ONO, Eiichiro et al. Yellow flowers generated by expression of the aurone biosynthetic pathway, 2006. Disponível em: <http://www.pnas.org/content/103/29/11075.full> Acesso em 16 fev. 2013.
PAIVA, Celso de Lago; SANTOS, Ana Carla Fonseca. Taperas e suas plantas: etnobotânica dos antigos assentamentos humanos. Revista Diálogos ano 10, n. 3. p.37 maio, 2006.
PEÓN, Maria Luísa. Sistemas de identidade visual. Rio de Janeiro: 2AB, 2001.
PETRY, Cláudia et al. Plantas ornamentais: aspectos para a produção. 2 ed. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, 2008.
PLANTAS, Flores & Jardins especial. Flores. Brinco-de-princesa. São Paulo: Editora Escala, vol.2, 3ª ed., s/d, p.20.
PORTAL Brasil, Empregos verdes. Revista brasilis. Disponível em: <http://revista.brasil.gov.br/especiais/rio20/desenvolvimento-sustentavel/trabalho-e-emprego> Acesso em 15 jan. 2013.
RAVEN, Peter H. Biologia vegetal. Rio de janeiro: Guanabara Koogan, 2007.
REINHARDT, Patrícia. Hortênsia: a beleza e encanto da flor símbolo da região, 2011. Disponível em: <http://www.jornaldegramado.com.br/regiao/297481/hortensia-a-beleza-e-encanto-da-da-flor-simbolo-da-regiao.html> Acesso em: 23 jun. 2013.
REYNOL, Fabio. Futuro da universidade, 2010. Disponível em: <http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=futuro-da-universidade&id=020175100816> Acesso em 25 fev. de 2012.
RIBEIRO, Leon Carlos Schwonke. Pelotas: um dos melhores municípios brasileiros para investimentos. Pelotas: Educat, 2002.
ROBERTS, Margaret Joan. Edible & medicinal flowers. Johannesburg: Castle Graphics, 2000.
RUBIM, Renata. Desenhando a superfície. São Paulo: Edições Rosari, 2004.
SANTOS, Maria Cecilia Loschiavo dos. Consumo, descarte, catação e reciclagem: notas sobre design e multiculturalismo In: MORAES, DIJON. Design e multiculturalismo. Barbacena: EdUEMG, 2008. p.63-64.
SECRETARIA de Turismo. Holambra, s/d. Disponível em: <http://www.turismo.sp.gov.br/imprensa/noticias/1596-holambra-preparada-para-exibir-mais-de-250-mil-flores-e-plantas.html> Acesso em: 23 jun. 2013.
SEDDON, George. O jardim em casa. São Paulo: Círculo do Livro, 1984.
SEITZ, Christian et al. Redirection of anthocyanin synthesis in Osteospermum hybrida by a two-enzyme manipulation strategy, 2007. Disponível em: <http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0031942206007643> Acesso em 16 fev. 2013.
SIGNFicados.com.br, s/d. Significado de tecnologia. Disponível em: <http://www.significados.com.br/tecnologia-2/> Acesso em 9 dez. 2012.
SILVA, Tomaz T. da (org). O sujeito da educação - estudos foucaultianos. Petrópolis: Vozes, 1994.
SOARES, Cecília Beatriz L. da Veiga. O livro de ouro das flores. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004.
SOLOS, Alfredo. Engenharia civil e qualidade ambiental. (notas de aula). Pelotas: UFPel, 2011.
STINGHEN, Caroline. Flor criada em Joinville terá nome da escritora Roseana Murray. A Notícia edição online, 2011. Disponível em: <http://anoticia.clicrbs.com.br/sc/noticia/2011/10/flor-criada-em-joinville-tera-nome-da-escritora-roseana-murray-3533192.html> Acesso em 18 nov. 2012.
STORCK, Lindolfo et al. Experimentação Vegetal. Santa Maria: Editora da UFSM, 2011.
SZCZEPANIAK, Felipe Foerstnow et al. Mapeamento da gestão ambiental de uma das unidades do Centro de Artes (CEARTE - UFPel): uma abordagem de membros do GIGA-UFPel. 21º Congresso de Iniciação Científica (CIC) realizado na Universidade Federal de Pelotas (UFPel), 2012. Disponível em: <http://www.ufpel.edu.br/cic/2012/anais/pdf/CB/CB_00661.pdf> Acesso em 23 nov. 2012.
SZCZEPANIAK, Felipe Foerstnow; WEYMAR, Lúcia Bergamaschi Costa. Design de identidade vegetal Föerspak: hibridismo metodológico no projeto de uma planta-símbolo para a cidade de Pelotas/RS. 21º Congresso de Iniciação Científica (CIC) realizado na Universidade Federal de Pelotas (UFPel), 2012. Disponível em: <http://www.ufpel.edu.br/cic/2012/anais/pdf/SA/SA_00666.pdf> Acesso em 23 nov. 2012.
SZCZEPANIAK, Felipe Foerstnow; WEYMAR, Lúcia Bergamaschi Costa. Relato de experiência de uma discência transdisciplinar em design: a descoberta da própria profissão através do conhecimento de si e do contra-método. Salão Universitário 2012 - 21º Congresso de Iniciação Científica (CIC) realizado na Universidade Católica de Pelotas (UCPel), 2012. Disponível em: <http://salao.ucpel.tche.br/cds/cd_salao_2012.zip> Acesso em 15 jan. 2013.
TANAKA, Yoshikazu et al. Flower color modification by engineering of the flavonoid biosynthetic pathway: pratical perspectives, 2010. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1271/bbb.100358> Acesso em 16 fev. 2013.
TANAKA, Yoshikazu et al. Recent Progress of Flower Colour Modification by Biotechnology, 2009. Disponível em: <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2801998/> Acesso em 16 fev. 2013.
TERMIGNONI. Regina Ramos. Cultura de Tecidos Vegetais. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2005.
TOMASELLI, Anderson Jader. Diagnóstico da cadeia produtiva de flores e plantas ornamentais na região de Holambra, São Paulo. Florianópolis: Trabalho de conclusão de curso apresentado a Universidade Federal de Santa Catarina, 2008.
TRIGUEIRO, André. Meio ambiente no século 21: 21 especialistas falam da questão ambiental nas suas áreas de conhecimento. Rio de Janeiro: Sextante,2003.
VALÉRIO, Marco Antonio B. N. In: DECKER, Felipe S. Mercado de trabalhado quer profissionais de mente aberta. Informativo do Conselho regional de Química da 5ª Região-RS, ano XV, n. 120, jan-fev-mar, 2011.
VIÉGAS, Judith. Biologia Celular: Parte I – Estrutura cromossômica em interfase e divisão mitótica (texto). Textos Didáticos, Departamento de Zoologia e Genética, Instituto de Biologia, Universidade Federal de Pelotas, 2008. 17p.
VILAS-BOAS, André. O que é [e o que nunca foi] design gráfico. Rio de Janeiro: 2AB, 2003. 5.ed.
VINCENT, Françoise. In: MONSELL, Alice. Indisciplinaridade. (notas de aula), 2012.
VINHO e música. Disponível em: <http://www.lebuche.eu/azienda-agricola/pt/cantina/vino-e-musica/> Acesso em: 6 fev. 2013.
WEYMAR, Lúcia Bergamaschi Costa. Design entre aspas: indícios de autoria nas marcas da comunicação gráfica. Tese (Doutorado em Comunicação Social) Famecos, PUCRS, Porto Alegre, 2011.
WOLPERT, Lewis et al.; trad. Henrique Bunselmeyer Ferreira. Princípios de Biologia do desenvolvimento. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.
Full transcript