Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Quando a Fantasia se torna realidade: análise do filme O Lab

No description
by

Tamara Finardi

on 31 October 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Quando a Fantasia se torna realidade: análise do filme O Lab

Quando a Fantasia se torna realidade: análise do filme O Labirinto do Fauno¹
Tamara Finardi²
Tabita Strassburger³

Introdução
Produtos culturais analisados a partir da Teoria Crítica da Cultura.
O presente trabalho tem como objeto de estudo a obra fílmica “O Labirinto do Fauno” (2006), dirigida pelo mexicano Guillermo Del Toro. Este trabalho não pretende analisar o filme por completo, mas sim enfatizar alguns trechos vividos pela protagonista, relacionando-os com a luta pela liberdade após a guerra civil espanhola de 1944.

Sinopse:
Espanha, 1944. Oficialmente a Guerra Civil já terminou, mas um grupo de rebeldes ainda luta nas montanhas ao norte de Navarra. Ofelia (Ivana Baquero), de 10 anos, muda-se para a região com sua mãe, Carmen (Ariadna Gil). Lá as espera seu novo padrasto, um oficial fascista que luta para exterminar os guerrilheiros da localidade. Ofelia descobre um labirinto onde encontra um Fauno, que conta à menina que ela é a princesa de um mundo subterrâneo. Para Ofelia conseguir voltar a seu reino precisa cumprir três tarefas designadas pelo Fauno no decorrer da narrativa.

Objetivos
Analisar o filme Labirinto do Fauno e identificar como a construção fílmica, a partir de elementos do gênero “fantasia”, tece uma crítica com relação ao contexto histórico retratado.
Fundamentação Teórica
Henrique CODATO - cinema e representações sociais

Douglas KELLNER - Teoria Crítica da Cultura

Luiz NOGUEIRA - gêneros cinematográficos

Graeme TURNER - cinema e crítica social

Resultados
O gênero fantasia é peça fundamental da expressão de crítica social do filme, pois o mundo da fantasia vivido por Ofelia funciona como uma metáfora em relação ao que acontece com os adultos ao seu redor.
Este trabalho apresenta a análise a partir das três tarefas realizadas por Ofelia, comparando-as a situações de injustiça a partir do contexto histórico pós-guerra civil espanhola retratado no filme.

Primeira Tarefa
Segunda Tarefa
Terceira Tarefa
Conclusão
No caso da produção cinematográfica, a partir das teorias que envolvem suas técnicas, fica perceptível que a narrativa é montada, com o intuito de transmitir algo. Na produção fílmica dirigida por Del Toro em 2006, O Labirinto do Fauno, a dicotomia entre o real e surreal se complementam. O gênero de fantasia apresentado no filme representa uma fuga do sistema-mundo imposto naquele momento. Mas o mundo perfeito não lhe é dado de graça. Ofelia precisa cumprir tarefas, e lutar contra os monstros, para ao final ser recompensada com um reino, “onde não existe nem mentira, nem dor”. Na realidade que só Ofelia pode ver, ela pode lutar com as armas que tem em mãos: três pedras e um pedaço de giz. É nesse mundo que ela tem possibilidades concretas de lutar contra seus medos, desafiando o que está posto.
Referências
CODATO, Henrique. Cinema e Representações Sociais: um diálogo possível. Revista Verso e Reverso: Unisinos, 2010.

KELLNER, Douglas. A Cultura da mídia. Bauru: EDUSC, 2001.

NOGUEIRA, Luíz. Manuais de Cinema II: gêneros fotográficos. Covilhã: LabCom, 2010.<http://www.livroslabcom.ubi.pt/pdfs/nogueira-manual_II_generos_cinematograficos.pdf> Acesso em 29 de outubro de 2013.

TURNER, Graeme. Cinema como Prática Social. São Paulo: Summus, 1997
1. Trabalho apresentado no V Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão promovido pela Universidade Federal do Pampa
2. Acadêmica do Curso de Comunicação Social - habilitação em Jornalismo da Universidade Federal do Pampa
3. Professora orientadora do trabalho
Universidade Federal do Pampa
Metodologia
Análise fílmica realizada a partir da Teoria Crítica da Cultura proposta por Kellner
Full transcript