Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Clara Andermatt

"Corpos desejados sentimentos ambulantes"
by

Rita Carvalho

on 26 June 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Clara Andermatt





”Eu funciono um pouco como catalizador daquilo que se passa à minha volta e acabo quase por exorcizar, nas minhas coreografias, aquilo que me preocupa; mas nao só a mim. Estou a tentar chegar à essência das coisas, a uma camada do ser humano que é universal, que nos toca a todos. É nisso que estou interessada. E é algo que nao te passa pela cabeça, passa-te pelo estômago. Quase que nao há leitura, nao há que decifrar… simplesmente provoca-te e obriga-te a reagir.”
Clara Andermatt.

CONCLUSÃO

DISCIPLINA
: a coreógrafa inspirada.


“ [...] é como se os corpos que Clara Andermatt coreografa começassem a organizar-se num vocabulário e numa técnica onde um nível intensíssimo de energia e desejo está condenado à partida a só se deixar extravasar por via de uma tensao muscular quase dolorosa. Os bailarinos transformam a carne em rocha. E o desejo, o amor e o sexo, o contacto entre corpos só acontece como um choque violento de superficies.”
Andre Lepecki

CLARA ANDERMATT
COMPANHIA

PROCESSO CRIATIVO

Aproximadamente três meses de trabalho.

1º FASE: improvisação.

2ª FASE: arrumar e compôr o material.

3ª FASE: a peça está criada, e o trabalho foca-se em passagens.
Corpo como suporte; intérprete como sentimento ambulante.

CLARA ANDERMATT
COMPANHIA



UM DIA DE TRABALHO NA COMPANHIA…

Do tecnicismo ao release e a improvisação.

CLARA ANDERMATT
COMPANHIA



Ganha o 1º premio no III Certame Coreografico de Madrid em 1989 junto ao bailarino espanhol Jordi Cortés, com a peça "En-Fim". O prémio garante-lhe a criação de uma nova peça em 1990: "Só um Bocadinho".


"Foi um período em que me preocupava muito com o lado efémero das coisas, das relaçoes que acabam, dos momentos que passam, irrecuperáveis, que inecitavelmente se diluem e transformam... E daí o título, de facto as coisas acontecem, mas só um bocadinho..."
Clara Andermatt.

Volta para Lisboa. Cria Louca, Louca Sensação de Viver em 1991, Mel em 1992 e Cio Azul em 1993. A partir de 1991 cria a sua propria companhia junto com Mónica Lapa, Amélia Bentes,e a partir de 1993 também com Felix Lozano.

“Talvez esse viajar continuado esteja na origem da sua cuidada problematização do encontro.”
André Lepecki.



CLARA ANDERMATT
BIO

Nasce em Lisboa em 1963.

Estuda dança dos 4 aos 17 anos com a sua mãe, Luna Andermatt.

Com uma bolsa de estudo, estuda na London Studio Centre entre 1980 e 1984.

Volta para Lisboa e dança na Companhia de Dança de Lisboa entre 1984 e 1988. Cria:
"Lib(e)ra" em 1987 com Joao Fiadeiro e "Somos Diferentes" em 1988.

Em 1988 viaja a os Estados Unidos. Estuda teatro com Mervin Nelson em Nova Iorque e
frequenta os cursos do Jacobs Pillow em Lee, Massachussets.

Conhece o coreógrafo Ramon Oller e integra a sua companhia, Metros, em Barcelona,
entre os anos 1989 e 1991.
CLARA ANDERMATT
BIO

CORPOS DESEJADOS SENTIMENTOS AMBULANTES

CLARA ANDERMATT


Em 1994 surge "Dançar Cabo Verde", em que dança junto a Paulo Ribeiro.

Dá início a toda uma série de colaborações com Cabo Verde em acções de formação e criação.

Ao longo da sua carreira, coreografou quatro peças para o Ballet Gulbenkian: Cemitério dos Prazeres e 4 Árias de Ópera em 1996, Neatnet em 2000 e O Canto do Cisne em 2004.

Clara Andermatt continua o seu trabalho como coreógrafa e pedagoga.



CLARA ANDERMATT
BIO

RAMÓN OLLER E A
COMPANHIA METROS
“Un bailarín es ese actor que está a punto de hablar”
. Ramón Oller.
RAMÓN OLLER
BIO
Nasce em Esparraguera, Cataluña, no ano 1962.

Começou o seu percurso no mundo do teatro.

Director e coreógrafo da sua própria companhia Metros, desde 1984 em Barcelona.

Em 1986 é convidado pelo Jacobs Pillow Dance Festival (U.S.A.)

Requerido criador em outras formações nacionais e internacionais.

Actualmente desenvolve labor pedagógica no Institut del Teatre de Barcelona, como professor de composição nos estúdios de grado superior de dança, e é coreógrafo residente do Ballet de Teatres de la Generalitat de la Comunidad Valenciana.

Ramón Oller apresenta-se como um dos referentes da dança em Espanha.

RAMÓN OLLER
COREÓGRAFO
1. DANÇA POPULAR: Equilíbrio entre a dança erudita e a dança comercial.

“Não experimentar com seres humanos”
. Ramón Oller.

2. ARTE NACIONAL

3. GESTUALIDADE:
“Ramón Oller ha creado un repertorio propio a partir de un repertorio universal y ha sido pionero en la incorporación del gesto en sus espectáculos y en hacer que sus bailarines bailen e interpreten al mismo tiempo”
. Abel Guarinos, director do festival MIM de Valencia.

Índice
Clara Andermatt. Biografia


1
Companhia Metros (Román Oller)



2
Companhia Clara Andermatt

Análise e testemunhos

3
O Cansaço dos Santos
4
Cio Azul

5
Poemas de Amor

*
Canto do Cisne

Conclusão
Cansaço dos Santos
(estreia 1992, remontagem 2010)

FICHA ARTÍSTICA

Coreografia
Clara Andermatt
Assistente de ensaios
Amélia Bentes
Música
Laurent Petitgrand
Figurinos
Carlota Lagido
Cenografia
Clara Andermatt
Desenho de Luz original
Rui Marcelino
Adaptação desenho de luz
Pedro Machado
Interpretação
Carla Jordão e Débora Queiroz
Foto
Luis Cunha, Serge Ligtenberg
http://www.youtube.com/user/ACCCANDERMATT?feature=watch
CIO AZUL (1993)
FICHA ARTÍSTICA

Coreografia
Clara Andermatt
Música original
João Lucas
Canções
João Lucas
Letras das Canções
Clara Andermatt e João Lucas
Bailarinos
Clara Andermatt, Amélia Bentes, Mónica Lapa e Félix Lozano
Cantora / Acordeonista
Soraya Cristina
Figurinos
Manuela Furtado
Desenho de Luz
Rui Marcelino
Assistência do Projecto
Maria de Assis
Produção Executiva
Mónica Lapa, Pro.Dança
Produção Acarte / Fundação Calouste Gulbenkian
Apoio
Secretaria de Estado da Cultura e Pro.Dança
POEMAS DE AMOR (1996)
FICHA ARTÍSTICA

Coreografia
Clara Andermatt
Bailarinos
Amélia Bentes, Mónica Lapa, Félix Lozano, José Silva e Clara Andermatt
Musica Original
João Lucas
Figurinos
Carlota Lagido
Desenho de Luz
Rui Marcelino
Produção
ACARTE/ Fundação Calouste Gulbenkian
O Canto do Cisne (2004)
FICHA ARTÍSTICA

Coreografia
Clara Andermatt
Assistente Coreográfica
Amélia Bentes
Música Original
Camille Saint Saenz
Adaptação Música
João Lucas
Bailarinos
Mónica Gomes , Bárbara Griggi, Wubkje Kuindersma, Sylvia Rijmer, Iolanda Rodrigues, Ann de Vos, Jordi Alguacil, Bernardo Gama, Bruno Guilloré, Hillel Kogan, Pedro Mendes, Carlos Prado, Nelson Smith, Jermaine Maurice Spivey, Rodrigo Vieira.
http://www.clara-andermatt.com/index.php/pt/criacoes/producoes-accca/29-cio-azul
http://www.clara-andermatt.com/index.php/pt/criacoes/producoes-accca/26-poemas-de-amor
BIBLIOGRAFIA

LIVROS
1. de Assis, M. (1995). Movimentos. Lisboa: Danças na Cidade.
2. Fazenda M. J. (1997). Movimentos Presentes. Aspectos da Dança Independente em Portugal. Lisboa: Livros Cotovia/ Danças na Cidade.

WEBSITES
1. Companhia Clara Andermatt. Consultado em Maio 16, 2013, em
www.clara-andermatt.com
2. INAEM Instituto Nacional de las Artes Escénicas y de la Músca (2010). Biografías. Ramón Oller. Consultado em Maio 17, 2013, em
http://www.danza.es/multimedia/biografias/ramon-oller
3. Centro Andaluz de Danza (2012). Profesores Invitados: Ramón Oller. Consultado em Junho 3, 2013, em
http://www.juntadeandalucia.es/culturaydeporte/cad/opencms/nav/formacion/profesores_invitados/antiguos/profesor_0025.html
4. La Mandragora, TVE (2008). Ramón Oller y la Compañía Metros. Consultado em Junho 4, 2013, em
http://www.rtve.es/alacarta/videos/la-mandragora/


ENTREVISTA Amélia Bentes, Barbara Griggi e Félix Lozano (ESD-Lisboa, Junho 2013)
Full transcript