Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Os caminhos da Linguística Aplicada

No description
by

Claudia Vivien

on 10 July 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Os caminhos da Linguística Aplicada

Contexto histórico Contexto sócio-político que se apresentava na América do Norte na década de 40.
Segunda Grande Guerra - imprescindível que os soldados americanos aprendessem de modo rápido e eficaz a falar a língua do pacífico e dos outros locais para onde seriam enviados.
Em 1957 surge o Centro de Linguística Aplicada com o objetivo de auxiliar a solução de problemas encontrados em vários países em desenvolvimento com relação ao ensino de línguas. As pesquisas iniciais Naquele momento, a LA tinha como objetivo aplicar as teorias linguísticas na resolução de problemas relacionados ao ensino de línguas propondo metodologias e materiais didáticos.
O surgimento da Associação Internacional de Linguística Aplicada (AILA) representou um marco, para uma discussão sistemática com intenção de institucionalizar a Lingüística Aplicada como uma ciência autônoma que, durante as décadas de 50-70, ficou tipicamente preocupada com os aspectos práticos do ensino e aprendizagem e com as questões referentes à testagem em segunda língua (SOARES, 2008). Os caminhos da Linguística Aplicada O novo paradigma Os profissionais de ensino e aprendizagem de línguas começaram a questionar os métodos positivistas e os objetivos apregoados pela nova ciência que buscava, a qualquer custo, aplicar as teorias lingüísticas ao ensino de idiomas, sem levar em conta as questões que interessavam aos usuários, ou seja, a quem ensinava e a quem aprendia a língua estrangeira (SOARES, 2008).
Visão interdisciplinar/transdisciplinar. Entra em campo disciplinas como a Pedagogia, a Psicologia Cognitiva, a Antropologia, a Sociologia e a Filosofia.
No momento histórico atual, a linguística aplicada encontra-se de forma independente, com um arcabouço teórico-metodológico próprio e com campos de atuação diversos (SOARES, 2011). Tipos de Pesquisas em LA Segundo Moita Lopes(1996) as pesquisas em LA são:
a) pesquisa de natureza aplicada em ciências sociais (resolução de problemas de uso da linguagem).
b) pesquisa que focaliza a linguagem do ponto de vista processual (foco na linguagem da perspectiva do uso/usuário no processo de interação linguística escrita e oral).
c) pesquisa de natureza interdisciplinar e mediadora (mediação entre o conhecimento teórico advindo de outras disciplinas e o problema de uso da linguagem).
d) pesquisa que envolve formulação teórica (formulação de modelos teóricos).
e) pesquisa que utiliza métodos de investigação de base positivista e interpretativista. A Linguística aplicada Crítica Há uma preocupação em propor pesquisas que sejam responsivas à vida social.
Linguística Aplicada Crítica (LAC): (SIGNORINI, 2006; ROJO, 2006; RAJAGOPALAN, 2006, 2008; PENNYCOOK, 2006; MOITA LOPES, 2006; CAVALCANTI, 1999, 2006, 2007).
Todo um conjunto de questões e interesses, tópicos tais como identidade, sexualidade, acesso, ética, desigualdade, desejo ou a reprodução de alteridade, que até então não tinham sido considerados como de interesse em LA (PENNYCOOK, 2006). O ensino em língua estrangeira e em língua materna;
Formação do docente;
Bilingüismo;
Questões de identidades, gêneros discursivos, gêneros sócio-culturais, grupos minoritários; Outras áreas: a jurídica e a médica. Campos de pesquisa MATÊNCIO, M. de L. M. O campo dos estudos da linguagem, da linguística aplicada e a pesquisa em sala de aula. Littera. Pedro leopoldo. Ano II. Nº 3. Jan/Jun/2001.
MOITA LOPES, L. P. Oficina de Lingüística Aplicada. A natureza social e educacional dos processos de ensino/aprendizagem de línguas. Campinas:Mercado de Letras. 1996.
RAJAGOPALAN, Kanavillil. 2003. Por uma lingüística crítica: linguagem, identidade e questão ética. Sâo Paulo: Parábola Editorial.
SOARES, C.V.C. de O. Contrução de sentidos em ambientes virtuais de aprendizagem: os fóruns de discussão do curso Letras Libras – Polo Bahia. Tese de Doutorado, UFBA, 2011.
SOARES, D. A. Introdução à Linguística Aplicada e sua utilidade para as pesquisas em sala de aula de língua estrangeira. Disponível em: http://www.filologia.org.br/revista/40suple/introdao_a_linguistica%20.pd Referências Aplicação de teorias linguísticas à prática de ensino Tentativas de renovação dos conteúdos e de seu ensino melhoria na seleção, melhoria no ensino Descrição e análise de eventos de interação complementadas por reflexões sobre as possíveis soluções para a resolução dos conflitos regularmente identificados nos eventos investigados (MATÊNCIO, 2001) Estudar os eventos de interação e sua organização referenciando-se nas multiplas dimensões que interferem em sua configuração (MATÊNCIO, 2001) Partindo da visão sócio-construtivista, retomada no final da década de 80, de que todo conhecimento é culturalmente tecido em contextos sociais específicos, e da dimensão social da linguagem, que ganhou força nos anos 90, a Lingüística Aplicada pôde centrar-se na investigação dos problemas do uso da língua sem, no entanto, limitar os seus estudos nem à linguagem, nem a Linguística (SOARES, 2008). Quando me refiro a uma lingüística crítica, quero, antes de mais nada, me referir a uma lingüística voltada para questões práticas. Não é a simples aplicação da teoria para fins práticos, mas pensar a própria teoria de forma diferente, nunca perdendo de vista o fato de que o nosso trabalho tem que ter alguma relevância Relevância para as nossas vidas, para a sociedade de modo geral (RAJAGOPALAN, 2003)
Full transcript