Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Exame físico da criança

No description
by

Lucia Helena Fonseca

on 4 August 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Exame físico da criança

Ausculta respiratória normal
Pontos de referência para exame dos pulmões
Condições respiratórias críticas
Padrões respiratórios alterados
Ruidos adventícios ou anormais
Neonatos > de 60 irm
2 meses a 1 ano > 50
mais de 1 ano > 40
Aumento do esforço respiratório (retração, batimento de asa de nariz, gemido);
Diminuição dos sons inspiratórios;
Cianose ou diminuição da oximetria;
Alteração do nível de consciência: irritabilidade ou letargia inesperada ou ausencia de resposta aos estimulos familiares;
Convulção - Febre acompanhada de petéquias - Trauma;
Queimaduras com mais de 10% de superfície corporea.

Traqueais - sons asperos, intensos, de frequência alta, ouvidos na porção extratorácica da traqueia. tem duração igual para inspiração ou expiração.

Brônquicos - são intensos, com frequência alta e soam como ar que corre dentro de um tubo. A inspiração é mais longa e mais intensa, (manúbio).

Broncovesiculares - a inspiração e a expiração tem a mesma duração, (1ª e 2ª EIC)

Vesiculares - sons brandos, de tonalidade baixa. A inspiração é mais longa, a expiração frequentemente está inaudível.
Taquipneia - frequencia aumentada
Bradpneia - frequência reduzida
Dispneia - sofrimento durante a respiração
Apneia - cessação da respiração
Hiperpneia - maior profundidade
Hipoventilação - profundidade reduzida e ritmo irregular
Hiperventilação - frequencia e profundidade aumentadas
Respiração de Kussmaul - hiperventilação, respiração com esforço, observados no coma diabético e em quadros de acidose respiratória
Cheyne-Stokes - Frequencia e profundidade gradualmente maiores com periodos de apneia
Respiração de Biot - periodos de hiperpneia alternando com apneia
Respiração oscilante - tórax deprime na inspiração e eleva-se na expiração
Agônica - (gaspen) respiração agonica proxima da morte.
Estertores crepitantes ou crepitação - som compativel com esfregaço do cabelo no ouvido. Encontrado em Pneumonia, tuberculose, edema pulmonar, ICC e fibrose pulmonar.
Sibilos - sons de tonalidade alta e continuo, presentes principalmente na expiração. Produzidos pelo estreitamento devido ao edema, secreções, espasmo ou corpo estranho. Associado ao broncoespasmo da asma.
Roncos - sons sonoros, de altura mais grave, comum nos tampões de muco e movimentos precários das secreções das vias aéreas, ocasionalmete diminuidas pela tosse.
Roncos de transmissão - passagem de ar pelas narinas ou cavidades nasais parcialmente obstruidas por secreções ou edemas. Cça não inspira com a boca aberta.
Pulmões e
Coração
Inspeção
Avalie a:
frequênciia;
ritmo;
profundidade;
qualidade;
sons respiratórios.


Exame físico da criança
Referência o ângulo esternal;
2º EIC;
as bases cruza a 6ª costela;
4ª costela HD -lobo médio;
traqueia bifurca-se ao nível do ângulo esternal;
na parte posteior- ângulo inferior da escapula;
a borda inferior dos pulmões - no nível da 10ª apófise espinhosa.


Comprometimento respiratório
Sinais:
Sons respiratórios desiguais ou ausentes;
Expansão torácica assimetrica,diminuída, paradoxal ou ausente durante a inspiração:
expanção diminuída - esforço inadequado,obstrução de vias aéreas, atelectasia, etc;
movimento paradoxal é observado quando há obstrução da via aérea superior ou fraqueza dos musculos respiratórios.

Comprometimento respiratório
Diminuição da entrada de ar distal - sons respiratórios pouco audíveis, auculta distalmente;
uma expansão torácica diminuida, com movimento reduzido do ar à ausculta pulmonar frequentemente acompanha um esforço respiratório inadequado;
esforço respiratório aumentado, maior expansão torácica e retrações intercostais em associação com a diminuição da entrada de ar são achados sugestivos de obstrução de fluxo aéreo o de doença do tecido pulmonar.


Angústia respiratória
Taquipnéia - o primeiro sinal de angústia respiratória em lactentes;
Gemido expiratório - sinal de doença do tecido pulmonar, de colapso alveolar ou ambos - PN, SARA, contusão pulmonar. Progride para a IR.
Estridor - sinal de obstrução de via aérea superior (ouvido na inspiração) - aspiração de corpo estranho, anomalia congênita e adquirida, infecção ou edema de VAS.
Angústia respiratória
Sibilios - sinais de obstrução de via aérea inferior, mais evidentes na expiração - bronquite e asma. Sibilos inspiratórios sugerem corpo estranho na VAS.
Respiração abdominal - padrão abdominal de retrações intercostais graves, indica aumento extremo de esforço respiratório - obstrução de VAS, fraqueza neuromuscular. Pode progredir para IR.
Balançar a cabeça - sinal de aumento de esforço respiratório, principalmente e RNs e lactentes.
Ausculta cardíacos
Na ausculta cardíaca deve-se observar com atenção: ritmo, intensidade, frequência cardiaca e bulhas normais e anormais.
Sequência para auculta:
foco aórtico - 2º eicd próximo ao externo;
ponto de Erb - 3º eice próximo ao externo, pde se localizar sopros aóticos e pulmonares;
foco tricúspede - 4º eice para lactentes e 5º para crianças maiores
foco mitral ou apical - 4º eice na linha clavicular média até sete anos e 5º para crianças maiores.
Avaliação

Use a palpação para determinar o impulso apcal (IA) que pode corresponder ao ápice. O IA dá a ideia do tamanho do coração.
o ponto de impulso máximo (PIM) indica a área de pulsação mais intensa, normalmente no mesmo local do IA.
Tempo de enchimento capilar importante teste de circulação periférica.
Origem dos sons cardíacos
Os dois sons S1 e S2 "Tum-Tá" corresponde respectivamente o fechamento das valvas tricúspede e atrial e fechamento das valvas pulmonar e aórtica.
Outros dois sons podem ser produzidos o S3 normalmente ouvido em crianças e o S4 que quando ouvido deverá ser encaminhado para avaliação cardíaca.
Full transcript