Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

A Religião e o Sentido da Vida na Filosofia de Kierkegaard

No description
by

Leonor Falcão

on 22 May 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of A Religião e o Sentido da Vida na Filosofia de Kierkegaard

A Religião e o Sentido da Vida na Filosofia de Kierkegaard
O QUE É A RELIGIÃO?
Religião é entendida como um conjunto de sistemas culturais/crenças, e de visões do mundo, que estabelece os símbolos que relacionam a humanidade com a espiritualidade, incluindo os seus próprios valores morais. Muitas religiões têm símbolos, tradições e histórias sagradas que têm como principal objetivo dar sentido à vida ou explicar a sua origem e, da mesma maneira, explicar a origem do universo.

A IMPORTÂNCIA DA RELIGIÃO NA VIDA
"A religião e o humor influenciam a tomada de decisão?"(jornal Expresso, 4 de maio 2014)
"Religião Une Povos" (jornal Nordeste, 13 de maio 2014)
"Os Jovens e a Fé: "O catolicismo é uma religião de alegria, não de tristeza"" (JPN, 19 de abril 2014)
"Fim à Mutilação Genital Feminina" (Notícias Magazine, 14 de maio 2014)

Søren Kierkegaard - Biografia
Sören Abye Kierkegaard nasce em Copenhaga, Dinamarca a 5/5/1813
Filósofo e religioso dinamarquês, é um dos fundadores do existencialismo
Filho de camponês que faz fortuna como comerciante de lã na cidade
Estuda teologia na Universidade de Copenhague, entre 1830 e 1840, e gradua-se com a tese Sobre o Conceito da Ironia, em 1841.
No mesmo ano fica noivo de Regina Olsen
O filósofo vive atormentado pela herança psicológica paterna
Como o pai, sofre de melancolia e de problemas de natureza psicopatológica.
Entre 1843 e 1846, escreve uma série de livros, que misturam novelas, diários e críticas de músicas
Fortalece a sua posição contrária à filosofia de Hegel, dominante na Dinamarca 
Entre 1854 e 1855 afasta-se da Igreja Luterana
Morre em Copenhaga a 11/11/1855 (42 anos)

Por: Guilherme Almeida nº5, Henrique Pires nº6, Leonor Falcão nº10, Linda Rodrigues nº11, Vitor Aires nº27
O Sentido da Vida
Crítica a Hegel
Crítica à Igreja Luterana Dinamarquesa
As Caraterísticas de Kierkegaard
existencialista
neo-ortodoxo
pós-modernista
humanista
individualista
ESTÁDIO ESTÉTICO
ESTÁDIO ÉTICO
ESTÁDIO RELIGIOSO
O PROBLEMA FUNDAMENTAL DA VIDA HUMANA
Luteranismo
religião
O conceito de religião é muitas vezes utilizado como sinónimo de fé, mas a religião difere da crença privada na medida em que tem a caraterística de ser pública.

Existe uma grande diversidade de religiões à volta do planeta, a maioria delas caraterizada por comportamentos próprios e organizados, incluindo hierarquias clericais, congregações de leigos, reuniões regulares ou serviços para fins de veneração ou adoração de uma divindade ou para a oração.
Existem também lugares (naturais ou arquitetónicos) e/ou escrituras sagradas para os seus praticantes. A prática de uma religião pode também incluir sermões, comemoração das atividades de um deus ou deuses, sacrifícios, festivais, festas, transe, iniciações, serviços funerários, serviços matrimoniais, meditação, música, arte, dança, ou outros aspectos religiosos da cultura humana.
Muitas das obras de Kierkegaard lidam com problemas religiosos tais como a natureza da fé, a instituição da fé cristã, e ética cristã e teologia. Por causa disto, a obra de Kierkegaard é, algumas vezes, caracterizada como existencialismo cristão, em oposição ao existencialismo ou ao proto-existencialismo, que são ambos derivados de uma forte base ateística.

Trabalho de Kierkegaard
A existência humana só é verdadeira e autêntica se for relação com Deus. Sem essa relação, o homem desperdiça a sua vida e condena-se ao desespero absoluto.
Essa relação - fé - só terá autenticidade se for absoluta, isto é, se Deus estiver sempre em primeiro lugar, tornando-se tudo o resto secundário.
teísmo
Crença num deus/ deuses
ateísmo
Um ateu não nega forçosamente deus no geral, refuta apenas o deus teísta — aquele deus (ou deuses) improvável que tudo criou, tudo definiu e tudo continua a controlar
agnosticismo
Ausência de resposta - "um incompromisso filosófico". Respeita tanto o ateísmo como o teísmo
teísmo
crença num deus/ deuses
ateísmo
refuta apenas o deus teísta — aquele deus (ou deuses) improvável que tudo criou, tudo definiu e tudo continua a controlar
agnosticismo
ausência de resposta: trata-se de "um incompromisso filosófico". Respeita tanto o ateísmo como o teísmo


"O mundo seria muito mais pacífico se todos fôssemos ateus."
José Saramago
GEORG WILHELM FRIEDRICH HEGEL
filósofo alemão, final do séc XVIII - início do séc XIX
interesse pela filosofia e pela política
influência das ideias políticas de Rousseau
Ciência da Lógica
(1812-1816)
O sistema filosófico dividido em três partes: lógica, filosofia da natureza e filosofia do espírito
redução do ser ao pensar
interpretação do real como ideia ou razão - "Todo o ser é racional"
idealismo absoluto
lógica
Hegel identifica o real e o racional, o ser e o pensamento, que se apoiam num princípio único e universal: a ideia
filosofia da natureza
Continua o desenvolvimento do mundo real exterior à ideia
filosofia do espírito
Definição do espírito, que existe por si mesmo
Critica de Kierkegaard a Hegel
Hegel - idealismo absoluto, objetivo e abstrato
Kierkegaard - Hegel ignora o ético e o religioso, anulando a existência
kierkegaard
O pensamento constrói-se em função da existência
A verdade só tem sentido se a vivermos
A subjectividade é a condição da verdade
O luteranismo é um ramo do cristianismo ocidental, identificado pela teologia de Martinho Lutero, pioneiro da Reforma da Igreja Católica na Alemanha (igreja protestante)
Kierkegaard considerava a ideologia desta igreja vazia, apesar de ter crescido no ambiente familiar protestante.
Existencialismo
O que é o existencialismo?
Pai do existencialismo.
Sentido da vida segundo a religião.
Existencialismo cristão.
Obra do autor relacionada com o tema
Neo-ortodoxismo
O que é o neo-ortodoxismo?
Pai do neo-ortodoxismo.
Contradições.
Caracteristica na visão de keirkegaard
Fim da crença neo-ortodoxa.

Pós-Modernismo
O que é o pós-modernismo?
Primeiras influências filosóficas
Obra de Kierkegaard que influencia o pensamento humano
Humanismo
O que é o humanismo?
Relação desta caracteristica com outras tematicas .

Individualismo
O que é o individualismo?
Posição de kiekegaard nesta caracteristica.
Individualismo existencialista de kierkegaard
O homem estético caracterizado pela procura do princípio do prazer, isto é, o que é do agrado dos sentido.
Valor supremo – PRAZER - Tem como objetivo a procura pelo prazer evitando a dor.
Evita pensar em si, concentrando-se nos seres e nas coisas que o podem satisfazer mas que inevitavelmente o irão desiludir.

Don Juan
Figura do modelo estético é o sedutor, Don Juan, que procura o prazer da conquista e do gozo sexual como sendo o mais intenso e procurado, a vida estética tem outras formas como na entrega do ser a fins temporais como o poder e o dinheiro.
Como caracterizar o indivíduo como um ser que adopta a vida estética?
É caracterizado por viver apenas para o momento imediato, no instante .
Rejeita a repetição, considerando-a aborrecida, rejeita voltar a fazer a mesma coisa.
O seu prazer é caracterizado pela imaginação e pela fantasia, procurando sempre uma experiência nova e que seja um novidade

Esta procura pelo prazer terá consequências negativas?
Em todo o momento, a satisfação do desejo é seguida da insatisfação.
A procura infinita do desejo, cada vez mais intenso, irá transformar cada desejo satisfeito em melancolia e a procura de uma nova experiência.
As variadas experiências irão dispersar na procura do prazer e na constante insatisfação com o prazer atingido.
A figura de Don Juan, é o exemplo, o sedutor termina no desespero e na perdição.
Com o passar da vida, o homem consciente da futilidade da sua vida irá deixar de valorizar a sua existencia determinada pelo prazer, instalando- se o desespero

O homem ético orienta-se pelo princípio do dever, não pretende estar “além do bem e do mal”.
Valor supremo – O DEVER -
Para isso deseja estar integrado na sua sociedade, para não ser exceção, respeita as normas e o padrões comuns.

Estádio Ético
O mais importante é estar ligado aos outros homens. A sua identidade é construída de acordo com os princípios dos quais a maioria dos homens se identifica.

Para isso, o estado ético, não permite as atrações passageiras, o prazer e interesses egoístas (características do estado Estético).


O Homem Casado
O modelo do homem ético é o Homem Casado, que ao realizar uma opção é uma escolha definitiva, em que o amor presente transforma-se em amor de toda uma vida.
A escolha deste caminho, de acordo com as expectativas da sociedade da criação e educação dos filhos, cumprindo o dever de respeitar o compromisso assumido com quem casou.
O Homem Casado acredita que esta é a sua opção fundamental da sua vida e é nesta opção que encontra o seu sentido de vida

O homem religioso coloca Deus acima de tudo, considerando esta sua relação com Deus com fundamental para a sua vida.
Ao estar ligado a Deus, implica uma obediência suprema ao cumprir absolutamente a vontade divina, ser um seguidor de Cristo.
Ao contrário dos estádio falados anteriormente este caracteriza-se por haver um outra vida com sentido não encerrando nunca.

Refutação de Kierkegaard
Kierkegaard acredita que esta opção não passa de uma idealização que não resiste à realidade, acredita que esta opção irá tornar a vida do homem, uma vida monótona e insuportável.
Acredita que nenhuma escolha é absoluta, ao invés o homem casado prefere a estabilidade, Kierkegaard afirma que tudo tem o seu tempo e como tal é imperfeito.

Afirma que a relação central do homem apenas é possível com Deus, não pode ser uma relação com os seus semelhantes, pois apenas Deus pode salvar. Isto é, perdoar o pecado.
Para obter a salvação, o homem terá de ter fé, pessoal privada e solitária com Deus, traduzindo-se numa confiança absoluta num ser que nos é absolutamente desconhecido.

Salvação Eterna - Kierkegaard
Ao confiarmos em plenitude com Deus, teremos que nos submeter à sua vontade que não sabemos da sua existência e que excede a nossa razão e compreensão.
Tuda esta indefinição, esta aventura não sabemos se terá o final esperado.
Para Kierkegaard o drama vivenciado, é segundo este um destino posto na mão do desconhecido. Quem optar por Deus, desvaloriza as coisas deste mundo relegando para segundo plano, até os laços familiares, é o verdadeiro crente.

Salvação Eterna - Kierkegaard
São Francisco de Assis
É referido como sendo um exemplo de um verdadeiro crente, pois coloca a sua vida ao serviço de Deus repudiando seu pai.
De acordo com a moral instituída, devia obediência ao seu pai(que rejeitava a sua escolha), mas escolheu aquilo que considerou o dever supremo: responder ao “chamamento” de Deus

Segundo Kierkegaard a relação com Deus é a mais importante, exige que se ignore o que é moralmente reconhecido e aceite na sociedade, como no exemplo anterior – o dever absoluto para com Deus “suspende” a moral estabelecida.
O homem é um ser temporal que vive na eternidade, pois ao ser criado à imagem e semelhança de Deus, tem em si a marca da infinitude, isto é, Deus é a raiz do seu ser.
Aqueles que ignoram este facto ao subestimar esta relação desperdiçam a sua existência, fugindo a verdade fundamental.
A existência humana apenas fará sentido se for algo infinito, para além daquilo que pensamos ser a vida.

Salvação Eterna - Kierkegaard
Para Kierkegaard, o problema fundamental da vida humana é o da salvação eterna
Só Deus pode salvar porque só perante ele – contra a sua vontade – o pecado (entenda-se: o pecado original) foi cometido.
A fé é precisamente a relação – pessoal, privada e solitária – com Deus.
Para Kierkegaard, a fé é um paradoxo: traduz uma confiança absoluta num ser que nos é absolutamente desconhecido.
Para Kierkegaard, é um ser temporal no qual a eternidade vive porque, tendo sido criado à imagem e semelhança de Deus, tem em si a marca da infinitude: Deus é a raiz do seu ser.
“Sem a relação com Deus, não é possível o acesso à totalidade do meu ser e ao verdadeiro e autêntico sentido da minha existência”
Full transcript