Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Modal rodoviario

No description
by

Matheus Souza

on 13 June 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Modal rodoviario

Modal Rodoviário
Curso:
ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 8° Período

Disciplina:
Logística

Professor:
Ricardo
TRANSPORTE RODOVIÁRIO É O TRANSPORTE FEITO POR ESTRADAS, RODOVIAS, RUAS E OUTRAS VIAS PAVIMENTADAS OU NÃO COM A INTENÇÃO DE MOVIMENTAR MATERIAIS PESSOAS OU ANIMAIS DE UM DETERMINADO PONTO A OUTRO.

AS CARACTERÍSTICAS DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

Referência: g1.globo.com
96% DO MOVIMENTO DE PASSAGEIROS
60% DO TRANSPORTE CARGAR;

O MODAL RODOVIÁRIO TRABALHA JUNTO COM TODOS OS OUTROS MODAIS, POIS É NECESSÁRIO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO PARA QUE AS MERCADORIAS CHEGUEM NO SEU LOCAL DE
EMBARQUE.

Referência:g1.globo.com
Custo do Tranporte Rodoviário

Custeio dos custos
* Depreciação;
* Remuneração do capital;
* Pessoal;
* IPVA;
* Custos administrativos;

* Combustível;
* Pneus;
* Lubrificantes;
* Manutenção;
* Pedágio.
UNIARAXÁ – Centro Universitário do Planalto de Araxá
O valor da depreciação será igual à diferença entre o valor da aquisição e o valor residual do veiculo, dividido pela sua vida útil (em meses) na empresa.
C
dep
v
aquisição
- v
residual
nº de meses

SITUAÇÃO BRASIL

Fonte: Pesquisa CNT de Rodovias 2013

Extensão da Malha Rodoviária Brasileira

Pesquisa CNT de Rodovias 2013

EVOLUÇÃO DA EXTENSÃO DAS RODOVIAS FEDERAIS
PAVIMENTADAS (2004 – 2013) VALORES EM MIL KM

EXTENSÃO DA MALHA RODOVIÁRIA FEDERAL PAVIMENTADA POR REGIÃO

DENSIDADE DA MALHA RODOVIÁRIA PAVIMENTADA POR PAÍS
(VALORES EM KM/1.000 KM²)

83,59% do total de rodovias pesquisadas pela CNT são de gestão pública
16,41% são de gestão concessionada

TIPO DE GESTÃO

INVESTIMENTO PRIVADO EM RODOVIAS VALORES EM R$ MILHÕES CORRENTES (1995 A JUNHO DE 2013)
MELHORIAS FÍSICAS REALIZADAS PELAS CONCESSIONÁRIAS

ESTADO GERAL DAS RODOVIAS BRASILEIRAS
GESTÕES CONCEDIDAS E PÚBLICAS

PAVIMENTO
GEOMETRIA DA VIA
SINALIZAÇÃO
Referêcia:www.correiodeuberlandia.com.br
Referêcia:www.correiodeuberlandia.com.br
Referêcia:www.correiodeuberlandia.com.br
Referêcia:www.correiodeuberlandia.com.br
Referêcia:www.correiodeuberlandia.com.br
Referêcia:www.correiodeuberlandia.com.br
Referêcia:www.correiodeuberlandia.com.br
Referêcia:www.correiodeuberlandia.com.br
Referêcia:www.correiodeuberlandia.com.br
Referêcia:www.correiodeuberlandia.com.br
Referêcia:www.correiodeuberlandia.com.br
Referêcia:www.correiodeuberlandia.com.br
ANTT: Agência Nacional de Transporte Terrestre;

DNIT: Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transportes;

PRF: Polícia Rodoviária Federal;

IBAMA: Instituto Brasileiro de Meio Ambiente.

FISCALIZAÇÃO DOS
TRANSPORTES RODOVIÁRIOS


ANTT: Agência Nacional de Transporte Terrestre;

DNIT: Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transportes;

PRF: Polícia Rodoviária Federal;

IBAMA: Instituto Brasileiro de Meio Ambiente.

FISCALIZAÇÃO DOSTRANSPORTES RODOVIÁRIOS

DNIT: Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes

FISCALIZAÇÃO DOS TRANSPORTES RODOVIÁRIOS

PRF: Polícia Rodoviária Federal

FISCALIZAÇÃO DOS TRANSPORTES RODOVIÁRIOS

IBAMA: Instituto Brasileiro de Meio Ambiente

FISCALIZAÇÃO DOS TRANSPORTES RODOVIÁRIOS

FISCALIZAÇÃO DOS TRANSPORTES
RODOVIÁRIOS

Atribuições Gerais:

ANTT – Agência Nacional de
Transportes Terrestres

* Promover pesquisas e estudos específicos de tráfego e de demanda de
serviços de transportes;

* Promover estudos aplicados às definições de tarifas, preços e fretes, em confronto com os custos e os benefícios econômicos transferido aos usuários pelos investimentos realizados;

* Fiscalizar a prestação dos serviços, fazendo cumprir as cláusulas e aplicando penalidades pelo seu descumprimento;

Atribuições Específicas:

ANTT – Agência Nacional de
Transportes Terrestres

* Autorizar o transporte de passageiros, realizado por
empresas de turismo ou sob regime de fretamento;

* Habilitar o transportador internacional de carga;

* Fiscalizar diretamente, com o apoio de suas unidades regionais, ou por meio de convênios de cooperação, o cumprimento das cláusulas contratuais de permissão para prestação de serviços ou de concessão para exploração da infra-estrutura.

* O transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante
remuneração, depende de prévia inscrição no RNTRC.

* O porte CRNTRC, emitido pela ANTT, tem caráter obrigatório e será fiscalizado, pela ANTT e Órgãos conveniados, em todas as vias públicas do território nacional.

Exercício da Fiscalização:

ANTT – Agência Nacional de
Transportes Terrestres

* Na fiscalização esse certificado será exigido em tamanho natural ou reduzido, desde que legível, admitida a impressão em preto e branco ou contendo o número do RNTRC no documento do veículo.
*
CRNTRC (Certificado de Inscrição
no Registro Nacional de Transportadores
Rodoviários de Cargas)

Devem ser registrados no RNTRC todos
veículos de carga mediante remuneração,
com capacidade de carga útil igual ou superior a
500kg.

RNTRC (Registro Nacional de
Transportadores Rodoviários
de Cargas)

CTC: Cooperativa de Transporte Rodoviário de Cargas.

TAC: Transportadores Autônomos de Cargas.

ETC: Empresas de Transportes Rodoviários de Cargas.

Categorias do RNTRC

Competitividade

Em um país de dimensões continentais como o Brasil,
os modais capazes de transportar maiores quantidades
de cargas – por grandes extensões e utilizando menos
combustível – deveriam ser melhor aproveitados.

Isso reduziria o gasto com as atividades logísticas, o consumo de recursos não renováveis e as emissões de poluentes associados.

Competitividade

FONTE: Ideia Sustentável, 2013


A péssima situação das rodovias brasileiras reduz a competitividade dos nossos produtos.



FONTE: Diretório Econômico, 2013


O transporte rodoviário pode transportar praticamente qualquer tipo de carga e é capaz de trafegar por qualquer via. Este fato faz com que integre regiões, mesmo as mais afastadas.

Outro atrativo do modo rodoviário é o fato de que o transporte busca a carga do exportador e então a leva ao importador, por isso, denominado transporte porta-a-porta (door to door).

Por não se prender a trajetos
fixos, apresenta uma flexibilidade, a qual nenhum outro modal possui.

E como, normalmente, o veículo é lacrado no local de carregamento e aberto na entrega, necessita de menos manuseio da carga, outra característica vantajosa deste modal.


E como, normalmente, o veículo é lacrado no
local de carregamento e aberto na entrega, necessita de menos manuseio da carga, outra característica vantajosa deste modal.


Em contrapartida, há pontos fracos, como a pequena capacidade de carga, se comparado com o modal aquaviário e ferroviário, a qual somada ao alto custo de sua estrutura, faz dele um transporte relativamente oneroso.

Se a meta para a matriz de transportes mais equilibrada para 2025 é de 29% para o modal hidroviário, 35% para o ferroviário e 30% para o rodoviário, então há um bom caminho a percorrer.

Referência:logisticatecnologos.blogspot.com
Referência:logisticatecnologos.blogspot.com
CONHECIMENTO ELETRONICO



* Possui a maior representatividade entre os modais existentes;
* Adequado para curtas e médias distâncias;
* Baixo custo inicial de implantação;
* Alto custo de manutenção;
* Muito poluente com forte impacto ambiental;
* Segurança no transporte comprometida devido à existência de roubos de cargas;
* Serviço de entrega porta a porta;
* Maior flexibilidade com grande extensão da malha;
* Transporte com velocidade moderada;
* Os custos se tornam altos para grandes distâncias;
* Tempo de entrega confiável;
* Baixa capacidade de carga com limitação de volume e peso;
* integra todos os estados brasileiros.
Características do transporte rodoviário de carga no Brasil:
ANTT. Associação Nacional de transporte e tráfego. RNTRC. Registro Nacional de transportadores rodoviários de cargas. Disponível em: <htpp: //www.antt.gov.br>. Acessado em: 26/05/09
Referências Bibliograficas
Referência: www.skyscrapercity.com
Conhecimento de transporte rodoviário de cargas Eletrônico
Conhecimento de Transporte Eletrônico - CT-e:
Documento de existência apenas digital, emitido e
armazenado eletronicamente. O Conhecimento de Transporte Eletrônico tem validade em todos os Estados da Federação.

Benefícios:

Redução de custos com papel, impressão, armazenamento de documentos fiscais (Um contribuinte que emita, hipoteticamente, 100 conhecimentos de transporte por dia, contará com aproximadamente 2.000 conhecimentos por mês, acumulando cerca de 120.000 ao final de 5 anos.)

Facilidade na recuperação das informações
Dispensa de Autorização de Impressão de
Documentos Fiscais – AIDF.
Redução de tempo de parada de caminhões
em Postos Fiscais de Fronteira.
Incentivo a uso de relacionamentos eletrônicos com
clientes (B2B).



• Aumento na confiabilidade do conhecimento de transporte de cargas;
• Melhoria no processo de controle fiscal
• Redução de custos no processo de controle dos conhecimentos capturados pela fiscalização de mercadorias em trânsito;
• Diminuição da sonegação e aumento da arrecadação sem aumento de carga tributária;
• GED - Gerenciamento Eletrônico de Documentos.
• Suporte aos projetos de escrituração eletrônica contábil e fiscal da Secretaria da Receita Federal e demais Secretarias de Fazendas Estaduais (Sistema Público de Escrituração Digital - SPED).

Benefícios para o Fisco:

Ao emitir o DACTE, a transportadora substituirá as inúmeras vias pré-impressas de seu formulário contínuo de conhecimento de transporte de cargas, por apenas uma via impressa (DACTE).
CTRC tipografado não padronizado
referência:www.gerenciadoreficaz.com.br
referência:www.gerenciadoreficaz.com.br
referência:www.gerenciadoreficaz.com.br
Referência:www.coroatadeverdade.com
Referência:www.coroatadeverdade.com
Referência:www.coroatadeverdade.com
Referência:www.coroatadeverdade.com
Referência:www.coroatadeverdade.com
Referência:www.coroatadeverdade.com
Referência:www.coroatadeverdade.com
Referência:www.coroatadeverdade.com
Referência:www.coroatadeverdade.com
Referência:www.coroatadeverdade.com
Referência:www.adaya.com.br
Referência:www.adaya.com.br
Referência:www.adaya.com.br
Referência:www.adaya.com.br
Referência:www.adaya.com.br
Referência:www.adaya.com.br
Referência:www.adaya.com.br
Referência:www.adaya.com.br
Referência:www.adaya.com.br
Referência:www.adaya.com.br
Referência:www.adaya.com.br
Referência:g1.globo.com
Referência:g1.globo.com
Referência:g1.globo.com
Referência:g1.globo.com
Referência:g1.globo.com
Referência:g1.globo.com
Referência:www.grupoopiniao.com.br
Não é uma despesa, mais sim um custo de oportunidade.
Remuneração do capital
DEPRECIAÇÃO
CUSTOS FIXOS
CUSTOS VARIÁVEL
CUSTOS DE PESSOAS
CUSTOS DE COMBUSTIVEL
CUSTOS DOS PNEUS
CUSTOS DE MANUNTENÇÃO


GRUPO:
Dainilon Vieto
Edilene Melo
Leticia Aparecida
Maria Cecilia Lino
Matheus Souza
Odivan Cipriano
Full transcript