Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Seminário de Capacitação I.1

No description

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Seminário de Capacitação I.1

Seminário de Capacitação I
2º semestre/2014
[Decreto de extinção da escravidão no Brasil] [manuscrito]
Brasil. Assembléa Geral
Rio de Janeiro, Paço do Senado, 13/05/1888
O documento é assinado pela Princesa Imperial Regente Isabel (Isabel Cristina Leopoldina Augusta Micaela Gabriela Rafaela Gonzaga de Bragança e Bourbon, 1846 - 1921), pelo Secretário de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas e Interino dos Negócios Estrangeiros, o bacharel Rodrigo Augusto da Silva (1833-1889), pelos senadores Primeiro Vice-Presidente Antônio Candido da Cruz Machado (1820 - 1905), Primeiro Secretário Barão de Mamanguape (Flávio Clementino da Silva Freire,1816 - 1900) e pelo Segundo Secretário Joaquim Floriano de Godoi (1826 – 1907).

O manuscrito original faz parte do acervo do Arquivo do Senado Federal.

Disponível em: http://www2.senado.gov.br/bdsf/item/id/385454
Processo do Padre José Bernardo da Fonte.
Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Tribunal do Santo Ofício, Inquisição de Lisboa, processo 13404, código de referência PT/TT/TSO-IL/028/13404. Data: Julho a dezembro de 1755.
O trecho que consta no ANTT trata da diligência do Reverendo doutor José Sobral e Sousa, Vigário da Vara da Comarca do Rio das Mortes e subsequente inquirição das testemunhas.

Disponível: http://digitarq.dgarq.gov.pt/viewer?id=2313620
“Registo da Nomeaçao pela qual semostra Por Mamposteiro de Santo Antonio Manoel Alvares de Magalhaes (…)”.

Arquivo Histórico da Câmara Municipal de Mariana (AHCMM). Livro 573, fls. 86-87. [imagens formato tif 096 e 097]
Documento: Termos de Acórdão do Senado da Câmara de Mariana. Arquivo Histórico da Câmara Municipal de Mariana.
Data: 1748.
fl.108, fl 108v
Carta de Foral de Coimbra, 4 de agosto de 1516.
Com assinatura do rei D. Manuel I, o Foral de Coimbra foi registrado no tombo da Câmara de Vereação por Fernam de Pyna, Corregedor e Cavaleiro da Casa Real, em 22 de agosto de 1517.

Disponível em: http://www.revistadehistoria.com.br/secao/decifre/o-foral-novo-do-rei
“Requerimento de Rosa Maria Perpétua da Conceição”
AHU Con. Ultra. – Brasil/MG Cx.:107, Doc.:61.”
PROCESSO DE RODRIGO SODRÉ PEREIRA
Crime/acusação: heresia, blasfêmia, libertinagem e proposições heréticas. Data: 1792.

Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Tribunal do Santo Ofício, Inquisição de Lisboa, código de referência PT/TT/TSO-IL/028/01810
A Oficina de Paleografia – UFMG é um projeto voluntário coordenado por um grupo de alunos(as) da graduação e pós-graduação do Departamento de História da UFMG.

Reunidos(as) semanalmente às segundas-feiras, temos como principal objetivo
reunir subsídios e promover treinamento na leitura de fontes manuscritas
pertinentes à história luso-brasileira.

Contamos com o apoio do Centro Acadêmico de História (CAHIS - UFMG), do Colegiado de Graduação, do Programa de Pós-Graduação e do Departamento de História da UFMG.
Pretendemos consolidar um
espaço permanente e colaborativo
de estudo, discussão, exercício e troca de experiências no trabalho em arquivos e na leitura e transcrição de manuscritos em língua portuguesa produzidos entre os séculos XV e XX.

Todas as pessoas interessadas, estudantes ou profissionais, provenientes de quaisquer instituições, da área de História ou afins, são convidadas a participar, independentemente de ter ou não experiência prévia.

É possível, caso se deseje, assistir apenas a encontros isolados. Todas as nossas atividades são abertas ao público.

Fornecemos
certificado de participação
àqueles(as) que tiverem frequência de pelo menos 75% e cumprirem com as atividades propostas.

Por que uma Oficina de Paleografia ?

- Os manuscritos produzidos em épocas passadas não são automaticamente acessíveis e inteligíveis aos olhos contemporâneos

- Há um descompasso entre a importância da leitura paleográfica na pesquisa histórica e o domínio das habilidades a ela relativas pelos historiadores;

- Há uma lacuna nas grades curriculares dos cursos de graduação e nas iniciativas extracurriculares nas universidades.

A Oficina pode ser uma boa experiência pra você que:

- Desenvolve ou pretende desenvolver pesquisas que envolvam fontes manuscritas em língua portuguesa;

- Deseja alcançar qualificação profissional para uma pesquisa futura e/ou prestação de serviços;

- Tem como objetivo desenvolver habilidades que facilitem a participação em projetos de iniciação científica que requeiram tais técnicas;

- Deseja ter algum contato com fontes manuscritas para utilização em sala de aula;

- Tem curiosidade em conhecer o trabalho com manuscritos;

- Identifica-se com ambientes coletivos e colaborativos e com formatos de aprendizagem que requeiram autonomia e iniciativa própria.
A Oficina não se propõe a:

- Trabalhar fontes escritas em outros idiomas, como o Latim, o Inglês ou o Francês;

- Enfatizar os aspectos morfológicos e/ou filológicos dos manuscritos em detrimento dos elementos históricos e contextuais.

A
metodologia de trabalho
proposta para o 2º semestre de 2014 consiste na articulação de uma série de atividades complementares, compreendidas em diferentes momentos.

Essa metodologia foi construída de maneira colaborativa desde o nosso primeiro semestre de atividade e será constantemente reformulada.

Sucedem-se os seguintes momentos:
Seminários (de Capacitação e de Leitura Bibliográfica)
, a
Oficina de Leitura e Transcrição
e o
Ciclo de Conferências e Debates
.
Seminário de Capacitação I:
momento introdutório, organizado no formato de aulas expositivas/exposições dialogadas. Planejado especialmente para viabilizar o constante ingresso de novos participantes, esse momento foi incorporado permanentemente às primeiras semanas de todos os semestres de atividade.

Seminário de Leitura Bibliográfica:
série de encontros voltada especialmente para participantes que nos acompanham desde os semestres anteriores e, portanto, já tiveram contato com os conteúdos trabalhados no Seminário de Capacitação I.

O objetivo desse seminário é ler e discutir a cada semestre uma obra importante para os estudos paleográficos, sugerida pela Coordenação.

Oficina de Leitura e Transcrição:
organizada em uma série de 4 encontros, em semanas alternadas, com o objetivo de promover o treinamento prático em paleografia.

Para que tenham contato prévio, os documentos são disponibilizados com antecedência via internet para os(as) participantes. Nos encontros, todo o conteúdo das fontes é lido linha a linha, de forma pausada, observando-se suas características gráficas e contextuais mais relevantes. Também as dúvidas quanto à correta formatação da transcrição de acordo com as Normas Técnicas são debatidas e sanadas durante a leitura.

Para um melhor aproveitamento,
sugerimos aos(as) participantes que dediquem às atividades propostas algumas horas extra-classe
, realizando a transcrição previamente e voltando a ela após o encontro, para identificar e corrigir eventuais erros e avaliar seu desempenho.

Ciclo de Conferências e Debates:
acreditamos que a leitura documental implica também na compreensão do contexto de produção daquela fonte. É desejável aliar à transcrição dos caracteres a discussão do contexto social, político, econômico e cultural dos manuscritos apresentados.

Dessa forma, nos encontros seguintes aos da Oficina de Leitura e Transcrição e dialogando com ela, convidamos, a cada semestre, 4 colegas que desenvolvam ou tenham desenvolvido pesquisa histórica baseada em fontes manuscritas para compartilhar conosco suas experiências.

Cada convidado(a), também em semanas alternadas, apresenta uma conferência que pode abordar, dentre outros aspectos, a forma e o conteúdo do documento apresentado e principais características daquela tipologia documental, algumas possibilidades e desafios do uso daquela tipologia na pesquisa histórica, o contexto de produção do documento indicado, os resultados parciais ou finais de seu trabalho e as reflexões teórico-metodológicas pertinentes.

Adotado desde o 2º semestre de 2012, esse momento tem uma ótima aceitação entre os(as) participantes, promovendo uma maior
integração entre os diferentes níveis de formação (graduação e pós)
e fomentando oportunidades de
aprendizado, proposição e discussão de hipóteses de trabalho e de debates historiográficos e metodológicos
para todos(as).


A Oficina promove, ainda, algumas
atividades de participação opcional

e cujo público-alvo se estende para além dos(as) participantes regulares dos encontros semanais.

Semestralmente, promovemos uma
aula inaugural
com convidados(as) especiais, abordando temas correlatos ao trabalho com fontes manuscritas. Eventualmente, outras conferências e mesas-redondas podem ser organizadas ao longo do ano letivo.

São organizadas semestralmente
visitas técnicas
a arquivos de Belo Horizonte e região, de acordo com a disponibilidade dos arquivos e o interesse dos participantes.

Encerrando cada ano de atividade, promovemos o
Seminário da Oficina de Paleografia – UFMG
, evento de maior porte organizado pela Oficina e que pretende reforçar as discussões sobre leitura e transcrição de manuscritos, sobretudo as relacionadas às pesquisa histórica, sem, no entanto, deixar de lado outras áreas afins e, muito menos, esquecer que a Paleografia constitui um campo próprio do conhecimento.

Além de reconhecidos(as) pesquisadores(as) da Paleografia e/ou que trabalham com fontes manuscritas, o Seminário deverá contar com a presença de outras Oficinas de Paleografia, nossas parceiras, e com mesas que abrangerão temas não trabalhados nos encontros semanais por extrapolarem os marcos espaciais e/ou temporais propostos.

Como mencionamos, a
Oficina de Paleografia – UFMG
é um projeto completamente voluntário.

O que pretendemos é fazer acontecer uma iniciativa que seja importante e proveitosa para o público interessado, e acreditamos que isso só pode acontecer em um ambiente solidário e colaborativo.

A metodologia aqui apresentada está em constante reformulação e permanentemente aberta à colaboração. Confira a nossa fanpage para maiores informações.

abre.ai/oficinadepaleografia
facebook.com/oficinadepaleografia
twitter.com/paleografiaUFMG
oppufmg@gmail.com

Apresentação
do Projeto
Exercícios de
Leitura
Full transcript