Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

O SETOR EMPRESARIAL E A COMUNICAÇÃO ENVOLVENDO INOVAÇÃO E PROPRIEDADE INTELECTUAL

No description
by

Tatiane Liberato

on 17 February 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of O SETOR EMPRESARIAL E A COMUNICAÇÃO ENVOLVENDO INOVAÇÃO E PROPRIEDADE INTELECTUAL

O SETOR EMPRESARIAL E A COMUNICAÇÃO ENVOLVENDO INOVAÇÃO E PROPRIEDADE INTELECTUAL
Introdução
Objetivos
Tatiane Furukawa Liberato
Governos e empresas têm aumentado os investimentos em P&D, contribuindo com o processo de inovação do país.

Tal processo tornou a proteção da inovação, por meio da Propriedade Intelectual, prática estratégica das Instituições Científicas e Tecnológicas (ICTs), bem como das empresas privadas no Brasil.

Para incentivar parcerias entre ICTs e o setor produtivo, a Lei de Inovação (Lei nº 10.973) instituiu os Núcleos de Inovação Tecnológica (NITs).

Os NITs atuam como intermediadores no processo de gestão e transferência tecnológica nas universidades e institutos de pesquisa brasileiros e contribuem para a melhoria da comunicação no processo de inovação, buscando atrair as Empresas de Base Tecnológica (EBTs).
O cenário pouco estimulante para a realização de parcerias leva à necessidade de promover ações para romper "amarras" que dificultam a aproximação entre as ICTs, em sua maioria públicas, e o setor produtivo.

Os documentos de patentes são fontes de informação tecnológica e comercial, podendo e devendo ser conhecidos por todos os atores envolvidos no desenvolvimento científico e tecnológico.

A divulgação científica realizada pelos NITs pode utilizar esse material para levar ao público-alvo (EBTs), e para o público em geral, informações sobre ciência e tecnologia contidas nas patentes.

Mas as ICTs têm conseguido divulgar as suas patentes para o setor empresarial? Em que meios os empresários buscam informações sobre inovação tecnológica em benefício de seus produtos e de sua empresa?
Essas instituições fazem uso da linguagem e dos canais de comunicação corretos para atingir seu público principal de interesse?
Objetivo geral:
Compreender e analisar o processo comunicacional das Empresas de Base Tecnológica de São Carlos no que se refere à busca de informações nos mais diferentes meios, com ênfase naquelas que tratam de inovação e propriedade intelectual, de modo que os NITs possam facilitar esse processo e essa busca.

Objetivos específicos:
Analisar como se dá a busca de informação por parte das empresas;
Verificar o interesse das EBTs pelas informações que tratam de inovação tecnológica e PI e como essas informações são utilizadas nos planos empresarias;
Medir a percepção dos empresários sobre a necessidade de obter informações de patentes para a geração de novos produtos;
Avaliar a opinião/visão dos empresários sobre informações referentes às patentes originárias de universidades e institutos de pesquisa, por meio dos NITs.
Assessora de Comunicação da Fundação de Apoio Institucional ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico da UFSCar e da Agência de Inovação da UFSCar
Mestranda em Divulgação Científica e Cultural da Universidade Estadual de Campinas
A primeira etapa consistiu em levantamento bibliográfico sobre o tema a fim de oferecer um panorama geral sobre a inovação e propriedade intelectual no âmbito brasileiro.
Em seguida foi realizado o levantamento de dados por meio de questionário aplicado a todas as Empresas de Base Tecnológica de São Carlos - interior do Estado de São Paulo - visando obter informações qualiquantitativas sobre como, quando, onde e por quê as empresas buscam informações científica e tecnológica e sua relação com o processo de inovação; de que maneira as empresas lidam com as informações sobre patentes disponibilizadas pelas ICTs, por meio de seus NITs; como são utilizadas as informações de inovação e patentes que a empresa busca; quais são os canais, elementos e processos de comunicação social, institucional e científica utilizados pelas empresas.
Metodologia
E-mails para contato:
tatyliberato@gmail.com
spallone@unicamp.br

Obrigada!
Principais referências
CASTELLS, Manuel. The rise of the network society. Cambridge, ed. Blackwell Publishers, 1996.

ETZKOWITZ, H. (2004). The Evolution of The Entrepreneurial University. International Journal Of Technology And Globalisation - Vol. 1, No. 1 Pp. 64-77.

MACEDO, Maria Fernanda Gonçalves; BARBOSA, A.L. Figueira. Patentes, Pesquisa e Desenvolvimento: um manual de propriedade intelectual. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2000, p. 39.

_______________; LEYDESDORFF, L. The dynamics of innovation: from national systems and “mode 2” to a triple helix of university-government relations. Research Policy, v. 29, p. 109-123, 2000.

MARQUES, F. Sistema Imaturo – universidades brasileiras ocupam espaço que deveria pertencer às empresas em ranking e patentes. Revista Pesquisa Fapesp. Edição impressa 123, maio de 2006. Disponível em: http://www.revistapesquisa.fapesp.br/?art=2952&bd=1&pg=1&lg= . Acesso em: 03 set. 2010.

MAZOCCO, F. J. A midiatização das patentes sob o olhar CTS (Ciência, Tecnologia e Sociedade). São Carlos: UFSCar, 2009. 154 p. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Sociedade, Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2009.

MELLO, M. T. L. (1995) Propriedade intelectual e concorrência: uma análise setorial. Campinas, Unicamp-IE (Tese de Doutorado).
ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (OCDE). Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre a inovação. 3 ed. Rio de Janeiro: OCDE, EUROSTAT, FINEP, 1997.

OECD (2002) Frascati Manual 2002, The measurement of scientific and technological activities, proposed standard practice for surveys on research and experimental development, OCDE, Paris.

PUHLMANN, A. C. A. In: SANTOS, M. E. R. (Org.); TOLEDO, P. T. M. (Org.); LOTUFO, R. A. (Org.). Transferência de Tecnologia: Estratégias para a estruturação e gestão de Núcleos de Inovação Tecnológica. 1ª. ed. Campinas: Komedi, 2009. v. 1. 350 p.
SANTOS, C. Brasil registra menos patentes no exterior. Valor Econômico, São Paulo, 13, 14 e 15 jun. 2008. Brasil, Caderno A, p. A6.

SOUSA, C. M. Relativizando ciência e comunicação. LQES News, 2005. Disponível em: http://lqes.iqm.unicamp.br/canal_cientifico/pontos_vista/pontos_vista_artigos_opiniao36-1.html. Acesso em 19 ago 2010.

TERRA, B. A transferência de tecnologia em universidades empreendedoras: um caminho para a inovação tecnológica. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2001.
Resultados parciais
Próximas etapas
A próxima etapa consiste na análise dos questionários à luz do referencial teórico das áreas de Comunicação/Jornalismo Científico, Política Científica e Tecnológica, Estudos de Ciência, Tecnologia e Sociedade.
Considerando-se que a difusão das informações sobre patentes possibilitam a atração do setor empresarial para a realização de parcerias que podem levar ao desenvolvimento de produtos e processos gerados nas ICTs para o mercado, a expectativa é que o resultado da pesquisa contribua para o aperfeiçoamento do processo de comunicação dos NITs das ICTs, ajudando, assim, a cumprir seu papel no desenvolvimento econômico e social, frente aos investimentos aportados pelas empresas e governos.


Orientação
Simone Pallone de Figueiredo
Justificativa
Tema novo na agenda das ICTs, esta análise mostra os NITs como agentes importantes no fortalecimento das relações entre ICT e setor privado, a partir do processo comunicacional. Visa preencher uma lacuna no processo de divulgação das ICTs, via NITs, sugerindo estratégias de divulgação e relacionamento com as EBTs.
O trabalho contribui para os estudos sobre comunicação institucional/pública, para a divulgação científica e para o jornalismo científico.
Full transcript