Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO DAS INTERVENÇÕES DA EDUCAÇÃO FÍSICA

No description
by

Augusto Bonnaneti

on 5 December 2017

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO DAS INTERVENÇÕES DA EDUCAÇÃO FÍSICA

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO DAS INTERVENÇÕES DA EDUCAÇÃO FÍSICA NO CONTEXTO DA SAÚDE

O que é mais importante para você?
Mas, o que é saúde?
Apesar da aparente inconteste obviedade do corpo, sua ideação está vinculada a construções históricas, à discursividade, com simbologias cristalizadas pelas sociedades, reproduzindo e produzindo, consciente e intencionalmente, o fomento de reflexões, relações e abstrações sobre o homem conforme as conveniências do poder.
Le Breton (2013, p. 18-31) situa o corpo como polissêmico, fruto de uma conceituação subjetiva, resultado de várias construções sociais e culturais. Para Nóbrega (2005, p. 16), essas construções caminharam para a mitigação da faculdade perceptiva sensorial, priorizando a razão na produção do conhecimento, o que desaguou gradualmente na ruptura conceitual do homem (descorporização). É possível atestar que essa descorporização paulatina ocorreu especificamente no ocidente pela discursividade presente com a chegada da Filosofia Platônica e com a fundação da ciência e do processo de industrialização.
Ora, se realmente, na companhia do corpo não é possível obter o conhecimento puro do que quer que seja, de duas uma terá de ser: ou jamais conseguiremos adquirir esse conhecimento, ou só o faremos depois de mortos, pois só então a alma se recolherá em si mesma, separada do corpo, nunca antes disso. Ao que parece, enquanto vivermos, a única maneira de ficarmos mais perto do pensamento, é abstermo-nos o mais possível da companhia do corpo e de qualquer comunicação com ele, salvo e estritamente necessário, sem nos deixarmos saturar de sua natureza sem permitir que nos macule, até que a divindade nos venha libertar. Puros, assim, e livres da insanidade do corpo, com toda a probalidade nos uniremos a seres iguais a nós e reconheceremos por nós mesmos o que for estreme de impurezas. É nisso, provavelmente, que consiste a verdade. Não é permitido ao impuro entrar em contato com o puro. - Eis aí, meu caro Símias, quero crer, o que necessariamente pensam entre si e conversam uns com os outros os verdadeiros amantes da sabedoria (PLATÃO, 2016, p. 12).

Pela discursividade presente já no título da principal obra de Vesalius (1514-1564), Anatomia in qua tota humani corporis fabrica (De corporis humani fabrica), observa-se a concepção mecanicista do corpo pela palavra fabrica (fábrica). Corrobora essa afirmativa a etimologia da palavra órgão, presente na obra vesaliana (VESALIUS, 1617), remeter a instrumento, máquina (CECCARELLI, 2011, p. 20). Repara-se, ainda, na obra aludida, a distribuição dos sistemas de forma isolada, análoga a compartimentos/setores , fato ainda presente nos dias atuais nos vários atlas de anatomia.
O que não parecerá de modo algum estranho aos que, sabendo quantos autômatos diferentes, ou máquinas que se movem, o engenho dos homens pode fazer só empregando muitas poucas peças, em comparação com grande quantidade de ossos, músculos, nervos, artérias, veias, e todas as demais partes que há no corpo de cada animal, considerarão esse corpo como uma máquina que, feita pelas mãos de Deus é incomparavelmente mais bem ordenada e tem em si movimentos mais admiráveis que qualquer uma das que podem ser inventadas pelos homens (DESCARTES, 2001, p. 62-63).
Antes de 1940 - ausência de doença
Pós II Guerra Mundial (OMS) - estado completo de bem-estar físico, mental social e espiritual.
Nieman (1999) - Estado dinâmico de bem-estar positivo.
EQUILÍBRIO
(SABA, 2008)
Estilo de vida
SABA (2007)
Manter o corpo ativo, exercitando-se regularmente
Alimentar-se de acordo com o que o corpo precisa
Controlar o peso e a composição corporal (adequado a estatura)
Dormir bem (o suficiente e com qualidade)
Não fumar
Não usar drogas psicotrópicas

Educação Física
educação - prevenção, imunização
atividade física - sedentarismo
}
PROMOÇÃO DA SAÚDE
Full transcript