Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Independência da África

No description
by

Bianca Amaral

on 4 September 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Independência da África

A descolonização Independência da África A África foi colonizada pelos europeus,todos os países foram colônias de exploração. A divisão do continente para exploração ocorreu na Conferência de Berlim, na Alemanha em 1885, nessa fizeram parte a Inglaterra, França, Bélgica, Alemanha, Itália, Portugal e a Espanha.
A partir dessa conferência ficou definida a divisão geográfica dos respectivos territórios a serem explorados. O processo de exploração das colônias africanas durou muito tempo, as consequências atuais são derivadas de vários fatos históricos, sobretudo, da exploração.  Introdução No fim da Segunda Guerra Mundial, para evitar que uma nova guerra ocorresse, foi criada a Organização das Nações Unidas(ONU). Desde sua criação, a ONU defendeu o "direito de autodeterminação dos povos", isto é, o direito de cada povo formar seu próprio país.
Naquele momento, muitas regiões do planeta não formavam países, pois eram colônias europeias. Em várias regiões da África, a população dessas colônias passou a lutar por sua independência. O início da descolonização A luta dos nativos desses continentes contra os dominadores europeus;
O enfraquecimento das potências europeias, causado pela Segunda Guerra Mundial;
O apoio que os movimentos de libertação da África receberam dos Estados Unidos e da União Soviética. Os Estados Unidos justificavam seu apoio como forma de combater o "perigo" da expansão comunista naqueles continentes. A União Soviética, por sua vez, acusava o colonialismo de ser produto do capitalismo;
Ideias de base política (pan-africanismo e negritude). Razões da Independência Foi um movimento proposto por Jomo Kennyata, do Quênia, idealizado por negros norte-americanos e antilhanos, foi transformado em doutrina por intelectuais negros norte-americanos, que defendia a unidade da África , solidariedade e a independência dos povos africanos. Pan-africanismo A negritude é um movimento nascido na África nos anos 30. Foi um movimento idealizado pelo senegalês Leopold Senghor, que propunha a valorização das culturas negro-africanas. Negritude Foi realizada em 18 e 24 de abril de 1955 na cidade de Bandung, na Indonésia;
Reuniu os líderes de 29 estados asiáticos e africanos, responsáveis pelos destinos de 1 bilhão e 350 milhões de seres humanos.
Alguns líderes asiáticos: Afeganistão,Arábia Saudita, Birmânia, Camboja, Laos, Líbano, Ceilão, República Popular da China, Filipinas, Japão, Índia, Paquistão, Turquia, Síria, Israel, República Democrática do Vietnã, Irã, Iraque, Vietnã do Sul, Nepal, Iêmen do Norte; líderes africanos: Etiópia, Líbia, Libéria e Egito; Conferência de Bandung A Conferência de Bandung prima pelo seu pioneirismo em tratar de assuntos inéditos à época, como a influência negativa dos países ricos em relação aos pobres e a prática de racismo como crime. Foi proposta ainda a ideia de criar um Tribunal da Descolonização, que julgaria os responsáveis pela prática deste crime contra a humanidade, responsabilizando também os países colonialistas, significando ajudar a reconstruir os estragos perpetrados pelos antigos colonos no passado. Tal ideia, porém, foi abafada pelos países centrais, ou seja, aqueles mais influentes no cenário internacional. Objetivos Descolonização: primeiro bloco (1945-1962): Colônias que se tornaram independentes por meio de negociação com suas ex-metrópoles. Mesmo com a negociação houve conflito. Essa negociação era obtida após forte pressão dos africanos: passeatas , boicotes , greves e ataques às propriedades dos colonos. A Argélia , colônia francesa , foi exceção nesse bloco , pois só conquistou a sua independência depois de longa guerra de libertação. Tornou-se independente em 1936, com manutenção da monarquia. Em 1954, oficiais liderados por Gamal Abdel Nasser derrubaram o governo do rei Farouk e proclamaram a república. Nasser comandou o país até sua morte em 1970. Marcada por um forte nacionalismo, a política interna egípcia passou a nacionalizar e estatizar companhias estrangeiras, além de iniciar uma reforma agrária e vigorosos planos de modernização do país. Egito Em 26 de Julho de 1847 a Libéria declarou a sua independência, assumindo a forma de uma República Presidencial, cuja Constituição foi decalcada a partir da Constituição dos Estados Unidos da América.
Joseph Jenkins Roberts foi o primeiro Presidente deste país africano, exercendo funções até 1856. O reconhecimento da independência da Libéria pelos países mais importantes da época ocorreu entre 1848 e 1862, respectivamente pela Grã-Bretanha, França e Estados Unidos. Libéria África do Sul (1962-1975): Países que se tornaram independentes por meio da guerra de libertação. O custo material e humano das independências desse bloco foram muito altos. Os africanos geralmente recebiam ajuda militar dos Estados Unidos e da União Soviética, por causa de seus interesses de ampliar suas áreas de influência . Descolonização: segundo bloco Foi um regime desegregação racial adotado de 1948 a 1994;
Adotado pelos sucessivos governos do Partido Nacional na África do Sul;
A segregação racial na África do Sul teve início ainda no período colonial, mas o apartheid foi introduzido como política oficial após as eleições gerais de 1948.
A nova legislação dividia os habitantes em grupos raciais, segregando as áreas residenciais, muitas vezes através de remoções forçadas. Nessa altura, o governo já havia segregado a saúde, a educação e outros serviços públicos, fornecendo aos negros serviços inferiores aos dos brancos. Apartheid O apartheid trouxe violência e um significativo movimento de resistência interna, bem como um longo embargo comercial contra a África do Sul.
Uma série de revoltas populares e protestos causaram o banimento da oposição e a detenção de líderes antiapartheid. Conforme a desordem se espalhava e se tornava mais violenta, as organizações estatais respondiam com o aumento da repressão e da violência.
Reformas no regime durante a década de 80 não conseguiram conter a crescente oposição, e em 1990, o presidente  Frederik Willem de Klerk iniciou negociações para acabar com o apartheid, o que culminou com a realização de eleições multirraciais e democráticas em  1994, que foram vencidas pelo Congresso Nacional Africano sob a liderança de Nelson Mandela. Apartheid Mesmo com todas as adversidades, os países foram alcançando sua independência política;
Depois de longas décadas de lutas para alcançar a autonomia política e econômica, hoje a África conta com 53 territórios independentes, salvo o Saara Ocidental, que é um território de domínio do Marrocos.  Fim da descoloniação africana Textos:
História Sociedade & Cidadania (Alfredo Boulos Júnior - São Paulo 2009)
http://www.mundoeducacao.com.br/geografia/descolonizacao-africa.htm
http://www.infoescola.com/historia/conferencia-de-bandung/
http://pt.wikipedia.org/wiki/Confer%C3%AAncia_de_Bandung
http://histoblogsu.blogspot.com.br/2009/08/descolonizacao-da-africa-e-da-asia.html
http://www.diario-universal.com/2009/07/aconteceu/liberia-a-primeira-independencia-africana/
http://www.klickescritores.com.br/conteudo/pagina/0,6313,POR-1308-10104-,00.html
Fotos:
http://comunidadewesleyana.blogspot.com.br/2011/10/teologia-negra-e-teologia-africana-i.html
http://macribial.blogspot.com.br/2010/06/movimentos-politico-ideologicos-contra_11.html
http://www.educacional.com.br/reportagens/africa/parte-05.asp
http://panafricanismojoven.blogspot.com.br/
http://fichasmarra.wordpress.com/2011/04/03/paises-que-participaram-da-conferencia-de-bandung/
http://www.coladaweb.com/historia/descolonizacao-da-asia-e-da-africa
http://www.webbusca.com.br/atlas/africa/liberia.asp
http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/egito/bandeira-no-egito.php
http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/africa-do-sul/bandeira-da-africa-do-sul.php
http://tanahistoria.blogspot.com.br/2011/09/apartheid-chaiane-e-jaqueline-81.html
http://desertpeace.wordpress.com/category/apartheid/
http://www.brasilescola.com/geografia/apartheid.htm Bibliografia Bianca
Giovanna
Thainá
Bruna
Ana Beatriz nº 38
nº39
nº40
nº7
nº3 O domínio britânico centrava-se na África do Sul (que compreendia o Cabo, Natal, os Estados Livres de Orange e o Transval). Esta junção de colônias deu origem à União da África do Sul, que tinha participado em ambas as guerras mundiais. 
Nos anos 30, a Inglaterra iniciou o regime do apartheid, que consistia na separação das raças branca e negra, a nível político, econômico e social.
A atitude britânica foi constantemente criticada pela ONU, e em 1961 a União da África do Sul deixou de estar inserida na Commonwealth, passando a República da África do Sul, sob o estatuto de independente. A principal consequência do processo de descolonização afro-asiática foi a criação de um novo bloco de países que juntamente com a América Latina passaram a compor o Terceiro Mundo.
Essa denominação deve-se ao fato de que os países originados a partir desses processos de independência acabaram por manter vínculos de dependência econômica com os países capitalistas desenvolvidos (Primeiro Mundo) ou com países socialistas desenvolvidos (Segundo Mundo). Consequências
Full transcript