Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

PAISAGISMO

JARDIM INGLÊS
by

Taís Tostes

on 4 January 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of PAISAGISMO

PAISAGISMO JARDIM INGLÊS RAÍZES ORIENTAIS: CHINA E JAPÃO
A mais antiga menção de ajardinamento, vem da China, onde o homem agrupou plantas tentando imitar a natureza, sendo este o embrião do Estilo Paisagístico (Inglês), que chegou ao Japão no século VI, sofrendo modificações, e adaptando-se à cultura e clima do país.

SÉCULO XVIII: O ESTILO CHEGA À INGLATERRA

O Estilo que mais tarde foi denominado ESTILO INGLÊS só se tornou conhecido na Inglaterra no século XVIII, através de constantes viagens dos europeus à países do extremo oriente, que puseram em prática as técnicas aprendidas na China e Japão.
Acredita-se a Willian Chambers, em 1756, a definitiva introdução de características chinesas nos jardins ingleses através dos desenhos dos jardins do Príncipe de Gales em Kew. ORIGENS Fig. 1 – Jardim do Santuário de Heian em Kyoto, Japão, construído no século VI.
Fonte: http://japangardens.blogspot.com.br/2005_11_01_archive.html Fig. 2 – Jardim do Palácio Kew em Londres,
construído no século XVIII
Fonte: www.kew.org O PINTURESCO
O pinturesco não nasce como um movimento ligado ao paisagismo, mas como uma escola de pintura, que por sua vez, inspirava-se em um movimento literário.
Desenvolve-se concomitantemente às origens da industrialização inglesa, um período em que buscava-se um contato mais próximo à natureza, em reação à crescente industrialização e urbanização das cidades.

O ILUMINISMO

Ruptura com a tradição clássica: Natureza deixa de ser tratada como modelo ideal. Com o Iluminismo, a natureza passa a representar um estímulo ao qual surgem diversas reações, de acordo com a individualidade de cada sujeito, desencadeando manifestações de caráter romântico ou clássico, que correspondem, respectivamente, a uma postura passional ou racional, “que o artista assume em relação à história e á realidade natural e social”(ARGAN, 1992, p. 12) CONTEXTO HISTÓRICO CULTURAL Fig. 3 – Jardim Harewood, projetado por Capability Brown no século XVIII
Fonte: Steenbergen & Ren O PINTURESCO E O ILUMINISMO
O pinturesco está em conformidade com a tese iluminista, principalmente com relação ao paisagismo, que se desenvolve, na Inglaterra, a partir do século XVIII segundo um estilo diferente daquele conhecido como Francês:
“ O Pinturesco é uma arte que não imita nem representa, mas opera diretamente sobre a natureza, modificando-a, corrigindo-a, adaptando-a aos sentimento humanos e às oportunidades de vida social, isto é, colocando-se como ambiente de vida”(ARGAN, 1992, p. 12). CONTEXTO HISTÓRICO CULTURAL CONTEXTO HISTÓRICO CULTURAL O SURGIMENTO DO ESTILO INGLÊS

Na Escola Inglesa a influência é da física e do Empirismo Inglês, aliada ao desenvolvimento do pinturesco e de um gosto pessoal pelo campo. [...] por razões ideológicas e políticas, os protagonistas desta “revolução”formal foram os whigs (liberais) que identificaram simbolicamente o regime absolutista monárquico francês ao sistema formal dos jardins regulares, com o qual Le Nôtre acabou sendo identificado (ÉCOLE D’ARCHITECTURE DE VERSAILLES...).
Além disso, [...] a topografia do sítio não se adaptou à formalidade do projeto
(francês) e nada foi feito para que isso ocorresse [...] certamente pela pelas
qualidades diversas da paisagem inglesa, os jardins em estilo francês da Inglaterra
foram imitações pobres dos grandes modelos em que eram baseados. (LAURIE,
1986, p. 41). Fig. 4 e 5 – Jardim de Chiswick House, projetados por Willian Kent no século XVIII CARACTERÍSTICAS CARACTERÍSTICAS

1. Abandono da rigidez compositiva clássica, em favor de uma composição mais em conformidade com o sítio (genius loci – ou senso de lugar): o respeito ao sítio em relação à concepção e a implantação da arquitetura.

2. Criação e caminhos sinuosos, sem a rigidez dos caminhos do Jardim Francês.

3. Implantação de uma arquitetura em seus jardins como uma reunião de estilos de diversas origens e a paisagem resultante torna-se a expressão da natureza em sua individualidade.

4. Criar paisagens e aumentar a extensão da linha de vista, com árvores altas nos primeiros planos e para os planos sucessivos, árvores cada vez mais com menor altura.

5. Grupos de árvores não muito numerosas e criação de pequenos bosques com plantas de espécies

6. Utilização da água na composição das paisagens Fig. 6 – Kent Garden. Fonte: Steenbergen & Ren Stowe House. Vistas de dois pontos de uma mesma perspectiva. IN Steenbergen e Reh. Vistas: as vistas encontradas nos Jardins Ingleses são apresentadas em forma de uma superfície enquadrada, o que remete a ideologia de se ter a paisagem como representação de um quadro para o observador. O fundo da vista gerada exige um objeto (geralmente um monumento, uma colina ou uma árvore) e, a partir desse objeto, devem ser considerados três fatores: o ponto de vista do qual o observador se encontra, o espaço livre entre ele e o objeto e o direcionamento deste objeto dentro desse espaço livre. JARDIM INGLÊS: PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS Stowe House. Exemplos de implantações de árvores. IN Steenbergen e Reh. Árvores: elas podem ser inseridas tanto isoladamente como em pequenos grupos. Aquelas que são separadas em unidades são, geralmente, árvores com maior porte e são colocadas em pontos de vistas especiais. Já as que são dispostas em grupos podem ser colocadas em pequenas quantidades ( de três a sete unidades) de forma regular ( formando losangos ou quadrados) ou de forma irregular (sem obedecer uma forma rígida). São implantadas em alamedas curvas na maioria dos casos. Há também a inserção de pequenos bosques, que sempre possuem uma fenda para que um elemento seja visualizado ( uma ruína ou ponte). Árvores dispostas em grupos sem ordenação rígida. Árvores dispostas em grupos em formas rígidas. Sistema de vistas e perspectivas Vista e perspectiva Stowe House. Vistas do gramado central. IN Steenbergen e Reh. Gramados: são compostos por quatro principais características, sendo elas:
Extensão: devem ser superfícies grandes para possibilitar melhor o traçado das vistas. Longos e largos, causam ao usuário a sensação de calmaria.
Forma: ligada ás alamedas que determinam os contorno dos gramados.
Relevo: tem a ver com os elementos que causam o afeito desejado: as rochas e os pequenos vales.
Ondulação do terreno: não deve se diferir muito do relevo original do terreno. Há o rebaixo do terreno nos meios dos grandes gramados causando pequenas rampas. Stowe House. Vistas do lago. IN Steenbergen e Reh. Águas: sendo o Jardim Inglês uma tentativa de imitação da natureza, deve-se deixar os lagos e corredeiras o mais natural possível, de acordo com o relevo de onde ele será implantado. Devem ser usadas mais em abundância as águas paradas (lagoas), pois causam maior sensação de calmaria. _O paisagismo chega ao Brasil tardiamente em relação ao desenvolvimento no exterior.

_A diferença de público/uso entre o jardim Inglês fora do Brasil e nele.

_ A inserção de plantas nativas

_ A dimensão dos jardins JARDIM INGLÊS NO BRASIL Fonte: http://www.passeiopublico.com/index2.htm PASSEIO PÚBLICO RIO DE JANEIRO .Construção
.Primeiro parque público das Américas
.Necessidade
.Embelezamento da cidade
.Sanitarismo Fonte: http://www.passeiopublico.com/index2.htm .Conceito de Mestre Valentim
.Referência francesa
.Ornamentos Fonte: http://www.passeiopublico.com/index2.htm Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Passeio_P%C3%BAblico_(Rio_de_Janeiro) Fonte: http://www.dipity.com/tickr/Flickr_avenida/ Fonte: http://www.rdvetc.com/2011/recantos-do-rio-o-passeio-publico/ Fonte: http://www.fotolog.com.br/sorio/71095398/ Fonte: http://literaturaeriodejaneiro.blogspot.com.br/2012_05_01_archive.html Fonte: http://literaturaeriodejaneiro.blogspot.com.br/2012/05/passeio-publico.html Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Passeio_P%C3%BAblico_(Rio_de_Janeiro) Fonte: http://www.raulmendesilva.pro.br/pintura/pag009.shtml Fonte: http://www.passeiopublico.com/index2.htm Reforma de Glaziou
Motivos
Permanência de alguns elementos
Mudança de referência
Influências Reformas posteriores à de Glaziou
1904 - Acréscimo do aquário (demolido entre 1937-1945, afim de restaurar características originais do parque);
1938 - Tombamento com destaque para o conjunto do Portão Principal, o do Chafariz dos Jacarés (a Fonte dos Amores) e o par de obeliscos.
2004 - Ampla reforma coordenada pela PMRJ e IPHAN, visando devolver o traçado original de Glaziou. A reforma foi além da intervenção paisagística;
Descoberta de fundações do Aquário construído na reforma de Pereira Passos, do Theatro Casino e Casino Beira-Mar. Os locais onde foram implantados foram recobertos parafins de conservação;
Sucessivos aterros; Escola Superior Agrícola Luiz de Queiroz Parque Prof. Phillipe Westin Cabral de Vasconcelos Rio Piracicaba Rio Piracicaba Extraído de : http://www.esalq.usp.br/parque/new_page_1.htm Bifurcações

Entrada do Parque

Gramados

Árvores

Vistas

Flores

Águas CARACTERÍSTICAS DO ESTILO Edifício Central Estraído de : http://www.esalq.usp.br/parque/estilo3.jpg Alamedas Estraído de : http://www.esalq.usp.br/parque/images/figura3.jpg Coreto Prof. Phillipe de Vasconcelos:
Lagos
Canteiros
Inserção de vegetação Estraído de : http://www.revistasusp.sibi.usp.br/scielo.php?pid=S0104-60982003000100004&script=sci_arttext#f11 Horticultura Engenharia Museu
Full transcript