Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

PAISAGEM FOTOGRAFADA

No description
by

Giovani Goltara

on 18 October 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of PAISAGEM FOTOGRAFADA

PAISAGEM FOTOGRAFADA
uma análise perceptiva do Convento da Penha
GIOVANI BONADIMAN GOLTARA
Introdução
Relação da percepção da paisagem com o ato de fotografar - analogias
Objetivo: classificar a fotografia como um método de análise da percepção individual da paisagem, através de estudo de caso.

PAISAGEM E FOTOGRAFIA: VISÃO COMPARTILHADA
Conceituação de paisagem
Percepção ambiental
Fotografia

CONVENTO DA PENHA: HISTÓRIA E REFERENTE
Referente
História e imagem

PERCEPÇÃO FOTOGRAFADA: PESQUISA E ANÁLISE
Foto-percepção
Esboço da investigação
A busca pelo invisível
Paisagem e fotografia: visão compartilhada
Paisagem: origem e conceito
Paisagem: termo recente;
Alain Roger (1999): "Não há beleza natural"; "toda [...] experiência, visual ou não é modelada por modelos artísticos.";
"Artialização" - in situ | in visu - País | Paisagem;
Georg Simmel (1988): A paisagem é delimitação da natureza;
Jean-Marc Besse (2006): ver a paisagem. Petrarca - a questão da vontade da ascenção física como ascenção psiquica e espiritual;
Milton Santos (2004): essencial a demarcação. "A paisagem é o resultado de uma acumulação de tempos."
Paisagem cultural: quem percebe?
Percepção da paisagem
A paisagem existe para os sentidos;
Yi-Fu Tuan (1980): "Duas pessoas não veem a mesma realidade.";
VER e OLHAR - superposição dos sentidos;
Sistema binário de percepção;
Egocentrismo | etnocentrismo - indivíduo e coletividade;
Visitante e habitante - percepção estética X cotidiano;
Visitante: visão superficial | novas perspectiva;
Mário Bitt-Monteiro (2000): "universo referencial" -> "matriz sensorial" -> comparações para compreensão;
Lucrécia Ferrara (1993): "percepto" e "juízo perceptivo";
Universos de percepção concêntricos -> o movimento e a transgressão.
Fotografia, cartões-postais e as cidades
Da descoberta da fotografia;
Fotografia de paisagem -> estabilidade, referências às pinturas;
Fábio Goveia (2011): veracidade - da pintura para a fotografia;
A "ausência" da mão humana como pressuposto da veracidade;
Philippe Dubois (1994): as teorias da mecanicidade da fotografia e a ausência do processo criativo no final do século XIX;
Pictorialismo: fotografia artística;
Fotografia pictórica de Félix Nadar
Fonte: piúmafotografia1.blogspot.com
Boris Kossoy (2002): pensamento do consumo de imagens;
Publicidade monarquica: albuns de vistas das cidades;
Cartões-postais: memória imagética coletiva das cidades;
Correspondência -> coleções -> conhecer sem visitar -> criação de um padrão fotográfico da paisagem;
O processo criativo da fotografia, sua modernização e popularização
Kossoy (2002): assunto, tecnologia e fotógrafo
Discussão sobre direitos autorais pleiteia a fotografia;
Seleções do fazer fotográfico: assunto, equipamento, enquadramento, iluminação, etc.
"Brownie cameras" Kodak: a popularização do ato de fotografar em 1888;


O processo de criação então se resume às escolhas de representação;
Constante evolução técnica;
Passagem do P&B para o colorido;
Segunda Guerra Mundial -> uma guerra fora das trincheiras;
Peças publicitárias da Kodak para as Brownie Cameras.
Fonte: Trafor.com e Wikipedia.com
Internet -> redes de comunicação;
Câmeras digitais -> presença irrefrutável da fotografia no cotidiano.
Desconstrução do signo fotográfico
Signo -> índice e ícone;
Constatações: o ser e o estar;
Manipulações - publicidade ideológica;
Ficções fotográficas;
Intencionalidades específicas.
O ato fotográfico
Susan Sontag (2004): dispor-se atrás de uma câmera ajuda as pessoas a "tomar posse de um espaço em que se acham inseguras";
"a humanidade permanece, de forma impenitente, na caverna de Platão, ainda se regozijando segundo seu costume ancestral, com meras imagens da verdade";
Turismo: atividade de grande incentivo a tomada de fotografias -> a realização de fato do momento;
Fotógrafo profissional;
Fotógrafo amador;
Fotógrafo do cotidiano;
Fotografia de Jonas Bendiksen em Daharavi, periferia de Mumbai, Índia.

Fonte: Arkitera.com
Fotografia de Eduard Burtynsky. Nikcel Tailings No. 34, Sudbury. Ontario, Canada 1996.

Fonte: Tailgrab.org
Fotografia lomográfica. Giovani Goltara

Fonte: acervo pessoal.
Fotografia de Roger Merrifield.

Fonte: elefantesemfio.com
Fotografia da página pessoal do Instagram. Giovani Goltara.

Fonte: acervo pessoal.
A fotografia como instrumento
Fotógrafo cego: câmera como meio de expressão e apreensão do ambiente;


Propaganda da modernização das cidades brasileiras;
Gordon Cullen (1983): "a paisagem urbana surge muitas vezes como uma sucessão de surpresas ou revelações súbitas." Visão Serial;

Mendonça (2005): Método de análise da construção da paisagem;
Fotografia de Evgen Bavcar

Fonte: Metamorfose digital
Fotografias sequenciais em Ipswich (cidade britânica).

Fonte: CULLEN, 1983.
Níveis de percepção do Morro do Guajuru.


Fonte: MENDONÇA, 2005. Fotografia e produção gráfica de Gabriela Leandro Pereira.
Convento da Penha: história e referente
A escolha do referente
Kevin Lynch (1997): marco -> visibilidade e imponência -> significados e história;
Instagram -> ranking de fotografias;
Números de fotografias no Instagram de diversos pontos de Vitória. Dados coletados em 22 de abril de 2013.
Convento de Nossa Senhora da Penha: história e imagem
Frei Pedro Palácio - 1558;
Lendas sobre a construção;
Ampliação - 1750;
Novo Arrabalde - Saturnino de Brito - Avenida Nossa Senhora da Penha - conservação da visual;
Pertencimento visual x pertencimento territorial - Vitória e Vila Velha
Vistas da Av. Nossa Senhora da Penha em 1974.
Fonte: MENDONÇA et al, 2009.
Vistas do Convento a partir da Av. Carlos Lindemberg.
Fonte: Juliano M. Silva in Vitruvius.
Vista do Convento a partir da "Reta da Penha"
Vista da "Reta da Penha" a partir do Convento.
Fonte: skyscrapercity.com
Percepção fotografada: pesquisa e análise
Foto-percepção: hipóteses
Ferrara (1993): "a imagem urbana não é estanque ou rígida, mas é flagrada num processo fuído, dinâmico e seletivo: apreende-se, capta-se essa representação a partir do repertório cultural e individual."
"a percepção urbana não é um dado [...]. Altera-se conforme as características socioculturais e informativas (repertório)";
Sontag (1981): o fotógrafo não tem controle total sobre sua obra;
As escolhas de representação do fotógrafo, por mais automáticas que possam ser passam por um julgamento individual;
Barthes (1984): independente da questão verossímil da fotografia, o signo fotográfico é capaz de fortalecer ou até criar idéias;
Hipótese: diferentes pessoas percebem e consequentemente fotografam o mesmo referente de formas distintas. A fotografia portanto é capaz de expressar a percepção individualizada?
Esboço da investigação: metodologia
Busca de participantes -> busca fotográfica -> questionário;
Duas etapas de pesquisa:
Busca no Foursquare -> generalizada;
Alunos da escola de fotografia Henrique Bucher -> fotógrafos amadores;
Interpretação:
Expressão textual -> memória
Ostrower (1993): "Nota-se uma seletividade que organiza os processos em que a própria memória se vai estruturando";
Campos de análise:
Sentidos da percepção;
Signos, símbolos, emoções e julgamento perceptivo;
A percepção do turista (primeira etapa);
Elementos marcantes e preferências individuais;
A busca pelo invisível: análises
17 participantes;
Memória descrita:
Sentido da visão predomina;
Preferência pelas vistas alcançadas a partir do Convento;
Símbolos: religião, tempo, tradição;
Turistas: estética e nova perspectiva;
Claro reconhecimento do Convento no contexto da cidade;
Predominancia de Vitória;
Janela com assentos laterais -> a vista.
Individualidade da percepção;
Primeira etapa
Imagens narrativas:
Primeira etapa
Expressão fotográfica -> semiótica
Prado (2002): "plano do conteúdo" "permite a leitura dos signos da cidade";
Campos de análise:
A direção do olhar
Significados e simbologias
Turistas (primeira etapa)
Universos de percepção -> Geográfico, Intermediário, Detalhe e Íntimo.
Memória e fotografia: analogias na percepção da paisagem
Primeira etapa
A direção do olhar
Gabriel Lordêllo
Significados e simbologias
Aubrey E. Paixão
Sea Fog. Kaspar D. Friedrich.
Fonte: Cargocollective.com
Turistas
Frederico Diniz
Universos de percepção
Geográfico
Daniel Deamorim
Intermediário
Léo Ribeiro
Rachel Gomes
Detalhe
Otávio Tonini
Gabriel Lordêllo
15 participantes;
Memória descrita:
A emoção predomina à visão;
Janelas -> lembradas pelas vistas;
Símbolos: rememoração; religião; fortaleza; orgulho;
Claro reconhecimento do Convento no contexto da cidade;
Preferências: não há predominancia das vistas -> o santuário aparece com relevância;
A subida à Igreja;
Segunda Etapa
Imagens narrativas:
Segunda Etapa
Memória e fotografia: analogias na percepção da paisagem
Segunda etapa
A direção do olhar
Fernando Lahud
Enviada por Antônio C. Thomasini
Foto do Convento em 2008. Ronni Goltara.
Valter de Lima Monteiro
Cristine Modenese
"A visão dos holandeses". Benedito Calixto.
"O milagre da seca". Benedito Calixto.
Fonte: Novomilenio.inf.br
Fonte: Novomilenio.inf.br
Memória e fotografia: analogias na percepção da paisagem
Segunda etapa
Significados e simbologias
José Alberto Laurindo
Universos de percepção
Geográfico
Fernando Lahud
José Américo S. Costa
Intermediário
Luiz Paulo Pretti
Enviada por Antônio C. Thomasini
Magna Santos
Segunda etapa
Detalhe
Anônimo
Valter de Lima Monteiro
Íntimo
Monica Zamprogno
Considerações finais
Fotografia -> representação da paisagem -> relação existencial - o recorte;
Autoria -> fotógrafos: profissionais, amadores, cotidianos;
A pesquisa mostrou que a fotografia é capaz de representar a percepção;
Constatações:
Presença do Convento no cotidiano urbano;
A importância das visualização das cidades a partir do Convento;
Pontos de convergência -> memória descrita e fotografia;
Mesmo com toda tecnologia de criação de imagem, o movimento da câmera sobre o assunto retratado é o principal marco da transposição da percepção para a fotografia;
Duas etapas:
Primeira: diversidade, personalidade, imponência das vistas, turistas;
Segunda: foco, relação profunda com o Convento, religiosidade;
Importante conhecer o usuário e seu ponto de vista;
Grande acervo de fotografias que se renova constantemente -> facilitador de pesquisas;
Tendência a uma sociedade cada vez mais pautada em imagens.
Referências bibliográficas
BARTHES, Roland. A câmara clara: nota sobre a fotografia. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.
BESSE, Jean-Marc. Ver a Terra: seis ensaios sobre a paisagem e a geografia. São Paulo: Perspecticva, 2006. ix, 108 p. (Coleção estudos ; 230) ISBN 9788527307550 (broch.)
BURMESTER, Cristiano Franco. Fotografia - do analógico para o digital: um estudo das transformações no campo da produção de imagens fotográficas. Dissertação (mestrado em comunicação), Universidade de São Paulo. São Paulo, 2006. Disponível em http://www.pos.eca. usp.br/sites/default/files/file/bdt/2006/2006-me-burmester_cristiano.pdf (acessado em 27 de fevereiro de 2013).
CORRÊA, Roberto Lobato; ROSENDAHL, Zeny. Paisagem Tempo e Cultura. Rio de Janeiro: Editora UERJ, 1998.
COSTA, Cristina. Ficção, Comunicação e Mídias. São Paulo: Editora SENAC, 2002.
CONVENTO DA PENHA, Santuário do perdão e da graça. 454 anos de história. Vila Velha. Disponível em < http://conventodapenha.org.br/historico>. (acessado em 21 de agosto de 2013).
CULLEN, Gordon. Paisagem urbana. São Paulo: Martins Fontes, 1983.
DERENZI, Luiz Serafim. Biografia de uma ilha. Rio de Janeiro: Pongetti, 1965.
DUBOIS, Philippe. O ato fotográfico e outros ensaios. Campinas: Papirus, 1994.
ESPÍRITO SANTO (estado). Secretaria de Estado da cultura. Arquitetura: patrimônio cultural do Espírito Santo. Vitória: SECULT, 2009.
FABRIS, Annateresa. Reivindicação de Nadar a Sherrie Levine: autoria e direitos autorais na fotografia. In ARS (são Paulo) vol.1 no.1. São Paulo, 2003. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1678-53202003000100006&script=sci_arttext&tlng= es#back 6>. (acessado em 21 de agosto de 2013).
FERRARA, Lucrecia D’Alessio. Olhar periférico. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1993.
GOVEIA, Fábio Gomes. Cartões-postais de Vitória: vistas de uma cidade invisível. Tese (Doutorado em comunicação e Cultura), Universidade Federal do Rio de Janeiro, Escola de Comunicação e Cultura. Rio de Janeiro, 2011. Disponível em <http://www.pos.eco.ufrj.br/ publicacoes/doutorado/teses_2011.html#3>. (acessado em 21 de agosto de 2013)
GRIFFIN, David. How photography connect us. Palestra ministrada no TED2008, 2008. Disponível em < http://www.ted.com/talks/david_griffin_on_how_photography_connects.html > (acessado em 27 de fevereiro de 2013).
KODAK, our company. History of Kodak. Disponível em <http://www.kodak.com/ek/US/en/Our _Company/History_of_Kodak/Imaging-_the_basics.htm>. (acessado em 27 de fevereiro de 2013).
KOSSOY, Boris. Realidades e ficções na trama fotográfica. 3. ed. São Paulo: Ateliê, 2002.
LYNCH, Kevin. A imagem da cidade. São Paulo: Martins fontes, 1997.
MENDONÇA, Eneida Maria Souza. Instrumentos para ocupação urbana em favor dos referenciais da paisagem. In: XI Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional - ANPUR, 2005, Salvador.
MENDONÇA, Eneida Maria Souza. Relatos e iconografias de viajantes até o século XIX na identificação dos atuais referenciais paisagísticos de Vitória. In Simpósio Regional de História. Vitória: UFES, ANPUH-ES, 2006.
MENDONÇA, Eneida Maria Souza et al. Cidade prospectiva: o projeto de Saturnino de Brito para Vitória. Vitória, ES: EDUFES; São Paulo: Annablume, 2009. 116 p.
MENDONÇA, Eneida Maria. Souza; SCHAEFFER, Luciana. Configuração do espaço urbano verticalizado pela permanência dos referenciais paisagísticos (Vitória - ES) In: III Seminário Projetar. O moderno já passado/ o passado no moderno. Reciclagem, requalificação, rearquitetura. ANAIS DO III SEMINÁRIO PROJETAR. Porto Alegre: PROPAR - UFRGS, 2007. p. 1 – 16.
BITT-MONTEIRO, Mário. Teoria dos universos circundantes. Percepção, espaço e fotografia: uma abordagem metodológica. In Revista de Biblioteconomia e Comunicação da UFRGS - Vol. 8, p. 261 - 71. Ano 2000. Porto Alegre, 2000. Disponível em <http://www.ufrgs.br/fotografia/port/07_artigos/04_atg/universos.pdf>. (acessado em 21 de agosto de 2013).
OLIVEIRA, Erivam Morais de. Da fotografia analógica à ascensão da fotografia digital. Artigo publicado em www.bocc.ubi.pt (biblioteca on-line de ciências da comunicação), 2006. Disponível em <http://www.bocc.ubi.pt/pag/oliveira-erivam-fotografia-analogica-fotografia-digital.pdf>. (acessado em 27 de fevereiro de 2013).
OSTROWER, Fayga. Criatividade e processos de criação. 9 ed. Petrópolis: Vozes, 1993.
PEIXOTO, Nelson Brissac. Paisagens urbanas. 4. ed. São Paulo: Ed. Senac São Paulo, 2009.
PRADO, Michele Monteiro. A modernidade e seu retrato: imagens e representações das transformações da paisagem urbana de Vitória (ES) – 1890/1950. In Cadernos PPG-AU/UFBA, Vol. 3, Nº 1, 2004.
ROGER, Alain – “La naissance du paysage en occident”, in SALGUEIRO, Heliana A. (ed.) – Paisagem e Arte, São Paulo, CBHA, 2000.
ROSENDAHL, Zeny; CORRÊA, Roberto Lobato. Paisagem, imaginário e espaço. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2001.
SANTAELLA, Lúcia; NÖTH, Winfried. Imagem: cognição, semiótica, mídia. 4. ed. São Paulo: Iluminuras, 2005.
SANTOS, Milton. Pensando o espaço do homem. São Paulo, Hucitec, 1986.
SCHARF, Aaron. Art and Photography. Baltimore: Penguin, 1974. 397 p. Eng.
SILVA, Juliano Motta. Vila Velha deu as costas para o Convento da Penha. In Vitruvius (revista eletrônica) 122.04 Vila Velha ES Brasil, ano 11 set 2010. Disponível em <http://www.vitruvius. com.br/revistas/read/minhacidade/ 11.122/3578>. (acessado em 21 de agosto de 2013).
SIMMEL, Georg. A filosofia da paisagem. Política e trabalho, n. 12, setembro, 1996, pg 05 - 09. (tradução: Artur Morão). Disponível em < http://www2.uefs.br/filosofia-bv/pdfs/simmel_01.pdf>. (acessado em 27 de fevereiro de 2013)
SONTAG, Susan. Sobre fotografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.
TACCA, Fernando C. de. Fotografia: intertextualidades e hibridismos. In Discursos fotográfico. v.3 n.3 p113-132. Londrina, 2007.
TUAN, Yi-Fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. -. São Paulo: Difel, 1980.
VIRILIO, Paul. Guerra e cinema. São Paulo: Scritta, 1993. 191p.
Full transcript