The Internet belongs to everyone. Let’s keep it that way.

Protect Net Neutrality
Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Copy of Vaidosa

No description
by

Carol e Inês

on 3 June 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Copy of Vaidosa

Elementos espaciais
CIDADE
Recursos expressivos
Música relacionada com o poema
Análise formal do poema
Classificação do poema
Dizem que tu és pura como um lírio
E mais fria e insensível que o granito,
E que eu que passo aí por favorito
Vivo louco de dor e de martírio.

Contam que tens um modo altivo e sério,
Que és muito desdenhosa e presumida,
E que o maior prazer da tua vida,
Seria acompanhar-me ao cemitério.

Chamam-te a bela imperatriz das fátuas,
A déspota, a fatal, o figurino,
E afirmam que és um molde alabastrino,
E não tens coração como as estátuas.

E narram o cruel martirológio
Dos que são teus, ó corpo sem defeito,
E julgam que é monótono o teu peito
Como o bater cadente dum relógio.

Porém eu sei que tu, que como um ópio
Me matas, me desvairas e adormeces,
És tão loira e doirada como as messes,
E possuis muito amor... muito amor próprio.
Vaidosa
Caracterização da mulher citadina
“pura como um lírio”; “fria e insensível”; “modo altivo e sério”; “desdenhosa e presumida”; “corpo sem defeito”; “loira e doirada”

Cesário Verde
Carolina Franco nº6
Inês Viera nº15
ESSMM 2013/2014
11ºB

Cesário Verde em "O Livro de Cesário Verde"
Tema e assunto
O poema "Vaidosa" retrata os seguintes temas:

Caracterização da mulher citadina;
A fatalidade da mulher
Fase naturalista do autor

A imagética feminina
A mulher citadina
Associada à morte, à destruição. É considerada uma mulher frígida, dominadora, capaz de humilhar e de conduzir o amante à submissão.
A mulher do campo
Mulher frágil, dócil, capaz de proporcionar um amor puro que desperta no poeta o desejo de a proteger.
O poema é constituído por 5 estrofes com 4 versos- quadras.
Esquema rimático
ABBA, rima interpolada e emparelhada
Métrica
É um poema irregular,visto que não tem uma métrica bem definida,mas é constituido predominatemente por versos eneassilábicos e decassilábicos.
Valor da rima
Rima rica, pois as palavras que rimam pertencem a classes gramaticais diferentes.
São várias as referências à caracterização personagem feminina, como por exemplo:
Deambulação do poeta; melancolia; monotonia; “desejo absurdo de viver”; vícios; fantasias mórbidas; miséria; sofrimento; seres humanos dúbios e exploradores; ricos pretenciosos que desprezam os humildes
Comparação
“Dizem que tu és pura como um lírio”
“E não tens coração como uma estátua”
"És tão loira e doirada como as messes"
Aminismo
“ e mais fria e insensível que o granito”

Atribuição de movimento e/ou propriedades animadas a seres inanimados.
Adjetivação
“ Contam que tens um modo altivo e sério.
Que és muito desdenhosa e presumida.”

Enumeração
“a Déspota, a fatal, o figurino”

Gradação decrescente
“Me matas, me desvairas e adormeces”

Estrutura interna
Porém eu sei que tu, que como um ópio
Me matas, me desvairas e adormeces,
És tão loira e doirada como as messes,
E possuis muito amor... muito amor próprio.
A
A
B
B
Rima Emparelhada
Rima interpolada

Análise informal do poema

Nas primeiras quatro estrofes, o poeta descreve a mulher citadina de um modo irónico e distante. Este modelo de mulher, sem sentimentos provoca no sujeito – que tem consciência da personalidade dela - “um desejo absurdo de sofrer”. O poema "Vaidosa" faz uma interpretação da cidade de Lisboa, esta personifica a ausência de amor e, consequentemente, de vida.

Gradação decrescente
“Me matas, me desvairas e adormeces”

“Seria acompanhado ao cemitério”


Eufemismo
“Dizem que tu és pura como um lírio
E mais fria e insensível que o granito”


Antítese:

1ª estrofe
A mulher é aclamada como bonita e "pura".
Todavia, ela é retratada como "insensível" e distante.
O sujeito lírico, apesar de parecer enquadrar-se com aquele tipo de mulher altiva, vive na verdade em sofrimento, como é comum na poesia de Cesário Verde.

Estrutura interna
2ª estrofe
A mulher toma-se por muito importante e superior, desdenhando os restantes.
No entanto, todos vêm os seus defeitos, como ela é na realidade.
A mulher toma prazer em ver os outros sofrer, perder a sua vitalidade, por isso se diz que é fatal.
Estrutura interna
3ª estrofe
Todos reconhecem a sua vaidade, admiram-na por isso.
Ela tem poder sobre os outros e usa-o sem escrúpulos, não mostrando emoções ou empatia, pois é do seu ser.
Comparam-na com uma estátua sem coração.

Estrutura interna
4ª estrofe
As suas ações crueis provocam sofrimento até aos que lhe são mais próximos, mas ela não se compadece deles.
Apesar de ser "perfeita" é monótona, sem surpresas o que a torna, no fundo, aborrecida.
Estrutura interna
5ª estrofe
Sem conseguir explicar porquê, somos atraídos por ela e nunca nos conseguimos libertar dela, enquanto ela nos leva à loucura, ao desespero e ao sentimento de desadequação com o meio.
Para finalizar, ainda se reconhece que ela não deixa de ser bela e formosa, de certo modo magestosa.
Conclui dizendo que ela possuiu de facto muito amor, mas apenas por ela própria.
Caracterização de elementos
significativos do poema

Personagens
: Mulher citadina

Caracterização: “pura como um lírio”; “fria e insensível”; “modo altivo e sério”; “desdenhosa e presumida”; “corpo sem defeito”; “loira e doirada”

A Mulher Citadina, é uma senhora fatal, frígida, calculista, madura, destrutiva, dominadora, sem sentimentos, erótica, artificial, predadora, vampírica, formosa, fria, altiva.

Caracterização de elementos
significativos do poema

Elementos espaciais
: Cidade



Deslumbração do poeta; melancolia; monotonia; “desejo absurdo de viver”; vícios; fantasias mórbidas; miséria; sofrimento; poluição; cheiro nauseabundo, seres humanos dúbios e exploradores; ricos pretenciosos que desprezam os humildes; incomoda o poeta e os trabalhadores que nela procuram melhores condições de vida.

Caracterização de elementos
significativos do poema

Elementos simbólicos:
cidade; mulher citadina; morte




CIDADE = CERTEZA PARA A MORTE

MULHER CITADINA = MULHER FATAL (arrasa o sujeito poético)

Linguagem e Estilo

A poesia de Cesário Verde baseia-se fundamentalmente na descrição da realidade em que o sujeito poético se encontra, ou seja,é uma
poesia descritiva
.
A nivel morfossintático recorre à expressividade verbal, à adjetivação abundante,rica e expressiva e tem tendência para as frases curtas.
A música escolhida foi "You" composta e cantada pelo compositor/cantor/ilustrador Keaton Henson.
"You" é descrita pelo mesmo como sendo acerca de "vida e morte nos braços de outrém".
"O deserto era quente e, ironicamente, vazio de vida"
"You" é uma escapatória desolada, como o mundo despedaçado onde foi deixado depois de um antigo amor ter partido.
Bibliografia
http://prezi.com/9r5mmxlo7eru/copy-of-vaidosa/
http://prezi.com/q5ui9c21m1vp/copy-of-cesario-verde/
http://mundoliterario.blogspot.pt/2005/06/vaidosa-de-cesrio-verde.html
E que eu que passo aí por favorito
Vivo louco de dor e de martírio.
Dizem que tu és pura como um lírio
E mais fria e insensível que o granito,
E que o maior prazer da tua vida,
Seria acompanhar-me ao cemitério.
Contam que tens um modo altivo e sério,
Que és muito desdenhosa e presumida,
E afirmam que és um molde alabastrino,
E não tens coração como as estátuas.

Chamam-te a bela imperatriz das fátuas,
A déspota, a fatal, o figurino,
E narram o cruel martirológio
Dos que são teus, ó corpo sem defeito,
E julgam que é monótono o teu peito
Como o bater cadente dum relógio.
És tão loira e doirada como as messes,
E possuis muito amor... muito amor próprio.
Porém eu sei que tu, que como um ópio
Me matas, me desvairas e adormeces,
Full transcript