Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Aprender com Jogos (Jogos Sérios)

Apresentação Final da disciplina Didática da Informática 1
by

Catia Silva

on 1 February 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Aprender com Jogos (Jogos Sérios)

Obstacle 1 Obstacle 2 Obstacle 3 You Win! Start Análise a Estudos Realizados Obrigada pela vossa atenção! FINAL LEVEL
Apresentação Final Aprender com Jogos Sérios O Processo de aprender com Jogos Potencial Educativo No âmbito da Didática da Informática Didática da Informática 1 Jogos Sérios Vantagens Limitações Vantagens vs Limitações Bibliografia Para experimentarem com os vossos alunos: Créditos: Cátia Silva Valor Educativo
Reforçam a autonomia e a aprendizagem ativa
Contribuem para a organização e estruturação do pensamento cognitivo.


Vygotsky (1989), Motivação que está subjacente ao acto de jogar;
Processo de aprendizagem é acelerado,

(Malone, 1981; Prensky, 2000; Gee, 2003;) Factores que contribuem para a força e consistência dos jogos digitais enquanto ferramentas na educação são:
desafio;
fantasia;
estímulo sensorial;
curiosidade que envolve a aprendizagem.

Malone (1981) e Garris et al (2002) Os jogos devem incluir:
objectivos e regras;
um percurso de aprendizagem significativa;
uma história apelativa;
feedback imediato;
nível alto de interactividade;
desafio e competição;
elementos aleatórios de surpresa e ambientes de aprendizagem ricos.

Garris et al (2002) Jogos devem ser acompanhados por:
objetivos de aprendizagem bem definidos
conteúdos educativos que usam ou promovem um desenvolvimento de estratégias e competências que melhoram as capacidades cognitivas e intelectuais.

Gros (2003) Dificuldade em encontrar jogos que incluam o conteúdo do programa curricular;
Baixa tolerância da comunidade para os jogos, visto que a o acto de jogar é visto como uma actividade menos séria;
Os recursos técnicos das escolas são insuficientes para este tipo de aprendizagem;
Questões de logística presente na dificuldade dos professores integrarem no seu horário;
Questões de saúde;
Questões psicossociais;
Potencial aparecimento de comportamentos violentos. Online Educa Berlin 2006 Ambos concluiram que ALgoGames Program your robot http://www.pil-network.com/Resources/Tutorials/Details/67e9de51-5db2-4484-aea3-2a4fb92ec559 Cagin Kazimoglu, Mary Kiernan, Liz Bacon, Lachlan Mackinnon
(2012) Bourouaieh Douadi, Bensebaa Tahar, Seridi Hamid
(2011) Acto de aprender mais divertido;
Melhorias significativas na resolução de problemas nos estudantes de programação. Conclusões e Trabalho Futuro Site seguranet;
Microsoft: Ribbon Hero http://www.microsoft.com/multipoint/mouse-mischief/en-us/default.aspx Mouse Mischief Mais algumas Referências e Artigos Consultados ALVES, Lynn (2008). Relações entre os jogos digitais e aprendizagem: delineando
percurso. In Educação, Formação & Tecnologias; vol.1(2); pp. 3-10,
Novembro de 2008, disponível no URL: http://eft.educom.pt.

Carvalho, Ana Amélia Amorim (2005). Como olhar criticamente o software educativo multimédia.
Cadernos SACAUSEF – Sistema de Avaliação, Certificação e Apoio à Utilização de
Software para a Educação e a Formação - Utilização e Avaliação de Software Educativo,
Número 1, Ministério da Educação, 69-82, 85-86.

Corti, K. (2006) Games-based Learning; a serious business application. PIXELearning
Limited. [www.pixelearning.com/docs/games_basedlearning_pixelearning.pdf]

Garris, R., Ahlers, R., & Driskell, J. E. (2002). Games, motivation, and learning: A research and practice model. Simulation
& Gaming, 33(4), 441-467.

Gros, B. (2003). The impact of digital games in education. First Monday, v. 8, n. 7, jul. 2003.
Michael Zyda, From Visual Simulation to Virtual Reality to Games. Computer, vol. 38, no. 9, pp. 25-32, Sept. 2005.

Malone, T.W. (1981). Toward a theory of intrinsically motivating instruction. Cognitive Science: A Multidisciplinary
Journal, Volume 5, Issue 4, pp. 333-369.

Sørensen, B. H., & Meyer, B. (2007). Serious Games in language learning and teaching – a theoretical perspective. Situated Play, Proceedings of DiGRA 2007 Conference (pp. 559-566). Tokyo: The University of Tokyo.

Stapleton, A. (2004) Serious Games: Serious Opportunities. Paper presented at the Australian Game Developers’ Conference, Academic Summit, Melbourne, VIC

Susi, T., Johannesson, M. & Backlund, P. (2007). Serious Games: An Overview. Skövde: Institutionen för kommunikation och information.

Vygotsky, L. (1989). O papel do brinquedo no desenvolvimento, In A formação social da mente, J.C. Netto, L.S. Barreto,
and S.C. Afeche, Editors. São Paulo: Martins Fontes. pp. 105-118.
Full transcript