Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

A influência da implantação de Binários de Trânsito

No description
by

Felipe Tiburcio

on 7 February 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of A influência da implantação de Binários de Trânsito

A influência da implantação de Binários de Trânsito no Transporte Público;
Estudo de caso na cidade de Joinville.
?
Solução Operacional de Trânsito: Binário
O Binário pode ser conceituado como um conjunto de duas vias próximas e paralelas, cujos fluxos de trânsito se dão em uma única direção, entretanto, as vias são de sentidos opostos entre si.

Só os benefícios do tráfego em mão única não são suficientes para a justificativa de implantação de um binário.

A seguir, veremos alguns quesitos referentes a necessidade e a viabilidade da implantação de um binário.
!
Joinville
Introdução
O transporte público coletivo é de vital importância para para o desensenvolvimento dos municípios, tanto social quanto economicamente, pois ele permite o acesso e o uso, de forma democrática e igualitária, das infrastruturas urbanas da cidade.
A modalidade de transporte público coletivo mais difundida no País é aquela feita através do ônibus, que por sua vez, utiliza de vias terrestres para seu deslocamento.

Logo, modificações feitas tanto na parte operacional como estrutural da via podem causar impactos no transporte coletivo.
As modificações são feitas buscando a otimização do sistema viário, do uso do solo e do transporte coletivo, ou seja, da movimentação de pessoas e bens, dentro da cidade.

De um modo geral as soluções adotadas podem ser de três tipos, educacionais fiscalizadoras e de engenharia, com o objetivo de fornecer ACESSIBILIDADE, FLUIDEZ e SEGURANÇA a todos os usuários das vias.


Intervenções Educacionais
Dizem respeito ao modo como são formados todos os usuários das vias.

* Educação para o Trânsito nas escolas de ensino fundamental e médio.

* Campanhas de consientização.
Intervenções
Fiscaizadoras
Medidas que devem ser tomadas por parte do poder público em conjunto com a população para garantir que determinada atividade acorra dentro da Lei ou Norma específica.
Interveções de
Engenharia
Estruturais
Tratam de modificações geomátricas na via, como por exemlo, duplicações, construção de elevados e alargamento de pista.
Operacionais
Dizem respeito ao modo como se dará o tráfego na via; por exemplo, em sentido de mão única ou dupla, proibição de estacionamentos e permissão de determinados movimentos.
Sempre que possível é prefirível uma intervenção operacional à uma estrural, pois o custo financeiro e o impacto de vizinhança serão consideravelmente menores.
O presente trabalho tem por objetivo tratar aspectos de pré e pós implantação de uma SOLUÇÃO OPERACIONAL de trânsito e o seu impacto no transporte público coletivo.
Na concepção de qualquer solução para o trânsito deve ser levado em consideração a parcela dos usuários que possuem a prioridade.

Segundo a Lei Nacional de Mobilidade Urbana prioridade deve ser dada aos modos de locomoção não motorizados e público coletivo.
Locais
Vias destinadas ao acesso residencial com velocidades de operação relativamentes baixas; 30 km/h.
A classificação mais importante de uma via é aquela que trata da sua funcionalidade; quanto a funcionalidade as vias podem ser classificadas em:

Visão geral das vias de trânsito brasileiras
Coletoras
São vias que possuem a função de coletar o trânsito das vias locais e distribuir para as vias Arteriais; velocidade de operação intermediária, 40 km/h.
Arteriais
São vias que permitem a ligação entre as regiões da cidade. Velocidade de operação relativamente alta, 60 km/h.
Fluxo de Trânsito
O fluxo de trânsito brasileiro é do tipo RHT, "right hand traffic", expressão que pode ser traduzida como: "tráfego pela mão direita"

Além disso, um estudo feito pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Joinville (IPPUJ) apontou que 90% das vias do Município possuem tráfego em mão dupla e pista simples para ambos os lados.

É claro que esta proporção não é válida para todo território nacional, entretanto, é estimado que o tráfego em mão dupla e pista simples para ambos os lados seja a característica dominate no País.
Esse tipo de fluxo por si só gera algumas dificuldades que serão apresentadas a seguir
Para efetuar esse tipo de manobra, na maioria das vezes, os condutores são obrigados a pararem seus veículos, devio ao fluxo que vem no sentido oposto, fazendo com que o veículo subsequente pare também, o que resulta na formação de filas.
Conversões à esquerda
Acidentes resultantes desse tipo de manobra são em grande parte colisões frontais. Segundo a Polícia Rodoviária Federal esse é o tipo de colisão com omaior índice de óbito e,mesmo nos locais onde ela é permitida o risco de sinistros é iminente.
Ultrapassagens
Um pedestre ou ciclista que pretende atravessar uma via de mão dupla no meio da quadra encontrará em sua trajetória 2 movimentos conflitantes. Já em cruzamento o númerode conflitos passa a ser 6.
Inteferência na trajetória de Pedestres e Ciclistas
A análise de movimentos conflitantes mostra que existem 29 pontos potencialmente problemáticos em um cruzamento de duas vias de mão dupla e pista simples para ambos os lados.
Movimentos conflitantes entre veículos numa interseção
Vantagens do Tráfego em mão única
* Problemas causados pela conversão à esquerda não existiriam mais.

* Segurança na ultrapassagem

*Redução do número de conflitos na travessia de pedestres e ciclistas; 01 ponto conflitante no meio de quadra e 03 em um cruzamento onde as duas vias são de mão única.

*Redução de 29 para 6 pontos conflitantes entre veículos (cruzamento onde as duas vias são de mão única).
A questão é: Como Transformar uma via de mão dupla em mão única e garantir acessibilidade a determinada região?
Necessidade
O Binário deve ser concebido como solução de trânsito quando:

* Acidentes envolvendo mais de um automóvel, pedestres e ciclistas, se caracterizarem devido ao tráfego em dois sentidos;

* Conversões à esquerda são difíceis para saída e acesso da via em questão;

* Semáforos deixam de ordenar apenas a preferência de passagem e passam a ser indispensáveis para algum tipo de movimento veicular que poderia ser resolvido de outra forma;

* Congestionamentos causarem o aumento excessivo do tempo de viagem do transporte coletivo, tornando-o ineficiente.

Viabilidade

* Deve existir uma via paralela a via em questão;

* As vias, além de paralelas, devem ser próximas, porque desta forma o deslocamento adicional
causado pela alteração do sentido de operação das vias será minimizado quanto menor for a distância entre as vias;

* A capacidade das vias deve ser compatível com a nova demanda de tráfego;

* As vias que serão transformadas em binário devem possuir as mesmas condições de pavimento;

*A presença de Hospitais, Brigadas do Corpo de Bombeiro ou similares pode
ser um fator limitante para a implantação de um binário, pois de forma alguma se pode
aumentar a distância ao acesso ou prejudicar a saída desse tipo de instituição.
Após a avaliação de necessidade e viabilidade, partimos para a próxima etapa do; A escolha do SENTIDO do binário.
Sentido do Binário
Antes de entrar no estudo do sentido do binário propriamente dito, é necessario fazer algumas considerações.

Com a implantação de um binário temos a delimitação de um perímetro. As vias que estão dentro do perímetro delimitado pelo binário serão chamadas vias internas e as vias que interceptam o binário e estão para fora desse perímetro serão chamadas vias externas.
Sentido Anti-Horário
* Facilidade de conversão para as vias externas;

* Dificuldade de conversão para as vias internas.
Se o tráfego da via interna for transformado de RHT para LHT, "left hand traffic", expressão que pode ser traduzida como, tráfego pela mão esquerda, o conflito estaria eliminado.
Possível solução para a dificuldade de conversão à via interna
Importante!
O tráfego em "mão inglesa" não é uma situação comum aos condutores brasileiros, o que gera insegurança e confusão ao se guiar o veículo, sem contar a descontinuidade que ele causa na via quando implantado em apenas um trecho, portanto, antes de sua implantação deve existir um estudo minuncioso de viabilidade e após implantada, o trecho que está em mão inglesa deve estar muito bem sinalizado.
Sentido Horário
* Facilidade de conversões às vias internas;

* Dificuldade e conversões às vias externas.
Diferente do binário em sentido anti-horário, onde a dificuldade de conversão às vias internas pode ser resolvida com a implantação de uma mão inglesa, o problema das conversões às vias externas no sentido horário, não será passível, na grande maioria das vezes, da mesma solução, já que as vias externas podem ser extensas.
A influência do Binário no uso da via
A implantação do binário permitirá a otimização do uso da via através do aproveitamento de toda a sua pista de rodagem e da modificação do seu perfil; ambas as intervenções de acordo com a Política Nacionalde Mobilidade Urbana.
Por exemplo, SE ANTES as vias possuíam uma pista de rolamento com dez metros de largura
que eram distribuídos em 3,00 metros para duas faixas opostas de trânsito e 2,00 metros para
dois estacionamentos, um de cada lado
AGORA, a via pode ser configurada da seguinte forma: duas faixas de trânsito com o mesmo sentido de tráfego com 2,80 metros de largura, CTB (2008), e, ao invés de estacionamentos, um corredor de ônibus com 3,20 metros
de largura, Manual de BRT (2008), e uma ciclofaixa operando no mesmo sentido da via com 1,20metros (Caderno de referência Bicicleta Brasil 2007)de largura
A mudança no perfil da via descrita acima vai de encontro com a LPNMU - Lei número 12.587/2012, primeiro, por dar preferência aos modos de deslocamentos não motorizados e, segundo, por aumentar o número de pessoas transportadas por hora em uma seção transversal da via, garantindo fluidez ao trânsito.

A implantação do binário pode gerar deslocamentos adicionais, o que é esperado a medida que se diminui a liberdade de movimento dos condutores.

É exatamente com base nesse deslocamento adicional que a análise do impacto do binário no Transporte coletivo público é feita.
O Binário e o transporte coletivo público no Município de Joinville
2000
Veículos Licenciados: 136.992
População: 429.604 habitantes
População/Veículos: 3.14
2011
Veículos Licenciados: 307.162
Populção: 590.905 habitantes
População/Veículos: 1.69
Segundo dados do IPPUJ (2012), a média de velocidade do transporte coletivo público em
Joinville é de 12 km/h nos horários de pico no sentido do maior fluxo quando o ônibus tem que disputar espaço com o transporte individual motorizado. Já nos corredores exclusivos para ônibus a velocidade média passa a ser de 25 km/h, um pouco mais que o dobro, o que resulta no aumento da frequência em duas vezes, dentro do aspecto da velocidade, e consequentemente na redução da metade da utilização da frota de ônibus para atender a demanda de passageiros em questão.

Eventualmente, as vias transformadas em binário fazem parte do itinerário de algumas linhas de ônibus, ou passarão a fazer após a implantação de corredores exclusivos. O trajeto realizado pelo coletivo pode sofrer alteração devido o estabelecimento do novo sistema de operação de trânsito, podendo aumentar ou diminuir a distância total percorrida pela linha.

A variação do itinerário está intrinsecamente ligada ao sentido que funcionará o binário, horário ou anti-horário.
(+)
(-)
Estudo de Caso
Metodologia
* Identificação das linhas de ônibus que possuíam pelo menos uma das vias em seu itinerário. As linhas Identificadas foram: 100, 130, 205, 206, 207, 290, 552;

* Modo de tráfego das ruas adjacentes previamente determinado para os dois sentidos de operação,horário e anti-horário;

* Desenhos dos novos trajetos que cada linha vai realizar;

* Medição dos novos itinerários
Metodologia
* Levantamento do número de viagens diárias que cada linha realiza;

* Estimativa do excesso de rodagem diária por sentido do binário.
Segundo as empresas concessionárias do transporte público de Joinville o custo de rodagem por quilômetro do Sistema de Transporte é de R$ 5,00.

Sendo assim o gasto com a rodagem excedente seria de:
R$ 110,00 (DIÁRIO) para o sentido anti-horário
R$ 1.240,00 (DIÁRIO) para o sentido horário
Se o valor do gasto com o excedente diário for extrapolado para um ano, levando em consideração apenas os dias úteis (Tribunal de Contas DF, 2013),
esse valor passará a ser de:

R$ 27.720,00 para o binário em sentido anti-horário, e;
R$ 312.480,00 pra o binário em sentido horário

Considerações Finais
* A mudança do tráfego de mão dupla para mão única dimunui os conflitos entre trajetórias de veículos pedestres e ciclistas, garante segurança para manobras de ultrapassagem e ameniza congestionamentos causados pela conversão à esquerda.
* A implantação do binário vem de encontro com PNMU, no sentido de que, não só aumenta o número de pessoas transportadas por hora na via, como também permite o melhor uso da via;

* Com a implantação do binário é possível criar uma faixa exclusiva para o ônibus;






As FAIXAS E além de dar preferência para o transorte público coletivo, elevam a velocidade média do mesmo, o que resulta no aumento da frequência do ônibus, ou seja, UM SALTO NA QUALIDADE!
* A escolha errada do sentido do binário resultaria em um gasto anual de R$ 312.480,00.

*Segundo as empresas concessionárias do transporte coletivo, o custo de um ônibus com capacidade para 131 pessoas é de R$ 323.924,53. Isso mostra que se a decisão do sentido de implantação do binário, por parte do orgão gestor de trânsito da cidade, for tomada corretamente, o GASTO COM EXCEDENTE ANUAL INVESTIDO NA RENOVAÇÃO DA FROTA!
OBRIGADO!
Felipe Soares Tiburcio
Carolina Brandão Pereira de Souza
Christiane Wenck Nogueira Ferenandes
Silvia Lopes de Sena Taglialenha
Grupo de Infraestrutura e Transporte (GIT)
Universidade Federal de Santa Catarina
felipesoarestiburcio@gmail.com
christiane.fernandes@ufsc.br
carolina.brandao@ufsc.br
taglialenha@gmail.com
Instituto de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville
Full transcript