Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Alterações Fisiológicas na Gravidez

No description
by

Juliana Ju

on 19 March 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Alterações Fisiológicas na Gravidez

Alterações Fisiológicas na Gravidez
Msc. Juliana Garcez
SISTEMA ENDÓCRINO
Inicialmente são produzidos pelo corpo lúteo e posteriormente pela placenta.
GONADOTROFINA CORIÔNICA HUMANA
O HCH é produzido no início da gestação.
Ele estimula a produção de estrogênio e progesterona pelo corpo lúteo, para a manutenção da gestação até que a placenta assuma essa função.
LACTOGÊNIO PLACENTÁRIO HUMANO
Afeta o metabolismo da glicose e proteina.
Tem um efeito Diabetogênico, estimulando o pâncreas a produzir mais insulina.
HORMÔNIO MELANÓCITO ESTIMULANTE
Hormônio hipofisário, que causa escurecimento de certas partes do corpo como mamilos, e aréola, línha no abdomen
(Linha nígra)
e na face
(Cloasmas)
.
ALDOSTERONA
É um hormônio da supra-renal que aumenta por volta da 15º semana de gestação.
ESTROGÊNIO
A placenta é sua fonte principal, pois estimula o desenvolvimento úterino, estimula os ductos mamários para a lactação, tem efeito indireto nas fibras elásticas da péle.
Efeitos durante a gestação
Estimular o aumento do útero, mamas e genitálias,
Tem participação nas estrias gravídicas
Ocasiona modificações vasculares,
Estimular o hormônio melanócito estimulante
PROGESTERONA
Mantém o endométrio e inibe as contrações úterinas, auxilia no desenvolvimento das mamas, ocasiona perda de sódio e aumenta a sensibilidade do centro respiratório.
A progesterona proporciona um mecanismo regulador, ajudando a mulher a eliminar dióxido de carbono.
Mantém o metabolismo basal e produz uma sensação de calor.
Reduz o tônus dos músculos lisos, reduzindo a motilidade gástrica e relaxando os esfíncteres. Essa ação ocasiona muitas queixas como constipação intestinal, azia e varicosidades.
Proporciona o desenvolvimento do endométrio do útero.
Auxiliar na implantação do ovo.
Desenvolvimento dos ductos secretores das mamas.
Estimula secreção de sódio.
Reduz tônus muscular liso.
Ajuda a mulher eliminar os produtos dos metabolitos fetais.
Efeitos durante a gestação:
Alterações do Sistema Reprodutor
Útero
Cérvix
A cérvix do útero torna-se mais curta e amolecida, durante a gestação. Estes ajustes preparam-se para o apagamento e para a dilatação do orifício da cérvix.
O amolecimento da cérvix é devido:
Uma influência hormonal que causa um aumento do suprimento de sangue;
Um aumento na secreção das glândulas cervicais formando um tampão mucoso no canal cervical.
OVÁRIOS
Durante a gestação, os folículos não se desenvolvem até a maturidade.
Não ocorre a ovulação, o corpo lúteo persiste e produz hormônios até o 10ª semana.
Vagina
As modificações são uma preparação para a dilação que é necessária para o nascimento do feto.
A proliferação de células e a hiperemia do tecido conjuntivo fazem com que as paredes vaginais tornem-se espessas, flexíveis e dilatáveis.
Mamas
Estrôgeno e progesterona estimulam o crescimento da mama até em média a 8 semana.
Glândulas de Montgomery, tornam-se mais proeminentes, tornando as mamas mais elásticas e lubrificadas.
Alterações no Sistema Músculo Esquelético
O relaxamento das articulações e a alteração na postura, causada pelo crescimento do útero e ação de homônios são as principais alterações.
A medida que o útero aumenta, a lordose provoca a mudança do centro de gravidade do corpo da mulher, o que empura a mulher para frente tornando difícil ficar em pé ou andar.

Distenção dos ligamentos redondos.
Músculos retos abdominais - diástase.
Compressão do nervo mediano, síndrome do túneo carpeano.
Alterações no sistema cardiovascular
Alteraçõ Anatômicas
Essa alteração inicia cedo e é atribuida, pelo aumento de débito cardíado, . Além do esforço extra do coração devido o débito cardiaco.

Posição do Coração
A mudança é atribuída devido a elevação do diafragma, que pode ser observada na segunda metada da gestação. O coração rota para frente e para esquerda, podem ter pequenas taquicardias, murmúrios sistólicos. os murmúrios diastólicos, são considerados patológicos.
Capacidade

Cardíaca
A capacidade cardíaca aumenta de 30 a 50%.
O fluxo de sangue aumenta na pele em torno de 70% na 36.
Aumento do Fluxo renal.

Frequencia do pulso e
capacidade cardíaca
Ocorre um aumento em 10 batimentos por minutos.
O coração bate mais rápido, bombeia mais sangue, o período de relaxamento diminui, mas se a mulher tiver história de problemas cardíacos deve ser cuidadosamente controlada.
Volume Sanguineo
Volume aumenta desde o primeiro trimestre.
Aumento mais rápido no segundo trimestre.
Por volta da 30 a 34 semanas atinge pico máximo.
O aumento médio é de 33% de sangue, considerando uma proporção muito maior de líquidos do que células.

Glóbulos brancos
Contagem de
5.000 - 10.000 - 15.000
Fatores de coagulação do Sangue
Estado de hipercoagulação, devido aumento de fibrinogênio ede outros fatores de coagulação, porém existe o risco de embolia durante o período pós-parto.
Pressão venosa Femural
A medida que o útero aumenta, pressiona as veias das extremidades inferiores, aumentando a pressão venosa femural. Deitar sobre o lado esquerdo facilita do retorno venoso; a gestante deve ser estimulada a deitar nessa posição quando possível.
Síndrome da hipotensão supina
A veia cava é comprimida quando a gestante está em decúbito dorsal, durante a última metade da gestação. A pressão sendo prolongada, a mulher apresenta sintomas e sinais de choque, tais como tonturas, desfalecimento, pulso acelerado, pele úmida, náuseas, vômitos e queda na pressão arterial.
Hipotensão ortostática
Um declínio da capacidade cardíaca , quando a gravida sai de uma posição reclinada para a posição vertical.
Veias Varicosas
Retorno venoso dificultado pelo útero grávido e o relaxamento do músculo liso, provocados pela progesterona, são os causadores das veias varicosas na vulva e na área anal.
Alterações no
Sistema Respiratório
A capacidade pulmonar permanece a mesma durante a gestação: relaxamento dos ligamentos, afastamento das costelas inferiores.
A inspiração aumenta durante a gestação, permitindo maior entrada de oxigênio. A expiração aumentada facilita a remoção do dióxido de carbono e o oxigênio que acontece ao nível dos alvéolos é melhorada. A gravida respira mais profundamente e com maior frequência, para manter o oxigênio para sí e para o feto.
Dispnéia
A respiração curta, é uma queixa comum na gestação, também parece estar relacionada com a pressão do útero sobre o diafragma.

Epistaxe
Sangramentos nasais podem ocorrer devido as taxas de estrogênio elevadas.
Alterações do Sistema Gastrointestinal
Mudanças ocorrem frequentemente na boca:
Sangramento de gengivas
Aumento de apetite e sede
Produção de saliva (ptialismo)
Náusea com ou sem vômito
Diminuição do movimento peristálticos (progesterona)


O esfíncter relaxado
causa o refluxo
A secreção gástrica e a
motilidade resultam no
esvaziamento lento.
A secreção da motilidade
no intestino grosso aumenta
o tempo de absorção de água.
Picamalacia: desordem alimentar conhecida como pica, caracterizada pela ingestão persistente de substâncias inadequadas com pequeno ou nenhum valor nutritivo, ou de substâncias comestíveis, mas não na sua forma habitual.
Alterações do Sistema Renal
Sua elevação causa estrias na abdômen, coxas e mamas.
O nível elevado causa rubor, e eritrema na pele, e o corpo da mulher se torna mais vascularizado, para garantir mais sangue para o feto.
Antes: orgão oco, formato de pêra, pesa cerca de 60g.
Final: Finas paredes musculares, peso em torno de 1.000g.
FIM
Full transcript