Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

A Guerra do Contestado 1912-1916

No description
by

Francisco Neto

on 5 November 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of A Guerra do Contestado 1912-1916

História de Santa Catarina: A Guerra do Contestado 1912-1916
O Caráter Social e Econômico da Região do Contestado

Economia pautada pelo extrativismo e pecuária.

Novos Agravantes: A Ferrovia São Paulo – Rio Grande do Sul

A construção da ferrovia que iria ligar São Paulo a Santa Maria, no Rio Grande do Sul.

Catolicismo Popular e Messianismo Na Região Do Contestado

O catolicismo popular permeia todo o conflito do Contestado, isso ocorre via a figura dos monges presentes na região desde a segunda metade do século XIX.

Conflito Na Região Do Contestado (1912-1916)

O reduto do monge se transfere para o Paraná, voltando para Santa Catarina, para a região de Irani.

As Tensões dos Limites Entre Santa Catarina e Paraná

As bases históricas remontam ao século XVII, quando da fundação de:

Nossa Senhora da Graça do Rio de São Francisco (atual São Francisco do Sul);

Nossa Senhora do Desterro (atual Florianópolis);

Santo Antônio dos Anjos da Laguna (atual Laguna).

Em 1720, o ouvidor real Rafael Pires Pardinho, organizou os limites sobre essa jurisdição, situando os limites de São Francisco com os de Paranaguá.

Constituição de 1824, criou as províncias do Império brasileiro, delimitando o atual território de Santa Catarina.

No decorrer da primeira metade do século XIX, várias foram as bandeiras adentrando o território catarinense estendendo-se até a região de Vacaria.

Em 1840, a Província de Santa Catarina respondia a Província de são Paulo.

Em 1842 a comarca de Curitiba foi elevada à categoria de Província.

Os limites territoriais seriam estabelecidos entre as Províncias de Santa Catarina e a Província do Paraná.

Em 1864, o governo do Paraná criou a estação fiscal do Chapecó, reconhecia apenas a idéia de uti-possidetis do Paraná.

A questão ganha espaço com o advento republicano.

Em 1891 a bancada catarinense retomou a questão do litígio.

Em 1891 eram deputados por Santa Catarina, os militares Lauro Severiano Müller, Felipe Schmidt e Carlos de Campos, o Dr. J. C. Lacerda Coutinho.

Em 1896, os ânimos se acirram quando o governador Hercílio luz envia à São Bento um contingente policial para reconstrução de pontes, destruídas pelas autoridades de Rio Negro.

Nesse momento Hercílio Luz convida para defender os direitos de Santa Catarina no jurisconsulto Manoel da Silva Mafra.

O Estado de Santa Catarina, em 1904, recebeu a sentença de ganho de causa.

Houve novo recurso e, em 1909, Santa Catarina recebeu nova decisão favorável.

A questão se estende até 1910, quando Santa Catarina é defendido por Epitácio Pessoa e o Paraná por Rui Barbosa, o Supremo Tribunal dá ganho de causa a Santa Catarina.

A questão ainda se arrasta até o ano de 1917 quando os dois Estados assinam definitivamente um acordo no dia 7 de setembro.

Exportação da erva-mate (Ilex Paraguaienses)

As relações de trabalho: Agregados e Peões.

Os agregados compunham nos homens de confiança do “coronel”, formando uma força para os momentos que exigisse a defesa da fazenda.

Os Peões, eram descendentes de indígenas, dedicavam-se a auxílio da lida com o gado, passando gradativamente a coleta da erva-mate nativa.

Assim, as relações de trabalho compunham uma relação personalista.

Em 1908, Assume a Brazil Railway Company, pertencente a Percival Farquhar.

Ganhou do governo o direito de explorar uma faixa de 30 quilômetros, 15 quilômetros de cada lado da ferrovia.

A Companhia desapropriou as terras que a margeavam. Essas terras foram consideradas, pelo governo como terras "devolutas" e "desabitadas".

Para acelerar a construção do trecho a empresa contratou oito mil trabalhadores das regiões do Rio de Janeiro, Santos, Salvador e Recife.

Os feitores exerciam sobre os trabalhadores um poder considerável, aumentando a violência na região.

O catolicismo popular: simbolismo relacionado a prática de batismos, curas e pregações.

O primeiro monge a circular pela região do contestado, foi o monge João Maria de Agostini 1850-1870.

O aparecimento de um segundo monge chamado João Maria, reacendeu o catolicismo popular e uma postura anti-republicana.

A crença na proximidade do “juízo final” um dualismo, a Monarquia era a “lei de Deus” e a República a “lei do diabo”.

O momento em que a Brazil Railway, expulsa posseiros, peões e agregados das terras coincide com a chegada de um novo monge chamado José Maria a partir de 1911.

Reuniu uma escolta de 24 sertanejos chamada de “os Pares de França”.

Surgiu o quadro santo, com posse de armas tornou-se uma ameaça para as autoridades.

O coronel João Gualberto Gomes de Sá, intimou José Maria a depor.

O coronel Gualberto, lança um ataque ao acampamento do monge.

Os caboclos do Contestado são nomeados como fanáticos religiosos.

Novas forças policiais e do exército são enviadas a Campos Novos, a cidade de Lages e Curitibanos.

Uma Guerra Santa restauradora da monarquia era pregada no reduto de Taquaruçu.

Constituíram uma Monarquia Celestial.

Manoel Alves de Assunção Rocha foi aclamado Imperador da Monarquia Celestial

Em 3 de fevereiro de 1914, as tropas do governo iniciaram o bombardeio.

Os caboclos sobreviventes ao combate, se refugiaram em Caragoatá.

No Vale de Santa Maria, surgiu um reduto liderado por Alonso e Adeodato.

O reduto foi atacado em 2 de abril de 1915, incendiando 902 casas e uma igreja.

Os caboclos se dispersam, sendo muitos aprisionados, enviados a Florianópolis.
Full transcript