Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Gestão de Piscinas

No description
by

Inês Nobre Joana Almeida

on 21 July 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Gestão de Piscinas

Introdução
Piscina – parte ou conjunto de construções e instalações que incluem um ou mais tanques artificiais equipados para fins:
Balneares;
Atividades recreativas;
Atividades formativas ou desportivas aquáticas.
Definição
As piscinas podem ser classificadas em:
Ambiente ou tipologia construtiva;
Valência ou tipologia funcional.
Quanto à tipologia construtiva, as piscinas distinguem-se em:
Tipologias
Tipologias
Localização e Implantação
Localização e Implantação
Este tipo de instalações devem estar concebidos para:
Zona de serviços técnicos, como instalações para o tratamento de água, aquecimento e climatização;
Zona de serviços anexos , como os locais de vestiários, de primeiros socorros, etc;
Zona de banho ou zona de cais, constituída pelos tanques de natação;
Concepção e Organização Funcional
Zona de serviços complementares ou zona pública, como espaços e serviços independentes dos circuitos dos banhistas.
A lotação máxima que pode ser admitida em silmutâneo numa piscina, é cálculada com base na área total de superfícies de plano de água.

Devem reger-se pelas seguintes situações:

Piscinas cobertas : 1 banhista por cada m2 de plano de água;

Piscinas ao ar livre e piscinas convertíveis: 1 banhista por cada m2 de plano de água.
Lotação
Serviços Anexos
Trabalho Realizado por:
Inês Nobre CET7
Curso Profissional de Téc. de Apoio à Gestão Desportiva
Disciplina de GID - Módulo 2
Ano Letivo 2012/2013
Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira
Escola Secundária Sá da Bandeira

Este trabalho foi-nos pedido no âmbito da disciplina de Gestão de Instalações Desportivas (GID) pelo Prof. Carlos Dias.
A definição de piscina, as suas tipologias, localização e quais as regras para o controlo de uma instalação deste tipo serão alguns dos temas abordados ao longo do trabalho.
Gestão de Piscinas
Gestão de Piscinas
Piscinas
Cobertas
Piscinas ao
ar livre
Tipologias
Piscinas
Convertíveis
Piscinas
Combinadas
Tanques
Desportivos
Tanques de Aprendizagem e Recreio
Tanques Infantis
Tanques de
Recreio e Diversão
Tanques Polifuncionais ou Polivalentes
O local de implantação de uma piscina, deve:
Reunir as melhores condições de exposição aos raios solares;
Protecção contra os ventos;
Protecção contra fontes de poluição atmosférica, hídrica e sonora;
Estar afastado de linhas de alta tensão e auto-estradas;
Estar integrada em espaços urbanizados.
Curso Profissional de Téc. de Apoio à Gestão Desportiva
Disciplina de GID
Módulo 2Ano Letivo 2012/2013
Trabalho realizado por:
Inês Nobre nº16
Joana Almeida nº17

TGD 1B
Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira
Escola Secundária Sá da Bandeira
Reunir condições de fácil acesso às infra-estruturas e serviços urbanos;
Ser implantada ao ar livre, em piscinas convertíveis ou combinadas;
Ser superior a oito vezes a superfície total de planos de água, excluindo as áreas de protecção, acessos e estacionamentos.
Vestuários, balneários e sanitários, são destinados aos banhistas. Devem ser divididos por sexos e não devem conter barreiras arquitectónicas que impeçam a sua utilização por deficientes, crianças ou idosos.

Devem respeitar os requisitos de segurança e qualidade sanitária e serem de fácil utilização e conservação.
Gestão de Piscinas
Curso Profissional de Téc. de Apoio à Gestão Desportiva
Disciplina de GID
Módulo 2Ano Letivo 2012/2013
Trabalho realizado por:
Inês Nobre nº16
Joana Almeida nº17

TGD 1B
Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira
Escola Secundária Sá da Bandeira
Gestão de Piscinas
Curso Profissional de Téc. de Apoio à Gestão Desportiva
Disciplina de GID
Módulo 2Ano Letivo 2012/2013
Trabalho realizado por:
Inês Nobre nº16
Joana Almeida nº17

TGD 1B
Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira
Escola Secundária Sá da Bandeira
Serviços e Anexos
1 por cada 30 m2 de plano de água, com o mínimo de 4 para cada sexo.
Nas piscinas com tanques ao ar livre e superfícies de plano de água superiores a 1000 m2, poderão contabilizar-se os chuveiros instalados nos lava-pés exteriores.
Chuveiros
1 por cada 50 m2 de plano de água, com o mínimo de 2 lavatórios por cada bloco de balneário.
Lavatórios
1 cabina com sanita por cada 50 m2 de plano de água, com o mínimo de 2 unidades por cada bloco de serviços.
Instalações
Sanitárias
Nos locais reservados para os homens, e quando o número de sanitários for superior a 2 unidades, 1/2 destas poderão ser substituídas por urinóis, na proporção de 2 urinóis por cada sanita suprimida.
Urinóis
Não serão admissíveis, no interior dos tanques:
Degraus ou desníveis;
Mudanças bruscas da inclinação ou quaisquer obstáculos submersos;
Só serão permitidas escadas e rampas de acesso;
As caleiras na extremidade dos tanques, serão a partir de 1% no mínimo, para garantirem o escoamento, limpeza e esvaziamento das águas, não devendo, ultrapassar os seguintes valores:
4% nos tanques infantis;
7% nos tanques e zonas com profundidades iguais ou inferiores a 1,60 m;
30° nos tanques ou zonas com profundidades superiores a 1,60m.
Segurança
(Tanques)
Para o acesso aos tanques com profundidades superiores a 0,50m, serão previstas escadas com o número igual ao quociente entre a superfície de plano de água (m2) e o perímetro (m) do tanque.
Acessos aos
tanques
As escadas de acesso, definidas no número anterior, podem ser escadas verticais, escadarias ou escadas inclinadas com degraus de espelho, ou rampas.
Torres de saltos e trampolins
As torres de saltos ou outras estruturas equipadas com plataformas rígidas e trampolins elásticos de saltos para a água, deverão instalar-se em tanques desportivos.
Escorregas Aquáticos
Os escorregas aquáticos, são constituídos por pistas "lubrificadas" com água e só poderão ser instaladas em piscinas recreativos que satisfaçam as dimensões de segurança definidas.
Requisitos de qualidade e tratamento de água
A água nos tanques das piscinas deve ser filtrada, desinfectada e possuir desinfectante residual, de modo a que as suas características físico-químicas e bacteriológicas correspondam às seguintes normas:
A sua transparência deverá ser inferior a 1 UTF (Unidade Turbidimétrica de Formazina);
A água não deve ser irritante para os olhos, para a pele, nem conter substâncias que afetem a saúde dos utentes.
O ph deve estar compreendido entre 6,9 e 8,0.
Gestão de Piscinas
Curso Profissional de Téc. de Apoio à Gestão Desportiva
Disciplina de GID
Módulo 2Ano Letivo 2012/2013
Trabalho realizado por:
Inês Nobre nº16
Joana Almeida nº17

TGD 1B
Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira
Escola Secundária Sá da Bandeira
Requisitos térmicos
e de ventilação
Nas piscinas cobertas e nas piscinas convertíveis, deverão ser previstas instalações e equipamentos destinados ao aquecimento de água, dimensionados para satisfazer as necessidades e as características de utilização dos tanques que as constituem.
As temperaturas da água dos tanques (de acordo com as sua tipologias) são as seguintes:
Tanques desportivos: 24° a 26° C;
Tanques desportivos para saltos: 26° a 28° C;
Tanques de aprendizagem e recreio: 26° a 28° C;
Tanques infantis ou chapinheiros: 28° a 30° C;
Tanques de recreio e diversão: 26° a 28°C;
Requisitos de iluminação
e acústica
Nas zonas de actividades ou de banho das piscinas cobertas e convertíveis, as instalações de iluminação artificial deverão estabelecer-se de modo a garantirem as melhores condições de visibilidade e a segurança dos utentes.
O nível de iluminação de serviço sobre o cais e as superfícies de plano de água, não deve ser em nenhum ponto, inferior a 200 lux.
Requisitos de pessoal
e de funcionamento
Para a condução e o controlo do funcionamento das piscinas, os seus proprietários têm pessoal necessário e tecnicamente habilitado. Existe um director ou encarregado geral que é o responsável pelo funcionamento integral das instalações e dos serviços, e pelo cumprimento das normas de utilização e de manutenção.
Deverão dispor de pessoal para as funções específicas de assistência aos banhistas. (Vigilantes ou nadadores salvadores).
Deverá existir no mínimo de 1 nadador salvador em piscinas até 200m2, e de mais um assistente por cada 500 m2 de plano de água suplementar.
Nas piscinas e parques recreativos aquáticos equipados com "escorregas aquáticos" de alturas superiores a 3 m, haverá um assistente-vigilante próximo a cada plataforma de partida, ou junto de cada zona de recepção.
Gestão de Piscinas
Curso Profissional de Téc. de Apoio à Gestão Desportiva
Disciplina de GID
Módulo 2Ano Letivo 2012/2013
Trabalho realizado por:
Inês Nobre nº16
Joana Almeida nº17

TGD 1B
Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira
Escola Secundária Sá da Bandeira
Registo Sanitário
Todas as piscinas devem conter um livro de registo sanitário, previamente paginado e visado pelas autoridades sanitárias.
Devem conter:
O número de banhistas de cada piscina;
Os volumes de água de reposição (água fresca) lidos nos contadores-totalizadores de cada tanque;
Devem ser realizados com maior frequência testes à transparência, ao pH e aos teores desinfectantes nos períodos de maior utilização;
Assim como observações às verificações técnicas, às lavagens de filtros, esvaziamento e limpeza de tanques e de filtros, à renovação de reservas de produtos químicos, ao enchimento dos tanques de preparação de reagentes, às anomalias e reparações.
Neste livro deverá ser anotado, as visitas de inspecção sanitária, as colheitas de amostras para análise laboratorial e os resultados das análises laboratoriais;
O preenchimento e a manutenção deste deve estar em boas condições, para a verificação das autoridades.
Os valores do pH, teores de desinfectante, temperaturas da água e condições termo-higrométricas ambientais, serão afixados num local bem visível para todos os utentes, próximo da entrada do estabelecimento.
Chuveiros
Lavatórios
Urinóis
Instalações
Sanitárias
Gestão de Piscinas
Curso Profissional de Téc. de Apoio à Gestão Desportiva
Disciplina de GID
Módulo 2Ano Letivo 2012/2013
Trabalho realizado por:
Inês Nobre nº16
Joana Almeida nº17

TGD 1B
Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira
Escola Secundária Sá da Bandeira
Áreas de Máquinas
Normas de Utilização
É expressamente proibido:

Fumar dentro das instalações;
Entrar com animais dentro das instalações;
Projectar propositadamente água para o exterior da piscina;
Saltar para a água após corrida de balanço;
Empurrar ou ter comportamentos que coloquem em risco a integridade física dos utentes
Normas de Utilização
Deveres e Obrigações dos Utilizadores:

Ter um comportamento geral de máxima correcção, dentro das instalações;
Antes de aceder ao balneário munir-se de cesto ou chave de cacifo, que lhe será fornecido na recepção;
Passar pelo lava-pés e chuveiro antes de entrar na piscina;
Utilizar fato de banho/calções de LYCRA, chinelos (uso exclusivo na piscina) e touca;
Sinalética
Conclusão
Este foi um trabalho difícil de realizar devido à quantidade informação que tinhamos para produzi-lo e organizá-lo.

Podemos também compreender que a simples palavra "piscina" abrange tantas outras coisas à sua volta.
Netgrafia
http://www.cm-almodovar.pt/desporto/piscinas-regras.pdf
Google Images
http://www.apppages.com/DIRECTIVA_CNQ23_93.pdf
Full transcript