Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Plano Cruzado - 1986

Trabalho escolar sobre o Plano Cruzado implementado em 1986 pelo então Presidente José Sarney.
by

Gabriel Becker

on 26 April 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Plano Cruzado - 1986

Plano Cruzado No dia 28 de fevereiro de 1986, o atual presidente José Sarney decretou o Plano Cruzado, que estabelecia uma série de medidas. Algumas delas foram:
Substituição do Cruzeiro pelo Cruzado, com corte de três zeros.
Todos os preços foram congelados e os salários, também congelados, seriam corrigidos anualmente, ou cada vez que a inflação atingisse 20%, medida conhecida como gatilho salarial.
Foi extinta a correção monetária.
Foi criado o seguro-desemprego. Em novembro de 1986, após as eleições, foi anunciado o Plano Cruzado II, que congelou novamente preços muito acima da realidade do mercado e aumentou os impostos indiretos, reduzindo o poder de compra da população. Mas em fevereiro do ano seguinte este plano já aparentava seus problemas, o controle de preços foi abolido e a correção monetária voltou a ser mensal. Com o passar do tempo, a inflação voltou a crescer e, em maio de 1987, já ultrapassavam a casa dos 20% ao mês. O fracasso do Plano Cruzado II provocou a queda do Ministro Dílson Funaro. Ao longo da década de 1980, todas esses planos, trocas de moedas e as altas taxas de inflação foram responsáveis por um período de estagnação na produção industrial e de baixo crescimento econômico.
O governo Sarney terminou em ambiente de recessão econômica, especulação financeira e ameaça de hiperinflação. Trabalho de Geografia Antes de começar a falar do Plano Cruzado vamos entender melhor o que é a inflação:

A inflação é um conceito econômico que representa o aumento de preços dos produtos num determinado país ou região, durante um período. Num processo inflacionário o poder de compra da moeda cai.

Exemplo: em um país com inflação de 10% ao mês, um trabalhador compra cinco quilos de arroz em um mês e paga R$ 10,00. No mês seguinte, para comprar a mesma quantidade de arroz, ele necessitará de R$ 11,00. Como o salário deste trabalhador não é reajustado mensalmente, o poder de compra vai diminuindo. Após um ano, o salário deste trabalhador perdeu 120% do valor de compra.

Apesar da inflação ser ruim para o trabalhador ela nunca deve chegar a zero, porque isso significa que a economia do pais está parada, ou seja, há uma baixa na renda das pessoas e, consequentemente, na demanda de produtos, gerando assim uma crise. Em 2012 a inflação anual do Brasil ficou na faixa dos 5% a 6%. Um bom índice. Algumas das principais causas da inflação:

- Emissão exagerada e descontrolada de dinheiro por parte do governo;
- Demanda por produtos (aumento no consumo) maior do que a capacidade de produção do país;
- Aumento nos custos de produção (máquinas, matéria-prima, mão-de-obra) dos produtos. Compreendido o que é a inflação, vamos ao Plano Cruzado! Elaborado pela equipe do então Ministro da Fazenda Dílson Funaro, o Plano Cruzado contou inicialmente com o apoio da população, entusiasmada com as perspectivas de estabilização econômica. O povo foi incentivado a colaborar, fiscalizando estabelecimentos comerciais que praticassem preços acima da tabela determinada pelo governo.
A inflação foi reduzida, o desemprego diminuiu, o poder aquisitivo da população cresceu. Porém, em poucos meses, o Plano Cruzado já apresentava problemas: muitos produtos desapareceram do mercado então os comerciantes começaram a cobrar um ágio, ou seja, o consumidor era obrigado a pagar um tanto a mais sobre o preço estipulado pelo congelamento. A escassez de produtos em alguns lugares era real, mas em outros era escolha dos comerciantes e fabricantes que recuzavam vender os produtos pelo preço congelado. Em junho de 1987, o governo decretou outro plano econômico, agora sob a orientação do Ministro Luís Carlos Bresser Pereira. O Plano Bresser, como ficou conhecido, visava regularizar as contas públicas, isto é, as despesas do governo. Foi decretado um novo congelamento de preços e salários, por três meses. No final de 87, a nova estratégia econômica já apresentava sinais de esgotamento, por não conseguir manter a política de preços e de salários controlados. A regularizaçaõ das contas públicas era importante porque em fevereiro deste ano o governo tinha declarado a moratória do pagamento da dívida externa, ou seja, ele suspendeu o pagamento por falta de condições e iniciaria negocições para aumentar os prazos e diminuir os juros. Porém com a declaração da moratória ele dificultou as negociações de compra e venda com o mercado internacional. Maílson da Nóbrega, o quarto e último Ministro da Fazenda do Governo Sarney, tentou ainda outro pacote de medidas para sanear a economia: o Plano Verão. Anunciado em janeiro de 1989, que decretou um novo congelamento, criou o Cruzado Novo e se comprometeu a conter os gastos públicos. Como os demais planos, esse também não obteve os resultados pretendidos. Componentes:
Aline,
Ana Claudia.
Elaine,
Gabriel e
Nicolas.
Full transcript