Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

O ensino do basquetebol

No description
by

Ricardo Hugo Gonzalez

on 5 October 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of O ensino do basquetebol

O ensino do basquetebol
Introdução
Fase anárquica
Jogo muito confuso, com muitas interseções de passes, passes perdidos, roubo de bolas, perdas do drible, poucas situações de arremessos e com muito pouco sucesso.
Há uma grande confusão para reconhecer as fases do jogo, de quem ataca e quem defende, grande dificuldade na progressão da bola e uma noção muito precária do sentido da cesta e também do jogo coletivo.

Características de jogo nível 1
Jogo no sentido da profundidade.
Ocupação racional do espaço, sem nenhum tipo de organização particular.
Jogadores atacantes jogam à frente da linha da bola.
Agressividade ofensiva.
Continuidade das ações sem violações.
Escolha judiciosa da utilização do drible (vê e depois decide).

Lançamento na seqüência da recepção, após corte ou drible.
Precisão no passe (dirigido a um companheiro).
A oposição marca individualmente e segue o atacante.

Ocupação racional do espaço, com um dispositivo de ataque organizado.
Manutenção da integridade do sistema (reajustamento).
Jogo estruturado por fase ( ataque, defesa, transições).
Equilíbrio entre as ações táticas individuais e de grupo ( 1x1; 2x2).
Domínio dos sinais de comunicação.
Defesa com interposição entre a bola e o cesto.

Princípios estruturantes do jogo anárquico
4. Ver o jogo antes de executar qualquer ação, escolher a forma mais adequada de progredir.
5. Quem passa movimenta-se no sentido do cesto para receber mais à frente.
6. Defesa individual estrita: “cada um marca o seu”.

4. Arremesso: serem capazes de chegar com a bola à cesta e darem conta que o cesto existe.
5. Passe: serem capazes de dirigir a bola intencionalmente a um colega.

Cumprindo estes requisitos os alunos podem jogar em situação de 5x5 na quadra toda.

Fase egocêntrica- cada um concebe a sua participação isoladamente, explora a sua ação até o limite de sua capacidade e confiança.
Aglomeração- todos os jogadores são atraídos pela bola, onde está a bola estão todos.
Alinhamento- ausência de linhas de passe por interposição dos defensores entre o atacante com bola e os atacantes sem bola.

Evolução do Jogo
Pré-requisitos e fase anárquica
Recepção: sejam capazes de agarrar a bola, ir ao seu encontro quando esta lhes é dirigida, conservar a sua posse.
Demarcação: mover-se em qualquer direção, não ficando apenas parado, gesticular e gritar pela bola.
Drible: controlar a batida da bola em deslocamento e controlar nas paradas, permanecendo com sua posse.

José Oliveira
Amândio Graça

Tem como objetivo o desenvolvimento as competências em três domínios: 1.social; 2.estratégico e cognitivo-tático; 3. técnico.
1) Pretende-se que os alunos aprendam a apreciar o jogo, a gostar dele, desenvolvam competências sociais, como cooperação, o respeito pelos colegas, pelos adversários, e pelas regras do jogo.

2) As competências de estratégia e cognitivo-táticas assentam no desenvolvimento da capacidade de decisão, traduzida pela escolha das soluções mais adequadas para resolver uma situação do jogo e com o timing apropriado.
Estes aspectos implicam que o aluno conheça de forma clara os princípios básicos do jogo.

3) O ensino das técnicas deve no entanto satisfazer 3 critérios: a) significação, ou seja terem utilidade no contexto do jogo, b) acessibilidade, isto é, o seu grau de dificuldade não deve exceder em demasia a capacidade atual dos alunos, c) segurança, implicando a preservação da integridade física e psicológica do aluno.

O jogo deve ser tomado como ponto de referencia para a intervenção do professor no ensino do Basquetebol.
É necessário a formulação de modelos de jogo por etapas.
Um modelo de jogo é um corpo de idéias acerca de como queremos que o jogo seja praticado.
A sua explicação permitirá: a) caracterizar o nível dos alunos; b) estabelecer metas para as aprendizagens; c) avaliar a evolução dos alunos; d) avaliar a eficácia do programa.

Drible- muito utilizado para fugir para os espaços livres; necessidade de olhar a bola enquanto dribla.
Passes- bombeados, por vezes dirigidos de forma difusa ou à sorte;
Comunicação- verbalizada, todos gritam pela bola.

Todos os atacantes estão afastados do possuidor da bola (não se aproximam a menos de 2 metros).
Exploração do espaço livre para receber a bola (aproximam-se, afastam-se para abrir linhas de passes).
Quem recebe vira-se para a frente, para o cesto que ataca.

Estes princípios devem constituir-se como tópicos de intervenção sistemática do professor sobre o jogo dos alunos.
Apresenta-los como objetivos, concretizar-los, estimular o seu aparecimento e apoiar sua execução, corregir os erros mais evidentes.
Definidos os princípios mínimos para jogar e os elementos de progressão, pode-se estabelecer os níveis de jogo.

Características de jogo nível 2
Proposta metodológica para o ensino do basquete
Sugere-se uma seqüência de unidades didáticas constituídas em torno de formas de jogos progressivamente mais complexas.
Podemos produzir modificações estruturais no jogo que reduzam substancialmente a sua complexidade e favoreçam a aprendizagem.
3x3 em meia quadra, resolução dos problemas do ataque posicional;3x3 em toda a quadra, resolução dos problemas de transição, 5x5 em toda a quadra, resolução dos problemas de transição.

No processo ensino/aprendizagem é fundamental isolar os fatores perturbadores do sucesso nas tarefas, tornando-se essencial adaptar as condições de jogo:
Simplificação do regulamento;
Modificação do espaço de jogo;
Variação/redução da oposição;
Alterações do material (peso e dimensões da bola).

Os jogos reduzidos deve no entanto satisfazer os seguintes critérios:
Manutenção do objetivo do jogo;
Todos os elementos estruturais essenciais do jogo formal devem ser conservados;
O ataque e a defesa devem estar sempre ligados;
As tarefas dos jogadores não devem ser completamente determinada.

Para melhorar a qualidade do jogo reduzido devemos utilizar formas de jogo que acentuem partes de sua estrutura, os quais chamamos de jogos parciais reduzidos ( ex. 1x1 com passador).
A evolução da qualidade do jogo e do jogador está ligada ainda à eficiência da execução dos elementos técnicos.
Full transcript