Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Gestão da Qualidade

No description
by

Josinaldo Dias

on 21 August 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Gestão da Qualidade

Processo artesanal
Revolução Industrial
A nova ordem produtiva substituia a customização pela padronização:

Produção em larga escala;

Maquinas projetadas para aumento no volume de produção;

Modelo de administração Taylorista, retirando o trabalhador das estapas de concepção e planejamento.

Surgimento do inspetor de qualidade.
Ferramentas estatísticas
Shewhart, por volta de 1924, fundiu os conceitos de estatísca com á realidade produtiva, criando uma ferramenta da qualidade denominada gráfico de controle. Ele também prôpos o ciclo PDCA (plan-do-check-act).
Período da Segunda Guerra
No período da Segunda Guerra Mundial, houve difusão das práticas de controle estatístico da qualidade, e no pós guerra surgiram novos elementos na gestão da qualidade.
Nos EUA, em 1946 foi fundada a ASQC (American Society of Quality Control);
No Japão, em 1950 foi fundada a JUSE (Japan Union of Scientists and Engineers);
Evolução
O que é qualidade?
Qualidade é um termo subjetivo, que possui diversas definições. Para a ASQC, tecnicamente, qualidade pode ter dois significados:

a) São as caractéristicas de um produto/serviço que são capazes de satisfazer as necessidades implícitas e explícitas do consumidor.

b) Produto ou serviço sem deficiência.
GOAL!
Gestão da Qualidade
Histórico da Gestão da Qualidade
O artesão era quem detinha o domínio completo de todo o ciclo do produto.

Proximidade ao cliente;

inspeção dos produtos;
Era do fordismo
Caracterizada pela padronização na produção de carros, onde as necessidades do cliente não eram direcionadas na concepção do produto.
Porém, essa também foi uma época de grande evolução no conceito de controle de qualidade, surgindo conceitos como:

Especificação;
Tolerância;
Conformidade;
Susto dimensional
Inspeção
Estatística
Controle da Qualidade Total
Abordagens da qualidade
Abordagem Transcendental
: Qualidade é uma excelência inata. Ex: brastemp.

Abordagem focada no produto
: Qualidade é vista como um conjunto mensuravel e preciso de características, que são requeridas para satisfazer o consumidor.
Ex: Carros básicos e carros incrementados.

Abordagem focada no usuário
: Qualidade é uma variavél subjetiva. Produtos de melhor qualidade atendem melhor aos desejos do consumidor.
Ex: Um carro zero Km que apresenta defeito após 2 meses de uso.

Abordagem focada na produção
: Qualidade é uma variavél precisa e mensurável, oriunda do grau de conformidade do planejado com o executado.
Ex: uma lavadora de menor preço pode ser de qualidade se for produzida de acordo com as conformidades, quando comparada com uma mais caro

Abordagem focada no valor
: Qualidade é o grau de excelência a um preço aceitável.
Ex: comprar um jogo de chaves de fenda com qualidade inferior porém mais barato .
Mestres da Qualidade
Walter A. Shewhart
W. Edwards Deming
Joseph M. Juran
Armand Feigenbaum
Philip B. Crosby
Kaoru Ishikawa
Walter A. Shewhart
Shewhart foi o pai do controle estátisco da qualidade e desenvolveu uma das ferramentas mais utilizadas no controle da qualidade até hoje - os gráficos de controle.
Período Pós-guerra
Em 1950 começa a se fazer as primeiras associações de qualidade e custo. (Juran)

Tratamento da qualidade de forma sistêmica nas organizações, resultando no sistema de qualidade total, que mais tarde influenciaria fortemente o modelo ISO 9000. (Armand Feigenbaum)

Em 1957, criação do programa "zero defeito". (crosby)
Modelo japonês de Qualidade
CWQC (Company Wide Quality Control).
Vários teóricos orientais tiveram forte influência sobre esse modelo, tais como:
Taiichi Ohno - idealizador do modelo Toyota de produção.
Maasaki Imai - Melhoria continua pelo modelo kaizen.
Shigeo Shingo - Propôs o sistema Poka yoke(dispositivo à prova de erros).
Ishikawa - Difusão das sete ferramentas da qualidade.
Garantia da qualidade
ISO 9000
Em 1987, surge, em meio a expansão da globalização, o modelo normativo da ISO (International Organization for standardization) para a área de Gestão da Qualidade, a série 9000, Sistemas de Garantia da Qualidade.

ISO 9001 - Orientações sobre a qualidade dos projetos, bem como o seu desenvolvimento, produção, instalação e manutenção. É uma das normas mais específicas e mostra como deve ser cada processo da empresa. Ela envolve as normas 9002 e 9003.

ISO 9004 - Estabelece as diretrizes para o sucesso sustentado - orientações básicas para a implantação do sistema de gestão da qualidade.
Eras da Qualidade
Os gráficos de controle analisavam os resultados das inspeções e permitiam facilmente distinguir falhas por causas comuns ao processo ou por causas especiais.

Devido a essa analise, era possível sair da postura reativa para a postura proativa, agindo antes de ocorrer.
W. Edwards Deming
Segundo seu ponto de vista a melhoria da qualidade proporciona redução de custos, menos erros, menos atrasos e melhor uso dos recursos, que por outro lado conduz a melhoria da produtividade, conquista e manutenção de mercados consumidores, geram mais empregos, entre outros.
Os 14 pontos de Deming
1) Crie constância de propositos em torno da melhoria de produtos e serviços, buscando tornar-se competitivo, manter-se no mercado e gerar empregos;

2) Adote uma nova filosofia que rejeite níveis aceitáveis de qualidade e serviços ruins;

3) Eliminar a dependencia da inspeção, construindo a qualidade o produto em primeiro lugar;

4) Minimize o custo total trabalhando com um único fornecedor confiável;

5) melhoria continua no sistema de produção e de serviços;

6) Estabeleça treinamento no trabalho;

7) Estabeleça liderança. O objetivo da supervisão deve ser ajudar aos trabalhadores e máquinas no trabalho;

8) Elimine o medo, assim todos podem trabalhar efetivamente para a organização;

9) Quebre barreiras entre os departamentos;

10) Elimine os slogans; (tal como defeito zero) isso causa pressão;

11) Remover barreiras que impedem os trabalhadores de sentirem orgulho de seu trabalho;

12) Remova barreiras que impedem os gerentes e engenheiros de sentirem orgulho de seu trabalho. (metas a bater);

13) Institua um vigoroso programa de eduação e automelhoria;

14) Envolva toda a organização, a transformação é tarefa de todos;
Joseph M. Juran
Foi o primeiro a propor uma abordagem focada nos custos da qualidade, classificando-os em três categorias:

1) Custos de falhas:

a)
falhas internas
- quando o produto ainda não chegou ao cliente e todo trabalho de recuperação é feito na empresa;
b)
falhas externas
- quando o produto já está sob posse do cliente e dessa forma é necessário recuperar o produto, perde-se a credibilidade do cliente e gera-se perdas em futuros negócios;

2) Custos de Avaliação: Devem incluir os custos das inspeções, testes em processo, auditorias de conformidade etc.

3) Custos da prevenção: Devem incluir os custos de planejamento, controle e avaliação de fornecedores e treinamentos em técnicas de controle de qualidade.
Trilogia da Qualidade
Planejamento da Qualidade
: Desenvolvimento de métodos que permitem captar as necessidades e expectativas dos consumidores;

Controle da Qualidade
: Envolve a comparação dos produtos produzidos com os objetivos, padrões e especificações;

Melhoria da Qualidade
: Envolve a melhoria continua do processo, necessario para a continuidade do sucesso da empresa;
Armand Feigenbaum
Foi o primeiro a tratar a Qualidade de forma sistêmica nas organizações, formulando o sistema de controle da qualidade total (TQC).

Segundo Feigenbaum, A TQC é um sistema eficaz para a integração dos esforços dos diversos grupos em uma organização, no desenvolvimento, manutenção e melhoria da Qualidade.
Philip B. Crosby
Definiu quatro fundamentos do gerenciamento da Qualidade para proporcionar o melhoramento contínuo dos processos.

I - Conformidade com as especificações;

II - Qualidade se origina na prevenção de falhas e defeitos;

III - O padrão de desempenho da qualidade é o zero defeito;

IV - A medida da qualidade é o preço da não conformidade;
Kaoru Ishikawa
Defendeu a utilização das sete ferramentes da Qualidade : Análise de Pareto; Diagrama de causa-efeito (espinha de peixe); Histograma; Check list; Diagramas de disperção; Gráficos de controle e Fluxograma.
" 95% dos problemas nas organizações podem ser resolvidos com o uso das sete ferramentas da Qualidade."
Taguchi desenvolveu métodos que buscam aperfeiçoar a qualidade e consistência, reduzir perdas e identificar características particulares do produto e do processo antes da produção.

Refugos, retrabalhos, perda da garantia e da freguesia são exemplos de perdas que ocorrem quando as variações excedem os limites das especificações.
Genichi Taguchi
Professor: Josinaldo Dias

Formação:
Graduado em Engenharia de Produção
Mestrando em Engenharia de Produção pela UENF

Área de pesquisa:
Logística - Logística reversa
Pesquisa Operacional
E-mail : josinaldo.engenharia@yahoo.com.br
Ementa
I - Competitividade;
II - Qualidade total;
III - Sistemas de qualidade;
IV - Implantação de sistemas de qualidade;
V - Normas ISO (9001, 9002, 9003 3 9004);
VI - Ferramentas da Qualidade;
VII - Círculos de controle da qualidade.

Bibliografia
BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
• CAMPOS, Vicente Falconi. TQC - controle da qualidade total (no estilo japonês). 8.ed. Nova Lima : INDG Tecs, 2004. 256p.
• GESTÃO da qualidade: teoria e casos. Coord. Marly Monteiro de Carvalho, Edson Pacheco Paladini. Oxford : Elsevier, 2006. 355p.
• SLACK, Nigel ; CHAMBERS, Stuart ; JOHNSTON, Robert. Administração da produção. Trad. Maria Teresa Corrêa de Oliveira, Fábio Alher. 2.ed. São Paulo : Atlas, 2002. 747p.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
• CHINELATO FILHO, João. As 7 ferramentas do administrador: um guia prático para decisões com qualidade. 2.ed. Brasília : Distrital, 1993. 139p.
• LAS CASAS, Alexandre. Qualidade Total em Serviços: conceitos, exercícios, casos práticos. 6.ed. São Paulo : Atlas. 2008. 223p.
• ARAÚJO, Luís César Gonçalves de. Organização, sistemas e métodos e as modernas ferramentas de gestão organizacional: arquitetura organizacional, benchmarking, empowerment, gestão pela qualidade total, reengenharia. São Paulo : Atlas, 2003. 311p.
• GIL, Antonio de Loureiro. Auditoria da qualidade. São Paulo : Atlas, 1994. 252p.
• CHENG, Lin Chih ; MELO FILHO, Leonel Del Rey de. QFD desdobramento da função qualidade na gestão de desenvolvimento de produtos: o método que busca a satisfação do cliente e induz a construção de sistema robusto de desenvolvimento de produto nas organizações. 2.ed. rev. São Paulo : Blücher, 2010. 539p.


Sistema de avaliação
P1 + (trabalho)

P2 + (PCL)
P1
Questões discursivas
Questões objetivas (concurso)
Trabalho (artigos científicos)
P2
Questões discursivas
Questões objetivas (concurso)
PCL (2 pontos)
Full transcript