Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

As Áreas Protegidas e a importância do Turismo para a sua pr

No description
by

Vilma Ribeiro

on 18 June 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of As Áreas Protegidas e a importância do Turismo para a sua pr

As Áreas Protegidas e a importância do Turismo para a sua proteção
Classificação de áreas protegidas
Turismo em áreas protegidas
Segundo Boyd (2007) (...) o turismo é uma parte importante do modelo de gestão integrada do parque, desenvolvendo novas formas de turismo com impactos mínimos sobre a estrutura ecológica e que podem assegurar o financiamento do sistema.
Instrumentos Europeus de turismo sustentável em Áreas Protegidas
Carta Europeia de turismo sustentável (CETS)
Turismo nos modelos de Ordenamento e Gestão das Áreas Protegidas
Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar de Peniche
Turismo e Ambiente
Gestão do Território
2013/2014

Docente: Verónica Oliveira
Discentes: André Mendes e Vilma Ribeiro

Áreas Protegidas
Áreas terrestres ou aquáticas que pela sua raridade necessitam de medidas de conservação e gestão, pois apresentam um valor ecológico ou paisagístico e importância científica, cultural e social.
Foram criadas para promover a gestão racional dos recursos naturais e a valorização do património natural e construído, de modo a preservar um processo biofísico que integra a fauna, flora, paisagem, herança cultural e tradições.
Surgimento das áreas protegidas
Segundo Lamy (1996) os próprios espaços criados por cidadãos em zonas verdes, parques e jardins, refletiam o desejo dos mesmos a usufruírem de um espaço privilegiado onde também se dava importância à proteção de algumas espécies de fauna e flora.
Revolução industrial - produção e consumo em massa.
Parque Nacional de Yellostone na Califórnia - 1872
Século XIX e início do século XX - novas motivações turísticas relacionadas com a experiência nos espaços naturais e com a oportunidade de praticar desportos relacionados com o turismo de natureza.
Conferência sobre o Património Natural da Europa (1985):

• O turismo é uma justificação económica para a conservação;
• O turismo é um meio de consolidar o apoio à conservação;
• O turismo pode afluir recursos para a conservação.

Turismo - forma das pessoas disfrutarem de um ambiente natural, sem esquecer o seu desenvolvimento sustentável, atendendo às necessidades das políticas públicas de conservação e administração dos próprios ambientes naturais.
Turismo como instrumento financiador de uma área protegida
Conservação e valorização do património;
Desenvolvimento social e económico;
Preservação e melhoramento da qualidade de vida dos habitats locais;
Gestão dos fluxos de visitantes e aumento da qualidade da oferta turística.
Protected Areas Network ParKs (PAN ParKs)
""programa de boas práticas relacionadas com o turismo sustentável em áreas protegidas, pretende expressar um compromisso voluntário entre os gestores de áreas protegidas e os empresários turísticos que estimule o desenvolvimento do turismo em harmonia com a gestão sustentável dos recursos naturais.""
Iniciativa da WWF;
Etiqueta de qualidade para áreas protegidas europeias com o objetivo de combinar conservação da natureza e turismo;
Objetivos:
1. Proteger os habitats naturais e ecossistemas frágeis, vitais para o futuro da vida selvagem da Europa;
2. Trabalhar para a certificação PAN ParKs para garantir que as áreas naturais são salvaguardadas e apreciadas;
3. Estabelecer parcerias de colaboração entre indivíduos e organizações que, conjuntamente visem a proteção da natureza, a partilha de conhecimentos e compreensão crescente;
4. Promover o desenvolvimento sustentável, o turismo responsável para promover o amor, respeito e orgulho pela região selvagem da Europa.
Estudos prévios para adaptar a atividade turística a um parque:

Tipo de turismo mais adequado;
Capacidade de carga;
Bavarian Forest National Park (Alemanha)
Plitvice lakes national park (Croácia)
Hautes Fagnes Nature Park (Bélgica)
Peak District National Park (Inglaterra)
Parque Nacional do Iguaçu (Brasil)
Parque Nacional Peneda Gerês
Parque Nacional da Chapada Diamantina (Brasil)
Parque Nacional da Kissama (Angola)
Parque Nacional Bryce Canyon (Utah-USA)
As áreas protegidas onde o turismo se desenvolveu com maior intensidade foram aquelas onde se apostou no estudo e planeamento mais adequado, assim como condições mais adequadas para a receção dos visitantes na medidas das suas necessidades.
""No setor do turismo é importante aproveitar equilibradamente os atrativos, ajudando a mantê-los como portadores de um conjunto de valores e recursos necessários para a atividade, preservando e preparando o futuro sem destruir o passado."" (Figueira, 2011)
Primeira legislação que surgiu tinha maior relevância ao nível do espaço rural, não especificamente das áreas protegidas.
Em Portugal...
Surgiram várias modalidades de habitação:
Turismo de habitação, Turismo Rural, Agro-Turismo, Turismo de Aldeia, Casas de Campo, Hotéis Rurais e Parques de Campismo Rurais.
Portugal tentou desenvolver um produto mais específico para as áreas protegidas de forma a promover as regiões e melhorar a vida das populações.
''Apesar da importância atribuida às áreas protegidas, (...) não existe um produto agregado e estruturado que permita o desenvolvimento efetivo do turismo.'' (Figueira, 2011)
'' Organização burocrática e formal, sem estratégia clara e visão de futuro, muito focado para competências de conservação (...)''
Visão objetiva e clara;

Diálogo entre os osperadores turístico e quem gere a área protegida;

Recursos Humanos em áreas importantes para o desenvolvimento da atividade (Gestão, sociologia, turismo, agronomia, etc) que completem as necessidades das populações e turistas;

Definição de um produto específico da região como forma de fortalecer a economia local.
Aspetos a melhorar:
Implementação e regulamentação de uma Rede Nacional de Áreas Protegidas


A conservação da Natureza, a proteção dos espaços naturais e das paisagens, a preservação das espécies da fauna e da flora e dos seus habitats naturais

Manutenção dos equilíbrios ecológicos e a proteção dos recursos naturais

Contra todas as formas de degradação constituem objetivos de interesse público, a prosseguir mediante

Porque foram criadas as AP?

Rede Fundamental da Conservação da Natureza
Decreto-Lei nº142/2008, de 24 de Julho
Rede Nacional de Áreas Protegidas;


Áreas integradas na Rede Natura 2000;


Sitios Ramsar;


Rerservas da Biosfera.
Objetivos das Áreas Protegidas:
Preservação (fauna e flora que apresentem caraterísticas peculiares, quer pela sua raridade ou valor científico, quer por se encontrarem em vias de extinção);

Reconstituição das populações e recuperação dos habitats naturais;

Investigação Científica (desenvolvimento dos conhecimentos humanos e interpretação dos valores naturais);

Preservação de sítios de interesse especial e relevante para o estudo da evolução da vida selvagem;

Proteção e valorização da paisagem (diversidade, harmonia, interesses cénicos e estéticos dignos de proteção);

Estabelecimento de reservas genéticas (permanência de todo o potencial genético animal e vegetal);

Promoção do desenvolvimento sustentável da região (interação entre a componente ambiental, natural e humana, promovendo a qualidade de vida das populações);

Valorização de atividades culturais e económicas tradicionais (proteção e gestão racional do património natural).
Rede Nacional de Áreas Protegidas (RNAP)
Nacional

Áreas criadas e geridas pela Sistema Nacional de Parques, Reserva e Conservação da Natureza (SNPRCN) podendo no entanto, ser propostas por quaisquer entidades públicas ou privadas, nomeadamente autarquias locais e organizações nao governamentais de ambiente.
Regional / Local

Classificadas como Paisagem Protegida de interesse regional ou local

São áreas criadas e geridas por Associações de Municipios ou Municipios.

Privado

Classificadas como Áreas Protegidas de Estatuto Privado - "Sítios de interesse biológico"

São áreas propostas e geridas pelos Proprietários através dos procedimentos legislados (Portaria nº 1181/2009 de 7 de Outubro, sendo essa designação efetuada pela autoridade nacional

Apenas se mantém esse título se verificar-se a manutenção dos valores e objetivos de conservação da natureza e da biodiversidade que justificam a sua concessão.

Tal reconhecimento não confere ao proprietário qualquer direito ou prerrogativas especiais de autoridade nem condiciona a aplicação dos instrumentos de gestão territorial existentes.
Tipologias de Áreas Protegidas
Conclusões
Importância da gestão e o ordenamento da própria área e a envolvência da população local;

Necessidade de legislar e regulamentar o uso dos solos e de atividades a praticar, permitindo disfrutar do destino em si correlacionado com a sua conservação e preservação;

Ao nível do turismo é importante que os gestores e operadores turísticos estejam constantemente em contato, as populações locais também devem ter um papel interventivo;

A visão da área protegida deve ser mais clara e objetiva;

O fato da possibilidade da criação de Áreas Protegidas Privadas permite uma nova oportunidade de destino turístico e desenvolvimento local.
Sistema Nacional de Áreas Classificadas
POAP - Planos de Ordenamento de Áreas Protegidas
Full transcript