Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

CONCEITOS DE SIGNO, SIGNIFICADO E SIGNIFICANTE.

Aula teste.
by

Sandra Barbosa

on 21 February 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of CONCEITOS DE SIGNO, SIGNIFICADO E SIGNIFICANTE.

As linguagens visuais são sistemas de signos que comunicam ideias, emoções e sentimentos. Neste sentido, podemos dizer que
toda comunicação visual envolve signos e códigos, sendo que os signos são artefatos e construções significantes
. Os códigos são os sistemas através dos quais os signos se organizam e se relacionam uns com os outros.

Atualmente, na nossa sociedade existe uma evidência de consumo e abundância, originada pela diversidade e multiplicação de artefatos e serviços, originando
mutações constantes nos comportamentos, nas mensagens, nos códigos, nos signos e no conjunto das diversas relações sociais.

Deste modo, a análise dos sistemas de identidade visual e dos seus signos constituintes, devem ser alvo de estudo e reflexão para a contribuição de uma sociedade, visualmente mais positiva.
CONCEITOS DE

SIGNO, SIGNIFICADO E SIGNIFICANTE
IMPÉRIO DOS SIGNOS,
DOS SÍMBOLOS E DAS IMAGENS
ELEMENTOS BÁSICOS
DA
COMUNICAÇÃO VISUAL
O PONTO | A LINHA | A FORMA | A DIREÇÃO | O TOM | A COR | A TEXTURA | O MOVIMENTO

PLANEJAMENTO VISUAL GRÁFICO
|
TEXTO
|
IMAGEM
|
COR
|
ENTRE OUTROS

Os símbolos e Signos
MIV

(Manual de Identidade Visual)

O “império dos signos (tudo o que significa), dos símbolos (tudo o que remete a ideias) e das imagens (tudo o que representa o real) a par de uma sociedade que aprende, pensa e atua através da recepção de mensagens visuais, a decodificação destes “fenômenos” é determinante para a reconstrução de novas e mais eficazes mensagens visuais, tornando a nossa sociedade culturalmente mais evoluída.
Segundo Fiske (1998), existem duas escolas principais no estudo da comunicação: a comunicação como transmissora de mensagens (Escola processual) e a comunicação como uma produção e troca de significados (Escola semiótica).
Seguindo esta vertente, temos:

“o signo serve para transmitir informação, através de uma fonte, emissor, canal, mensagem e destinatário, inserindo-se dessa forma num processo de comunicação”. (Eco, 2004).


Levanta-se a questão: de que forma a mensagem emitida, atinge os seus objetivos? Podemos nos referir ao processo de
codificação
e
decodificação
e sua finalidade é descobrir a melhor maneira de tornar a mensagem compreensível para o receptor.
Em relação ao signo e a sua significação, um dos mais influentes modelos é o estudo de Saussure, que considera que o signo e os elementos da significação não podem ser compreendidos sem os três conceitos:
signo - significado – significante
. Cada um deles não pode ser compreendido sem o outro.
O signo se compõe pela sua forma física e de um conceito mental associado – apreensão da realidade externa. O signo apenas se relaciona com a realidade através dos conceitos e de seus usuários.
Assim teremos:
Ao ouvirmos a palavra maçã, reconhecemos os sons que a formam. Esses sons se identificam com a lembrança dela que está presente em nossa memória. Tal lembrança constitui uma verdadeira imagem sonora armazenada - é o
significante
do signo maçã. Ao ouvir essa palavra, pensamos numa "fruta vermelha cujo gosto é doce e suculento". Esse conceito, que nos referimos - é o
significado
do signo maçã - e também se encontra armazenado em nossa memória.
O signo maçã, portanto, relaciona-se com dois dados de sua memória: uma imagem acústica, correspondente à lembrança de uma seqüência de sons - o significante - e um conceito, um dado do conhecimento humano sobre o mundo - o significado.

Assim, percebemos a relação dos signos com a cultura. Esses símbolos e signos são as ferramentas que o ser humano utiliza para transportar significados combinados em sistemas (códigos).

SIGNOS E CULTURA
TIPOS DE SIGNOS
-
Signos Lógicos:
transmitem informação sobre a realidade exterior, percebida e racionalizada em sistemas de relações;

-
Signos expressivos ou estéticos:
exteriorizam a experiência interior do Homem sobre a mesma realidade;

-
Signos Sociais:
denunciam a identidade de um indivíduo, sua presença a um grupo ou informa sobre circunstâncias das relações sociais.

Obrigada!
Pra que serve
a
Gestalt
?
O mundo visual é tão complexo que o cérebro humanos desenvolveu estratégias para lidar com a confusão. Nossa mente procura sempre a solução mais simples para um problema
Estes mesmos conceitos que formam os grupos podem ser revertidos para desagrupar os itens afim de torná-los únicos. Essa é a base para a criação da variedade, que dá interesse a uma imagem.
Quais são as Leis Básicas da
Gestalt
?
As leis básicas da Gestalt são 6:

| Semelhança
| Proximidade
| Continuidade
| Pregnância
| Fechamento
| Unidade
Lei da Semelhança
A lei da semelhança dita que objetos similares se agruparão entre si. Na imagem abaixo, a maioria das pessoas vê colunas de quadrados e colunas de círculos. Poucas pessoas vão associar isto como “uma linha horizontal onde quadrados e círculos se intercalam”.
Lei da Proximidade
Elementos próximos tendem a se agruparem, constituindo uma unidade. Elementos vão parecer mais próximos e unificados quanto menor for a distância entre eles. Você nota os 16 círculos, ou os 4 grupos de círculos na imagem abaixo?
Lei da Continuidade
Essa lei dita que pontos que estão conectados por uma linha reta ou curva, são vistos de uma maneira a seguirem um caminho mais suave. Em vez de ver linhas e ângulos separados, linhas são vistas como uma só.
Lei da Pregnância
É chamado também de lei da simplicidade. Ela dita que objetos em um ambiente são vistos da forma mais simples possíveis. Quanto mais simples, mais facilmente é assimilada. Na imagem abaixo, vemos vários círculos em vez de uma forma complexa:
Lei do Fechamento
Elementos são agrupados se eles parecem se completar. Ou seja, nossa mente ver um objeto completo mesmo quando não há um.
Lei da Unificação
Na lei da unificação, mesmo uma imagem abstrata pode ser entendida pela mente humana pois preenchemos os espaços vazios instintivamente, como no logo do Johnnie Walker ou da WWF (um homem caminhando e um urso panda).
OPONTO

O ponto é uma unidade visual mínima, o indicadore marcador de espaço.Qualquer ponto tem um grande poder de atraçãovisual sobre o olho, exista ele naturalmente outenha sido colocado pelo homem em resposta aum objetivo qualquer
A LINHA
A linha é o ponto em movimento. Quando os pontos estão tão próximos entre si que se torna impossível identificá-los individualmente. Ela pode alongar , achatar ou estabilizar. Transmitir delicadeza , movimento e energia.
A FORMA

A linha descreve uma forma. Na linguagem das artes visuais, a linha articula a complexidade daforma. Existem três formas básicas: o quadrado, o círculo e o triângulo eqüilátero. Cada uma das formas básicas tem suas características específicas, e a cada uma se atribui uma grande quantidade de significados, alguns por associação, outros por vinculação arbitrária, e outros, ainda, através de nossas próprias percepções psicológicas e fisiológicas.
Ao círculo, infinitude, calidez, proteção.
Ao quadrado se associam enfado, honestidade.
Ao triângulo, ação, conflito,
tensão.
Todas as formas básicas são figuras planas e simples, fundamentais, que podem ser facilmente descritas e construídas, tanto visual quanto verbalmente. O quadrado é uma figura de quatro
lados, com ângulos retos rigorosamente iguais nos cantos e lados que têm exatamente o mesmo comprimento
Todas as formas básicas expressam três direções visuais básicas e significativas: o quadrado, a horizontal e a vertical (fig. 1); o triângulo, a diagonal (fig. 2); o círculo, a curva (fig. 3).
O TOM
O tom é o atributo distinguível de uma cor. Este varia de intensidade quanto à saturação da cor.
A cor é uma experiencia visual complexa, emocional e significativa.É o tom com um componente cromático. As cores tem uma grande influencia psicológica sobre o ser humano. Quando o Homem tomou consciência desta realidade, aprendeu a usar as cores como estímulos para encontrar determinadas respostas . A cor que durante muito tempo só teve finalidades estéticas, passou a ter também finalidades e funcionalidades práticas. Através dela podemos dar e receber informações.
Podemos apreciar e reconhecer a textura tanto por meio do tato, quanto da visão, ou ainda pela combinação de ambos.
O MOVIMENTO

É um elemento visual implícito, uma sugestão manifestada visualmente. A sugestão de movimento nas manifestações visuais estáticas é mais difícil de conseguir sem que ao mesmo tempo se distorça arealidade, mas está implícita em tudo aquilo que vemos, e deriva de nossa experiência completa demovimento na vida.
exemplo
exemplo
O que é
planejar
?
"folha em branco"
Zonas de

Visualização
Os pontos 1 e 2 correspondem às ZONAS NOBRES:1) zona primária - dentro de uma leitura ocidental, área onde procuramos em primeiro lugar quando olhamos para uma página impressa; 2) zona terminal diagonal - corremos o olho rapidamente, seguindo a linha diagonal visualizando de forma geral os elementos/assuntos da página.
Os pontos 3 e 4 correspondem às ZONAS MORTAS: 3) zona morta - setor que necessita ser valorizado com elementos de destaque para um maior equilíbrio dos elementos, colocando fotos, ou textos em destaque; 4) zona morta terminal – seguimos nosso olhar ao setor quatro procurando novos elementos de interesse.
O ponto 5 corresponde ao CENTRO ÓTICO: Situado um pouco acima do centro geométrico. O centro ótico é o ponto que paramos realmente, atentando para os detalhes. Por isso esta zona central tem a força maior natural para prender nossa atenção.
Por fim, o ponto 6 é o CENTRO GEOMÉTRICO: Depois dessa rápida olhada pela página, focalizamos a vista no ponto central.
PRINCIPAIS PONTOS PARA DEFINIR O ROJETO GRÁFICO
Planejamento

Definir os objetivos e a forma de veiculação facilita eficientemente a criação/produção e eficiência do projeto gráfico junto ao público-alvo.
Importância

Todo elemento gráfico deverá ter a ver com o objetivo.

Não existem tipologias, espaços, ilustrações boas ou ruins. Existem as apropriadas ou impróprias.

Pense no projeto gráfico mais como um meio de comunicação do que para fins decorativos.

Clareza, organização e simplicidade são tão importantes quanto o conteúdo.

Ideias importantes deverão ser valorizadas.
Proporção

Um projeto gráfico eficiente depende de uma boa diagramação, ou seja, da relação de cada elemento com os outros à sua volta.
Detalhe

O menor detalhe errado pode arruinar a diagramação de um projeto.
Restrições

Escolha cuidadosa de poucas e bem desenhadas tipologias, estilos e tamanhos de corpo, poucas cores, etc...
Direção

Guie o leitor através da sua publicação.
Coerência

Manutenção de um estilo integrado.

O grande desafio é equilibrar a necessidade de variedade visual com a coerência.

Coerência, na definição das margens, tipologia, repetição de elementos de apoios, como: fios, colunas, box, cores de fundo, e cor dos elementos de maneira geral.

O previsível e o simétrico resultam em tédio visual.
Contraste
O contraste dá cor à publicação através do equilíbrio entre o espaço dedicado ao texto, ilustrações e espaço em branco.

Documentos atraentes têm um alto índice de contraste. Cada página apresenta suas áreas definidas em “CLARAS” e “ESCURAS”, com muito espaço em branco e ilustrações.

Uma foto maior que as outras, na mesma página, é menos simétrico e mais interessante.

Projeto gráfico eficiente é baseado no equilíbrio entre contraste e coerência.
PRINCIPAIS FATORES

PARA UMA BOA COMPOSIÇÃO
Unidade

Não há elementos discordantes, garantindo subordinação de todos a uma idéia principal.
Harmonia

É a unidade sem violações, com correspondência das partes e proporções convenientes. Estabelecida pela linha e forma, tamanho, idéia e cor.
Simplicidade

Eliminação dos elementos supérfluos, centralizando a atenção nos elementos que realmente importam com clareza e objetividade.
Atmosfera


Clima geral do conjunto, resultado da relação e da harmonia de volumes e espaços.
Equilíbrio

É um fator sensível que, quando existe, só o percebemos pela ênfase que dá à harmonia, mas, se violado, experimentamos rápida sensação de desagrado.
Equilíbrio Simétrico

Eixo central, uma concepção clássica, onde pesos iguais dos dois lados da linha imaginária provocam inércia e monotonia.
TIPOLOGIA
/ ALINHAMENTO DO TEXTO
A legibilidade do seu texto depende do desenho da fonte, do branco necessário em volta da letra para uma boa interpretação e valorização da mesma, do tamanho do corpo utilizado e, também, da forma de alinhamento que você escolher.
Os tipos de alinhamento
Texto alinhada à esquerda:
O texto está alinhado à
esquerda, O texto está alinhado
à esquerda, O texto está
alinhado à esquerda, O texto
está alinhado à esquerda.
Texto alinhado à direita:
O texto está alinhado à
direita, O texto está alinhado
à direita, O texto está
alinhado à direita, O texto
está alinhado à direita.
Texto centralizado
:
O texto está centralizado, O
texto está centralizado, O texto
está centralizado, O texto está
centralizado, O texto está
centralizado
Texto justificado:
O texto está justificado, O texto está justificado, O texto
está justificado, O texto está justificado, O texto está justificado.
Texto justificado total:
O texto está justificado, O texto está justificado, O texto está justificado, O texto está justificado, O texto está justificado.
ESPACEJAMENTO/ESPAÇAMENTO ENTRELINHAS
Ao pegar um anúncio com um texto longo, você pode ter a vontade de ler ou de abandonar. Ás vezes o texto é brilhante, a fonte é agradável, entretanto a página ou o bloco de texto incomoda.

O problema pode estar na entrelinha. Entrelinha é o espaço entre uma linha e outra. Portanto ao diagramar um anúncio, devemos ter muito cuidado com as entrelinhas. Elas têm forte influência da decisão do leitor ler ou não o texto do anúncio.
Um
Símbolo
representa alguma outra coisa, enquanto que um
signo
identifica ou indica algo. Um rótulo numa garrafa, por exemplo, é um signo que indica o seu conteúdo.

Um
signo
pode resultar de uma degeneração de um
Símbolo
original. No início, ele realmente representava algo diferente dele próprio mas, pelo uso constante e habitual, teria perdido seu caráter representativo e se transformado num signo que apenas faça referência a alguma coisa. É o que tem ocorrido, por exemplo, com muitos Símbolos religiosos.
Um Símbolo é também um agente de transmutação de nossas idéias e emoções. E tanto mais ele possua do elemento inconsciente. O psiquiatra C. G. Jung afirmava que os Símbolos atuam como transformadores, conduzindo a libido de uma forma “inferior” para uma forma superior.
Significados

inconscientes
IDENTIDADE VISUAL

Conjunto de elementos gráficos que irão formalizar a personalidade visual de um nome, idéia, produto ou serviço. Estes elementos agem mais ou menos como as roupas, e as formas das pessoas se comportarem. Devem informar, substancialmente, à primeira vista. Estabelecer com quem os vê um nível ideal de comunicação.
Criação de identidade visual

O serviço de criação de identidade visual é bastante procurado pelas empresas que buscam representação conceitual de identidade corporativa, demonstrando assim os valores da corporação perante os clientes.
A criação de identidade visual é um conjunto completo de elementos relacionados à imagem, definindo de forma única os objetivos, perspectivas, missão, foco corporativo e seus respectivos diferenciais. Portanto, a criação de identidade visual é o melhor método a ser usado no ato de diferenciação da identidade da companhia em relação aos concorrentes

1. Compreensão do Negócio

Na primeira fase da criação de identidade visual, realizamos um estudo aprofundado e intenso de alguns temas cruciais, a saber: target, diversidade de produtos e serviços, cultura, percepção visual, etc.
ETAPAS
ETAPAS
2. Formulação do Conceito

Nesta etapa da criação de identidade visual, selecionamos os fundamentais pontos a serem transmitidos.

A partir destes requisitos, é feita a escolha da configuração base de apoio à concepção, determinando: tipografia (com ou sem serifa), cor (utilizando as normas de psicologia das cores) e outras variedades de padrões visuais.
3. Design

A criação de identidade visual correta depende principalmente da agregação de informações concebidas e da experiência, criatividade e ousadia do profissional da área, onde posteriormente ele irá efetuar pesquisas, criando algo inovador e diferenciado. Através desses procedimentos, apresentamos algumas sugestões ao cliente
ETAPAS

Na finalização do processo de criação de identidade visual, desenvolvemos um manual de marca e um manual de identidade visual, abordando exemplos derivados da identidade visual criada, como a criação de um logotipo, papelarias corporativas e regras, evitando o emprego incorreto da marca.
ETAPAS
4. Criação de manual de marca e manual de identidade visual.
Valores

Valores são princípios, ou crenças, que servem de guia, ou critério, para os comportamentos, atitudes e decisões de todas e quaisquer pessoas, que no exercício das suas responsabilidades, e na busca dos seus objetivos, estejam executando a Missão, na direção da Visão.
ETAPAS
Valores

Os valores também podem ser vistos como um conjunto de crenças, ou princípios, que:

- definem e facilitam a participação das pessoas no desenvolvimento da Missão, Visão e dos próprios Valores;

- definem e facilitam a articulação da Missão, Visão e Valores;

- facilitam a colaboração entre os empregados;

- facilitam o comprometimento dos empregados com o mercado, e facilitam o comprometimento dos empregados com a comunidade e a sociedade.
ETAPAS
Criar Logos e Construir Marcas
Logos Ilustrativos
Logos ilustrativos são logos que usam de imagens para agregar significados à marca. É possível ser extremamente literal e ilustrar exatamente o serviço ou o produto oferecido, ou então representar a ideia por trás da empresa, de maneira simbólica, e também representar algum tipo de sentimento relacionado à marca, em vez de ilustrar algo específico.
Estilo Visual

Mais do que criar um logo, é necessário pensar em toda uma programação visual para se ter uma marca com a comunicação visual coerente e fácil de ser assimilada. Isto vai além das aplicações básicas do manual de identidade visual. Muitos esquecem de pensar, por exemplo, nos tipos de imagens que acompanharão os materiais gráficos, quais gamas cromáticas podem ser usadas na identidade visual, etc.
Nichos Estéticos

Imagens trazem poder. Isso quer dizer que uma ilustração ou imagem podem fazer seu projeto de identidade visual ficar mais interessante. Por exemplo, não pense só em um logo, mas também em algum tipo de grafismo, ilustra ou foto que possa ser usado em toda a comunicação. Além de ajudar na identificação da marca, vai trazer sofisticação à comunicação.
Escolhas Cromáticas

Um dos elementos mais importantes de um logo é a cor e uma má escolha cromática pode acabar com qualquer desenho incrível. Todo o cuidado é pouco na hora de optar por tendências e padrões cromáticos muito específicos, que podem parecer antiquados em alguns anos. Além disso, é preciso estar atento às limitações de cor e sempre ter um plano B para conseguir fazer com que o logo seja compreendido integralmente em todas as aplicações.
Aplicações Cromáticas

Cores comunicam emoções e sentimentos. Nosso cérebro é imediatamente afetado pelas cores que vemos.
Por isso, é importante que o padrão cromático escolhido para comunicar uma marca seja coerente em toda a comunicação: site, embalagem, ambiente, etc.
O Poder das Cores

Vocês já perceberam como algumas marcas têm “cores próprias” e imediatamente assimilamos aquela cor à marca, mesmo que o que estamos vendo talvez não tenha nada a ver com a marca em questão? Escolher uma cor única, específica e que converse com o posicionamento da marca pode torná-la um ícone único da comunicação.
Elementos Físicos

É interessante como elementos da comunicação interagem em espaços físicos. Conceitos sugeridos no universo bidimensional como cores, formas, opacidade e contraste podem se tornar extremamente intrigantes quando transferidos ao espaço físico, tridimensional.
Noção de Espaço

Já falamos aqui como o posicionamento da marca deve estar presente em todos os pontos de contato da marca, inclusive em espaços como vitrines, lojas, flagships, escritórios, etc.
Um espaço alinhado com a comunicação da marca pode trazer uma experiência de marca muito envolvente. Boas identidades de marca também são expressadas em espaços, e as maiores marcas do mundo já investem nisso a algum tempo.
Sandra Barbdosa - Mestre em Comunicação, bacharel em Publicidade, Propaganda e Marketing - Aula teste - ETEC Tiquatira
Signo = Significado (conceito mental: ideia) + Significante (imagem acústica/sonora/letras)
Os signos são, então, os responsáveis pela representação de ideias, sendo esses signos as próprias palavras que, por meio da fala ou da escrita, associamos a determinadas ideias.

Toda cultura é vista como um sistema de signos, sendo não apenas simples instrumentos de reflexo das forças sociais, mas sim uma força social (Eco, 2004).
Full transcript