Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Alienação Religiosa

No description
by

aline neumann

on 18 June 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Alienação Religiosa

Milena Flament
Em plena era da clonagem, do conhecimento genético do DNA, centenas de milhares buscam a “salvação eterna” como saída preferencial para a explicação da existência humana.
religiosa
“Temos de colocar no lugar do amor de deus, o amor dos homens, como uma única, verdadeira religião, no lugar da fé em um deus, a fé no homem em si, em sua força, a fé em que o destino da humanidade não depende de um ser fora ou acima dela, mas dela própria, que o único diabo do homem é o próprio homem “– Feuerbach.
Feuerbach
“A alienação é a diminuição da capacidade dos indivíduos em pensar em agir por si próprios, os indivíduos alienados não tem interesse em ouvir opiniões alheias, e apenas se preocupam com o que lhe interessa, por isso são pessoas alienadas. Um indivíduo alienado pode ser também alguém que perdeu a razão, está louco. Em psicologia, o termo "alienação" designa os conteúdos reprimidos da consciência e também os estados de despersonalização em que o sentimento e a consciência da realidade se encontram fortemente diminuídos.”
Karl Marx
A igreja e o estado

Para os momentos atuais, a religião protestante é a que mais se ajusta ao modo de produção capitalista, pois ela possui um discurso que fortalece o individualismo, a “livre iniciativa”, o mercado e o consumismo. As religiões propõem-se ainda a amparar o sujeito que se sente fragilizado na ordem capitalista, que, ao aderir a Deus pelas mãos do pastor, reconhecido como seu instrumento, passa a achar que está entrando num ambiente de fraternidade, solidariedade e dignidade.
Feuerbach, em Essência do cristianismo, afirma que a criatura inventou o criador e, portanto, é ela verdadeiramente o criador. Deus é um reflexo do próprio homem, uma projeção, uma inversão dos desejos humanos, um produto no qual o homem finito precário e dependente projeta seus desejos e possibilidades de perfeição, onipotência. A religião consiste no sentimento mais puro e absoluto do homem. O homem deseja para si o que nele mesmo não encontra, como por exemplo: o ideal de justiça, bondade e virtude. Deus é um homem genérico que idealizamos e que não conseguimos realizar por nós mesmos
Alienação
No Brasil, mais de 90% creem em Deus, segundo dados divulgados pelo IBGE. Nos Estados Unidos, essa porcentagem já ultrapassa os 96%. Além disso, nos últimos dez anos foram criadas cerca de 100 mil novas religiões no mundo
Karl Marx define a religião como uma projeção de nossa realidade terrena para um plano superior metafísico. A religião consiste para ele em um mundo fantástico, criado pela mente humana que tenta dar a certos fenômenos naturais um ar sobrenatural, isto significa que religião com o seu Deus não passa de uma mera ilusão, algo a que não se deve dar crédito.
Os evangélicos e a alienação
“A religião é o ópio do povo, uma verdadeira droga capaz de cegar o indivíduo a tal ponto que este não vislumbre por um longo período, às vezes por toda uma vida, a possibilidade do ser humano, ele mesmo, por si próprio, chegar e tomar a responsabilidade de uma ação conjunta e coletiva para a construção de uma nova realidade.”
Os Evangélicos e as massas
A crença na religião, em especial pelos evangélicos, tem de fato conseguido mobilizar amplas massas. Por ocasião da Semana Santa, por exemplo, em Belo Horizonte, os evangélicos colocaram em praça pública – por ironia na Praça do Papa – nada mais nada menos que 100.000 pessoas; em São Paulo, em uma “Marcha para Jesus”, organizada pela Igreja Renascer, houve uma concentração de aproximadamente 1.000.000 de pessoas.
Aline Neumann n01
Carolina Quinelato n07
Igor Lopes n18
Lucas Braga n26
Full transcript