Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Atividade Experimental de Biologia

No description
by

Lord Kelvin

on 6 June 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Atividade Experimental de Biologia

ATIVIDADE EXPERIMENTAL DE BIOLOGIA: ESTUDO DAS FITO-HORMONAS
Introdução
“As hormonas vegetais ou as fito-hormonas são compostos orgânicos que atuam em doses muito pequenas e são os principais fatores internos de regulação das reações de desenvolvimento e crescimento das plantas”. Os efeitos causados pelas hormonas vegetais podem ser condicionados por diversos fatores, quer intrínsecos (ex: tipo de órgão em que atua; a sua concentração; interação com outras hormonas), quer provenientes do meio ambiente (ex: luz, temperatura, água).

Existem diversas hormonas vegetais, entre as quais podemos destacar as auxinas, as citoquininas, as giberelinas, o etileno e o ácido abscísico. O nosso trabalho irá incidir, exclusivamente, sobre os efeitos de apenas uma fito-hormona: o
etileno
. Esta hormona é produzida e libertada pelas frutas, mas também se encontra presente nas flores, sementes e folhas. O etileno, também designado eteno, é composto por 2 átomos de carbono e 4 átomos de hidrogénio. Apresenta-se naturalmente como gás, pelo que se pode escapar facilmente do tecido de um fruto e passar para outro. É responsável pelo desmembramento de amido em açúcares mais simples. Foi este processo que quisemos estudar com esta experiência. Ao isolarmos dois frutos dentro de sacos, pretendíamos que todo o etileno produzido e libertado pelo fruto variável ficasse retido no saco e contribuísse para o amadurecimento da banana verde, comum a todos os sacos. Além do amadurecimento, o etileno é responsável pela abcisão e a floração.

Na realização desta atividade experimental temos como objetivo principal
explorar os efeitos do etileno: em que frutos é mais abundante e que condições/características influenciam o seu amadurecimento.
Por isso, iremos utilizar diversos frutos maduros e não-maduros - uns serão postos num local à temperatura ambiente, outros permanecerão no frigorífico (a uma temperatura significativamente mais baixa) o que nos permitirá tirar conclusões. Haverá ainda banana não-madura isolada dos outros frutos, servindo de controlo para comparação. Depois de prepararmos tudo, iremos observar e registar as alterações que irão ocorrer durante vários dias. Porém, antes de vermos o que irá acontecer, fizemos algumas suposições:

O etileno é produzido e libertado em maior quantidade por frutos/legumes mais maduros;
Diferentes tipos de frutos libertam diferentes quantidades de etileno;
A temperatura afeta o ritmo de amadurecimento;
A fruta cortada aos pedaços liberta mais etileno comparativamente com a que está inteira.

É pertinente ainda acrescentar que os frutos que nós escolhemos e que estarão em contacto uns com os outros irão ser colocados em sacos ou cobertos por película aderente, isto para que o etileno, que é um gás, fique retido e acelere o processo de amadurecimento de frutos verdes.
Protocolo Experimental
A atividade experimental que realizámos consiste em observar em que frutos é que é mais abundante o etileno e que condições/características influenciam o amadurecimento de frutos. Para isso, juntámos vários frutos e colocámo-los em ambientes com temperaturas diferentes. Assim, pode-se afirmar que a variável dependente da experiência foi o amadurecimento dos frutos, pois foi o que variou ao longo dos dias; e a variável independente foi a temperatura e a presença do etileno.

Para a obtenção das observações anteriormente mencionadas foram necessários os seguintes materiais:
12 bananas não-maduras;
2 pêssegos não-maduros;
4 pêssegos maduros;
4 maçãs maduras;
12 sacos transparentes ou película aderente;
Faca;
Máquina fotográfica;
Frigorífico.

A experiência consiste em:
1. Preparar 12 sacos transparentes ou película aderente para isolar as frutas, tendo em conta a tabela (a cor azul encontram-se os sacos que vão para o frigorífico e a vermelho, os que ficam à temperatura ambiente):








2. Fechar bem os sacos de maneira a não haver entrada ou saída de ar (impedir perdas de etileno);
3. Deixar a fruta nos sacos durante 9 dias;
4. Tirar fotografias e notas todos os dias de maneira a verificar as alterações ao nível da cor da casca da banana.
Resultados
O quadro seguinte apresenta, para cada um dos elementos do grupo, as combinações de frutos a estudar:
Todos os elementos do nosso grupo tinham um saco em comum: o que continha uma banana não-madura sozinha. Esse correspondia ao controlo da experiência, pelo que apenas poderíamos tirar conclusões sobre o ritmo de amadurecimento das bananas dos outros sacos em função dele. Essa banana foi a que verificou uma taxa de amadurecimento mais lenta, visto que todo o etileno que foi aproveitado por ela para o seu amadurecimento proveio de si própria. Por outro lado, a presença de maçã ou pêssego significou uma fonte adicional de etileno, sendo que as bananas que estavam em contacto com eles amadureceram mais rapidamente.

Concluímos, desde já, que a fruta contém diferentes quantidades de etileno, o que levou a diferentes estados de amadurecimento no mesmo intervalo de tempo. Tínhamos inicialmente suposto que a banana, em contacto com fruta madura, amadurecia mais rapidamente do que se se encontrasse com fruta não madura. Essa suposição verificou-se. Podemos observar que, nos resultados, uma banana amadurecia mais rapidamente perante o pêssego maduro do que perante o não-maduro.






Outra das nossas suposições era que a fruta continham diferentes quantidades de etileno. A experiência revelou que era verdade, já que podemos deduzir que a banana, com a maçã, amadureceu mais rapidamente do que com o pêssego. Dessa forma, a maçã terá mais etileno.


Discussão
Observações finais
Podemos concluir, em síntese, que:
• O etileno é produzido e libertado em maior quantidade por frutas mais maduras;
• Diferentes tipos de frutas libertam diferentes quantidades de etileno (a maçã liberta mais etileno que o pêssego);
• A temperatura afeta o ritmo de amadurecimento (a taxa de amadurecimento é menor em ambientes mais frios);
• Não podemos deduzir, a partir dos resultados da experiência, que a fruta cortada aos pedaços liberta mais etileno que se estiver inteira;
• O etileno é incolor e apresenta um odor ligeiro adocicado;
• O amadurecimento consiste num processo em que intervém o etileno e desdobra o amido presente na fruta em açúcares mais simples (mono ou dissacarídeos). Por isso é que as frutas maduras parecem ser mais doces.
Outro fator que procurámos explorar foi a temperatura. Colocámos a hipótese de que influenciava o ritmo de amadurecimento da banana. De facto, este processo foi mais rápido à temperatura ambiente. A fruta que estava no frigorífico amadureceu muito mais lentamente, sendo que, a partir de certa altura, começou a adquirir uma coloração acastanhada. Sabemos que não é apodrecimento, mas sim um processo de rompimento das paredes celulares da banana, o que a torna castanha e mole. Isto acontece, pois a banana não se encontra adaptada a climas frios, como o que quisemos representar no frigorífico:









Verificámos, porém, que uma das nossas hipóteses não pôde ser testada na experiência. Considerávamos que fruta cortada aos pedaços libertava mais etileno. De facto, não pudemos tirar conclusões, visto que o corte da fruta aumentou a sua área de exposição ao ambiente, pelo que oxidou rapidamente e acabou por apodrecer, servindo de habitat ao bolor. Consideramos que este processo foi responsável pelo escurecimento da banana, não constituindo amadurecimento:








Concluímos ainda que o etileno é incolor (não ocorreu nenhuma mudança de cor no interior do saco) e tem um cheiro levemente adocicado. Sentimo-lo ao retirar as frutas dos sacos, no fim da experiência.
O etileno tem diversas funções, tal como: usa-se para rapidamente amadurecer frutos, para promover a floração de determinadas espécies vegetais e acelerar a abcisão de alguns frutos.
Trabalho realizado por:
Ana Rita Franco
Irina Spac
Francisca Guerreiro
Vasco Lobo
Escola Josefa de Óbidos
10ºA
Junho, 2014
Disciplina: BG
Prof.ª Olga
Tema do trabalho: Etileno (fito-hormona)
Bibliografia
http://www.brasilescola.com/quimica/etileno-frutas-maduras-qual-relacao.htm
http://home.uevora.pt/~ueline/quimica_para_todos/a_quimica_por_detras_do_amadurecimento_da_fruta.pdf
http://www.infopedia.pt/$etileno
http://www.infopedia.pt/$acido-abcisico-(aba)
Full transcript