Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

O Sul no Romance de 30: Érico Veríssimo e Dyonélio Machado

No description
by

Almir Júnior

on 24 August 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of O Sul no Romance de 30: Érico Veríssimo e Dyonélio Machado

(1905 - 1975)

Érico Veríssimo
OBRAS
BIOGRAFIA
- Nasceu em Cruz alta, RS, no ano de 1905, vindo de família rica, traçou os caminhos da literatura desde cedo. Faleceu em Porto Alegre, no ano de 1975.;

- Foi bancário, sócio de farmácia e desenhista, até consagrar-se como escritor na Editora Globo;

- Viajou duas vezes aos Estados Unidos, onde ministrou cursos de literatura brasileira;

- Foi um dos melhores romancistas brasileiros. Fez parte do 2º Tempo Modernista. Recebeu o "Prêmio Machado de Assis" com a obra "Música ao Longe" e o "Prêmio Graça Aranha" com "Caminhos Cruzados"

CONTEXTO
- É o representante do romance modernista da Região Sul do Brasil;

- Seus temas abordam os problemas sociais e humanos decorrentes do empobrecimento das famílias latifundiárias e da imigração italiana no Rio Grande do Sul e a crise moral e espiritual da sociedade urbana moderna, cujo cenário é Porto Alegre;

- Podemos dividir a obra de Veríssimo em três fases:



3º "A"
Sul no Romance de 30
E.E.E.F.M GERTRUDES LEITE
Profª Diana Souto
GRUPO
Érico Veríssimo &
Dyonélio Machado

Almir Henriques Gonçalves Júnior
Graziele Alves de Albuquerque
Guadallupe Costa Montenegro
Laís Lima Bezerra
Renata Sousa Mascena
Suel Henrique Gomes da Silva
Tallita dos Santos Simões
"Felicidade é a certeza de que a nossa vida não está se passando inutilmente."
-
Primeira fase
: Romances que tratam da sociedade urbana moderna: Fantoches, Clarissa, Caminhos Cruzados, Música ao Longe, Um Lugar ao Sol, etc.

-
Segunda fase
: O Tempo e o Vento - trilogia épica que narra a saga de uma família, desde o século XVIII até o século XX, retratando o passado histórico e a formação social e política do Estado do Rio Grande do Sul.

-
Terceira fase
: O Senhor Embaixador; O Prisioneiro e Incidente em Antares. Fase de postura universalista, crítica e comprometida com os problemas políticos e sociais.
OBRA PRINCIPAL - RESUMO
A obra
"Clarissa"
mostra através do olhar otimista de uma jovem o cotidiano em que ela vive, e como enxerga as pessoas que moram ali. A obra faz um retrato do Brasil na década de 1930 e tenta mostrar as mudanças que aconteciam naquele período:

"Aos 13 anos Clarissa se muda de uma cidade do interior para a capital, onde vai estudar para ser professora. Ela se muda para a pensão de sua tia Eufrasina.
Acredita-se que a cidade para qual Clarissa se muda é Porto Alegre devido a algumas descrições, no livro o autor não especifica a localidade...
Na pequena pensão ela conhece a infiel Ondina e seu marido Barata; Tonico um menino com deficiência física e sua mãe Dona Tatá; Levinsky, um judeu comunista e; o músico Amaro que é apaixonado por Clarissa.

Amaro é um personagem que chama atenção, ele é um bancário que sonha em ser pianista e está sempre compondo. Ele possui uma paixão secreta e platônica por Clarissa. A personagem principal se torna amiga de Tonico, um menino deficiente que tem apenas a mãe, uma pessoa simples que precisa trabalhar de costureira para sustentar o filho. Clarissa chega a ter contato com o Dr. Maia que mora na casa rica ao lado da pensão. Quando o menino Tonico morre, ela passa a fantasiar um romance com ele..."



Não há grandes reviravoltas ou emblemas dramáticos nesta obra. A menina relata com naturalidade e certa inocência o que acontece a sua volta, a única grande revelação da obra é quando ela descobre que dona Ondina é casada com um caixeiro viajante, Barata, e possui um caso com Nestor, um solteirão de boa vida.

A maneira como Veríssimo narra a história prende o leitor, assim como a riqueza de detalhes, é possível ter uma ideia de como eram as coisas no Brasil durante esse período.

A obra marca o início de uma atividade criadora no qual Érico Veríssimo elevou o romance sulino ao seu ponto mais alto.
Dyonélio Machado
(1895 - 1985)
"O que nos cerca e aprisiona é o infinito, a falta de horizonte próximo, que marque uma etapa, como quem diz: uma finalidade...
A ansiedade, porém é a mesma."
BIOGRAFIA
- Gaúcho de Quaraí, foi romancista, contista, ensaísta e psiquiatra. Órfão de pai, passa a trabalhar desde jovem, como vendedor de bilhetes de loteria, balconista e monitor de classes atrasadas na escola pública;

- Deu início a sua carreira literária com a obra Um Pobre Homem. Dedicou-se também ao jornalismo e à militância política, sendo eleito Deputado Estadual pelo Partido Comunista Brasileiro;

- Recebeu o “Prêmio Machado de Assis” de 1934 por sua obra mais conhecida: Os Ratos;

- Faleceu em Porto Alegre, no dia 19 de junho de 1985.

CONTEXTO
Envolvidos com a crise econômica e política da época, a segunda geração modernista, ocupou-se com a discussão e a retratação da realidade brasileira gerada pela ditadura que se instalou no Brasil com Getúlio Vargas e as relações entre o homem e o mundo.

Retrata em sua obra os aspectos sociais e a dimensão subjetiva de maneira equilibrada, Dyonélio Machado participa da linhagem que, na esteira do romance de 30, alterna o ponto de vista sobre a sociedade e a narrativa psicológica para analisar a vida de personagens pobres no interior do Brasil.

OBRAS
-
Os Ratos
, sua obra de maior destaque.

-
Um Pobre Homem
, onde o autor alia a preocupação estética ao interesse por personagens marginalizados

- Entre outras, como:
Uma Definição Biológica do Crime, O Louco do Cati, Desolação, Passos Perdidos, Os Deuses Econômicos, Prodígios, Endiabrados, Sol, Subterrâneo, Nuanças, Fada, Ele vem do Fundão.

OBRA PRINCIPAL - RESUMO
Os Ratos
, publicado em 1935, considerado o mais importante do autor.

O livro nasceu de um pedido do escritor Erico Verissimo para participar de um concurso literário. Narra um dia na vida de um funcionário público, Naziazeno Barbosa, um cidadão comum que acorda com um sério problema...
"Naziazeno é um reles funcionário público que dispõe de apenas um dia para pagar a dívida com o leiteiro do bairro, que o intima a liquidar suas contas atrasadas sob ameaça de corte no fornecimento de leite...

Então, ele pega o bonde que leva à repartição onde trabalha e onde planeja pedir dinheiro emprestado ao diretor da repartição, seu chefe, e recorrer ao amigo Duque.

Quando chega à repartição, seus planos vão por terra: não consegue encontrar o chefe nem seu amigo Duque. Quando finalmente defronta-se com o chefe, este recusa-se emprestar a quantia, agravando ainda mais sua condição psicológica. Angustiado, Naziazeno consegue algum dinheiro emprestado para apostar na roleta. Ao chegar no cassino, Naziazeno pensa em apostar em apenas um número, porém se arrepende, e acaba apostando em cinco números diferentes, incluindo o que estava disposto a apostar...
Por azar, o resultado acaba sendo bem aquele que ele iria apostar sozinho e, em vez dos cento e setenta e cinco mil-réis que teria ganho se tivesse apostado em um único número, ele ganha quinze mil-réis; guarda dez no bolso e pega cinco, com os quais compra mais fichas de aposta, na esperança de multiplicar seus ganhos. Porém, ele perde tudo.

No fim do dia, encontra os amigos Alcides e Duque, e os três procuram casas de agiotas, sem sucesso. Duque convence Alcides, que possui um anel penhorado com um agiota, a reavê-lo e renovar a penhora com outro agiota. Porém, para recuperar o anel, o trio é levado a fazer um empréstimo com outro agiota, Mondina...

Com o anel em mãos, Naziazeno e Alcides são instruídos por Duque a procurar Dupasquier, um comerciante de ouro. Mas conselho de Duque não logra êxito, já que Dupasquier trabalha apenas com venda, não com penhora. Quando finalmente os três conseguem negociar o penhor do objeto, e conseguem o dinheiro, Naziazeno chega em casa, exausto, e pensa e repensa o dia que passara, em estado psicológico abalado e de crescente angústia. O clímax da paranóia chega à forma de uma alucinação: seu subconsciente devaneia uma legião crescente de ratos que, com o passar do tempo, roem o dinheiro que obtivera, reduzindo-o a migalhas. Ele fantasia ouvir o barulho dos ratos na cozinha, nos pratos, nas panelas, na mesa.

De repente, tudo fica em silêncio, e Naziazeno se dá conta que está sentado na cama, ao lado de sua mulher, Adelaide. Ele fica insone por horas a fio, até o amanhecer. Naziazeno só dorme após perceber o leite sendo deixado à porta de sua casa."
"Uma vez, há muitos, muitos anos, um menino olhou o mundo com olhos interrogadores. Tudo era mistério em torno dele. Era numa casa grande. O arvoredo que a cercava amanhecia sempre cheio de cantos de pássaros. O mundo não terminava ali no fim daquela rua quieta, que tinha um cego que tocava concertina, um cachorro sem dono que se refestelava ao sol, um português que pelas tardinhas se sentava à frente de sua casa e desejava boa tarde a toda a gente. Não. O mundo ia além. Além do horizonte havia mais terras, e campos, e montanhas, e cidades, e rios e mares sem fim. Dava em nós vontade de correr mundo, andar nos trens que atravessavam as terras, nos vapores que cortam os mares. Nos olhos do menino havia uma saudade impossível, a saudade de uma terra nunca vista." -
Clarissa, de E. Veríssimo

FIM
Full transcript