Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Falhas mercado e papel do estado na economia

Trabalho de Economia referente ao capítulo 8 do livro "Princípios de Economia"
by

Ohana Lopes

on 19 July 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Falhas mercado e papel do estado na economia

As FALHAS DO MERCADO e o Papel do Estado na Economia
Introdução
Falhas do mercado:
Concorrência imperfeita
Externalidades
Informação imperfeita

Consequência Intervenção do Estado

Falha do Mercado
Surgem quando não se incluem nos preços de mercado certos efeitos secundários da produção ou do consumo
Os bens públicos e os recursos comuns
Os bens públicos podem ser considerados como um agente de externalidade positiva, ou seja, beneficiam todos aqueles que os utilizam,de forma indivisível indepentemente daqueles que querem ou não comprá-los.Se baseiam em mercadorias ou serviços os quais serão requisitados por um indivíduo.
Informação Imperfeita
Ocorre quando os consumidores e os produtores não possuem informações suficientes para tomar decisões bem fundamentadas.
Impostos e Equidade
Visando um sistema tributário equitativo, ou seja, onde os impostos sejam justos e ocorra uma divisão aceitável da carga, usa-se dois grandes princípios organizativos: o princípio do benefício e o princípio da capacidade contributiva.
Grupo
Caio Maia
Flávia Werneck
Natalie Fernandez
Ohana Paula Lopes
Externalidades
Efeitos negativos
Efeitos positivos
Rivalidade e Exclusão
Externalidades
Negativas
Poluição
Fazem os mercados produzirem uma quantidade maior que a socialmente desejável
Os bens privados apresentam duas características básicas:


Rivalidade - Trata-se do consumo de um bem ou de um serviço por um determinado indivíduo impedindo que um outro o consuma.

Exclusão - Trata-se da capacidade de impedir aqueles que não pagam.

Portanto ao contrário dos bens privadados,os bens públicos não apresentam rivalidade e exclusão.
Externalidades
Positivas
Educação Superior
Faz com que o mercado produza uma quantidade menor que a socialmente desejável
Informação Assimétrica
Ocorre quando as informações sobre a qualidade e as características dos bens e serviços que são comercializados não estão distribuídas de forma simétrica entre consumidores e produtores.
Soluções Privadas às Externalidades
Mercados de Seguros
Teorema de Coase
Se as partes privadas podem negociar sem nenhum custo a alocação dos recursos, podem resolver por si mesmas o problema das externalidades
Bens públicos , falhas do mercado e o consumidor carona
- Funcionam de forma eficiente quando existem muitos riscos, que sejam relativamente independentes, e onde as probabilidades podem ser calculadas com certa precisão.
- Para que seja possível reunir os riscos e classifica-los de maneira que um grande risco para uma pessoa seja um pequeno risco para muitas.
- Evitam o risco moral.
Instrumentos do Estado para Combater as Externalidades
Risco Moral
Existe quando a existência do seguro altera o comportamento das pessoas, desestimulando-as de prevenir ou evitar o evento prejudicial, conseqüentemente alterando a probabilidade de ocorrência do mesmo.

Alguns riscos porém não são cobertos por seguros privados ou então têm preços proibitivos, devido a seleção adversa.
Quanto aos bens públicos, a falha do mercado se manifesta a partir de uma oferta insuficiente do bem em questão.

Essa situação pode acontecer pois,como um bem público é não excludente,o custo de produção é alto logo sua oferta é ineficiente.Outro fator que envolve essa questão é o lucro marginal ser 0,ou seja, uma unidade adicional de um bem, consumida por um indivduo não diminuirá a quantidade disponível para outros.

Consumidor Carona: é aquele que usufrui de bens mas evita pagar por eles uma vez que que não pode ser excluído,torna-se esse tipo de consumidor
Seleção Adversa
Ocorre quando as pessoas que correm os maiores riscos são as que mais provavelmente comprarão o seguro.
O mercado de automóveis usados
Os automóveis usados são vendidos por muito menos do que os novos porque existe informação assimétrica sobre a sua qualidade: o vendedor sabe muito mais sobre o automóvel usado do que o possível comprador.

O efeito de seleção adversa é observado quando a queda dos preços é seguida pela queda da qualidade média dos carros usados que estão à venda no mercado.
Funções do Estado
O Estado e a Atividade Econômica
Impostos:
Incidência de um Imposto
Gastos:
Regulação:
Reduzem a renda privada
Reduzem o gasto privado
Custeiam gastos públicos
Desestimula/incentiva determinadas atividades
Recursos comuns

Compra de bens
Serviços
Salários dos funcionários públicos
Previdência social
etc.
Recursos comuns são aqueles cujos serviços são utilizados tanto na produção e no consumo embora não seja de nenhum indivíduo particular.são bens rivais e não excludentes.

Em certos momentos,os recursos comuns são
utilizados de uma forma mais intensa do que é desejado segundo a sociedade,esse fenômeno é conhecido como tragédia dos bens comuns.
Controle da atividade econômica
Leva os indivíduos e empresas a realizar determinadas atividades ou a abster-se de outras
Quem suporta a carga de um imposto?
Falha do Mercado
Sobre os consumidores
Sobre os vendedores
Sobre os dois
Incidência de um imposto sobre os consumidores
Incidência de um imposto sobre vendedores
A divisão da carga do imposto entre compradores e vendedores
Impostos e Eficiência
Quais são os custos dos impostos para os contribuintes?
Transferência de dinheiro do contribuinte
Perdas de eficiência
Carga tributária
Princípio do Benefício
Sistema eficiente:
Poucas perdas de eficiência
Pouca carga tributária
Baseia-se na ideia de que os indivíduos devem pagar impostos segundo os benefícios que os serviços públicos lhes proporcionam.
Princípio da Capacidade Contributiva
Baseia-se na ideia de que os impostos devem ser estabelecidos de maneira que cada pessoa pague na medida de sua capacidade de suportar a carga.
Princípio da Equidade
Equidade Horizontal
Os indivíduos essencialmente iguais devem pagar os mesmos impostos.
Equidade Vertical
Os indivíduos com capacidade maior para pagar impostos devem pagar valores maiores.
Princípio da Neutralidade
Considera-se que o sistema de impostos deve perturbar o mínimo possível as forças do mercado.
Princípio da Simplicidade
Busca-se um sistema fiscal cuja aplicação prática seja fácil e os objetivos de arrecadação sejam cumpridos.
Classificação dos Impostos
O Estado e a regulação
Os sistemas tributários vigentes seguem o princípio da capacidade contributiva, se diferenciando quanto ao ritmo em que os impostos sobem de acordo com o aumento da renda.
Podemos classificar os impostos da seguinte maneira:
A regulação da economia pelo Estado se baseia no conjuntos de normas que venham permitir a concorrencia perfeita e atingir a eficiência econômica que visam por consequência limitar o poder de monopólios e oligopólios.
Regulamentações sociais
Medidas baseadas no mercado
A regulação da atividade empresarial
Existem dois mecanismos da regulação que são:

Tradicional:Se baseia em ordens bem diretas e específicas para que as empresas as adotem ou simplesmente deixem de produzir certo bem.


Liberal:Se baseia em ideias liberais ao invés das tradicionais em que surge a ideia de incentivos fiscais em que se utiliza de ferramentas do próprio mercado para obter objetivos mais eficientes.
Há dois tipos de regulação que são:

regulação econômica: Consiste em normas que visam controlar as decisões de uma empresa quanto aos preços,vendas e produção.

regulação social: Consiste em por exemplo proteger o meio ambiente, saúde e a segurança dos trabalhadores e consumidores,ou seja,tenta miniminizar os efeitos de externalidades negativas.
A regulação e o poder mercado
O Estado quando necessário, tem o papel de intervir que monopólios e oligopólios abusem de seu poder no mercado.

O Estado regula os monopólios naturais de bens que são extremamente necessários.Nesse contexto surge o conceito de economia de escopo que nada mais é que um determinado monopólio natural em que uma empresa fornece de forma mais eficiente um determinado bem do que um conjunto de empresas.
A regulação do monopólio: uma análise gráfica
Como o Estado tem o papel de regular a ação de monopólios,existem certos tipos de mecanismos de regulação que são:

Regulação miníma: consite em fixar um determinado preço obtendo grandes lucros.Diante disso,é cobrado um determinado imposto que força a empresa a reduzir seus lucros e devolver uma certa parcela aos consumidores.
Fixação de preços(custo médio): Consite em fixar o menor preço possível sem permirtir que a empresa monopolista saia do mercado.
Fixação de preços(custo marginal):

Consiste em fixar o preço igualando-o ao seu custo marginal que pode possibilitar em perdas para empresa a não ser que tenha um subsídio suficiente para cobrir essas mesmas.
Na prática,a fixação de preços(custo médio) é a mais empregada.
Os resultados da regulação
Ás vezes a intervenção do Estado na economia pode acarretar em efeitos indesejáveis pois os beneficiados pela regulação nem sempre são aqueles que consumem mas sim o que produzem.
Eficiência
Estabilidade
Equidade
Política monetária
Política fiscal
Evitar flutuações cíclicas
Limitar poder de mercado
- monopólios
- oligopólios
Informar os consumidores
Minimizar as falhas
Distribuição de renda
Medição da Renda
Curva de Lorenz
Índice de Gini
Área de desigualdade
Área 0O'O''
IG =
Mudanças no Nível de Renda
O ciclo vital é o padrão regular da evolução da renda ao longo da vida
Proporcional
Se os contribuintes de renda alta e de renda baixa pagam a mesma proporção de sua renda.
Regressivo
Se os contribuintes de renda alta pagam uma proporção menor de sua renda em relação aos contribuintes de renda baixa.
Progressivo
Se os contribuintes de renda alta pagam uma proporção maior de sua renda em relação aos contribuintes de renda baixa.
30
Indireto
50
São os impostos arrecadados sobre os bens e serviços, logo, afetam o contribuinte apenas de maneira indireta.
Direto
São os impostos arrecadados sobre os indivíduos ou empresas, não sobre os bens.
Taxa média de imposto
Início profissional
Renda baixa
É o quociente entre os impostos totais pagos e a renda total.
Taxa marginal de imposto
É o quociente entre os impostos adicionais pagos e um real adicional de renda.
Imposto de valor fixo
Mais experiente
Aumento da renda
Determina que todas as pessoas paguem o mesmo montante.
Incidência fiscal
Analisa a influência do programa de impostos e transferências do Estado em seu conjunto.
Aposentadoria
Declínio da renda
Nível de vida depende mais da renda obtida ao longo de toda a vida que da renda do ano em particular
Renda média ou esperada de uma pessoa, ou seja, é uma previsão dos recursos com que se poderá contar
Renda Permanente
Equilíbrio Competitivo
Eficiência Econômica
"Mão invisível'' de Adam Smith
Ao promover o interesse pessoal, a indivíduo acaba por promover o interesse geral e o bem comum.
Eficiência de Pareto
Uma situação é pareto-eficiente quando não é possível aumentar o bem-estar de uma pessoa sem diminuir o de outra
A quantidade produzida e consumida maximiza a soma do excedente do produtor e do consumidor
Renda Transitória
Taxa de Pobreza
Desvios aleatórios da renda corrente em relação a renda permanente. A renda corrente pode ser ora maior, ora menor que a renda permanente
Porcentagem da população cuja renda familiar é inferior a um nível absoluto, conhecido como linha de pobreza.
Estado de Bem-Estar
Supõe que o Estado modifica as forças do mercado a fim de proteger os indivíduos de determinadas contingências e lhes garantir um nível mínimo de vida
Full transcript